segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Entrar a ganhar, a lume brando...


Estreia do FC Porto a ganhar na Liga 2008/09, como se quer, logo com o adversário que foi responsável pela perda dos primeiros pontos da equipa portista no campeonato transato. O resultado foi o antídoto ideal na recuperação anímica após o desaire algarvio e em vésperas de um grande classico. Soube bem melhor que a exibição, tremida e algo sensaborona em largos periodos, a denotar ainda alguma desarticulação na maquina azul e branca.

Ainda assim, Jesualdo corrigiu o erro de “casting” em relação ao primeiro jogo oficial. Meireles baixou para a posição mais recuada do meio campo, introduzindo um elemento novo mais à frente, Tomás Costa, que foi deambulando entre o lado direito e esquerdo, em trocas constantes com Lucho.

Mas nem só no sector intermédio se debatem duvidas. Na defesa, os laterais ainda emanam desconfiança e maiores dificuldades na integração de construção de jogo. E na disposição defensiva das bolas paradas, o que se viu não foi agradável. Muitos calafrios que por manifesta felicidade não se tornaram em verdadeiros amargos de boca.

Ficou contudo adiada para a estreia da Liga o “novo” Mariano. Mais forte, mais agil, mais motivado, mais determinado, predicados que o levaram a acreditar naquela bola perdida e marcar o primeiro golo dos Dragões nesta temporada. O seu melhor momento surgiría já perto do intervalo, quando numa iniciativa individual atira forte ao poste da equipa de Belém.



Só a meio do segundo tempo, quando Hulk entrou para o lugar do discreto Rodriguez, foi capaz de ombrear com a exibição do Argentino. O seu estilo algo irrequieto e irreverente, conferiu uma nova dinâmica à equipa portista, até então estática e algo amorfa. Seria mesmo dos pés do “Super Heroi” do Dragão, que surgiria o momento mágico da noite, um grande golo que tinha tanto intenção como de colocação.

Destaque Positivo: Mariano Gonzalez


Quem o viu e quem o vê. Longe vão os tempos de um Mariano desanimado e desmotivado. Este corre e intusiasma tudo em seu redor. O que lhe falta em magia, acrescenta em raça. A chamada inesperada à Selecção, ter-lhe-á feito bem.

Destaque Negativo: Bolas paradas, como as defender e marcar?


Se há manual do futebol que este FC Porto precisa urgentemente de assimilar é marcação e defesa de bolas paradas. Na pré época ainda se virão uns quantos de ensaios bem sucedidos na marcação de livres e cantos, mas agora pouco mais que nada. Na defesa deste tipo de situações a insegurança mantêm-se na bitola dos anos anteriores.

Fotos: fcporto.pt e Lusa

16 comentários:

José Correia disse...

O resultado foi bom, o golo do Hulk foi excelente e a exibição do Mariano teve momentos entusiasmantes, mas eu saí do estádio preocupado.

Dois meses depois da época se ter iniciado, o que falta em mecanismos e ligação entre os sectores, sobra em indefinições.

Afinal vai ser Meireles o Nº 6 (conforme defendia uma grande parte dos adeptos)?

E quem vai substituir Meireles, na posição que este ocupava na época passada? Tomás Costa? Guarin?

E para lateral-esquerdo, Jesualdo irá continuar a apostar em Benitez (apesar das evidentes limitações que possui), ou irá regressar à solução Fucile?

Do Quaresma nem falo, porque presumo que estará já vendido (faltará apenas detalhes para o anuncio oficial).

A exibição de ontem não deixou os adeptos tranquilos. Pelo menos, a mim não deixou.

Mefistófeles disse...

Na mesma linha: exibição insegura e algo frouxa fruto de muitas indefinições, um bom resultado e um grande golo de um jogador que, devidamente orientado, pode ser um fenómeno.

A rever já para a semana.

José Correia disse...

«Gilberto Madail, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, ouviu ontem uma grande assobiadela, quando entregou a taça de campeão nacional a Pedro Emanuel, troféu referente à conquista da Liga da época passada, a terceira consecutiva dos dragões. Os adeptos azuis e brancos não esqueceram as polémicas do defeso que envolveram os responsáveis da FPF, ainda na sequência do caso "Apito final", que quase afastou o FC Porto da participação na "Champions". Mal Pedro Emanuel tocou na taça, calaram-se os assobios e surgiram as palmas e os gritos de "campeões" contagiaram os 41211 espectadores presentes no Dragão»

in O JOGO

José Correia disse...

«A principal novidade no onze do FC Porto foi a inclusão de Raul Meireles na posição 6, assumindo-se como mais uma alternativa para a vaga criada pela saída de Paulo Assunção. Mas não será o único a desempenhar esse papel.
"Nos últimos dois anos, estávamos habituados a um jogador que fazia muito bem os equilíbrios numa posição que considero muito importante. Vamos criar sistemas alternativos, sem ser de forma muito vincada, para que vários jogadores possam jogar ali. Hoje (ontem), atendendo às características do jogo, decidi colocar o Raul Meireles", afirmou Jesualdo Ferreira, salientando que o número 16 "é provavelmente o melhor médio português nas transições rápidas".»

in O JOGO, 25/08/2008

miguel87 disse...

Tambem não gostei da exibição global da equipa, muito tremida e, como quase sempre, sem fio de jogo, o que nos deixa dependentes apenas de alguns rasgos, quase sempre a partir de inivicativas individuais (Lucho). Positivamente, gostei de ver Tomas Costa, que prometeu muito, as entradas com a bola controlada de Sapunaru, a vontade e raça de sempre do Lisandro e o potencial demonstrado por Hulk. Pela negativa indivualmente, o apagamento do Rodriguez (que mesmo assim se fartou de levar porrada) e os sucessivos passes falhados do Benitez.

Nuno Nunes disse...

Há muito ainda por fazer para que este FC Porto chegue ao nível exibicional da época passada.

Acabo por ficar com a sensação que os jogos de preparação não foram "preparadores", passe o pleonasmo, para encontrar a melhor tripla para o meio campo. Na grande maioria desses jogos entrava uma equipa completamente nova ao intervalo, o que não ajudou a criação de rotinas.

A defesa andou aos papéis durante grande parte do jogo (o que não é normal na dupla Alves/Emanuel), o lateral esquerdo tem raça mas é fraco técnica e tacticamente e o meio campo nunca funcionou. Meireles não "varre" como o Judas e o Tomás Costa pareceu ansioso e perdido em campo (prefiro Guarín).

Valeu essencialmente pelo grande golo do Hulk, que assim começa a justificar o elevado investimento no seu passe.

Trabalha FC Porto, porque assim não chegamos ao Tetra.

HULK ONZE MILHAS disse...

Comungo da ideia aqui transmitida de que parece que se perderam 2 meses de pre-época, pois só agora, em competição oficial, a equipa começa a ser arrumada e o treinador continua à procura do onze base.
Para já o 1.º troféu da época já lá vai...
Quanto às preocupantes oscilações da nossa defesa e também às dificuldades que Lisandro e Rodrigues veem sentindo nos jogos oficiais, penso que isso se deve à indefinição na arrumação dos jogadores do meio campo...
Iremos ter uma equipa ao nivel da da época passada ou mesmo a um nivel superior, estou certo disso, mas... ainda irá levar algum tempo a atingir esses patamares.
Temos é que procurar minimizar os estragos que nos poderão trazer os próximos jogos...
Haja confiança!!!!

Mário Faria disse...

Acho que Benitez jogou bem, e Sapu também. Os centrais continuam a oscilar. “Mandam” demais, dão muitos conselhos e, nesse ínterim, esquecem-se que lhes compete jogar melhor e não falhar, se possível. Ainda não resolvemos o problema do meio campo, pois não conseguimos impor o(s) ritmo(s) e organizar o jogo.
O Cebola e o Lisandro estiveram longe do que valem e Lucho esteve intermitente. Tomás bons passes e pouca posse de bola, Meireles movimentou-se bem mas perdeu muitos passes. Com Gaurím melhorámos, mas jogávamos contra 10.
Mariano bastante bem e quando “aprender” a ser menos trapalhão temos homem ; Hulk parece ser reforço, e creio que quando devidamente lapidado pode ser uma muita boa surpresa.
Apesar de tudo, acho que o a prestação colectiva foi inferior à soma das partes, o que é preocupante. Já tinha acontecido na Super-Taça.

Tiago disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiago disse...

Face ao 11 de ontem, trocava o Benítez pelo Fucile, e eventualmente dava uma hipótese ao Rolando/Stepanov para jogar ao lado do Bruno.

Creio que o meio campo rotinado com o trio de ontem pode dar resultados mas claramente antes o Raúl a trinco do que o Guarín, é necessário sim rotinar o Tomás Costa a jogar do lado esquerdo do meio campo, e deixar o Lucho na sua posição natural.

O Cebola e o Licha estão algo ansiosos, quando a concorrência para os seus postos é quase nula (comparando a qualidade deles com os seus suplentes). Vamos esperar que melhorem no jogo com o glorigozo.

Pedro Reis disse...

Regressou o blog FêCêPê (em http://fecepe.blogspot.com/).
Desculpem a publicidade mas não resisto a promover os bons blogs do nosso clube.

Quanto ao jogo foi morno, com um grande golo do Hulk e uma resposta mais efectiva dos laterais. 3 pontos e o resto (para já) é conversa!

Vicent Russell disse...

Três palavras apenas: FALTA DINÂMICA COLECTIVA.

João Saraiva disse...

Em relação ao Lisandro, espero é que a falta de Leite não lhe ande a fazer mal. ;-)

Pinho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pinho disse...

Alguém me dá uma dica po transporte para Lisboa no sábado?


Ou o transporte da claque é acessível a quem não é socio SD mas apenas do clube?

Cumpriementos e rumo ao tetra

The Turk disse...

Nos cantos defensivos a utilização de Lisandro no 1º poste deixou-me perplexo. Principalmente porque tínhamos em campo 4 jogadores com pelo menos mais 10cm.

Os golos de bola parada na pré-época disfarçaram a menor produção ofensiva causada pela ausência do Quaresma. Tirando o Hulk, não vejo no plantel especialistas a bater livres com capacidade para serem titulares.