domingo, 16 de março de 2008

Bom Porto depois de Mar agitado

O FC Porto conseguiu mais uma vitória na sua caminhada imparável para a renovação do título de Campeão Nacional, desta vez frente ao "vizinho" Leixões no sempre complicado Estádio do Mar. Não foi um jogo fácil, longe disso, até porque a equipa teve de dar a volta ao resultado - a primeira vez que o conseguiu esta época! - para alcançar a vitória. Agora estamos a apenas 7 pontos de ser tricampeões.

Face às ausências forçadas de Paulo Assunção e Bosingwa, Jesualdo recorreu a João Paulo para substituir o brasileiro e a Marek Cech para o lado esquerdo, passando Fucile para a direita da defesa. Não é nada fácil substituir Paulo Assunção e João Paulo mostrou que (ainda) não tem a mesma subtileza e eficácia a abordar os lances de ataque adversário, nem o mesmo sentido de posicionamento em campo. Às vezes só quando os bons jogadores faltam é que damos pela falta deles. Mas não foi por aqui que o FC Porto não se adiantou no marcador. Mais uma vez, e isto já começa a ser preocupante, precisamos de criar muitas oportunidades para chegar ao golo, dada a ineficácia do nosso ataque. Farías esteve especialmente infeliz ontem à noite e Quaresma alternou entre o muito bom e o muito mau - já começa a ser um hábito.

Apesar de terem pertencido ao FC Porto as duas melhores ocasiões da primeira parte, há a registar a desmotivação e a fraca atitude competitiva dos jogadores do FC Porto. No início da segunda parte, e sem nada ter feito até aí para o merecer, o Leixões chegou ao golo depois de um centro do lado esquerdo do ataque e de uma falha de marcação de Bruno Alves que permitiu o remate certeiro a Roberto.

Em desvantagem no marcador, Jesualdo reagiu e tirou João Paulo para entrar Tarik Sektioui, aos 54 minutos. Esta substituição foi a chave do jogo, já que o Leixões recuou perante a superioridade numérica portista em alguns lances de contra-ataque. Aos 75 minutos, depois de uma assistência de Tarik, Lisandro (sempre ele!) fez o empate e devolveu justiça ao marcador.

O FC Porto não se contentou com o empate e foi em busca da vitória. As jogadas de ataque portista sucediam-se e aos 85 minutos surge a desmarcação - em linha - de Tarik que, face ao guarda-redes leixonense, faz um balão e depois de passar por ele remata para a baliza deserta fazendo o 1-2. A vitória já não fugiria. Grande entrada de Tarik, a provar que é titular e que já não se justifica minimamente tirá-lo da equipa para lá colocar o argentino Farías.


7 comentários:

Virtual Education disse...

Esforço bem aplicado do FCP atrás do prejuízo.

Mais uma vitória caso os seus seguidores na próxima jornada se atrasem e o Tri "is ours"!!

Nelson Carvalho disse...

Aquela espécie de 4-4-2 do Porto não funcionou muito bem, apesar de termos criado oportunidades para ficar na frente do marcador ainda na 1º parte.

Mas substituições de Jesualdo surtiram bastante efeito, especialmente a de Tarik que dinamizou o nosso ataque. Adriano tambem me pareceu bem ontem.

Faltam 7 pontos...

Tiago disse...

Tivemos bastantes dificuldades graças a bela exibição do Beto e à desastrosa exibição do fiscal de linha na 1ª parte, caso contrário o jogo tinha sido um autêntico passeio.

RUMO AO TRI...MELHOR RUMO AO TETRA

José Correia disse...

Vitória normal da melhor equipa e, se não fosse a exibição lamentável do árbitro auxiliar, o jogo poderia estar resolvido ao fim de 15 minutos.

Depois de ter prometido muito em um ou dois jogos do início da 2ª volta, o Farias tem vindo a desiludir nos últimos jogos ou, pelo menos, a não corresponder às expectativas criadas.

A chave do jogo foi a entrada do Tarik que, em 35 minutos, fez mais do que o Farias em 70.

Mário Faria disse...

O jogo Leixões-Porto foi relativamente fraco. Começámos bem, continuámos bem durante uns 20minutos, mas o juiz de linha, com as decisões que tomou, fez quebrar um pouco ritmo e o Leixões pode subir um pouco as linhas e provocar que fossemos menos fluentes nas transições.
João Paulo que entrou muito bem, à medida que o Leixões foi melhorando, deixou de ter a mesma influência e foi perdendo fulgor. Lucho, também, tendo acabado o jogo completamente esgotado. Perdeu mais bolas, que o costume.
Quaresma antes do excelente remate que fez, a que o gr do Leixões correspondeu bem, perdeu 5 bolas seguidas, tantas quantas lhe chegaram aos pés.
Tivemos duas ou três boas ocasiões de golo e umas quantas anuladas pelo juiz de linha. Na 2ª. Parte não entrámos bem, sofremos o golo, passámos por alguma tremedeira e PE oscilou demasiado nesse período.
Ganhámos e, desta vez, as substituições do Mister resultaram em pleno, embora tivessem ocorrido num período em que os jogadores do Leixões estavam completamente desgastados.
A equipa do Leixões foi muito fraca e o FCP tinha “obrigação” de controlar melhor o jogo e de ganhar mais facilmente. JF tem de “perceber” melhor quando e como deve entrar com Farías ou Tarik, que acabou por ser influente, exactamente na zona de influência de Farías.
Mais três pontos, a caminho do tri.
As declarações dos intervenientes no flash interview por parte do Leixões foram muito comedidas. Registei o fair play do adversário.

João Saraiva disse...

Ora muda aí o 7 por um 5.

Nicolau d'Almeida disse...

O Beto do Leixões esteve muito bem. Acho que já merecia uma chamada à selecção. Quanto ao Porto, foi muito positivo que tenha conseguido dar a volta a um resultado que começou por ser negativo. Já falta muito pouco para o Tri.

Também gostei muito do Adriano. Acho que é necessário reforçar o lado esquerdo da defesa. Quanto a mim, o sector mais fraco do Porto. Jorge Ribeiro do Boavista seria o meu eleito para aquela posição.

Cumprimentos.