quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Espremer a casca do limão

24 horas depois, a frio, meia-dúzia de bitaites sobre o jogo de ontem no Red Bull Arena:


1. Resultado bem melhor do que a exibição. Por aquilo que foi o jogo, seria normal a equipa da casa, que não por acaso é vice-campeã da Alemanha, ter ganho por 2 ou 3 golos (mas atenção, nem o RB Leipzig é o FC Basel, nem levamos 5 secos…).

2. Neste jogo, em que os “dragões” tiveram pela frente uma equipa mais forte fisicamente, mais intensa e que ganhou as bolas divididas quase todas, vieram ao de cima as lacunas qualitativas de muitos jogadores da nossa equipa (mas, para mim, continua a ser o Marega e mais 10…).


3. Num jogo de Liga dos Campeões, de intensidade máxima, contra uma equipa muito agressiva (no bom sentido) e que pressionava o portador da bola com 2 ou 3 jogadores, era quase deprimente olhar para o banco de suplentes do FC Porto e ver que não havia ali qualquer solução para aquilo que o jogo estava a exigir (por exemplo, já imaginaram o que seria lançar o Otavio contra os “panzers” desta equipa alemã?).


4. Ontem, mais do que erros individuais de alguns jogadores (que os houve); mais do que equívocos do treinador (que os houve); vieram ao de cima as limitações deste onze titular e deste plantel.

5. Foi neste século, não foi no século passado, que planteis do FC Porto tinham jogadores do nível do Vítor Baía, Danilo, Pepe, Ricardo Carvalho, Otamendi, Mangala, Alex Sandro, Casemiro, Maniche, Moutinho, Lucho, Deco, Anderson, Quaresma, Hulk, McCarthy, Falcao, James, ... Quando penso nisso e olho para o plantel atual do FC Porto, até dá vontade de chorar.

6. Nem esta equipa do FC Porto é tão boa como pareceu após o jogo no Mónaco e os primeiros 45 minutos do jogo em Alvalade, nem é tão má como pareceu após os jogos com o Besiktas ou RB Leipzig. Contudo, convém manter os pés bem assentes no chão, ter consciência que o “cobertor é curto” e não esquecer que a prioridade das prioridades é o campeonato português.


7. Nem o Sérgio Conceição é um novo “special one”, nem na “Loja dos 300” há jogadores à disposição com a qualidade dos que havia em 2002. Mas se, independentemente de opções pontuais, o Sérgio Conceição continuar a conseguir espremer o limão (a casca do limão!) como tem feito até agora, terá o meu reconhecimento.

8. Depois de algumas coisas que li ontem à noite, escritas por portistas nas redes sociais, lembrei-me e tive saudades do Prof. Bitaites. Ó meus amigos, é preciso baixarmos um bocadinho as expectativas. Depois das asneiras e algumas loucuras cometidas pela Administração da SAD nos últimos anos, os próximos tempos vão ser de “vacas magras” (em termos de meios à disposição do(s) treinador(es) ).

9. P-O-O-O-O-O-R-T-O

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Temos homem


Começo por dizer que tive, no momento do anúncio de Sérgio Conceição como treinador do FCPORTO, alguns receios e muitas dúvidas.
A grande questão que se me levantava (e não está resolvida) tem a ver com a forma como SC poderá reagir em momentos mais complexos do campeonato.
Temos vindo a ganhar - SC tem tido muito boa influência nos resultados, não sendo um mero assistente - e, quando se ganha, tudo é mais fácil.
Devemos, no entanto, contar com momentos difíceis a breve prazo: o plantel é curto, as "missas" vão continuar e é possível que surjam lesões e castigos.
Nesse momento veremos se "temos homem" com pulso para o lugar.
Devo dizer que a forma natural (sem grande futebolês e frases feitas) como tem lidado com a imprensa, tem vindo a surpreender-me e faz esperar que venha a aparecer um treinador mais maduro e mais seguro do que era há poucos anos.

Do ponto de vista técnico-tatico, SC é, para mim, um enorme treinador.
De facto, sempre me irritou a figura do "treinador estrela", aquele que arrogantemente coloca as "suas equipas" a jogar do mesmo modo, sejam elas compostas de catalães ou ingleses, ou uma amálgama de nacionalidades.
Para mim um treinador não deve colocar as equipas a jogar à sua imagem. Deve, pelo contrário, construir a sua forma de jogar olhando aos jogadores que tem, procurando retirar de cada um o melhor possível e assim construindo jogo da forma que as características dos verdadeiros artistas - os jogadores - aconselham.

Por outro lado, não deve também um treinador ter "um" estilo de jogo.
Em minha opinião, as equipas devem saber ler os momentos do jogo: há momentos para pressing e momentos para contenção; momentos para posse e momentos para transições rápidas; momentos para arriscar no ataque e momentos para adormecer o jogo. Tudo isso deve ser treinado e vivido durante um jogo, dificultando a vida ao oponente e não permitindo que este arme só uma estratégia para se defender de um só estilo de jogo.

SC faz isto muito bem.
Todos e cada um dos jogadores estão a jogar muito acima do que pensávamos possível. Parece até, comparando com os últimos anos, que alguns ganharam uma inteligência e uma visão que não lhes conhecíamos.
Acresce que SC faz a equipa cair em cima do adversário (o que contrasta com a posse estéril que vigorou até há pouco), embora saiba, quando é preciso, trocar a bola e controlar os ritmos.
Quando começamos o jogo, logo no apito inicial, a bola é normalmente atrasada e depois lançada para cima da defesa adversária que, ainda a frio, leva com choque de duas locomotivas como Abouba e Marega. Este movimento é um grito ao adversário: "Vamos para cima de vocês e é desde o minuto zero"

Não fui um entusiasta do SC, mas estou a gostar e espero que aquilo de que me tenho vindo a aperceber se confirme.

O tempo o dirá, mas estas primeiras impressões são muito positivas.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Marega e mais dez!

É difícil olhar para trás e ver um avançado do FC Porto com tão poucas condições para triunfar na elite como Moussa Marega. Nenhum portista, absolutamente nenhum vou arriscar, olhava com bons olhos a sua inclusão no plantel mesmo depois de alguns números e exibições com o Vitória de Guimarães na época passada. Marega era um patinho feio para todos e com toda a lógica.

Habituados, em muitos casos, a caviar, é difícil entender que às vezes uma bifana sabe bem melhor. De jogador mal querido o maliano converteu-se numa figura fundamental, simbólica, do projecto Sérgio Conceição. Não é o melhor jogador - é aliás pior jogador, como tal, que quase todos os do plantel - e enerva ver a quantidade de bolas perdidas, dribles falhados e passes desperdiçados. No final do jogo, olhando friamente para os números, é difícil encontrar um pior jogador em campo do que Marega.

Vendo o jogo como outra coisa, como uma sequência de momentos, é difícil encontrar um mais importante. Para o FC Porto de Sérgio Conceição é cada vez mais evidente que são "Marega e mais 10", como diria Quinito.

Como se processa esse paradoxo?
É bastante fácil o de jogo, este plantel e esta atitude de grupo o Marega é um jogador determinante e um símbolo do projecto de jogadores descartados - emprestados recuperados, jogadores sem mercado - com os quais Sérgio conseguiu fazer uma genuína equipa, um plantel unido e sob a qual montou um projecto com fome de vitórias.

Se no balneário ter alguém como Marega é determinante - um tipo alegre, que vem literalmente do nada e nada tem a perder e tudo a demonstrar, um jogador que se quer reivindicar perante todos e que dará tudo pela camisola e pelo homem que nele confiou - em campo o africano encaixa com a ideia que tem transmitido o mister.

- É determinante porque corre como ninguém e aproveita os espaços que este modelo de jogo procura sempre entre as linhas defensivas dos rivais, sobretudo nos flancos.

- É determinante porque é possante e isso dá-lhe vantagem nos duelos directos por muito que tecnicamente perca com qualquer jogador em campo. Essa força física tem-se feito notar cada vez mais e é um plus fundamental nesta gestão de transições a espaços mas igualmente nos duelos em zonas limitadas do terreno de jogo.

- É determinante porque tacticamente dá distintas variações sobre as quais a equipa pode trabalhar. Com Aboubakar como um jogador mais fixo e Brahimi constante a meter-se dentro, deixando a ala a Alex Telles, a inclusão de Marega permite ter um atleta a jogar a falso extremo, a avançado num 4-2-4 mais claro e isso dá variantes tácticas como a inclusão de Tiquinho numa posição mais central ou o avanço do Oliver/Otavio, num perfil mais técnico, e Herrera/André André, num modelo mais vertical, no apoio a Danilo e o reforço do meio.

- É determinante porque tem fome de golo, não comete tantos erros como o Aboubakar - é impressionante a dificuldade do Aboubakar em marcar de primeira, a quantidade de ressaltos que apanha são brutais - e ao mesmo tempo é generoso, um complemento ideal para um jogador mais fixo como se tem visto ao largo dos dois meses de trabalho em conjunto da dupla de ataque.

Moussa Marega

O certo é que Marega é um símbolo deste FC Porto low cost, pelo que vale realmente, pelo seu valor de mercado, pelo valor que tinha para os adeptos e também pela atitude e mentalidade que traz e que Sérgio Conceição tem sabido potenciar.

Noutro plantel, noutro contexto, noutro desenho táctico, com outro treinador, seria um desastre pegado porque, a nível técnico e táctico é provavelmente o jogador que mais erros comete de todo o plantel, com controlos e passes falhados de nível básico e erros de toma de decisão recorrentes. Mas neste cenário onde nos encontramos, Marega é chave sobretudo porque tem respondido. Tem golos, assistências, implicação, trabalho e no final de cada jogo, por muito que os números digam o contrário, encontra quase sempre forma de se tornar em determinante para os êxitos da equipa.

Com Brahimi e Oliver como virtuosos, com Danilo como todo-terreno, com uma defesa sólida e um Aboubakar renascido para os golos, é fácil olhar para Marega e ver o elo mais fraco, o patinho feio. Seguramente Conceição pensa distinto, para ele o maliano é o cisne!

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Príncipes no Mónaco

Normalmente, as grandes surpresas na Liga do Campeões não correm bem aos nossos treinadores. Porém, desta vez, a coisa até não correu mal e Sérgio Oliveira não será lembrado como o Costa de António Oliveira ou o Nuno André Coelho de Jesualdo Ferreira.

Não é que o segredo desta boa vitória europeia esteja propriamente no ex-jogador dos Nantes mas é um facto que este não comprometeu em nada e esteve num plano bastante aceitável para quem não tem sido opção sequer para o banco de suplentes de Sérgio Conceição.


O FCP não poderia ter tido adversário melhor: um Mónaco que tem posse de bola mas que deixa espaço, lá atrás, para as loucas correrias de Marega e Cia.
Brahimi esteve também nas suas sete quintas e várias vezes lançou o homem do Mali em contra-ataques perigosos.
Aliás, quer antes quer após o golo inaugural (à terceira tentativa, na mesma jogada, num lance em que o guarda-redes adversário tentou de tudo para o evitar), o FCP teve várias oportunidades para resolver as coisas ainda na primeira parte/início do segundo tempo.

Porém, tivemos que esperar até ao minuto 70 para a vitória ficar garantida e logo com o melhor golo da época, até ao momento: grande jogada colectiva em alta velocidade. Difícil escolher o melhor: se as fintas e passe em profundidade de Brahimi, se a correria de Marega pela direita ou se a desmarcação perfeita de Aboubakar, ele que deixou o "central" adversário completamente nas covas.

Sérgio Conceição fez, logo após, duas alterações em simultâneo que garantiram um meio-campo bem povoado, de modo a evitar qualquer surpresa nos restantes 20 minutos finais.
A coisa estava a correr tão bem, que até deu para Layún regressar ao golos, após bom lance de Marega e insistência de Herrera.

O Mónaco apenas teve uma real oportunidade de golo em toda a partida: por Falcao, à trave.
Obviamente que se viu que (ainda) não estão tão fortes como na época passada (nem podiam, após tantas saídas importantes) mas continuam a ser uma equipa a ter em conta.

E, tal como na final de 2004, o príncipe Alberto lá levou mais 3 para contar....

domingo, 24 de setembro de 2017

Quo Vadis, Dr. Fernando Gomes?

Autor: Mário Faria

Conheço Fernando Gomes desde muito jovem, quando jogava basquetebol pelo FCP.

Campeões nacionais de basquetebol 1971/72 (fonte: blogue 'Lôngara')

Andou pelo clube durante muitos anos e, como dirigente, com ele troquei opiniões, aplausos e divergências. Deste convívio meramente institucional, dele tirei ideias contraditórias: divide-me frequentemente entre a competência que lhe reconhecia e os sinais exteriores de vaidade que assumia como administrador e nada tinham a ver com a alegria e a simplicidade enquanto atleta e capitão da equipa de basquetebol.

Fernando Gomes na apresentação do empréstimo obrigacionista 2009-2012

Saído do FCP, atravessou diversos cargos e desaguou em Lisboa na condição de presidente da federação. Não há almoços de borla e a conquista desse lugar teria que ter contrapartidas. Nunca pensei que chegasse a um ponto de rendição total. Esperava, há muito tempo, que desse um murro na mesa, mas nunca imaginei que fosse tão favorável aos que capturaram o futebol, são os donos disto tudo e que produzem os piores efeitos na indústria do futebol, como gostam de dizer os bons rapazes.

Joaquim Evangelista (Sind. Jogadores), Fernando Gomes e Luís Filipe Vieira

O presidente da Federação deve arbitrar as divergências e combater o que é flagrantemente desigual, mas optou por tomar o partido dos mais fortes, porque dos fracos não reza a histórias. Basta ver o coro que se lhe juntou para perceber ao que veio.

Capa de A BOLA de 22-09-2017

O futebol tem muito de irracional e a violência deve ser combatida sem tréguas. Mas fazer justiça não é tratar de forma igual quando há uma disparidade brutal na forma como os diversos poderes se posicionam para privilegiar e hegemonizar uma actividade que requer e está dependente do exercício da livre (mas regulada) concorrência.

É isso que acontece no nosso país? Todos se ajoelham ao poder do SLB. As desigualdades de tratamento são preocupantes. E como sentimos isso na cidade do Porto e no FCP.

Esqueceu-se? Oh Dr. Fernando Gomes, que grande decepção!

sábado, 23 de setembro de 2017

Noite tranquila, sem autocarros


7 em 7.
Sérgio Conceição manteve a aposta em Herrera mas, desta vez, com uma diferença significativa: voltou ao meio-campo a dois e, com o regresso de Corona, outros tantos extremos puros, na frente, a servir os dois pontas-de-lança.
Um sistema que já tinha permitido outras goleadas caseiras na presente época e que nos coloca mais longe daqueles embaraçosos empates, habituais nas últimas temporadas, e que tantos danos nos causaram.
É, aliás, um esquema que também o nosso maior rival utiliza com frequência.

O Portimonense foi um adversário diferente no Dragão. Como já tinha demonstrado noutros estádios da primeira liga, não é uma equipa de estacionar o autocarro em frente à sua baliza. No final, colheu os frutos positivos e os negativos de tal opção.
O FCP encontrou os espaços de que tanto gosta Marega e isto ainda durante o primeiro tempo. Algo de praticamente inédito neste tipo de partidas.
Marcano, que tantas vezes parece mais uma "testemunha" do que um participante activo dos jogos, desta vez  foi quem desbloqueou o marcador, aproveitando um ressalto já bem dentro da área. Lá mais para a frente, borraria, no entanto, a pintura, na forma como permitiu o segundo golo dos algarvios.

Aboubakar marcou logo a seguir, num lance em que mostrou a rapidez de reflexos própria de um "matador" de área. Aqui e ali, porém, demonstrou que não está na forma de início da época. Ainda assim, justificou a titularidade, dadas as incertezas que ainda rodeiam Soares.

O terceiro golo acabou de vez com o jogo. Marega, o homem do momento, facturou num toque de habilidade, provando ser mais do que apenas um poço de energia.

Brahimi, uma vez mais o melhor em campo, marcaria outros dois e a nota negativa aconteceu no primeiro golo do Portimonense, num lance em que foram dadas demasiadas facilidades ao adversário.

Segue-se uma semana muita dura: viagens ao Mónaco e Alvalade. Vamos ver de que fibra é realmente feita esta equipa de Sérgio Conceição.

E, para o jogo com o scp, não se esqueçam que o presidente da FPF nos aconselhou a comer e calar.
A culpa de todo o mal do futebol luso parece ser do mensageiro. Daquele que coloca a nu a relação de promiscuidade entre os poderes do futebol e um determinado clube.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

6 em 6, mas...

Primeiro, o essencial: 6 vitórias em 6 jogos na Liga Portuguesa e 5 pontos de distância para o slb.



Escondido nas entrelinhas: Sérgio Conceição fez duas alterações de monta e o resultado não foi assim tão diferente das sofridas exibições contra Chaves e Besiktas.
É bem verdade que Óliver vinha a decair de rendimento, como é aliás habito nele, com o acumular de partidas nas pernas (se bem que, na primeira-parte do jogo de quarta-feira, estivesse uns furos acima de exibições recentes) e que Corona, tirando o grande golo em Braga, andava muito apagado, porém, não foi com o Herrera de sempre, e com este actual Otávio, que as coisas melhoraram e os 45 minutos iniciais foram uma cópia quase fiel do encontro contra o Chaves: quase nenhumas oportunidades de golo e nem sequer um grande caudal ofensivo (o Rio Ave, estranhamente até, com mais posse de bola ao intervalo).
O mexicano, regressado para a sua enésima oportunidade de provar a sua utilidade, foi o jogador que mais perdas de bola teve ao longo da toda a partida (oito no total, o dobro do segundo pior - Aboubakar). Já Otávio, voltou a não fazer a diferença. O que ele jogava há um ano, quando regressou ao nosso clube, e o pouco que agora mostra...

Pela positiva, tivemos novamente direito a um Danilo absolutamente decisivo. Sim, ainda terá que melhorar muito para se aproximar dos níveis altíssimos que alcançou a meio da época passada mas, sem dúvida alguma, a ninguém devemos mais do que a ele esta importantíssima vitória.

E, depois, temos ainda Marega. Mais uma exibição positiva da sua parte. Quem mais, sem ser ele, conseguiria aquela arrancada para o segundo golo? Certo que, depois, a bola ressaltou, com alguma sorte, para os pés de Brahimi (quem melhor?) e que foi este o responsável maior pelo lance ter tido um final feliz, mas o homem do Mali foi quem acreditou primeiro.

Nota final para o primeiro golo sofrido. Já se adivinhava que estaria perto, pela amostra das duas últimas partidas, e ele aconteceu mesmo, num erro incrível de colocação de Ricardo Pereira.
O português ainda não comprovou, em estádios nacionais, tudo aquilo que durante dois anos se escreveu sobre a sua passagem pelo campeonato francês.

E eis que já não falta quase nada para o jogo-chave de Alvalade...

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

É o que temos: (muita) atitude, garra e falta de qualidade individual

O FC Porto mereceu ter vencido o Bessiktas por mais de um golo de vantagem. Gerou jogo e caudal ofensivo suficiente para isso e raramente esteve ameaçado pelos turcos. O resultado não podia ser mais enganador em relação ao que se viveu no relvado e no entanto é o resultado natural dadas as circunstâncias. Uma equipa que quer atacar um jogo da Champions League com Marega, Hernâni, Soares e André André nos momentos de maior aperto é, claramente, uma equipa fora de lugar. O FC Porto não tem plantel para ombrear com a elite continental e hoje, viu-se, nem sequer para lutar contra equipas do mesmo nível quando o que está em causa é o talento individual. Houve quatro golos no Dragão e nenhum foi de um jogador azul e branco. O talento individual de Quaresma, de Talisca, de Babel ou a liderança de Pepe estão do lado de um Bessiktas que, como qualquer gigante do futebol turco, tem bom dinheiro para gastar e pagar em salários. O FC Porto de há uns anos podia perfeitamente competir com essa realidade e fazia-o. Esta versão não. Sérgio Conceição não tem culpa. Montou um esquema para dominar o esférico e usar os espaços e depois, quando se viu a perder - em duas ocasiões - meteu toda a carne no assador. Atitude e querer nunca faltou à equipa e essa é a melhor nota. Mas só isso não chega. Não a este nível. É a crua e dura realidade.

Também não ajudou que no dia em que bateu o recorde de Xavi e passou a ser o jogador com mais jogos de sempre na história da competição, Iker Casillas estivesse similar ao Iker de há dois anos, o que custou o lugar a Lopetegui. O segundo e o terceiro golo contaram com duas estiradas pouco determinadas, apesar do primeiro ser um disparo tremendo e o segundo ser uma tabela básica que deixou a nu as falhas defensivas que oferecem os laterais do FC Porto, neste caso Alex Telles, que depois de ver como tinha de ser dobrado no seguimento ao seu homem, esqueceu-se de acompanhar Babel e este conseguiu disparar a belo prazer, um remate que Iker Casillas podia ter feito mais para parar. Não o fez e o jogo morreu, matematicamente, ali. Na prática, apesar da sensação de máxima entrega, já tinha morrido quando todos perceberam que a linha ofensiva do Porto era inofensiva frente á baliza. Pouco acerto. Muito pouco para tanto caudal. Se com NES o problema era chegar á frente e criar perigo - e cada lance de André Silva era um oásis - aqui o problema é que a qualidade individual dos interpretes não está à altura da quantidade de opções criadas. Oliver e Brahimi, na primeira parte, e o argelino e Otávio, no segundo tempo, bem se esforçaram e fizeram mexer as peças do puzzle mas nem Ricardo nem Alex estiveram acertados nem apoio nem os dois avançados titulares - a baixa de Aboubakar hoje deu um reflexo do que poderá passar se o camaronês se lesiona - mostraram estar á altura entre manos a manos desperdiçados e remates sem sentido. Nem sequer a meia distância, que ás vezes pode fazer a diferença, resultou efectiva. O Porto fez um jogo à Porto no querer e na atitude mas não foi suficiente para bater um Bessiktas que, na prática, é uma equipa banal e a mais débil do grupo. Na altura do sorteio ficou claro que este grupo, sem nenhum cabeça de cartaz, pode acabar com o Porto em primeiro ou em último. Os sinais de hoje deixam claramente a sensação que com um plantel tão curto - uma vez mais não havia um só ponta-de-lança no banco para lançar - é muito difícil aspirar a algo mais do que ir amealhando pontos e euros e ver o que passa sem tirar a cabeça do que deve ser prioritário, a Liga.



Ao trabalho de Conceição, como tem sido apanágio, não há muito a dizer que não seja positivo. A retirada de um esforçado Oliver, que teve nos pés grandes destelhos e duas excelentes ocasiões, entende-se no conjunto da gestão de esforços e na ausência de opções de ataque, pouco se lhe podia exigir quando a terceira substituição resultou ser Hernâni. Em atitude, capacidade de empurrar a equipa para a frente e mostrar, ao abdicar de Danilo - que continua sem se sentir totalmente cómodo neste modelo - vontade de ganhar contra tudo e todos, foi o mesmo treinador que nos jogos da Liga, um excelente sinal de atitude ganhadora. Mas quando os erros individuais - de Casillas atrás e da linha de ataque frente a Fabricio - condenam o resultado final, pouco mais há a dizer. O enfoque principal é o que é. O plantel é curtíssimo e não podemos exigir pérolas a porcos. Quem é o responsável desta gestão - mais uma vez, por culpa da sanção da UEFA só havia 19 jogadores disponíveis para o técnico trabalhar opções - e da falta de um plantel de garantias que dê a cara no momento oportuno. Técnico e jogadores deram tudo o que tinham. Nalguns casos o melhor que têm é isto e não há como disfarçar. Pode, perfeitamente, ser suficiente para consumo interno como o Benfica tem vindo a demonstrar com planteis tão fracos e jogadores tão ineptos, ainda que eles tenham sempre um joker na manga e a chamada do público em cada jogo para utilizar em momentos de aperto, mas quando falamos de Champions League não há milagres. Venha o próximo duelo a sério!

Com árbitros estrangeiros não há “verdade desportiva”

André Almeida e Luisão no SLB x CSKA Moscovo (foto Lusa)

«O Estádio da Luz já não estava habituado a ver a sua equipa a perder. Mais de nove meses depois – e ao 21º jogo desde a última derrota –, o Benfica voltou a ser batido em casa. Antes do encontro desta terça-feira, a última vez que as águias haviam caído na Luz foi com o Nápoles, também por 1-2 e igualmente na fase de grupos da Liga dos Campeões
in Record, 13-09-2017

«os encarnados não perdiam um jogo desde março, mais precisamente desde o dia 8 desse mês, quando visitaram o Borussia Dortmund, na segunda mão dos oitavos-de-final da Champions, e foram goleados por 4-0»
in Record, 13-09-2017

«As últimas exibições do Benfica não estavam a ser convincentes, mas o certo é que a equipa mantinha-se imbatível, tendo mesmo começado a época com a conquista de um troféu, a Supertaça. Esta foi, pois, a primeira derrota da temporada.»
in Record, 13-09-2017

«Rui Vitória fez questão de manifestar o desagrado com a exibição da equipa de arbitragem e no final do jogo dirigiu-se ao juiz espanhol para contestar algumas decisões. Técnico benfiquista e árbitro trocaram algumas palavras, após o apito final, algo que já havia sucedido durante a partida, mas desta feita com o quarto árbitro, que várias vezes condenou o facto de Vitória deixar a área que lhe está destinada
in Record, 13-09-2017

Rui Vitória e os árbitros no SLB x CSKA Moscovo (foto Record)

«No dia em que o Estádio da Luz acolheu a pior casa em jogos da Champions dos últimos quase dois anos (…).Se, já ao intervalo, Luisão teve de pedir aos adeptos que, em vez de assobiar, puxassem pela equipa, na segunda metade os apupos voltaram a espaços (…) nos minutos finais foi da claque dos encarnados que surgiu o mote: “Joguem à bola!”
in Record, 13-09-2017


Joguem à bola?
JOGUEM À BOLA?!!!
Seus ingratos de m...@.
Não ouviram e leram o que disseram os “cartilheiros”?
Nomeiem mas é o Vasco Santos, ou o Fábio Veríssimo, ou o Bruno Esteves, ou o Manuel Mota, ou o Tiago Martins, ou o Nuno Almeida, ou o Bruno Paixão, ou qualquer outro “padre” ou vídeo-padre”.

Isto, está visto, com árbitros estrangeiros não há “verdade desportiva”…

sábado, 9 de setembro de 2017

Penáltis à benfica

pe·nál·ti (inglês penalty) – No futebol, castigo aplicado contra uma equipa por uma falta cometida por um dos seus atletas dentro da grande área e que corresponde ao direito a um remate, a 11 metros da baliza, onde a bola é colocada para a execução do penálti.
in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013

Penálti à benfica – Penálti assinalado num lance duvidoso (manhoso), após um ligeiro contacto que, frequentemente, proporciona uma pirueta ou “mergulho” artístico. O lance em questão divide a opinião dos especialistas em arbitragem e/ou em situações semelhantes, a favor de equipas que não o SLB, raramente é assinalado.


4ª jornada: Na 2ª parte do Rio Ave x SLB, a equipa de Vila do Conde marcou o 1º golo e ficou em vantagem no marcador (1-0). Apenas 5 minutos depois, o “padre” nomeado para a “missa dos encarnados”, sem necessitar de apoio do “vídeo-padre”, assinalou um penálti à benfica, possibilitando a rápida recuperação no marcador ao clube do regime.

5ª jornada: Na 2ª parte do SLB x Portimonense, a equipa algarvia marcou o 1º golo e ficou em vantagem no marcador (0-1). Apenas 3 minutos depois, o “padre” nomeado para a “missa dos encarnados”, sem necessitar de apoio do “vídeo-padre”, assinalou um penálti à benfica, possibilitando a rápida recuperação no marcador ao clube do regime.

Capa de O JOGO de 09-09-2017

Tribunal de O JOGO (SLB x Portimonense)

Apesar da denúncia do “polvo encarnado”, suportada numa ampla divulgação pública de e-mails, os quais são reveladores da teia de ligações e esquemas subterrâneos existentes, tudo continua na mesma, ou até pior (com a introdução destes "vídeo-padres").

Na realidade, o que estas primeiras cinco jornadas demonstraram de forma inequívoca, é o facto do SLB ser, cada vez mais, o clube do regime – futebolístico, mediático e político. A propósito disto, e relembrando o que se passava na Roménia do ditador Nicolae Ceausescu, sugiro mesmo que a sigla SLB passe a significar Steaua Lisboa e Benfica…

sábado, 2 de setembro de 2017

Zero reforços

Sérgio Conceição é um tipo com coragem. Tem feito um trabalho admirável de coesão, colocou a equipa a jogar bastante mais (sem ser brilhante tem logrado momentos de brilhantês, o que não é o mesmo), assumiu uma abordagem vertical, ofensiva e de riscos e, sobretudo, um projecto que hoje lhe dá menos a ele do que ele pode dar ao projecto. E para isso é preciso ser um tipo de coragem.

O "negócio" de Vaná - a posição que o FC Porto seguramente mais precisava de reforçar - impede que podamos afirmar que o FC Porto não contratou ninguém neste defeso. Também há quem defenda que além dessa "contratação", o FC Porto também recebeu na forma dos emprestados do ano passado "reforços", casos de Ricardo Pereira, Moussa Marega (um jogador que a esmagadora maioria dos adeptos há um ano ofereceria grátis a quem quisesse pegar nele) e Vincent Aboubakar. Recuso-me a chamar "reforços" a jogadores que já pertenciam ao clube e que, pelo menos no caso de Ricardo e Aboubakar, jamais deviam sequer ter saído do plantel principal. Portanto, sendo intelectualmente honestos, o FC Porto não contratou ninguém útil e não se reforçou no mercado. Sérgio Conceição sabia que chegava a um clube com problemas financeiros - motivo por qual a maioria dos treinadores sondados por Pinto da Costa lhe deu as costas - e debaixo do olho atento da UEFA. O que provavelmente não sabia é que não ia sequer ter um pequeno brinde até ao fim do mercado na forma de um ou dois jogadores da sua escolha. Conceição é o primeiro treinador que começa uma época com o FC Porto sem um reforço pedido. Nem um. Se nos lembramos que Co Adriaanse abandonou o barco por algo parecido há pouco mais de uma década, fica claro como as coisas mudaram no Dragão. O Porto vai para a guerra com os mesmos do ano passado, entre os que estavam e os emprestados. Nem mais nem menos.

Tudo o que suceda a partir de agora é, portanto, um milagre.
Para ser segundos o clube já tinha os Lopetegui e NES da vida. Depois de quatro anos o clube tinha de fazer um esforço para ser campeão e quebrar um ciclo nefasto. Não o fez. E o treinador será o menos culpado. Conceição pode cometer erros (vale a pena pensar na formação e no seu tratamento da mesma num futuro) de cariz táctico em determinados jogos (o esquema original já deu para perceber qual é e ninguém vem enganado) ou ter problemas de gestão de balneário. Mas sem ovos nem o melhor cozinheiro faz omeletes. O Benfica e, sobretudo, o Sporting, reforçaram-se bastante melhor e têm planteis com mais soluções para a maioria das posições. Se o Porto já não partia em superioridade face ao que havia em cada onze no ano passado, este ano o abismo aumenta. Uma lesão de Soares/Aboubakar, de Oliver, de Danilo ou de Brahimi abre um problema muito sério. São 41 jogos, o mínimo, por temporada, números que, provavelmente, se aproximem dos 50 com as Taças. E na prática há posições onde há uma solução e meia. Há três avançados centro para dois lugares segundo o esquema actual. Oliver e Otávio nunca demonstraram ter o pulmão para aguentar uma época a somar noventa minutos constantemente e nem André André nem Herrera cumprem o mesmo papel que Danilo, que deixou de ter concorrência directa. Na ala os únicos extremos puros são Brahimi, Hernâni e Corona, admitindo-se que tanto Ricardo como Layun podem dar uma mão, mas sempre obrigando a recorrer a planos B e C´s noutras posições. A manta é curta. Ponto.



Felizmente a ausência de dinheiro real - e não aquele que outros clubes movem alegremente no mercado - e o olho atento da UEFA (ficaram 37 milhões de euros por contabilizar nas vendas, um problema mais para resolver que Luis Gonçalves não soube driblar) obrigaram o clube a actuar com prudência. No caso desta SAD actuar com prudência é um bom sinal, pelo menos, salvo o caso Vaná, não houve comissionistas a beber da teta da vaca e quase metade dos excedentários encontraram colocação. O lado negativo, responsabilidade de Gonçalves - o director de futebol continua sem existir no mercado - e também de uma política que depende excessivamente da gestão de Mendes, D´Onofrio e Teixeira para que os jogadores saiam do clube, foi o facto de vários excedentes não terem sido colocados e os que foram terem aportado muito pouco ao clube, que se livra em alguns casos dos salários mas não recupera nem parte do investimento. Muito triste. Se a isso juntamos que jogadores que não vão ser titulares e podiam ter rendido bom dinheiro como Maxi, Reyes/Indi e Herrera ficaram no plantel e o buraco de 37 milhões continua aí (quando, há um ano, só Herrera, segundo o Presidente, valia mais dos 30 milhões que recusou), não se pode dizer que tenha sido um verão positivo. Só saíram dos jogadores da casa, com um futuro superior às cifras que foram pagas por eles como vão seguramente demonstrar. Muito pouco.

Na prática foi também Conceição - e tendo em conta a sua coragem e a forma como tem trabalhado acho que merece sem dúvida o beneficio da dúvida nestes casos, se teve intervenção directa na decisão - quem decidiu virar as costas à equipa B e à formação. Todos os que podiam reforçar o plantel e abrir passo a algumas saídas úteis foram "despachados". Fonseca (lateral direito), Rafa (lateral esquerdo), Mikel (médio defensivo) e, sobretudo, Rui Pedro (avançado) podiam ter sido opções úteis para complementar o plantel, mais tendo em conta as restrições da lista da UEFA. Um caso para abordar mais à frente, com paciência e perspectiva.

Conceição tem um desenho táctico que funciona claramente em Portugal - na Europa, como Jorge Jesus, o seu primeiro grande defensor, e mais tarde Rui Vitória, têm demonstrado, nem tanto - e esse é e tem de ser o grande objectivo. Até agora, por jogo e por atitude, o seu trabalho tem sido muito superior às expectativas mas o ano é largo e haverá algum momento em que olhar para o banco e ver que não há um só avançado para entrar (como tem sucedido na ausência de Soares) pode ser a morte do artista. Conceição aceitou o desafio e nós aceitamos o desafio com ele. A responsabilidade, um ano mais, mais do que nunca, tem nomes próprios e apelidos. Em Maio, se o FC Porto for campeão, nunca será tanto por culpa de um treinador e tão pouco por mérito de um Presidente. Oxalá assim seja. O espírito do Dragão que Sérgio e os jogadores têm reactivado, muito mais real e sentido que o "Somos Porto", bem o merece!

Sérgio, estamos contigo!

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Nada de novo à 4ª Jornada...


Nada de novo. Em Vila do Conde o Benfica empatou um jogo que devia ter perdido. O árbitro Hugo Miguel conseguiu ver uma falta na área vilacondense sobre o 'piscineiro' Jonas, e apressadamente marcou penalty que o mesmo converteu. Um lance que ocorreu nos minutos seguintes ao golo do Rio Ave. Foi este mesmo Hugo Miguel que na época passada não conseguiu ver dois penalties a favor do FC Porto no jogo em Braga por agarrão claro a Felipe e por falta sobre Otávio. Neste jogo em Vila do Conde, Hugo Miguel foi ainda hábil ao ponto de perdoar as expulsões a Pizzi, que pontapeou um adversário aos 74' nas suas barbas (!) e a Eliseu, que continuou a colecionar agressões impunemente num jogo que nem sequer deveria ter disputado (alô, Comissão de Disciplina ?!). Continua a valer tudo quando se trata de jogadores benfiquistas.


Apesar das denúncias públicas recorrentes de Francisco J. Marques sobre o esquema de tráfico de influências, coação e corrupção montado pelo Benfica, os árbitros continuam a atuar como se a população ainda não soubesse do que se passa por trás da cortina. Não ganharam vergonha.

Na ressaca do jogo o Benfica ainda teve a distinta lata de acusar FC Porto e Sporting de criarem "clima de grave coação e intimidação".


Às claques "de adeptos organizados" do Benfica foi permitido que saíssem do Estádio dos Arcos ao mesmo tempo que os adeptos da casa. A responsabilidade foi do esquema de segurança (ou da ausência dele) montado pela PSP. Houve agressões graves a adeptos do Rio Ave, tendo o clube de Vila do Conde reagido oficialmente em Comunicado. Ninguém foi/será responsabilizado. Ao Benfica continua a ser permitido algo que a nenhum outro clube é permitido: ter uma claque não registada, portanto ilegal, e ainda lhe conceder apoios financeiros e logísticos. Os seus membros continuam a espalhar o terror pelos estádios do país. O Ministério Público e a Polícia, designadamente a PJ e a PSP, sabem mas nada fazem para resolver o problema. Serão co-responsáveis morais por acidentes graves que eventualmente venham a ocorrer. O outro responsável moral será o Benfica na pessoa do seu presidente Luis Filipe Vieira, que publicamente negou o óbvio com a maior desfaçatez.

Foto: OJOGO (Fábio Poço/Global Imagens)

Por outro lado, a casa do FC Porto de Famalicão foi vandalizada com o arremesso de tochas e garrafas, tendo provocado ferimentos ligeiros a alguns adeptos que se encontravam na esplanada. Por anónimos ou por membros de "grupos organizados de adeptos", não se sabe. Mas não será difícil adivinhar.

No jogo em Braga o árbitro Carlos Xistra ainda deu um ar da sua graça. Só na primeira parte perduou 3 cartões amarelos a jogadores do SC Braga. Na segunda parte, menos mal, ou melhor, com maior equidade no juízo disciplinar, não significando isto que tenha estado propriamente bem. Duas entradas perigosas, uma para cada equipa, poderiam ter visto o vermelho direto.

Não bastará, assim, a denúncia pública do Diretor de Comunicação do FC Porto e das várias páginas portistas com maior audiência nas redes sociais. É necessário ser o Clube, através de elementos da sua Direção, a fazer a denúncia e a exigir alterações profundas na organização da Liga, da Arbitragem e da FPF. É à Direção do FC Porto que cabe liderar um movimento de mudança nas principais estruturas do futebol português. Caso contrário tudo continuará igual e será outro ano de muita indignação e nenhuma ação.
   

sábado, 26 de agosto de 2017

Sonho de uma Noite de Verão

Faz hoje precisamente 30 anos, no velhinho Estádio de Antas, aconteceu um jogo diferente dos demais. Por alguma razão, aqueles que tiveram a fortuna de o presenciar, naqueles tempos de futebol ao vivo, não mais o esqueceram.
FCP 7 X Belenenses 1, 26 Agosto de 1987.

O FCP ainda estava com a "corda" toda, não só com aquela que vinha desde a final da Taça dos Campeões da época anterior, mas também com a que foi acrescentada por nova vitória sobre o Bayern, com direito a mais um golão de Madjer, num torneio "Joan Gamper" apenas concluído.
O jogo já era aguardado com uma maior expectativa do que a habitual, não apenas por se tratar da partida inaugural do campeonato, mas também pelo facto de ser a primeira vez que o FCP jogava em casa, num jogo a sério, após a monstruosa vitória de Viena.
Saber-se-ia, mais lá para a frente, que esta vitória iria acontecer não contra um Belenenses qualquer mas sim um de casta superior, que Marinho Peres iria encaminhar para um prestigioso terceiro lugar no final da época.
Madjer fez um "hat-trick", todos eles grandes golos, e os restantes quatro também foram de bom nível. Mas foi muito mais do que isso: uma exibição colectiva num patamar tal como raras vezes se repetiu até aos dias de hoje. A vítima foi o Belenenses, como seria qualquer outra equipa que por ali aparecesse naquela noite mágica. No final da partida, um observador do Barcelona, que supostamente estaria ali para avaliar os azuis de Belém, seus próximos adversários na Taça UEFA, só tinha era palavras elogiosas para o argelino do FCP.
Tomislav Ivic, na sua estreia oficial pelo nosso clube, era um homem que irradiava uma imensa felicidade após o apito final.

"Madjer & Cia ilimitada" titulava o "JN" no dia seguinte, acrescido de "Um pacto com Alá" na avaliação individual dos jogadores, naquela que terá sido umas das maiores exibições, de um nosso jogador, em toda a história do clube.
O melhor de tudo, porém, ficou guardado para o final. Um apoteótico golo de Madjer. Mais um. De calcanhar, como não poderia deixar de ser, para coroar tamanha exibição. Um calcanhar que, na opinião de muitos (o próprio jogador incluído), foi até melhor que aquele mais célebre de Viena. Isto porque, para além da estocada propriamente dita, este teve ainda direito a um brilhante toque anterior, de preparação, executado com o mesmo pé.
"Há imagens desse golo?", perguntou Madjer durante uma entrevista ao "Ionline". "Só as tenho na minha mente, pois não mais o revi".
Por isso mesmo estamos aqui nós a contar esta história, Madjer. Como se Agosto de 1987 fosse hoje.

P.S.: Existem, efectivamente, imagens desta partida, no Youtube, cortesia do blog "Basculaçao".

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Duplo alívio

Cláusula de rescisão de Ricardo Pereira (O JOGO, 24-08-2017)

Perdi a conta às inúmeras notícias, que deram a saída de Ricardo Pereira como quase certa.

Após o interesse do Tottenham (que vendeu Kyle Walker ao Manchester City), ontem era a Juventus (que vendeu Daniel Aves ao PSG) a voltar à carga e que se preparava para bater a cláusula de rescisão.

E depois de ouvir um comentador da SIC (Joaquim Rita), dizer que 25 milhões de euros eram trocos para clubes como o Tottenham e a Juventus, hoje de manhã estava à espera de ver a transferência de Ricardo Pereira confirmada.

Afinal, o valor da cláusula era uns “trocos” acima dos anunciados 25 milhões e, embora 37,5 milhões de euros não dê para os adeptos do FC Porto ficarem descansados, sempre dá para ficarem um pouco mais aliviados.

Entretanto, por volta do meio-dia de hoje, tivemos uma outra boa notícia relacionada com o Ricardo Pereira: Fernando Santos voltou a não convocar o melhor lateral direito português para os jogos com as Ilhas Faroé e a Hungria.

Como, ao contrário de outros jogadores, o Ricardo Pereira não precisa da “montra” da Seleção para se valorizar (até seria contraproducente que se valorize mais), foi com alívio que soube que o Ricardo ia continuar por cá, integrado no grupo de trabalho de Sérgio Conceição.

Obrigado Fernando Santos, só foi pena ter convocado o Danilo Pereira.

P.S. Para passarmos de um duplo para um triplo ou tetra alívio, falta a Administração da FCP SAD renovar com o Ricardo Pereira, o Aboubakar e o Ivan Marcano.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Estar alerta não chega

FC Porto x Moreirense, Tribunal de O JOGO

«Atualmente, há seis analistas de arbitragem nos três jornais desportivos: três em O Jogo (Fortunato Azevedo, Jorge Coroado e José Leirós), dois no Record (Jorge Faustino e Marco Ferreira) e um n’A Bola (Duarte Gomes). Todos têm a mesma opinião: aos 36 minutos do jogo de ontem ficou por assinalar uma grande penalidade por falta de Abarhoun sobre Corona. Um lance difícil, mas descortinável através da televisão. O lance ideal, portanto, para o videoárbitro intervir.
Com este caso, completadas que estão três jornadas do campeonato, o FC Porto foi prejudicado em três penáltis, precisamente um em cada um dos jogos (não esquecer as faltas de Moreira sobre Marcano e de Ricardo Costa sobre Marega). É uma média assustadora que nos faz lembrar os piores momentos das últimas quatro épocas.
Que o FC Porto tenha tido capacidade, em três jogos, para contornar três erros graves da arbitragem, só nos pode deixar satisfeitos. Que os árbitros continuem, mesmo com o apoio dos videoárbitros, a errar constantemente contra a nossa equipa, só nos pode deixar em alerta máximo.»
in ‘Baluarte Dragão’, 21-08-2017


Sim, jogo após jogo, os árbitros continuam a errar contra o FC Porto.

Sim, é importante denunciar estes “erros” (quando a coisa é sistemática, eu deixo de acreditar que são meros erros de arbitragem).

Sim, temos de estar em alerta máximo com as arbitragens, com as nomeações de “padres”, com as (in)decisões dos VAR, com as notas dos observadores e as avaliações posteriores.

Contudo, vendo o que está a acontecer esta época, em que as tendências e os “erros” de arbitragem (árbitros principais, árbitros auxiliares e VAR) continuam a ser na mesma linha dos últimos anos, o que devemos fazer?

V. Guimarães x Sporting, Tribunal de O JOGO

SLB x Belenenses, Tribunal de O JOGO

Eu volto a dizer o que já escrevi aqui e aqui.

Vídeo-árbitro? Como é que o vídeo-árbitro haveria de resolver alguma coisa, se os árbitros do vídeo são os mesmos árbitros que, nos últimos anos, andaram nos relvados a “estender tapetes vermelhos”?
Estou cada vez mais convencido, que isto só pode mudar com outros árbitros, porque estes estão viciados no colinho.

Esta é uma batalha tremenda que, institucionalmente, o FC Porto parece não querer assumir.

Veremos o que dirão, Clube/SAD e adeptos, quando o FC Porto perder pontos, porque a capacidade da equipa foi insuficiente para contornar “erros” graves de arbitragem.