quarta-feira, 13 de agosto de 2008

O "fantasma" do defeso, Quaresma


Muito se tem dissertado sobre mais longa novela futebolística do verão. Não, não estou a falar do caso Ronaldo Vs Manchester United Vs Real Madrid, falo-vos sim do folhetim Quaresma Vs FC Porto Vs Inter.

Esta semana Miguel Sousa Tavares (que é um confesso amante do futebol do Cigano) na sua crónica em A Bola pronunciou-se da seguinte forma sobre este caso:

«E, enquanto este jogo de bluff continua, o FC Porto mantém Quaresma ausente dos jogos, embora lhe continue a pagar o ordenado. Não é a primeira vez que Jesualdo Ferreira é obrigado pela Direcção a engolir um sapo destes: sucedeu o mesmo na final da Taça, quando Bosingwa, já apalavrado ao Chelsea, foi impedido de jogar, não se fosse lesionar antes do contrato estar assinado. O mesmo Bosingwa que depois jogou o Euro pela Selecção, foi impedido de jogar a decisão de um troféu pelo próprio clube que lhe pagou o ordenado até 31 de Julho. Uma demonstração de vassalagem e submissão ao Chelsea que eu, pelo menos, achei indigna de um grande clube.

A mesma história se repete agora com Ricardo Quaresma, impedido por ordens superiores de jogar, não vá lesionar-se e estragar o negócio pressentido. Quaresma transformou-se assim num fantasma: é do FC Porto, mas não é; pode ser visto em treinos, mas não em jogos; está às ordens de Jesualdo, mas só em alguns casos. Será que se chegará ao desplante de também não o utilizar no jogo da Supertaça porque o Inter ainda não se decidiu até lá e é preciso continuar a mantê-lo numa redoma de vidro, numa montra ao alcance dos passantes que andem à procura de um génio da bola? Será que a indignidade da situação chegará ainda ao ponto de limitar voluntariamente as forças próprias, correndo o risco de perder mais um troféu para não melindrar o sr. Moratti?

E, sem poder dispor de Quaresma, Jesualdo lá vai tentando matar caça com o seu tão estimado quanto mal-agradecido Mariano González. Ah, o que não faria este FC Porto com um trio de ataque formado por Quaresma, Lisandro, Rodriguez! Ou então, melhor ainda, Rodriguez recuado no meio-campo, ao lado de Meireles e Lucho, e na frente o trio Quaresma, Hulk, Lisandro? Sim, porque nem Guárin, nem Tomás Costa, nem Bolatti, nem Fernando, dão garantias de fechar um trio de respeito no meio-campo e basta que Lucho fique episodicamente fora de combate e tudo aquilo emperra - viu-se bem na segunda parte contra a Lazio.»
in A Bola, 12/08/2008


A opinião de MST, que em assuntos que digam respeito a Quaresma pode ser vista como muito apaixonada e demasiadamente parcial, tem fundamento quando afirma que se o jogador continua a manter um vinculo contratual com o FC Porto, com um vencimento mensal bastante alto, não se compreende que não possa participar nos jogos particulares (ou até oficiais) da equipa, com os demais companheiros, tudo em prol de uma lógica proteccionista do activo e de uma eventual transferência. Não havendo uma base de entendimento para a sua venda minimamente segura, o jogador pode e deve jogar, até porque Quaresma não está a salvo de poder vir a lesionar-se num simples treino.

Contudo não acho justas as continuas desconsiderações que MST tece sobre alguns jogadores e prestação global da equipa sem o “Mustang”. Se há coisa que os Dragões têm demonstrado nesta pré temporada é que há mais vida no FC Porto para alem de Quaresma. O conjunto portista tem provado de forma esclarecedora que é capaz de apresentar um rendimento elevado e vencedor, evidenciando um leque de soluções diferentes na sua forma de jogar, como uma maior capacidade de pressão na sua linha da frente, bem como uma melhoria de eficácia significativa na marcação de bolas paradas.

Isto não invalida que a magia e capacidade de improviso de Quaresma são qualidades únicas, que qualquer equipa do Mundo não enjeitaria em te-las.

Fotos: Jornal de Notícias e A Bola

14 comentários:

Pedro Reis disse...

Como já tinha dito, só me começo a preocupar se o Quaresma não jogar nos jogos oficiais, porque é aí que o retorno do investimento que fazemos nele se materializa.
Vamos ver o que acontece no sábado...

C disse...

Faltou um teste a sério, nesta pré-época, para que se podesse concluir que estes positivos ensaios (caseiros) representam mesmo sinais seguros para quando os jogos oficiais se iniciarem.

Já nem falo num possível encontro contra um dos grandes tubarões europeus mas, pelo menos, um encontro contra uma do nível de uma Lázio...mas em Roma.

Temo que se estejam a criar demasiadas expectativas apenas e só por termos confirmado que somos melhores que uma Lázio ou Cagliari...jogando em nossa casa.

Convém lembrar que, em termos oficiais, o ponto em que a (nossa)história é retomada é naquela derrota frente ao SCP, já nem falando naqueles 0-3 do Nacional no Dragão...

Vamos lá ter juízinho e colocar estes jogos de Julho no seu devido lugar.

Alguém se lembra dos desafios da pré-temporada de 07/08?
Pois, aqueles em que o Quaresma isolava, de trivela, o Adriano para este fazer um grande golo de bicicleta.

Sim, esse mesmo Adriano...

José Correia disse...

Concordo com o MST em duas coisas:

- Se o Quaresma é jogador do FC Porto, se a FCP SAD lhe paga o ordenado, deve jogar.

- Um trio de ataque formado por Quaresma, Lisandro e Rodriguez, com Lucho por trás seria, de facto, algo que nos permitiria sonhar com uma Liga dos Campeões em grande.

José Correia disse...

Relativamente ao resto que o MST diz é algo que, para mim, é expeculativo.

Já agora, não ficava nada admirado que o Quaresma, em vez de ir para o Inter, aparecesse de repente como jogador do Real Madrid.

José Correia disse...

De resto, também concordo com o Nelson quando ele diz que "há mais vida no FC Porto para alem de Quaresma".
Sem dúvida, principalmente se o Tarik mantiver o nível da época passada e se a ida do Mariano à Selecção Argentina o projectar para níveis superiores de desempenho.

C disse...

O incrivel é que foi preciso o MST escrever que nos falta o Quaresma para realmente chegarmos longe na Champions, para todos terem uma espécie de revelação...

Até ontem, andava toda a gente a embandeirar em arco com as vitórias da pré-época...

Meus amigos, Lázios e Cagliaris não são propriamente do nosso campeonato.
A pré-temporada é uma ilusão em que muitos teimam em caír. E não me refiro apenas a benfiquistas...

Mariano? Não brinquemos com assuntos bem sérios.

Pedro Reis disse...

Apesar de como já escrevi achar o Quaresma uma mais-valia e um jogador importante para o FCP, não acho que seja a chave de um possível sucesso do FCP na CL.
São coisas diferentes. O Bruno Alves, um Meireles em forma, o Lucho esses considero muito mais fulcrais numa CL. Assim como continuo a achar que apesar da qualidade excelente e indiscutível do Lisandro uma das maiores lacunas do FCP para vingar na CL é um avançado puro e possante.
É a minha opinião.

Nelson Carvalho disse...

Caro C, não se deixe iludir pela modesta 12ª posição que a Lazio alcançou na Seria A da temporada passada. Os Italianos reforçaram-se muito e bem para esta época, com jogadores como Ledesma, Rosenhal, Zarate e Liestiener, pelo que a equipa se apresenta bem mais apetrechada este ano.

José Correia disse...

«Quaresma não vai ser convocado para a partida da Supertaça contra o Sporting, ao contrário do que O JOGO avançou na sua edição de ontem. Ao que apurámos, há já algum tempo que a administração da SAD, com o conhecimento do treinador Jesualdo Ferreira e do próprio futebolista, decidira que Quaresma não seria opção para nenhuma partida oficial enquanto o futebolista e o seu empresário, Jorge Mendes, não apresentassem uma solução credível para uma transferência ou, à falta de comprador sério, de continuidade no plantel do tricampeão.

Esta decisão de política desportiva envolveu uma conversa entre Pinto da Costa e Quaresma, a qual surgiu na sequência do interesse que o jogador manifestou em iniciar uma nova etapa na sua carreira. Por essa ocasião o presidente do FC Porto procurou compreender as motivações de Quaresma, tendo mesmo mostrado abertura para considerar algum abatimento à cláusula de rescisão cujo valor contratual expresso é de 40 milhões de euros.

Apesar desta espécie de "acordo de cavalheiros", a verdade é que, até ontem, nenhuma proposta de qualquer clube foi oficializada junto da administração da SAD do FC Porto.»

in O JOGO, 14/08/2008

José Correia disse...

«Quaresma tem quatro anos de F.C. Porto e trabalha há dois comigo. Ele conhece todas as rotinas. Logo, no dia em que vier a ser escolhido, que poderá ser amanhã, estará em condições de participar. Nada relacionado com o Quaresma prejudica a equipa. É a mesma situação de um jogador que esteja lesionado. Por exemplo o Tarik».

Jesualdo garantiu ainda que não há nenhuma decisão administrativa a impedi-lo de utilizar o jogador. «No F.C. Porto isso nunca aconteceu e nunca vai acontecer», garantiu. «As pessoas da administração têm cabeça, têm confiança e têm um só objectivo, que é trabalhar para o F.C. Porto. Não há decisões da administração no trabalho do treinador».

Por isso o treinador sublinha que uma possível venda para o estrangeiro, e particularmente para o Inter Milão, não tem nada a ver com a ausência do extremo da competição. «O Quaresma não tem jogador porque ainda não reúne um conjunto de condições técnicas para o fazer», frisou. «Não há negociação nenhuma por detrás disso».

Jesualdo Ferreira, 14/08/2008

João Saraiva disse...

Luis Freitas Lobo no Expresso num texto sobre o Aimar, mas que acho que se encaixa na perfeição ao Quaresma:

Onde começa o bom futebol para um jogador? Nos pés ou na cabeça? Não é uma questão puramente metafísica ou científica, a resposta poderá misturar as duas sensibilidades até, mas quer durante o jogo, nos gestos tácticos e técnicos, quer fora do relvado, pode-se perceber a totalidade do perfil de cada jogador de futebol.
Falemos de futebol jogado: penso, logo jogo. Corro, logo canso-me. O futebol actual tem, no entanto, traços que decepcionam: os jogadores deixaram de pensar. E, por isso, jogam pouco. Passaram a correr demais. E, por isso, cansam-se muito.

Gosto de acreditar que o bom futebol começa nos pés, no gesto técnico do pé descalço num baldio cheio de buracos. Mas, em rigor, isso ainda não é futebol. É apenas a relação do homem com a bola. O jogo já tem outros componentes. Porque tem a noção de equipa. A nossa, com a qual tem de se jogar em conjunto, e a adversária, que temos de enganar para a ultrapassar. Ou seja, o futebol começa na técnica (pés). O jogo começa na táctica (cabeça). São códigos individuais e colectivos que estão antes de qualquer filosofia futebolística.

Os grandes jogadores são os que percebem estes dois mundos. Isto é "jogar bem". Não é fácil, no futebol actual, detectar jogadores destes nos nossos relvados. Em geral, jogam conforme a sua natureza, características mais fortes, lhes permite. Uns são mais rápidos, outros rematam forte, outros fintam bem, outros são perigosos de cabeça, outros roubam bolas.

Penso nisto a propósito de quase todos os jogadores que vejo. Para jogar não basta entrar em campo. É, portanto, preciso algo mais. Entender o jogo e a interacção com os seus colegas e adversários.

João Saraiva disse...

Jesualdo garantiu ainda que não há nenhuma decisão administrativa a impedi-lo de utilizar o jogador. «No F.C. Porto isso nunca aconteceu e nunca vai acontecer», garantiu

Hum! Os nomes Nuno Valente e Co Adriaanse dizem-me que não será bem assim. Mas adiante.

João Saraiva disse...

hoje n'O Jogo as afirmações de Jesualdo Ferreira são ligeiramente diferentes:

Posso garantir que não é uma imposição da administração. Aliás, isso nunca aconteceu desde que cheguei ao FC Porto.

O que modifica o meu comentário anterior.

Mefistófeles disse...

C: não podia concordar mais. Amanhã vamos ter uma prova de fogo com os lagartos e aí é que vamos ver o que valemos.