terça-feira, 8 de abril de 2008

De pistola no balneário do árbitro


Pimenta Machado, antigo presidente do Vitória de Guimarães, afirmou hoje à saída do Tribunal de Gondomar, onde foi prestar depoimento como testemunha, que “o futebol português é uma mentira. Isto (processo Apito Dourado) é um apêndice. São pormenores.”

O ex-dirigente, que vive em Lisboa e chegou a ser falado como possível candidato a presidente do Benfica (clube cuja simpatia nunca escondeu), acrescentou:
«O futebol foi assim durante os últimos 50 anos. Agora dá jeito falar de Pinto da Costa. Está na moda. Porque não se fala das décadas de 50, 60 e 70 em que, inclusive, até houve um presidente de um clube que entrou de pistola no balneário a coagir um árbitro? Querem empolar, querem aumentar o share e as tiragens dos jornais. Tudo isto é um circo»

Porque não se fala das décadas de 50, 60 e 70?
Ora, deixa cá ver se eu adivinho...

Melhor ainda é a história do presidente de um clube que entrou de pistola no balneário do árbitro.
Esta história, referida hoje por Pimenta Machado, passou-se no dia 11 de Novembro de 1956, no Campo da Tapadinha, num Atlético – Sporting.
Ao intervalo o jogo estava empatado 1-1 e, pelos vistos, o presidente do Sporting – Carlos Góis Mota – não estava a gostar da arbitragem de Braga Barros, árbitro de Leiria. Vai daí, não esteve com meias medidas, invadiu a cabine do árbitro e, segundo foi referido na altura, de pistola em punho “aconselhou-o a tomar mais atenção na 2ª parte pois poderia prejudicar-se”.

Não, não é verdade que Góis Mota fosse da PIDE. Era “apenas” presidente da Legião Portuguesa, uma milícia criada em 1936, que estava sob a alçada dos Ministérios do Interior e da Guerra, e que nas décadas de 50 e 60 se caracterizou pela perseguição e repressão às forças oposicionistas ao regime, para a qual contribuiu o seu Serviço de Informações e a sua vasta rede de informadores.

Nota: O Dr. Carlos Cecilio Nunes Góis Mota tomou posse como presidente do Sporting em 28 de Janeiro de 1953 exercendo o cargo até 31 de Janeiro 1957. Participou por mais nove vezes na Direcção do Clube, duas como vogal e sete consecutivas como vice-presidente, desde 19 de Janeiro de 1946 a 30 de Janeiro de 1952.

Que este facto não sirva para manchar a história "imaculada" do Sporting. Toda a gente sabe que o Sporting sempre foi um clube de gente seríssima, acima de qualquer suspeita e que nunca, mas nunca, se envolveu em manobras nos bastidores do futebol...

De certeza que este caso é uma excepção... quer dizer, também houve os casos do Mário Luís (“o chinês”), do auto-golo de Manaca (previamente anunciado), da “fruta” para o árbitro inglês Howard King, das máquinas fotográficas para o árbitro Donato Ramos, etc., etc., mas pronto, são situações que foram muito empoladas...

4 comentários:

Nuno Nunes disse...

O Sporting é um clube que está num patamar muito superior de seriedade e de elevados valores morais. Os casos citados só podem ser mentira e invenção. Oh injustiça tratar assim tão casta instituição...

Tuga disse...

Ó Nuno, estás a mangar com a malta, nestas alturas da partida ?

Anónimo disse...

G.M - O senhor tenha mais atenção na 2ª parte, senão pode-se prejudicar...(aceno da arma em punho)

B.B - Sim, senhores(suor a escorrer a testa).
Não se preocupe presidente,eheheh

Anónimo disse...

Nos "bons tempos" do Sporting (clube do Estado Novo), talvez a maioria dos desportistas não saiba que quem tivesse problemas com a pide, não podia ser sócio daquele clube.tentem saber...