quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Sobreviventes


Foram quase 30 minutos, durante a segunda parte, em que a equipa foi encostada às cordas, como antes nunca tinha acontecido nesta presente época. As muitas lesões que nos têm afectado começam a apresentar a factura. Com um "11" muito diferente do habitual, se calhar o FCP não podia mesmo aspirar a mais do que este empate final, perante um Besiktas que é a melhor equipa turca dos últimos larguíssimos anos e que justificou o apuramento.

Surpreendentemente, S.Conceição fez apenas duas alterações durante todo o encontro, a primeira das quais quase ao minuto 80. Com a equipa muito cansada e sem nunca conseguir verdadeiramente o controlo da partida, este terá sido mais um sinal enviado à SAD do que propriamente uma opção táctica: reforços precisam-se e com urgência.

Regressando à primeira parte, uma vez mais o FCP conseguiu um golo de muito pouco, o que até poderá ser visto como algo de positivo, desde que não se abuse do facto.
Jogada estudada e Ricardo Pereira a fazer, praticamente, a única coisa positiva que se lhe viu: um cruzamento perfeito para Felipe inaugurar o marcador.
A vantagem não era muito justificável em termos estatísticos e, por isso mesmo, ninguém ficou verdadeiramente espantado com o empate ao caír do pano dos primeiros 45 minutos. Talisca, uma vez mais, facturou numa boa jogada em que faltou alguém naquela nossa defesa (Marcano?).

Visto o empate interessar a ambas as equipas, foi com alguma surpresa que se assistiu àquela entrada de rompante dos turcos no segundo tempo. O FCP defendeu como pode e sobreviveu, com sorte (bola ao poste), mas também mérito (boa defesa de Sá a grande remate de Quaresma).

Contra a corrente, Ricardo Pereira teve uma oportunidade flagrante de golo que desperdiçou de forma infantil.
Seria, reconheça-se, de uma injustiça tremenda para o Besiktas, caso o FCP tivesse vencido a partida.
Finalmente, nos últimos 15 minutos, os turcos tiraram o pé do acelerador e, dessa forma, conseguimos descansar um pouco.

E, com este empate que foi melhor resultado que exibição, não dependemos agora de mais ninguém.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

E o SLB revelou um… power point


Na véspera do programa semanal ‘Chama Imensa’, da BTV, o SLB anunciou, no seu site oficial, que iria fazer revelações bombásticas, acerca daquilo que designou o “novo Apito Dourado”.

Visto o programa (transmitido ontem), o que é que o SLB revelou?

Documentos comprometedores para elementos ligados, direta ou indiretamente, ao FC Porto?
Não.

E-mails suspeitos trocados entre elementos ligados, direta ou indiretamente, ao FC Porto e agentes das estruturas do futebol português (FPF, Liga, arbitragem, TAD)?
Não.

SMS confidenciais trocados entre elementos ligados, direta ou indiretamente, ao FC Porto e agentes das estruturas do futebol português?
Não.

Escutas de conversas telefónicas entre elementos ligados, direta ou indiretamente, ao FC Porto e agentes das estruturas do futebol português?
Não.

O que o SLB apresentou foi um… power point!
Um power point feito pelo próprio SLB, baseado em… nada. Ou melhor, baseado em teses mirabolantes, sem qualquer suporte em provas, filmagens, fotografias, documentos, e-mails, SMS ou escutas. Absolutamente nada.

Contudo, José Marinho, elemento do departamento de comunicação do SLB, anunciou que tem um e-mail. Um “e-mail de um alto dirigente da FPF para um diretor-geral da SAD do FC Porto”, mas que o SLB não divulga, porque está “a ser analisado pelas autoridades” e as autoridades “não podem fazer tudo ao mesmo tempo”.

A sério?
Fantástico!

Em 1996, numa entrevista ao semanário EXPRESSO, Artur Jorge, depois de ter passado pelo SLB como treinador, disse que o benfica era um circo.

21 anos depois desta afirmação, o SLB tratou de arranjar uns palhaços (sem ofensa, principalmente para os palhaços), para o seu departamento de comunicação…


P.S. Entretanto, no jornal O JOGO de hoje, um dos principais visados no power point do SLB - Monteiro da Silva, vice-presidente do Conselho de Arbitragem da AF Braga -, veio confessar que era… benfiquista! E, para que não ficassem dúvidas, acrescentou que era assinante da BTV e, no passado, tinha aderido à "Operação Coração" e comprado 500 ações da Benfica SAD. Ó José Marinho, que grande tiro no pé!

Monteiro da Silva, O JOGO de 21-11-2017

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

5 minutos à Porto, já depois dos 90

E bastaram.
Mas Sérgio Conceição voltou a arriscar com um "11" sem Brahimi. O argelino é absolutamente imprescindível no FCP actual. Ainda para mais com Corona e Hernâni completamente fora de forma.


E tudo começou bem demais: um golo aos 5 minutos é coisa que raramente nos acontece e parecia que teríamos um jogo tranquilo pela frente de modo a poupar as pernas para a Liga dos Campeões.
Errado. O Portimonense é uma bela equipa de contra-ataque e chegou ao fim da primeira parte com mais ataques do que o FCP. Vítor Oliveira não é mesmo um treinador qualquer.
O empate surgiu até com alguma naturalidade, em lance em que diversos jogadores falharam: Ricardo Pereira, Corona e Casillas.
O espanhol, que estava de regresso, não deu propriamente um frango mas poderia ter feito mais.

Na segunda parte pouca coisa mudou para melhor. A coisa estava de tal forma má que Conceição nem esperou quase nada para fazer entrar Brahimi. Mas com este actual Óliver e A.André no meio, só por engano o FCP consegue criar perigo. Aboubakar também não parecia muito inspirado. O Portimonense marcou um grande golo e aí as coisas ficaram realmente negras.
Tudo mudou com a entrada de Layún que, embora falhando aqui e ali, entrou de tal forma com gás que nem se percebia quem era o jogador mais avançado pela direita: se ele ou se o apagado Ricardo Pereira. A expulsão posterior de um defesa algarvio, foi o despoletar de um final de jogo empolgante.
Já com o nosso treinador de fora do banco, Alex Telles descobriu o caminho certo para a desmarcação de Aboubakar que, como os bons pontas de lança, não falhou no momento decisivo. Se o tivesse feito, o FCP teria sido eliminado, já hoje, da Taça de Portugal. Mas o FCP queria mais e tudo fez para evitar mais 30 minutos dolorosos. Os 7 minutos de desconto (aleluia!), dariam ainda tempo para mais um golo. O jovem André Pereira, lançado às feras logo no momento mais difícil da partida, cruzou para Aboubakar que não conseguiu controlar a bola que, por sua vez, acabaria nos melhores pés possíveis: os de Brahimi. Este não falhou e foi a festa completa num Dragão pouco habituado a estes golos tardios.

O scp também marca alguns nestas alturas finais das partidas, mas os dois desta noite foram 100% de acordo com as regras do futebol.

domingo, 12 de novembro de 2017

Dos e-mails à REDE ENCARNADA

Investigação ao caso dos e-mails no principal telejornal da TVI

Em 10 de junho passado, uns dias após o Diretor de Informação e Comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, ter iniciado a bombástica revelação pública de e-mails, que nos últimos anos foram trocados entre diferentes personagens com ligações ao SLB, eu publiquei um artigo (Oremos pelos “padres” pecadores), onde escrevi o seguinte:

«Chegados a este ponto, pode dizer-se que todos os objetivos imediatos (de curto prazo), resultantes da denúncia feita no último ‘Universo Porto da Bancada’, foram alcançados. Eu diria mesmo que foram ultrapassados, tal foi o impacto mediático e a desorientação evidente que provocou nos “milhafres” de carnide, que mais parecem galinhas tontas.»

De facto, os benfiquistas ficaram atarantados, sem saber o que fazer ou dizer e, em termos de reações, houve de tudo. Silêncios ensurdecedores, falhas de memória seletivas, reações envergonhadas, não-reações e até confissões implícitas (do tipo “vocês fizeram parecido”).

Cinco meses depois, a partir da revelação de outros e-mails (feitas no Porto Canal, no jornal EXPRESSO e na revista SÁBADO), tudo é muito mais claro. Os adeptos do futebol e o público em geral, ficaram a saber que a rede de poder e de influências montada pelo SLB é enorme e abrange, ou abrangeu, todas as áreas do futebol português, nomeadamente:

- um ex-Presidente da Liga de Clubes (Mário Figueiredo);

- um ex-Presidente da Assembleia Geral da Liga de Clubes (Carlos Deus Pereira);

- um ex-VicePresidente do Conselho de Arbitragem da FPF, responsável pela classificação dos árbitros (Ferreira Nunes);

- vários ex-delegados da Liga (com destaque para Nuno Cabral, o “menino querido”);

- um ex-responsável pela nomeação dos delegados (o engenheiro Fidalgo);

- um ex-árbitro da AF Braga (Adão Mendes);

- um membro do Tribunal Arbitral do Desporto (Miguel Lucas Pires);

- um ex-presidente da Comissão Disciplinar da Liga e atual membro do TAD (Ricardo Costa);

E, claro, o presidente e vários elementos da estrutura do SLB (Luís Filipe Vieira, Paulo Gonçalves, Pedro Guerra).

Chegados a este ponto, a grande novidade dos e-mails não foi revelar que havia (há) uma vasta rede subterrânea a “trabalhar” em prol do SLB. Mesmo sem termos acesso às provas digitais/documentais que foram divulgadas, isso há muito tempo que era óbvio (em março de 2014, eu publiquei um artigo que intitulei Os aliados e “criadas de servir” de Vieira).

O grande mérito dos e-mails foi o de identificar, de forma inequívoca, vários rostos desta rede, revelar uma extensa teia de ligações, que envolveram os mais altos responsáveis do SLB e mostrar o refinamento a que se chegou nos métodos adoptados para ganhar jogos e campeonatos.

O esquema seguinte, publicado no JN, mostra apenas uma parte da REDE ENCARNADA.

Ligações entre diferentes rostos da Rede Encarnada (JN)

Cinco meses depois, este caso deixou de ser, unicamente, um caso de e-mails divulgados no Porto Canal.
Este caso “saltou” dos programas do Porto Canal para a generalidade da comunicação social, fez capa em jornais insuspeitos de terem uma agenda portista e chegou às televisões generalistas, mesmo aquelas cuja orientação é mais pró-SLB e anti-FCP.

Duas capas do Correio da Manhã de Junho de 2017

Investigação ao caso dos e-mails (Jornal 8 da TVI)

O mailingate, a rede de influências (Tempo Extra, SIC Notícias)

E o impacto deste caso é cada vez maior, como o próprio SLB reconhece. Por exemplo, no recurso que apresentou no Tribunal da Relação à sentença do Tribunal Cível do Porto, o qual recusou a providência cautelar que visava proibir o diretor de comunicação do FC Porto de continuar a divulgar e-mails, o SLB refere que a contínua divulgação de mensagens de correio eletrónico dos seus dirigentes, tem provocado um enfraquecimento da ligação emocional dos adeptos ao clube.
Pudera, ao verem revelado publicamente o “segredo” de como foi ganho o treta campeonato, quem é que não ficaria emocionalmente afetado?

Cinco meses depois, penso que devíamos deixar de chamar a este caso o “caso dos e-mails”. Os e-mails são, apenas, um elemento de prova (como seriam escutas, se algum juiz tivesse a coragem de pôr os telemóveis do presidente do SLB ou de Paulo Gonçalves sob escuta).

Este caso deve ser designado de acordo com o cerne da questão, isto é, como o caso da REDE ENCARNADA (ou algo parecido), porque é disso que se trata. Continuarmos a chamar a este caso o “caso dos e-mails” é desviar o foco para o assessório e um favor que fazemos ao SLB.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Basquetebol com um começo difícil

FC Porto x Kapfenberg Bulls

Após a surpreendente vitória no primeiro jogo oficial (em Israel), a equipa de basquetebol do FC Porto averbou seis derrotas seguidas.

FIBA Europe Cup (FEC):
03-10-2017: Bnei Herzliya x FC Porto (65 - 68)
11-10-2017: FC Porto x Bnei Herzliya (83 - 85)
18-10-2017: KK Mornar x FC Porto (81 - 70)
25-10-2017: Kataja BC x FC Porto (88 - 84)

Liga Portuguesa de Basquetebol (LPB):
07-10-2017: FC Porto x Illiabum (76 - 80)
15-10-2017: FC Porto x UD Oliveirense (78 - 93)
21-10-2017: SL Benfica x FC Porto (77 - 71)

Seis derrotas seguidas é algo inédito, o que fez com que tivesse lido, nas redes sociais, alguns adeptos portistas a desconfiar deste plantel, desta equipa e deste treinador.
Foi com este peso aos ombros, que a equipa de basquetebol se deslocou aos Açores (Ilha Terceira), de onde regressou com duas vitórias em dois jogos.

28-10-2017, LPB: Terceira Basket x FC Porto (75 - 81)
29-10-2017, LPB: SC Lusitânia x FC Porto (84 - 93)

A que se seguiram mais duas vitórias no Dragão Caixa: frente à equipa austríaca do Kapfenberg Bulls (com um cesto no último segundo!) e contra o Galitos do Barreiro, no passado fim-de-semana.

01-11-2017, FEC: FC Porto x Kapfenberg Bulls (85 - 84)
04-11-2017, LPB: FC Porto x Galitos (83 - 67)

11 jogos (oficiais), 5 vitórias e 6 derrotas.
Está a ser um inicio de época de altos e baixos, mas quem acompanha de perto esta modalidade e, particularmente, a equipa de basquetebol do FC Porto, não pode ficar muito surpreendido.

Sem assistir aos treinos, nem estar por dentro do que se passa no balneário, parece-me que são várias as razões para este começo difícil.

1) Alterações à Equipa
Da época passada para esta, houve uma mudança radical na equipa do FC Porto. Do cinco-tipo (cinco mais forte) da época passada, só continuou um jogador (Sasa Borovnjak). Ora, perceber o que o treinador pretende, as jogadas ensaiadas, na defesa e no ataque, os mecanismos e sincronismo entre os jogadores, é algo que não se adquire de um dia para o outro. Exige muitos treinos e muitos jogos.
Neste aspeto, penso que a equipa irá melhorar substancialmente. Só pode.

2) Lesões
Um dos três novos americanos – Will Sheehey – lesionou-se (com alguma gravidade), esteve quatro semanas sem sequer treinar e só pôde dar o seu contributo, embora de forma limitada, a partir do 7º jogo oficial (na deslocação à Finlândia, para defrontar o Kataja).
Apesar do atraso na integração e no conhecimento dos companheiros de equipa, o regresso de Will Sheehey, que está a ser gradual, irá fazer subir os patamares qualitativos desta nova equipa (porque é de uma nova equipa que se trata) de basquetebol do FC Porto.

3) Calendário e Viagens
Na fase mais difícil deste calendário inicial, entre os dias 3 e 29 de outubro, a equipa de basquetebol disputou nove jogos, dos quais seis fora de casa. Para se fazer uma ideia das dificuldades que a equipa teve nesse período, na semana em que foi jogar a casa do KK Mornar (no dia 18 outubro), a equipa partiu do Porto dois dias antes (dia 16 outubro) para o Montenegro (com escalas…) e só regressou a Portugal, por Lisboa, na sexta-feira (dia 20 outubro). No dia seguinte jogou no pavilhão da Luz, sem ter feito um único treino!
Um calendário inicial com muitas deslocações – Israel, Montenegro, Lisboa, Finlândia, Açores –, com o inerente cansaço a tantas viagens e com poucos dias no Porto para treinar e corrigir, tinha de se fazer sentir.

4) Limitação de estrangeiros
Este é um problema antigo, do qual Moncho Lopez já se queixou várias vezes. De facto, não faz muito sentido que o FC Porto tenha de jogar contra equipas israelitas, finlandesas, austríacas, holandesas, alemãs, etc., cheias de jogadores norte-americanos e, por imposição da Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB), as equipas portuguesas só possam jogar com três.
Aquilo que, supostamente, seria uma medida para promover os jogadores portugueses, acaba por, na prática, se transformar numa enorme limitação, impedindo as equipas portuguesas de ter outro tipo de ambições e de ir mais longe nas competições europeias.
Urge continuar a pressionar a FPB para alterar esta regra, mesmo que, internamente, isso vá contra os interesses do clube do regime (que domina o mercado dos jogadores de nacionalidade portuguesa).

Os cinco reforços (contratações) para a época 2017/18 

5) O trio de norte-americanos
Da época passada para esta, o FC Porto trocou a totalidade do trio de norte-americanos.
Saíram Brad Tinsley, Jeff Xavier e Nick Washburn.
Entraram Marcus Gilbert, Will Sheehey e Will Hanley.
Acertar nos americanos é crucial e basta que um deles seja um flop, devido a lesões, falta de adaptação ou mesmo por razões extradesportivas, e as ambições da equipa ficam, desde logo, comprometidas.
Nesta altura, é cedo para ter uma opinião definitiva acerca destes novos jogadores americanos (e, no caso do Will Sheehey, demasiado cedo), mas parece-me que, ao contrário da época 2015/16, o segredo do sucesso da equipa poderá estar mais na integração e complementaridade com os restantes jogadores do que na valia individual deste trio de americanos.

6) Jogadores provenientes do “projeto Dragon Force”
Mais do que ganhar títulos na formação ou nos escalões secundários do basquetebol português, o “projeto Dragon Force Basquetebol” tinha como objetivo principal a deteção de talentos e a formação de atletas de elite.

Moncho López, O JOGO, 20-08-2012

Para quê?
Para alguns deles (os melhores) serem integrados no plantel da equipa principal.
Eu acompanhei de perto o trajeto do basquetebol Portista nos escalões secundários e tive grandes expectativas no crescimento daquele lote de jogadores. Contudo, olhamos para o plantel 2017/18 e vemos que, do projeto inicial, sobram apenas dois jogadores – Pedro Bastos e Ferrán Ventura.
E mesmo estes, que eram os melhores e a que podemos juntar o Miguel Queirós (integrou o projeto mais tarde, vindo do Illiabum), evoluíram pouco ou nada nos últimos dois anos, ficando num patamar competitivo aquém das necessidades de uma equipa que quer lutar pelo título de campeão nacional.
A não ser que o FC Porto passe a canalizar mais meios para as modalidades e, particularmente, para o basquetebol, o sucesso da equipa, este ano e nos próximos anos, vai depender muito do crescimento competitivo destes jogadores – Pedro Bastos, Ferrán Ventura, Miguel Queirós – e do contributo de outros, como André Bessa e António Monteiro.

7) Nível dos jogadores portugueses
Depois da geração de Paulo Pinto, Nuno Marçal, Carlos Andrade, Miguel Miranda, entre outros, nos últimos anos o basquetebol português não produziu suficientes jogadores de nível elevado (veja-se os resultados da seleção nacional de basquetebol).
Ora, havendo uma forte limitação de estrangeiros (comparativamente com outros países), os escassos jogadores portugueses de maior qualidade emigram ou são disputados a “peso de ouro” (para a realidade do basquetebol português) acabando, na maior parte dos casos, contratados pelo clube de maior orçamento (o SLB).
Foi o caso do José Silva (um dos melhores jogadores portugueses), que recusou renovar com o FC Porto para as próximas três épocas desportivas, tendo aceitado uma proposta do SLB para idêntico período.
Sem ser os portugueses que estão no SLB (e que são inacessíveis), talvez jogadores como Miguel Maria (V. Guimarães), Henrique Piedade (Galitos) ou Loncovic (Illiabum), entre outros, pudessem reforçar o plantel do FC Porto. Contudo, olhando para a realidade do basquetebol português, parece-me que a grande aposta tem de ser na melhoria da formação e em criar condições para o crescimento competitivo de jogadores provenientes da Equipa B / Dragon Force (talvez a rodagem, por empréstimo, em outros clubes da I Liga).

8) O Base da equipa
Nenhum dos novos americanos é um base, ou tem perfil para jogar na posição 1, como era o caso de Brad Tinsley. Assim, para colmatar a saída de Tinsley, o FC Porto contratou Pedro Pinto, um base internacional português de 29 anos.
Na época passada, ao serviço do Vitória de Guimarães (onde esteve quatro temporadas), Pedro Pinto registou médias muito interessantes para um base (12,4 pontos, 2,3 ressaltos e 3,9 assistências por jogo). Contudo, ao serviço do FC Porto, ainda não se afirmou como a escolha indiscutível para a posição 1, revelando inconstância exibicional de uns jogos para outros.
Não há boas equipas de basquetebol sem um bom base e, por isso, é fundamental que o Pedro Pinto complete rapidamente o processo de integração no FC Porto e se assuma como o líder (organizador de jogo) da equipa dentro do campo.

9) Os Adeptos
The last but not the least, os adeptos. Faltam adeptos às modalidades do FC Porto. E, particularmente, faltam adeptos ao basquetebol portista.
Esta nova equipa de basquetebol do FC Porto não tem o melhor plantel, nem tem um Troy DeVries e, por isso, precisa ainda mais do apoio de adeptos Portistas. Precisa ainda mais que os adeptos encham o Dragão Caixa e que, nos momentos mais difíceis, ajudem a ganhar os jogos.
Apesar do Dragão Caixa ser um pavilhão de reduzida lotação (cerca de 2000 lugares) e dos muitos convites / bilhetes gratuitos que são distribuídos para cada jogo, na maior parte dos jogos está menos de metade da lotação. Chega a ser deprimente, principalmente em jogos europeus, ver as duas bancadas de topo quase vazias.
Hoje à noite não há futebol mas, a partir das 20h30, há uma equipa do FC Porto que joga numa competição europeia. Há um FC Porto x KK Mornar (equipa do Montenegro), para a fase de grupos da FIBA Europe Cup.
Era bonito ver o Dragão Caixa cheio. Moncho, a equipa técnica e os jogadores da equipa de basquetebol do FC Porto merecem a nossa presença e apoio.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

BTV, Sport TV e a concorrência desleal

Miguel Almeida (NOS) e Luís Filipe Vieira (SLB)

«É histórico, o FC Porto tem sempre de vencer não só o adversário no campo, mas também mais alguns que, do lado de fora, tentam atrapalhar o seu caminho. Desta vez foi a Sport TV que não quis que o período de recuperação da equipa tivesse mais umas horas, recusando a proposta para que o jogo se disputasse às 16h00 de ontem. O que terá levado o canal a ter um comportamento tão antiFC Porto não sabemos, até porque já foi há quase dois anos que foi assinado o contrato com a Altice, que apresentou a proposta mais alta. Tempo mais do que suficiente para Joaquim Oliveira digerir o tema. Azar deles, com mais ou menos descanso, Sérgio Conceição e a equipa continuam sem vacilar.»
in ‘Dragões Diário’, 06-11-2017


Em A BOLA, o jornalista Rogério Azevedo fez um levantamento e publicou um artigo que intitulou "FCP e os três dias de descanso":

"FCP e os três dias de descanso", Rogério Azevedo, A BOLA


Há dois dias atrás, o diretor adjunto do Record, escreveu o seguinte:

Bernardo Ribeiro, Record de 04-11-2017

Claro que há concorrência desleal, mas este problema não é de hoje, nem tão pouco desta época.

A concorrência desleal, nomeadamente a que decorre do facto do SLB transmitir os seus jogos em casa num canal próprio, é algo que existe há vários anos e de que eu venho falando desde 2012.







E esta época a coisa ficou ainda mais grave, devido à possibilidade (real) do SLB, através das transmissões da BTV, influenciar o VAR dos seus jogos em casa.

Mas há um outro aspeto, relacionado com as transmissões dos jogos do SLB na BTV, que merecia análise e interesse jornalístico (se não se tratasse do SLB, claro…).

A NOS adquiriu os direitos de transmissão dos jogos em casa do SLB.
A NOS adquiriu os direitos de transmissão dos jogos em casa do Sporting.
A NOS é acionista da Sport TV.
Os jogos do Sporting em casa são, naturalmente, transmitidos pela Sport TV.
Contudo, os jogos do SLB em casa continuam a ser transmitidos pela BTV (detida a 100% pelo SLB), em vez de serem transmitidos por um canal em que a NOS tenha interesses, ou de que seja coproprietária.

Haverá alguma boa explicação para isto?

O interesse público imporia que alguém questionasse o CEO da NOS (que anda tão preocupado com as implicações da compra da TVI pela Altice) acerca deste assunto, mas…

Porque, sem uma explicação cabal, é legitimo pensar que há “cláusulas secretas” neste estranho acordo entre o SLB e a NOS.

sábado, 4 de novembro de 2017

E agora venha o merecido descanso


Este era o típico jogo para, em épocas anteriores, irmos até ao minuto 90+ para tentar vencer a partida.
Sinal positivo dos novos tempos, agora esperamos até ao último minuto...mas para marcarmos o segundo golo.
Foi, portanto, um daqueles jogos em que a bola parece não querer entrar por mais domínio que se tenha ou oportunidades que se criem.
Mas em 2017/18 a música é outra e Herrera marcou na melhor altura para evitar um crescendo de nervosismo: já bem perto do final da primeira parte.
Segundo golo do mexicano em outras tantas partidas e com semelhanças entre ambos. Podia até ser o terceiro em outros tantos jogos, não tivesse Herrera desperdiçado uma oportunidade clara no Bessa.

Inovou Sérgio Conceição para esta partida: Reyes por Danilo (castigado) era por alguns esperada, já Hernâni por Corona foi uma surpresa para quase todos.  O português começou bem e criou até, por alguns instantes, a ilusão de ser opção para o futuro, dada a inconstância exibicional do mexicano. Porém, Hernâni foi-se apagando ao longo da partida e verdadeiramente não criou perigo por aí além. Acabou até por ser substituído pelo seu adversário directo pelo lugar. E Corona acabou até por estar melhor, apesar de ter menos minutos para o demonstrar.
Já Reyes pouco acrescentou. Bem sabemos que aquele não é o seu lugar natural mas talvez se esperasse uma outra disponibilidade para quem poucas mais partidas terá para o fazer.
A.André voltou a fazer de Marega e muito provavelmente continuará a fazê-lo nos próximos tempos mas, obviamente, é algo de completamente diferente. Teve várias oportunidades para matar a partida e optou quase sempre mal.

Os segundos 45 minutos foram penosos para a nossa equipa em termos físicos. Conceição bem que avisou que precisávamos de mais 24 horas de descanso.

Sérgio Oliveira teve, também ele, uma nova oportunidade e, mal entrou, falhou um golo cantado por duas vezes. Em boa verdade, porém, este guarda-redes do Belenenses defendeu quase tudo. Só não pode fazer mais no golo de abertura e, depois, no golão de Aboubakar em cima do minuto final: correria desenfreada de Herrera e finalização sublime do camaronês. Ele que foi até acusado de ser meio-tosco aquando da sua primeira passagem pelo FCP.

A paragem para as selecções chega, pois, na melhor altura. Estávamos a ficar nas lonas, em termos físicos, depois de tanta partida de elevada exigência.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

No caminho certo


Foram 5 os remates à baliza nesta partida e 4 deles originaram golos.
O FCP fez mesmo o pleno: 3 em 3. E é bom ver esta equipa a fazer golos de muito pouco. Precisamente o contrário do que sucedia nas últimas épocas de muita parra e pouca uva.

Um FCP a perder gás em relação à condição física de início de época, a que se juntam lesões musculares em catadupa, mas sem nunca perder o rumo, mesmo em noites desinspiradas como a de hoje. Todos estes factores transformam esta numa vitória muito importante, em termos psicológicos, para o que resta da temporada. Um FCP a vencer nas cavalgadas de Brahimi, Aboubakar e Marega e, agora, a ganhar também nas noites de eclipse deste trio.

Sérgio Conceição foi fiel ao seu 4-2-4 (em ataque), quando qualquer outro treinador teria optado pelo caminho mais fácil de fortalecer o meio-campo para esta partida de Liga dos Campeões. Ainda para mais, tendo ainda bem fresca a traumatizante derrota caseira com o Besiktas.
Esteve bem o nosso técnico ao manter aquilo que tão bons frutos nos tem dado. Coragem e audácia em igual medida.

Porém, todo o seu plano inicial foi tendo que ser alterado ao longo de 90 minutos acidentados.
Primeiro, e muito cedo no jogo, teve que colocar A.André a fazer de Marega. Mais tarde, colocou Maxi a fazer de Corona, quando todos pensariam que seria Ricardo Pereira a adiantar-se para o meio-campo, pelo lado direito.

Correu tudo bem no final, com a cereja em cima do bolo de ter sido precisamente o uruguaio a marcar o golo que, finalmente, descansou todo o estádio, já no último minuto.
Pelo meio, mais dois golos para as nossas cores: Herrera rematou com a força necessária, após um ressalto na área, e Danilo cabeceou, com garra, após uma bola parada que parecia demasiado longe da área adversária.
Isto quando o Leipzig tinha já conseguido o empate e continuava a ser bem perigoso no ataque.
Estes alemães, aliás, assustaram durante praticamente toda a partida e são, de facto, uma boa equipa europeia. Ter a Red Bull a financiar dá asas a qualquer um.

Tudo em aberto neste grupo, pois, pelo menos em relação ao segundo lugar. Siga para bingo, como diria Casillas.

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Uma gala à FC Porto

Dragão Caixa, Gala dos Dragões de Ouro 2017 (fonte: FC Porto)

Ontem à noite foi dia de gala, da 30ª gala dos Dragões de Ouro.

Indo direto ao assunto: eu não gosto deste modelo de evento para entrega dos dragões de ouro. É um modelo parecido com as festas da revista CARAS e das galas dos Globos de Ouro da SIC, que eu também não aprecio.

Preferia um modelo com mais sócios, mais (ex-)atletas, mais ex-dirigentes, mais Portistas de todos os dias e com menos amigos, menos políticos, menos jet set, menos glamour e menos desfile de vestidos.

Ano após ano, olho para a primeira fila e vejo-a cheia de governantes, deputados, presidentes de camaras, vereadores e outras pessoas ligadas a diferentes poderes (principalmente ao poder político e ao poder económico).

Pois eu, com todo o respeito por estas pessoas, preferia ver a primeira fila cheia com algumas dezenas dos sócios mais antigos do Futebol Clube do Porto ainda vivos.

Isso, sim, é que era uma 1ª fila de gala. De uma verdadeira gala à FC Porto.

Os galardoados com um dragão de ouro (fonte: FC Porto)

P.S.1 Os meus sinceros parabéns a todos os 17 galardoados com um dragão de ouro nesta gala. Contudo, gostaria de fazer duas menções especiais: ao Américo Lopes, ao Senhor Américo Lopes, um guarda-redes que eu nunca vi jogar, mas que aprendi a admirar e com quem tive o prazer de privar pessoalmente; e ao Francisco J. Marques porque, para além daquilo que é conhecido, pôs os interesses do FC Porto à frente de tudo, incluindo da sua carreira profissional e da sua tranquilidade familiar.

P.S.2 Foi bonito ver o Dragão Caixa cheio. Só tenho pena, que a maioria das pessoas ontem presentes, nunca tenham tempo para, ao longo dos outros 364 dias ano, voltarem ao Dragão Caixa, para apoiar as nossas equipas de Andebol, Basquetebol ou Hóquei em Patins.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

O “padre” Nuno Almeida

Aves x Benfica, JN de 23-10-2017

O “padre” Nuno Almeida… perdão, o senhor árbitro Nuno Almeida, tem um passado na arbitragem portuguesa que é conhecido de todos, ao ponto de lhe chamarem o “Ferrari vermelho”.

São inúmeros os jogos em que o “padre” Nuno Almeida… perdão, o senhor árbitro Nuno Almeida, cometeu erros de análise que favoreceram o seu clube do coração (o SLB) ou que prejudicaram os seus rivais diretos.

Por manifesta falta de espaço, é impossível elencar aqui todos esses jogos, mas recordo quatro exemplos das últimas épocas:

Época 2012/13, SLB x Académica




No passado fim-de-semana, o “padre” Nuno Almeida… perdão, o senhor árbitro Nuno Almeida, voltou a ser convocado para um jogo da sua equipa… perdão, voltou a ser nomeado para arbitrar um jogo do SLB.

E, perante o que se passou na Vila das Aves, não se pode dizer que o “padre” Nuno Almeida… perdão, o senhor árbitro Nuno Almeida, tenha defraudado quem o nomeou.

Aves x Benfica, Tribunal de O JOGO de 23-10-2017

Pondo de lado a ironia e falando muito a sério.

1. O “currículo” do árbitro Nuno Almeida é conhecido de todos;

2. O árbitro Nuno Almeida é um dos “padres” referidos por Adão Mendes, nos e-mails que trocou com elementos ligados ao SLB;

3. A propósito do que consta nos e-mails, está em curso uma investigação judicial de larga escala, em que uma das pessoas que foi (é) alvo dessa investigação é precisamente o ex-árbitro Adão Mendes;

Sabendo-se tudo isto, como é possível continuar a nomear este árbitro para jogos do SLB ou dos seus rivais diretos (FC Porto e Sporting)?

É com nomeações destas, que o Conselho de Arbitragem da FPF pretende defender o futebol e a equidade entre todas as equipas?

Ora, se o Conselho de Arbitragem da FPF, não só pactua, como promove situações que resultam em desigualdade de tratamento.

Se os presidentes da Liga e da FPF “fecham os olhos” e nada fazem para defender a verdade desportiva.

Está na hora do FC Porto exigir que o Governo, ao nível da Secretaria de Estado do Desporto, intervenha.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Unidos, com Sérgio, até ao fim...

Iker Casillas é um dos jogadores mais titulados da História, um jogador que já jogou (e venceu) todas as grandes competições de elite, um dos melhores guarda-redes de sempre - numa lista alargada, é certo - e um homem que sabe liderar, quando quer. Sérgio Conceição não ganhou nem um quinto do que ganhou Casillas, como jogador, mas o seu carácter e liderança sempre foram imagem de marca e desde que passou do relvado ao banco sempre fez da honestidade, do trabalho colectivo e do espírito de grupo, caracteristicas marca da casa da sua filosofia de trabalho. É por isso, sobretudo, que estamos a viver o melhor arranque de temporada dos últimos cinco anos. E é por isso que não nos podemos permitir deixar que um problema interno, de resolução interna, afecte a crença neste projecto, neste grupo e, sobretudo, neste Mister.

Desportivamente Casillas tem tido um papel positivo desde que chegou. Não superlativo - não foi capaz, até agora, de reproduzir o papel de um Mlynarzick ou Schmeichel, por exemplo - mas a sua classe não está nem esteve nunca em discussão. Teve falhos importantes, sobretudo na Champions, mas também momentos de brilhantês que ajudaram a equipa ainda que, no final, por muitos outros factores, os objectivos não fossem alcançados. O melhor exemplo comparativo de Casillas destes últimos três anos seria talvez o do belga Michel PreudHomme, um grande guarda-redes que não foi suficiente para que um mau Benfica fosse competitivo. 
Casillas foi também fundamental no processo de adaptação de vários jogadores jovens e de muitos dos colegas espanhóis - ou com passagem por Espanha - e nesse sentido é uma referência importante no balneário. Sem estar na lista de capitães é um líder, silencioso, como aliás tem sido sempre. Se houve algo que sempre se lhe apontou foi a dificuldade em assumir o papel de máximo líder de grupo. Em Madrid sempre foi ofuscado por perfis superiores, nesse sentido, como eram primeiro Hierro, Raul e até Roberto Carlos ou Guti e mais à frente, já de braçadeira, por Sérgio Ramos ou Alvaro Arbeloa. Na selecção espanhola, da qual foi capitão uma década, também o central de Camas ou jogadores como Puyol ou Xavi, passou o mesmo. Não esperem de ele outra coisa e para alguns treinadores isso é um incómodo porque imaginam que tanta experiência deve vir acompanhado de algo mais, desse plus. O que também sempre faltou a Iker, desde a sua ascensão meteórica, foi o compromisso de dedicação absoluta ao trabalho. Todos os seus treinadores passaram por problemas com a sua implicação com os treinos ou, nalguns casos, nos seus inicios, com a sua vida fora do terreno de jogo. Desde del Bosque a Ancelotti, passando por Capello ou Mourinho, sempre se comentou que a dedicação nos treinos era inferior à exigência do seu posto, que Iker pouco procurava melhorar os seus pontos fracos - jogo de pés ou cruzamentos à área, sobretudo - e que devido ao seu perfil mediático, primeiro com o Real Madrid e com Espanha e logo no Porto, dava demasiadas vezes a sua titularidade por assumida. Esse desleixo custou-lhe vários problemas, a saída do Real Madrid, primeiro, e da selecção espanhola depois. E essa desconexão está agora a provocar um fait-divers que só tem contribuído em ofuscar este brilhante inicio de temporada.



Sérgio Conceição tomou a decisão que se exige a um líder de um vestuário de muitos. Instaurou umas regras e decidiu punir quem entendeu que não as cumpria. Fê-lo sem olhar a nome, apelido, número e salário como corresponde a um líder. O exemplo dá-se precisamente quando se demonstra que ninguém é intocável. 
Desportivamente claro que a equipa sai a perder - José Sá está a anos-luz do pior Casillas, que nem sequer era o que estávamos a ver - mas se Conceição quer manter o grupo unido debaixo de uma ideia, é necessário actuar em consequência. Se este projecto tem sido competitivo é, precisamente, pelo grupo e pelo trabalho de Conceição. Não é pelo talento individual  - que quase não há - não é por nenhuma inovação táctica bestial - o sistema habitual é bastante elementar - e não é seguramente por Casillas. É pelo grupo, pelo espírito restaurado e pela disciplina que nos mantemos altamente competitivos. E isso é o que não se pode perder.
Casillas cometeu um erro. Acontece. Qualquer profissional comete erros. Que seja recorrente na sua carreira é um reflexo do tipo de atleta que é e foi mas não é motivo para criar um drama. Conceição actuou como tem de actuar, como devíamos todos esperar que actue um treinador do FC Porto. Não acredito que tenha feito uma cruz a um jogador importante mas também não quis deixar de marcar posição. Havia uma regra de grupo - reforçada depois do incidente com Aboubakar (que, recordemos, foi apanhado por um telemóvel que não era o seu num directo gravado por um colega, não por ele) e que os jogadores estão a respeitar. O telemóvel em dias de jogo não existe, as redes caladas, a concentração máxima. Desrespeitar uma regra elementar é um erro que deve ser assumido diante do grupo e entre todos passar página. Não é motivo de drama, é motivo de união, ainda mais se for possível, entre todos. Se Iker, com os seus quase vinte anos de carreira e balneários, tiver a humildade de desculpar-se ao grupo e se Sérgio tiver a liderança necessária para saber reforçar essa união, este episódio tem tudo para unir ainda mais o plantel. Se um deles decidir continuar fiel a uma postura inflexível, teremos um problema e José Sá corre o risco de sofrer um dano colateral que não merece. Se for ele o titular este sábado deve ter o apoio de todos. Se não o for deve entender a dificil natureza da sua situação. O que todos esperam é que isto seja um fait-divers e não um ponto de viragem. 

No entanto, uma coisa é certa. Todos os que pediam o "velho Porto", o da cultura de balneário, o de não saltar nada para fora, o do final das vedetas e o de um treinador capaz de fazer grupo, têm de saber que este é o momento para mostrar o verdadeiro apoio ao único homem que tem, dentro da estrutura, lutado pelo regresso a essa realidade. Um Porto onde quem decide é o treinador, nem interesses da SAD ou de agentes externos. Um Porto à Porto. Conceição cumpriu o seu papel - não foi ele que faltou a uma regra de grupo -  e no pior dos casos, se Casillas não demonstrar o arrependimento necessário que a situação exige e o seu afastamento siga, por muito que desportivamente signifique sair a perder, os adeptos devem mostrar o seu apoio incondicional ao homem que tem estado detrás de tudo o bom que tem sucedido desde Julho, desde a recuperação de jogadores ostracizados à recuperação do espírito competitivo e ofensivo de sempre sem esquecer a liderança isolada da liga e a luta pelo apuramento aos oitavos-de-final da Champions (objectivo realista neste contexto presente). Com todo o respeito para Iker - e qualquer jogador que se coloque voluntariamente nessa situação - o orgulho que eu tenho desta equipa, neste momento, tem um responsável principal e não tenho problemas em afirmar, estou com Sérgio, até ao fim.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Espremer a casca do limão

24 horas depois, a frio, meia-dúzia de bitaites sobre o jogo de ontem no Red Bull Arena:


1. Resultado bem melhor do que a exibição. Por aquilo que foi o jogo, seria normal a equipa da casa, que não por acaso é vice-campeã da Alemanha, ter ganho por 2 ou 3 golos (mas atenção, nem o RB Leipzig é o FC Basel, nem levamos 5 secos…).

2. Neste jogo, em que os “dragões” tiveram pela frente uma equipa mais forte fisicamente, mais intensa e que ganhou as bolas divididas quase todas, vieram ao de cima as lacunas qualitativas de muitos jogadores da nossa equipa (mas, para mim, continua a ser o Marega e mais 10…).


3. Num jogo de Liga dos Campeões, de intensidade máxima, contra uma equipa muito agressiva (no bom sentido) e que pressionava o portador da bola com 2 ou 3 jogadores, era quase deprimente olhar para o banco de suplentes do FC Porto e ver que não havia ali qualquer solução para aquilo que o jogo estava a exigir (por exemplo, já imaginaram o que seria lançar o Otavio contra os “panzers” desta equipa alemã?).


4. Ontem, mais do que erros individuais de alguns jogadores (que os houve); mais do que equívocos do treinador (que os houve); vieram ao de cima as limitações deste onze titular e deste plantel.

5. Foi neste século, não foi no século passado, que planteis do FC Porto tinham jogadores do nível do Vítor Baía, Danilo, Pepe, Ricardo Carvalho, Otamendi, Mangala, Alex Sandro, Casemiro, Maniche, Moutinho, Lucho, Deco, Anderson, Quaresma, Hulk, McCarthy, Falcao, James, ... Quando penso nisso e olho para o plantel atual do FC Porto, até dá vontade de chorar.

6. Nem esta equipa do FC Porto é tão boa como pareceu após o jogo no Mónaco e os primeiros 45 minutos do jogo em Alvalade, nem é tão má como pareceu após os jogos com o Besiktas ou RB Leipzig. Contudo, convém manter os pés bem assentes no chão, ter consciência que o “cobertor é curto” e não esquecer que a prioridade das prioridades é o campeonato português.


7. Nem o Sérgio Conceição é um novo “special one”, nem na “Loja dos 300” há jogadores à disposição com a qualidade dos que havia em 2002. Mas se, independentemente de opções pontuais, o Sérgio Conceição continuar a conseguir espremer o limão (a casca do limão!) como tem feito até agora, terá o meu reconhecimento.

8. Depois de algumas coisas que li ontem à noite, escritas por portistas nas redes sociais, lembrei-me e tive saudades do Prof. Bitaites. Ó meus amigos, é preciso baixarmos um bocadinho as expectativas. Depois das asneiras e algumas loucuras cometidas pela Administração da SAD nos últimos anos, os próximos tempos vão ser de “vacas magras” (em termos de meios à disposição do(s) treinador(es) ).

9. P-O-O-O-O-O-R-T-O

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Temos homem


Começo por dizer que tive, no momento do anúncio de Sérgio Conceição como treinador do FCPORTO, alguns receios e muitas dúvidas.
A grande questão que se me levantava (e não está resolvida) tem a ver com a forma como SC poderá reagir em momentos mais complexos do campeonato.
Temos vindo a ganhar - SC tem tido muito boa influência nos resultados, não sendo um mero assistente - e, quando se ganha, tudo é mais fácil.
Devemos, no entanto, contar com momentos difíceis a breve prazo: o plantel é curto, as "missas" vão continuar e é possível que surjam lesões e castigos.
Nesse momento veremos se "temos homem" com pulso para o lugar.
Devo dizer que a forma natural (sem grande futebolês e frases feitas) como tem lidado com a imprensa, tem vindo a surpreender-me e faz esperar que venha a aparecer um treinador mais maduro e mais seguro do que era há poucos anos.

Do ponto de vista técnico-tatico, SC é, para mim, um enorme treinador.
De facto, sempre me irritou a figura do "treinador estrela", aquele que arrogantemente coloca as "suas equipas" a jogar do mesmo modo, sejam elas compostas de catalães ou ingleses, ou uma amálgama de nacionalidades.
Para mim um treinador não deve colocar as equipas a jogar à sua imagem. Deve, pelo contrário, construir a sua forma de jogar olhando aos jogadores que tem, procurando retirar de cada um o melhor possível e assim construindo jogo da forma que as características dos verdadeiros artistas - os jogadores - aconselham.

Por outro lado, não deve também um treinador ter "um" estilo de jogo.
Em minha opinião, as equipas devem saber ler os momentos do jogo: há momentos para pressing e momentos para contenção; momentos para posse e momentos para transições rápidas; momentos para arriscar no ataque e momentos para adormecer o jogo. Tudo isso deve ser treinado e vivido durante um jogo, dificultando a vida ao oponente e não permitindo que este arme só uma estratégia para se defender de um só estilo de jogo.

SC faz isto muito bem.
Todos e cada um dos jogadores estão a jogar muito acima do que pensávamos possível. Parece até, comparando com os últimos anos, que alguns ganharam uma inteligência e uma visão que não lhes conhecíamos.
Acresce que SC faz a equipa cair em cima do adversário (o que contrasta com a posse estéril que vigorou até há pouco), embora saiba, quando é preciso, trocar a bola e controlar os ritmos.
Quando começamos o jogo, logo no apito inicial, a bola é normalmente atrasada e depois lançada para cima da defesa adversária que, ainda a frio, leva com choque de duas locomotivas como Abouba e Marega. Este movimento é um grito ao adversário: "Vamos para cima de vocês e é desde o minuto zero"

Não fui um entusiasta do SC, mas estou a gostar e espero que aquilo de que me tenho vindo a aperceber se confirme.

O tempo o dirá, mas estas primeiras impressões são muito positivas.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Marega e mais dez!

É difícil olhar para trás e ver um avançado do FC Porto com tão poucas condições para triunfar na elite como Moussa Marega. Nenhum portista, absolutamente nenhum vou arriscar, olhava com bons olhos a sua inclusão no plantel mesmo depois de alguns números e exibições com o Vitória de Guimarães na época passada. Marega era um patinho feio para todos e com toda a lógica.

Habituados, em muitos casos, a caviar, é difícil entender que às vezes uma bifana sabe bem melhor. De jogador mal querido o maliano converteu-se numa figura fundamental, simbólica, do projecto Sérgio Conceição. Não é o melhor jogador - é aliás pior jogador, como tal, que quase todos os do plantel - e enerva ver a quantidade de bolas perdidas, dribles falhados e passes desperdiçados. No final do jogo, olhando friamente para os números, é difícil encontrar um pior jogador em campo do que Marega.

Vendo o jogo como outra coisa, como uma sequência de momentos, é difícil encontrar um mais importante. Para o FC Porto de Sérgio Conceição é cada vez mais evidente que são "Marega e mais 10", como diria Quinito.

Como se processa esse paradoxo?
É bastante fácil o de jogo, este plantel e esta atitude de grupo o Marega é um jogador determinante e um símbolo do projecto de jogadores descartados - emprestados recuperados, jogadores sem mercado - com os quais Sérgio conseguiu fazer uma genuína equipa, um plantel unido e sob a qual montou um projecto com fome de vitórias.

Se no balneário ter alguém como Marega é determinante - um tipo alegre, que vem literalmente do nada e nada tem a perder e tudo a demonstrar, um jogador que se quer reivindicar perante todos e que dará tudo pela camisola e pelo homem que nele confiou - em campo o africano encaixa com a ideia que tem transmitido o mister.

- É determinante porque corre como ninguém e aproveita os espaços que este modelo de jogo procura sempre entre as linhas defensivas dos rivais, sobretudo nos flancos.

- É determinante porque é possante e isso dá-lhe vantagem nos duelos directos por muito que tecnicamente perca com qualquer jogador em campo. Essa força física tem-se feito notar cada vez mais e é um plus fundamental nesta gestão de transições a espaços mas igualmente nos duelos em zonas limitadas do terreno de jogo.

- É determinante porque tacticamente dá distintas variações sobre as quais a equipa pode trabalhar. Com Aboubakar como um jogador mais fixo e Brahimi constante a meter-se dentro, deixando a ala a Alex Telles, a inclusão de Marega permite ter um atleta a jogar a falso extremo, a avançado num 4-2-4 mais claro e isso dá variantes tácticas como a inclusão de Tiquinho numa posição mais central ou o avanço do Oliver/Otavio, num perfil mais técnico, e Herrera/André André, num modelo mais vertical, no apoio a Danilo e o reforço do meio.

- É determinante porque tem fome de golo, não comete tantos erros como o Aboubakar - é impressionante a dificuldade do Aboubakar em marcar de primeira, a quantidade de ressaltos que apanha são brutais - e ao mesmo tempo é generoso, um complemento ideal para um jogador mais fixo como se tem visto ao largo dos dois meses de trabalho em conjunto da dupla de ataque.

Moussa Marega

O certo é que Marega é um símbolo deste FC Porto low cost, pelo que vale realmente, pelo seu valor de mercado, pelo valor que tinha para os adeptos e também pela atitude e mentalidade que traz e que Sérgio Conceição tem sabido potenciar.

Noutro plantel, noutro contexto, noutro desenho táctico, com outro treinador, seria um desastre pegado porque, a nível técnico e táctico é provavelmente o jogador que mais erros comete de todo o plantel, com controlos e passes falhados de nível básico e erros de toma de decisão recorrentes. Mas neste cenário onde nos encontramos, Marega é chave sobretudo porque tem respondido. Tem golos, assistências, implicação, trabalho e no final de cada jogo, por muito que os números digam o contrário, encontra quase sempre forma de se tornar em determinante para os êxitos da equipa.

Com Brahimi e Oliver como virtuosos, com Danilo como todo-terreno, com uma defesa sólida e um Aboubakar renascido para os golos, é fácil olhar para Marega e ver o elo mais fraco, o patinho feio. Seguramente Conceição pensa distinto, para ele o maliano é o cisne!

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Príncipes no Mónaco

Normalmente, as grandes surpresas na Liga do Campeões não correm bem aos nossos treinadores. Porém, desta vez, a coisa até não correu mal e Sérgio Oliveira não será lembrado como o Costa de António Oliveira ou o Nuno André Coelho de Jesualdo Ferreira.

Não é que o segredo desta boa vitória europeia esteja propriamente no ex-jogador dos Nantes mas é um facto que este não comprometeu em nada e esteve num plano bastante aceitável para quem não tem sido opção sequer para o banco de suplentes de Sérgio Conceição.


O FCP não poderia ter tido adversário melhor: um Mónaco que tem posse de bola mas que deixa espaço, lá atrás, para as loucas correrias de Marega e Cia.
Brahimi esteve também nas suas sete quintas e várias vezes lançou o homem do Mali em contra-ataques perigosos.
Aliás, quer antes quer após o golo inaugural (à terceira tentativa, na mesma jogada, num lance em que o guarda-redes adversário tentou de tudo para o evitar), o FCP teve várias oportunidades para resolver as coisas ainda na primeira parte/início do segundo tempo.

Porém, tivemos que esperar até ao minuto 70 para a vitória ficar garantida e logo com o melhor golo da época, até ao momento: grande jogada colectiva em alta velocidade. Difícil escolher o melhor: se as fintas e passe em profundidade de Brahimi, se a correria de Marega pela direita ou se a desmarcação perfeita de Aboubakar, ele que deixou o "central" adversário completamente nas covas.

Sérgio Conceição fez, logo após, duas alterações em simultâneo que garantiram um meio-campo bem povoado, de modo a evitar qualquer surpresa nos restantes 20 minutos finais.
A coisa estava a correr tão bem, que até deu para Layún regressar ao golos, após bom lance de Marega e insistência de Herrera.

O Mónaco apenas teve uma real oportunidade de golo em toda a partida: por Falcao, à trave.
Obviamente que se viu que (ainda) não estão tão fortes como na época passada (nem podiam, após tantas saídas importantes) mas continuam a ser uma equipa a ter em conta.

E, tal como na final de 2004, o príncipe Alberto lá levou mais 3 para contar....