sábado, 20 de setembro de 2008

Adriano, de decisivo a dispensado


Em Janeiro de 2006, o FC Porto de Co Adriaanse debatia-se com alguns problemas na frente de ataque. Lisandro jogava descaído sobre a ala esquerda, Hugo Almeida e Hélder Postiga não convenciam (ao ponto do treinador holandês ter chegado a tentar adaptar o caxineiro a jogar como Nº 10, nas costas do ponta-de-lança) e Benny McCarthy, depois dos problemas (nunca devidamente resolvidos) com o seu empresário, estava de partida para a Taça de África das Nações (CAN2006), a disputar no Egipto, entre 20 de Janeiro e 10 de Fevereiro de 2006.

Como é sabido, não é fácil arranjar bons pontas-de-lança, ainda por cima a meio dos campeonatos e ao alcance da bolsa dos clubes/SAD’s portuguesas.
Vai daí, a SAD portista lançou um raide para contratar Adriano, ex-futebolista do Nacional da Madeira e que estava ao serviço do Cruzeiro.

Aparentemente o Sporting também estava interessado no jogador tendo, na altura, um assessor de imprensa do clube de Belo Horizonte afirmado o seguinte:
"O Cruzeiro só revela [o clube] quando a coisa estiver assinada, o que até agora não aconteceu. Há mais de um clube interessado. O problema é que as propostas chegam por empresários, não há papéis dos clubes. Eles representam o FC Porto, o Sporting, mas não há nada definido".

Contudo, o empresário do avançado brasileiro – Essau Elias –, em declarações ao site Superesportes.com, confirmou que o destino de Adriano era mesmo o FC Porto:
"Foi uma negociação rápida e está mais ou menos fechada. Ele vai por empréstimo para o FC Porto. Não posso falar mais nada para não atrapalhar. O que posso dizer é que foi rápido, que é o FC Porto e que ele vai por empréstimo, com passe fixado".


A contratação de Adriano salvaguardava um aspecto importante: o jogador conhecia bem o futebol português e o “peso” que representa vestir a camisola de um clube como o FC Porto.

Por outro lado, o seu curriculum no futebol português era muito positivo. Em três épocas ao serviço do Nacional, Adriano tinha marcado a bonita soma de 43 golos e na época 2003/04 esteve mesmo a um passo de se sagrar melhor marcador do campeonato, tendo sido ultrapassado por McCarthy na última jornada.

Contudo, há jogadores que brilham em clubes pequenos/médios e quando chegam a um grande ficam muito aquém das expectativas. Daí que, talvez escaldada com outros casos, a SAD optou por um empréstimo com opção de compra.

Adriano treinou pela primeira vez com o plantel portista no dia 17 de Janeiro de 2006 e logo no dia seguinte estreou-se com a camisola do FC Porto, na 2ª parte do particular com o Dínamo de Moscovo (nos regressos de Nuno, Seitaridis, Costinha e Derlei ao Estádio do Dragão), tendo precisado de apenas quatro minutos para marcar, após cruzamento de Diego. Mais tarde haveria de bisar, novamente de cabeça, dando sequência a um cruzamento de Sonkaya.

Com apenas um treino, dificilmente a estreia poderia ser melhor ou, como se costumava dizer, pegou de estaca!

Adriano assumiu a titularidade na frente de ataque do FC Porto e em 15 jogos marcou 7 golos, incluindo o golo em Penafiel que carimbou a conquista do campeonato.

O rendimento de Adriano foi de tal modo satisfatório, que antes ainda de terminar a época 2005/06, a administração da FCP SAD decidiu exercer o direito de opção de compra do passe do Adriano.
Em 10/05/2006, o Diário de Notícias noticiava o seguinte:
«Ontem, os responsáveis portistas estiveram a acertar os pormenores da transferência de João Paulo, ex-Leiria, bem como a opção de compra sobre Adriano, discutida com Eduardo Maluf, dirigente do Cruzeiro que se deslocou ao Porto. O FC Porto vai pagar 1,2 milhões de euros pelo avançado brasileiro, que marcou 7 golos em meia época.»
in DN, 10/05/2006

Uns dias depois, na final da Taça de Portugal 2005/06, disputada em 14/05/2006, Adriano foi novamente uma das figuras da partida (juntamente com Quaresma que uns dias antes tinha sabido que Scolari o tinha deixado de fora do Mundial de 2006 na Alemanha).
A final foi decidida aos 40 minutos, quando Quaresma cruzou do lado direito e Adriano, de cabeça, não deu hipóteses ao guarda-redes do Vitória de Setúbal.

O FC Porto conquistou a sua 5ª dobradinha e Adriano conquistou o reconhecimento dos adeptos.


Depois da turbulência de Verão, provocada pelo mau feitio e declarações de Co Adriaanse, a época 2006/07 arrancou em Leiria, em 19/08/2006, para a disputa da Supertaça, novamente contra o Vitória de Setúbal.
No banco sentou-se Rui Barros (com Jesualdo Ferreira a ver na bancada) e, naturalmente, Adriano fez parte do onze inicial.

A primeira parte não foi fácil e ao intervalo ainda não havia golos. Na 2ª parte o FC Porto veio com outra disposição e aos 54’ Adriano abriu o caminho para a vitória com um golo espectacular. O ponta-de-lança brasileiro rematou de costas, em bicicleta, com o pé direito, fazendo a bola a entrar no ângulo superior direito da baliza de Marco Tábuas.
O FC Porto haveria de ganhar por 3-0, com os restantes golos a serem marcados por Anderson (74’) e Vieirinha (90’).

Adriano começava a época ao mesmo ritmo que tinha terminado a anterior: a marcar golos e a decidir jogos. Contudo, pouco tempo depois, o azar bateu-lhe à porta e uma lesão fez com que estivesse afastado dos relvados durante largas semanas.

Chegados a Dezembro e, talvez porque o Postiga tinha feito uma 1ª volta razoável, os jornais noticiaram que Adriano poderia ser emprestado. O jogador não quis sair e em boa hora o fez, porque regressou à equipa a tempo de fazer uma 2ª volta em cheio, na qual os seus golos foram decisivos para a conquista do Bi-Campeonato.

Naquela que foi a sua melhor época no FC Porto, Adriano marcou 11 golos em 18 jogos realizados.
Jogos a titular: 15
Jogos completos: 10
Tempo jogado total: 1410 minutos
Tempo jogado médio por jogo: 78 minutos


Apesar do seu desempenho dentro das quatro linhas, Adriano parece nunca ter convencido Jesualdo Ferreira. Assim, logo no arranque da época 2007/08, e após as contratações de Edgar (“roubado” ao SLB) e de Ernesto Farias, viu-se que o espaço de Adriano tinha diminuído e praticamente desapareceu com a aposta (de sucesso) de colocar Lisandro a ponta-de-lança.

Deste modo, não surpreendeu que em Dezembro de 2007 se tenha voltado a falar na sua saída, mas o jogador, talvez esperançado numa 2ª volta ao nível da época anterior, voltou a recusar. Isso não veio a acontecer e durante a época passada Adriano teve poucas oportunidades (a primeira alternativa ou complemento a Lisandro foi sempre Farias) e as que teve traduziram-se em meia-dúzia de minutos em alguns jogos.

Logo no arranque desta época, ficou a saber-se que Adriano não fazia parte do plantel do FC Porto. O jogador foi dispensado e não esteve presente na apresentação da equipa, não lhe tendo sido igualmente atribuído número de camisola.
Apesar de saber que não entrava nos planos de Jesualdo Ferreira para a nova temporada, Adriano reafirmou, em declarações a A BOLA, que não pensava noutro futuro para além da permanência no FC Porto.

No dia 6 de Agosto, após as hipóteses de saída não se terem concretizado, Adriano participou no treino da equipa. Aparentemente, estava no ar a possibilidade de fazer parte do plantel, até porque, em ocasiões anteriores, já tinha sido dado como dispensado e posteriormente reintegrado. Contudo, no início deste mês, os jornais noticiaram que Adriano estava a treinar à parte do plantel.

Sinceramente, tenho pena que a ligação de Adriano ao FC Porto esteja nestes moldes e termine (tudo o indica) com o jogador a treinar sozinho e, mais dia menos dia, a sair em conflito com o clube. Pelo seu passado e por aquilo que já deu ao FC Porto, acho que o Adriano não merece este tipo de tratamento.

No último ano e meio a FCP SAD contratou quatro pontas-de-lança: Renteria, Edgar, Farias e Hulk (não estou a incluir nestas contas Rui Pedro e Rabiola). Os dois primeiros nem sequer “aqueceram o lugar”, rapidamente se percebeu que não serviam e foram emprestados para “rodar”. Quanto a Farias e Hulk, jogadores que custaram largos milhões de euros, só espero que um dia venham a ter um rendimento igual ao que Adriano teve nas épocas 2005/06 e 2006/07.


Nome Completo: Adriano Vieira Louzada
Data de Nascimento: 03/01/1979 (29 anos)
Altura: 1,81m

1999: Portuguesa dos Desportos, 5 jogos, 0 golo
2000: Palmeiras, 12 J, 2 G
2001: Vitória da Bahia, 17 J, 3 G
2002/03: Nacional, 29 J, 16 G
2003/04: Nacional, 29 J, 19 G
2004/05: Nacional, 31 J, 8 G
2005: Cruzeiro, 11 J, 2 G
2005/06: FC Porto, 15 J, 7 G
2006/07: FC Porto, 18 J, 11 G
2007/08: FC Porto, 16 J, 1 G

42 comentários:

Tiago disse...

Preferem argentinos, roubar jogadores ao slmerda mas aproveitar o que já temos NUNCA é opção para esta SAD e para este treinador.

O Adriano já mostrou que mete Hulk's, Postigas, Rabiolas, etc num bolso e nunca teve uma hipótese. Mais uma vez, quem sofre são os nossos cofres e a nossa performance desportiva.

Mário Faria disse...

1)Dou o benefício da dúvida à SAD : não me parece que aceitem esbanjar dinheiro, só porque a carne argentina é mais saborosa ;
2)Não creio que JF se tenha rendido ao arbítrio da SAD, ou o tenha preterido porque o Adriano tem mau hálito ;
3)Tenho JF como um homem sério, e não creio que se não houvessem razões de ordem técnica ou profissional, o Adriano faria parte, por certo, do plantel ;
4)Há coisas que a razão desconhece e compreendo que, em circunstâncias muito especiais, não sejam tornadas públicas ;
5)O Adriano, com excepção da 1ª. época com Co., esteve largos períodos parado, e na última esteve quase sempre mal : em suma um jogador (aparentemente) sazonal ;
6)Não obstante, tenho para mim que Adriano é o melhor avançado de área que o FCP tem ;
7)Exceptuando a prestação que teve em Portugal, Adriano não conseguiu fixar-se e ter o mesmo sucesso nas equipas brasileiras em que esteve ;
8)Depois de Postiga, depois de Quaresma, tenho algum receio que o balneário esteja sob algum domínio do clã argentino : isso seria péssimo ;
9)De qualquer forma, critico estes processos de que se servem os clubes para vergar os jogadores. São tratados como se tivessem lepra. Sou do FCP, mas não posso deixar de pensar que o Adriano é o elo mais fraco deste processo. E , sendo assim….
10)Se houve razões comportamentais graves, então é despedimento com justa causa.

HULK Onze milhas disse...

O Adriano é mais um dos mistérios que se passam dentro das paredes do balneário.... Enfim... também dou o benefício da dúvida ao Jesualdo e à administração da SAD.
Mas... parece-me que aumenta cada vez mais o apetite "castrador" dos que mandam no FCP. Agora é o Nuno a dar o recado de que o incumbiram: calem-se pagantes que nada teem que assobiar. Estão ali no estádio para bater palmas e mais nada!
Hoje vieram algumas declarações no JN de sócios a criticarem o Nuno,e, entre eles, pasme-se, o Dr. Pôncio!!!
Então alguém deve ter ordenado que agora seria o treinador a mandar calar os adeptos!!!
Mas que raio de conversa é esta?
Vou ao estádio há mais de 50 anos, nunca assobiei a equipa e fico incomodado quando ouço os assobios mas... compreendo a reacção e os profissionais do clube também teem que ter a inteligencia suficiente para perceber o que se está a passar.
Os senhores da SAD que estão por trás disto só demonstram que andam de barriga cheia demais... Cuidado que um dia podem rebentar!

Tiago disse...

Não posso aceitar que contratem jogadores medianos por contratar, algum motivo existe! E muito menos que os activos do clube não sejam rentabilizados, temos dezenas de jogadores a circular por ai, a maioria emprestados sem sequer terem direito a uma oportunidade.

Alguém tem uma explicação para as contratações de Benítez, Guarín, Tomás Costa, Mariano, e Hulk, que no total custaram a bonita soma de 16 MILHÕES DE EUROS; Algum deles tem valor para ser titular indiscutível?
Com este montante não podiamos ter contratado um lateral esquerdo e um extremo de valor seguro em vez de mandar mais uns quantos tiros no escuro e estar sujeitos a caldeiradas.

Entre ter um Adriano, um Paulo Machado e um Hulk e um Guarín...claramente os dois primeiros.

José Correia disse...

Mário Faria disse: «O Adriano, com excepção da 1ª. época com Co., esteve largos períodos parado, e na última esteve quase sempre mal : em suma um jogador (aparentemente) sazonal»

Em 2005/06 e 2006/07 o Adriano praticamente só jogou as 2as voltas.
Na 1ª época porque só foi contratado em Janeiro de 2006 e em 2006/07 porque esteve lesionado durante a maior parte da 1ª volta.

Apesar disso - de só ter feito as 2as voltas - foi, em ambas as épocas, o melhor avançado do FC Porto, com uma média apreciável de golos por minutos jogados (quem nos dera que o Farias ou o Hulk fizessem algo de semelhante).

Na sua 3ª época no FC Porto - a época passada - praticamente não jogou e, por isso, não se podia esperar que ele marcasse muitos golos.

José Correia disse...

Mário Faria disse: «Não creio que JF se tenha rendido ao arbítrio da SAD»

Infelizmente, eu não tenho tanta certeza em relação a isso.

Às vezes parece que há jogadores que ficam no plantel, porque é preciso justificar os investimentos feitos pela SAD, enquanto que outros, na minha opinião melhores, são emprestados ou dispensados.

José Correia disse...

Mário Faria disse: «Depois de Postiga, depois de Quaresma, tenho algum receio que o balneário esteja sob algum domínio do clã argentino : isso seria péssimo»

O povo, na sua infinita sabedoria, tem um ditado que se aplica muito bem à "argentinização" do FC Porto:
Tudo o que é demais é exagero.

José Correia disse...

Mário Faria disse: «Dou o benefício da dúvida à SAD : não me parece que aceitem esbanjar dinheiro, só porque a carne argentina é mais saborosa»

Eu também dou o benefício da dúvida à SAD e, particularmente, ao Pinto da Costa.

Contudo, este caso do Adriano faz-me uma enorme confusão.

Adriano teve um excelente desempenho num clube pequeno/médio do campeonato português.

Sem ser um ponta-de-lança de top internacional, chegado ao FC Porto não precisou de N meses de adaptação, pegou de estaca, e foi o melhor ponta-de-lança da equipa, sendo um elemento decisivo na conquista do campeonato, Taça de Portugal e Supertaça.

Na época seguinte, com outro treinador e outro modelo de jogo, voltou a ser o melhor ponta-de-lança do FC Porto.

Caramba, um jogador com este curriculum, no futebol português e no FC Porto, é assim tão facilmente descartável?

Sinceramente, não percebo porque razão o Adriano foi encostado na época passada e dispensado neste início de época.

Como não houve qualquer problema disciplinar (se tivesse havido saber-se-ia), a única explicação que consigo descortinar é a necessidade de abrir espaço no plantel para a contratação de outros pontas-de-lança.

Nuno Nunes disse...

Concordo com o José Correia.

O Adriano esteve incluído na limpeza dos brasileiros do plantel do FC Porto feita por Jesualdo Ferreira. Depois foi contratado Farias por 4 milhões e havia que o rentabilizar desportivamente, o que não aconteceu (e duvido que venha a acontecer).

Deixar um avançado como Adriano fora do plantel é desvalorizar um activo do clube e perder uma boa 2ª opção. Mas Jesualdo é que sabe e no fim da época cá estaremos para fazer as contas.

The Turk disse...

Adriano é um avançado razoável, apenas isso. Bom a jogar de cabeça mas um bocado trapalhão com os pés. Só mostrou serviço na liga portuguesa, nem um golo na champions. O Porto precisa de avançados que façam a diferença, o que não é o caso do brasileiro.

Não entendo esta xenofobia contra os argentinos. Se calhar acham que é fácil contratar bons jogadores na Europa.

The Turk disse...

Os números dos avançados do Porto na época passada (retirados do zerozero):

Lisandro López
53º com mais Minutos na LC 2007/08 (735m)
24º com mais Golos na LC 2007/08 (3 G/8 J)
47º com melhor média de golos na LC 2007/08 (0,38 golos/jogo)
78º que menos tempo precisa para marcar na LC 2007/08. Um golo em cada 245 Minutos.
43º com mais Minutos na bwin LIGA 07/08 (2340m)
Jogador com mais Golos na bwin LIGA 07/08 (24 G/27 J)
2º com melhor média de golos na bwin LIGA 07/08 (0,89 golos/jogo)
7º que menos tempo precisa para marcar na bwin LIGA 07/08. Um golo em cada 97 Minutos.


Rentería
195º com mais Minutos na La Ligue 07/08 (1896m)
18º com mais Golos na La Ligue 07/08 (9 G/28 J)
19º com melhor média de golos na La Ligue 07/08 (0,32 golos/jogo)
22º que menos tempo precisa para marcar na La Ligue 07/08. Um golo em cada 210 Minutos.


Ernesto Farías
523º com mais Minutos na LC 2007/08 (145m)
256º com mais Minutos na bwin LIGA 07/08 (724m)
19º com mais Golos na bwin LIGA 07/08 (6 G/16 J)
15º com melhor média de golos na bwin LIGA 07/08 (0,38 golos/jogo)
8º que menos tempo precisa para marcar na bwin LIGA 07/08. Um golo em cada 120 Minutos.


Edgar
270º com mais Minutos na bwin LIGA 07/08 (627m)
53º com mais Golos na bwin LIGA 07/08 (3 G/13 J)
174º com mais Amarelos na bwin LIGA 07/08 (2 A/13 J)
37º com melhor média de golos na bwin LIGA 07/08 (0,23 golos/jogo)
30º que menos tempo precisa para marcar na bwin LIGA 07/08. Um golo em cada 209 Minutos.


Adriano
678º com mais Minutos na LC 2007/08 (15m)
283º com mais Minutos na bwin LIGA 07/08 (537m)
102º com mais Golos na bwin LIGA 07/08 (1 G/16 J)
253º com mais Amarelos na bwin LIGA 07/08 (1 A/16 J)
155º com melhor média de golos na bwin LIGA 07/08 (0,06 golos/jogo)
92º que menos tempo precisa para marcar na bwin LIGA 07/08. Um golo em cada 537 Minutos.


Hélder Postiga
561º com mais Minutos na LC 2007/08 (100m)
330º com mais Minutos na bwin LIGA 07/08 (288m)
102º com mais Golos na bwin LIGA 07/08 (1 G/6 J)
60º com melhor média de golos na bwin LIGA 07/08 (0,17 golos/jogo)
46º que menos tempo precisa para marcar na bwin LIGA 07/08. Um golo em cada 288 Minutos.


Rui Pedro
381º com mais Minutos na bwin LIGA 07/08 (128m)


Rabiola
399º com mais Minutos na bwin LIGA 07/08 (80m)
102º com mais Golos na bwin LIGA 07/08 (1 G/4 J)
29º com melhor média de golos na bwin LIGA 07/08 (0,25 golos/jogo)
6º que menos tempo precisa para marcar na bwin LIGA 07/08. Um golo em cada 80 Minutos.

dragao vila pouca disse...

Mas as razões desportivas são as únicas que contam, para ter um jogador num plantel? E o resto, como se está ver, não conta?
A postura do Adriano no jogo com o Schalke e no desempate por penaltis, foi de um jogador solidário com o grupo?
Quando não se sabe as razões, deve acreditar-se em quem está lá dentro e tem de tomar decisões.

Mefistófeles disse...

"Não entendo esta xenofobia contra os argentinos. "

Nem eu. Ainda hoje, O Jogo noticiava que Lucho e Licha produziram 81 golos. Venham mais destes !

Adriano também é um mistério para mim mas um dia saberemos o que se passa.

Mas, quanto à questão dos assobios: são perfeitamente abomináveis. Uma coisa é criticar, outra bem diferente é deitar abaixo. Até o podemos fazer aqui, no "Reflexão", porque o espaço serve para isso mesmo. Mas no Dragão...totalmente contra ! E entendo a revolta dos jogadores, só quem não jogou à bola não entende.

O Dragão tem que ser um inferno para os adversários, não para nós próprios.

"O Adriano já mostrou que mete Hulk's, Postigas, Rabiolas, etc num bolso e nunca teve uma hipótese."

O Postiga teve muitas hipóteses, o Adriano também. E o Hulk e o Rabiola ? Tiveram quantas ?

Haja calma, ainda a procissão vai no adro. Vi hoje o SCP a fazer uma exibição sofrível e vai em 1º... Mas o público lagarto "puxa" como se fossem campeões da Europa.

Temos que reflectir nisto: uma coisa é ser exigente, outra é ser estúpido. E acredito que, na SAD, não haja assim tanta gente estúpida como às vezes parece resultar de respeitáveis opiniões aqui expressas.

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra.

sirmister disse...

Adriano é bem melhor que farias que está sempre no chão, alem de lutar durante o jogo todo, tenho pena que tenha acabado assim, acho que era a melhor opção a seguir a lisandro para ponta de lança

Mais Porto disse...

http://maisfcporto.blogspot.com/

Leandro por VUK???

José Correia disse...

The Turk disse: «Adriano é um avançado razoável, apenas isso. Bom a jogar de cabeça mas um bocado trapalhão com os pés.»

Ninguém diz (eu pelo menos não digo) que o Adriano seja um ponta-de-lança de top.
Agora, o que não há dúvida, é que nas suas duas primeiras épocas no FC Porto foi o ponta-de-lança mais eficaz da equipa e o plantel tinha outros pontas-de-lança (McCarthy, Hugo Almeida, Postiga).

Sem ser um ponta-de-lança de top, o Adriano foi muito útil nas épocas2005/06 e 2006/07, tendo sido decisivo em vários jogos do campeonato, Taça e Supertaça. Os factos falam por si.

Porque razão um ponta-de-lança que tinha sido tão útil à equipa nas épocas 2005/06 e 2006/07 deixou de ser opção na época 2007/08 e foi dispensado no início desta época?

Esta é a pergunta para a qual eu não encontro resposta.

José Correia disse...

The Turk disse: «[Adriano] Só mostrou serviço na liga portuguesa, nem um golo na champions.»

Na época 2005/06, quando Adriano foi contratado, já o FC Porto de Adriaanse tinha sido eliminado da LC.

Na época 2006/07, Adriano lesionou-se no início do campeonato e só regressou quando a fase de grupos já tinha terminado.
Nos oitavos-de-final, na eliminatória com o Chelsea, não sei se terá chegado a jogar alguns minutos (não me lembro).

Nos oito jogos da LC 2007/08, conforme é referido noutro comentário, o Adriano jogou 15 minutos!

Ora, sem jogar, como é que o Adriano poderia ter marcado golos na Liga dos Campeões?

Podemos gostar mais ou menos de um jogador, mas sejamos sérios e justos. Não se lhes peça o impossível.

José Correia disse...

The Turk disse: «O Porto precisa de avançados que façam a diferença, o que não é o caso do brasileiro.»

Infelizmente, os pontas-de-lança que fazem a diferença são muito caros e só por mero acaso estarão ao alcance da nossa carteira.

O Adriano, volto a repetir, não sendo um avançado de top, já demonstrou ser um ponta-de-lança muito útil e, quando teve oportunidades, ajudou a resolver diversos jogos a favor do FC Porto.

Mas, já agora, por aquilo que vimos nos últimos 14 meses, Renteria e Farias (contratados para a posição do Adriano) são avançados que façam a diferença?

José Correia disse...

The Turk disse: «Não entendo esta xenofobia contra os argentinos»

Num plantel com falta de símbolos e que cada vez tem menos portugueses, não será um bocadinho exagerado haver 7 argentinos?

Agora isto não tem nada a ver com xenofobia, até porque fiz o mesmo tipo de critica quando a opção foi contratar "carradas" de brasileiros.

É importante manter os equilibrios no plantel e evitar criar condições para a existência de grupinhos com peso excessivo.

José Correia disse...

Mefistófeles disse: «Ainda hoje, O Jogo noticiava que Lucho e Licha produziram 81 golos. Venham mais destes!»

Sem dúvida!
Como o Lucho, o Lisandro, o Diego, o Anderson e o Quaresma venham mais cinco!
Quer sejam argentinos, brasileiros, uruguaios ou chineses.

The Turk disse...

José Correia disse...
"Porque razão um ponta-de-lança que tinha sido tão útil à equipa nas épocas 2005/06 e 2006/07 deixou de ser opção na época 2007/08 e foi dispensado no início desta época?

Esta é a pergunta para a qual eu não encontro resposta."
Para mim a resposta é simples: contrataram um avançado melhor (Hulk) e logicamente alguém tinha de sair do plantel. Entre Farías e Adriano o argentino parece-me ser superior, pelo menos a finalizar com os pés. Os números do Adriano na sua melhor época (2006/07) são iguais aos do Farías na época passada (1 golo em cada 120 minutos).

The Turk disse...

José Correia disse...
"Na época 2006/07, Adriano lesionou-se no início do campeonato e só regressou quando a fase de grupos já tinha terminado.
Nos oitavos-de-final, na eliminatória com o Chelsea, não sei se terá chegado a jogar alguns minutos (não me lembro)."
Jogou os 2 jogos contra o Chelsea e mais 2 na fase de grupos. 143 minutos no total, 0 golos.

HULK Onze milhas disse...

Filomena Pinto da Costa vai ser convidada para directora do Conselho Cultural da SAD portista. Será responsável pela promoção extradesportiva da marca. Concertos são um dos projectos Filomena Pinto da Costa será, talvez, ainda esta semana, apresentada como directora do Conselho Cultural da SAD do FC Porto. A mulher do líder dos dragões foi convidada a assumir o cargo pelo actual presidente daquele órgão, Álvaro Pinto, que a considera, apurou o DN sport junto de fonte ligada ao processo, uma mais-valia para o clube.

Apesar de Filomena Pinto da Costa ainda não se pronunciar sobre a matéria, da qual a imprensa deverá ser informada por via de um comunicado da SAD azul e branca, o DN sport está em condições de adiantar que, embora o Conselho Cultural integre vários directores, a nomeação da "primeira dama" portista é encarada como uma aquisição relevante no que concerne à promoção extradesportiva da marca FC Porto. Isto porque, depois de uma época de franca actividade, o departamento em causa denota hoje algum apagamento, cingindo o essencial da sua função à organização de festas anuais, como o aniversário do clube, a entrega das Rosetas aos sócios ou a atribuição dos Dragões de Ouro.

A futura dirigente terá, assim, a responsabilidade de imprimir uma nova dinâmica na expansão da cultura portista. Entre as ideias que pretende pôr em marcha, soube o DN sport junto da mesma fonte, está a realização de concertos de todas as áreas, incluindo ópera. A qualidade infra-estrutural do Estádio do Dragão permite pensar alto neste capítulo, mas o objectivo do Conselho Cultural é, também, ir para fora - ou, dito de outro modo, levar o clube o mais longe possível.
Jornal Porto XXI

E que tal reflectirmos também sobre este novo reforço???
Cá por mim fico a aguardar pela próxima publicação do seu futuro livro...

The Turk disse...

José Correia disse...
"Infelizmente, os pontas-de-lança que fazem a diferença são muito caros e só por mero acaso estarão ao alcance da nossa carteira."
Não são só os avançados. O Porto não tem capacidade financeira para contratar jogadores europeus de top. Isso explica o número de sul-americanos no plantel.

dragao vila pouca disse...

- Porque razão um ponta-de-lança que tinha sido tão útil à equipa nas épocas 2005/06 e 2006/07 deixou de ser opção na época 2007/08 e foi dispensado no início desta época?-

-Esta é a pergunta para a qual eu não encontro resposta.-

Porque respondes a toda agente menos a mim? Se estivesses atento,tinhas as respostas às tuas dúvidas.

urtigao disse...

José Correia disse...
Porque razão um ponta-de-lança que tinha sido tão útil à equipa nas épocas 2005/06 e 2006/07 deixou de ser opção na época 2007/08 e foi dispensado no início desta época?

Esta é a pergunta para a qual eu não encontro resposta.


Eu vou tentar dar uma ajuda...
Quem compra ano após ano uma dúzia de jogadores por certo tornasse difícil conseguir arranjar espaço para todos eles...
Mesmo aqueles que quando jogam tem têm performances aceitáveis, mas mesmo assim, o clube não os aproveita...

Adriano, é mais um caso do desperdício continuo do nosso clube..
Pelo que fez no clube não merecia passar por tal...mas todos sabemos que os jogadores que custam milhões têm que jogar, ou pelos menos ficar no plantel, e temos sabemos da capacidade de a $ad em vender os inúmeros excedentários é quase nula...

A descapitalização do clube continua...falta saber ate quando os associados permitiram que isso aconteça...

José Correia disse...

The Turk disse: «Para mim a resposta é simples: contrataram um avançado melhor (Hulk) e logicamente alguém tinha de sair do plantel.»

O Adriano foi encostado logo no início da época passada e só não saiu em Dezembro de 2007 porque o jogador recusou.
Ora, nessa altura, ainda o Hulk marcava golos na 2ª divisão japonesa.

José Correia disse...

The Turk disse: «Entre Farías e Adriano o argentino parece-me ser superior, pelo menos a finalizar com os pés. Os números do Adriano na sua melhor época (2006/07) são iguais aos do Farías na época passada (1 golo em cada 120 minutos).»

No final da sua 1ª época (meia época) no FC Porto, o Adriano era considerado pela esmagadora maioria dos portistas um dos jogadores mais importantes na conquista do campeonato e da Taça de Portugal.
Não foi certamente por acaso que, muito antes de expirar o prazo, a SAD, no início de Maio, exerceu a opção de compra.

Ao contrário, a 1ª época (completa) do Farias no FC Porto foi "tão boa", que desde o final do campeonato e durante todo o defeso se falou na possibilidade de ele regressar à Argentina, por empréstimo.

Não há comparação entre o desempenho do Adriano e do Farias nas suas primeiras épocas no FC Porto.
Um pegou de estaca, enquanto que o outro está há 14 meses em processo de adaptação...

José Correia disse...

The Turk disse: «Jogou os 2 jogos contra o Chelsea e mais 2 na fase de grupos. 143 minutos no total, 0 golos.»

Vou aceitar como boa esta informação.

Significa então que no total das três épocas - 2005/06, 2006/07, 2007/08 - o Adriano jogou 158 minutos na Liga dos Campeões.

Se pensarmos que na época passada, só a eliminatória com o Schalke 04 teve 210 minutos, dá uma ideia da quantidade de tempo que o Adriano jogou na total das 3 épocas.

Mais. Dos escassos minutos que jogou, distribuídos por vários jogos, em quantos desses jogos o Adriano foi titular?

José Correia disse...

The Turk disse: «Não são só os avançados. O Porto não tem capacidade financeira para contratar jogadores europeus de top. Isso explica o número de sul-americanos no plantel.»

Se a FCP SAD não tem capacidade financeira, isso é mais uma razão para não desbaratar activos que já demonstraram a sua utilidade à equipa, como é o caso do Adriano.

Se a FCP SAD não tem capacidade financeira, isso é mais uma razão para não desbaratar milhões em jogadores que não acrescentam nada, como é o caso do Farias (a contratação mais cara da época passada).

Se a FCP SAD não tem capacidade financeira, isso é mais uma razão para concentrar o dinheiro em duas ou três aquisições de qualidade, em vez de contratar 8 ou 9 medianos por época.

José Correia disse...

Dragão Vila Pouca disse: «Quando não se sabe as razões, deve acreditar-se em quem está lá dentro e tem de tomar decisões.»

Caro Dragão Vila Pouca, eu emito a minha opinião com base na informação que tenho (pública e privada) e com base naquilo que vejo nos jogos.
Foi o que fiz relativamente ao caso do Adriano.

Se partirmos todos do princípio que as pessoas da SAD sabem coisas que nós não sabemos (o que é verdade) e, por isso, a nós adeptos resta-nos concordar com tudo, então o melhor é acabar com os blogues, com os fóruns e com os comentários.

Neste caso, há três coisas que são certas:

1) O desempenho do Adriano dentro do campo, nas épocas 2005/06 e 2006/07

2) Não houve qualquer problema disciplinar grave com o Adriano (se tivesse havido de certeza que se saberia, tal a vondade da SAD em despachar o brasileiro)

3) O facto do Adriano ter custado cerca de 1/4 do que custou o Farias (supostamente contratado para o substituir).

The Turk disse...

José Correia disse...
"O Adriano foi encostado logo no início da época passada e só não saiu em Dezembro de 2007 porque o jogador recusou.
Ora, nessa altura, ainda o Hulk marcava golos na 2ª divisão japonesa."

É verdade mas isso foi o mesmo filme da época anterior. O meu ponto de vista é o seguinte:
- Adriano é contratado a meio da temporada 2005/06 para compensar o baixo rendimento do McCarthy.
- em 2006/07 Postiga é a 1ª opção do Jesualdo, marcando 9 golos até Dezembro e depois regressando ao seu rendimento normal. Adriano passa a ser a 1ª opção em Fevereiro, terminando a época com 11 golos (só tinha marcado 1 golo até Fevereiro).
- em 2007/08 Lisandro é a 1ª opção durante o ano todo, sendo a 2ª opção Adriano até à 15ª jornada e Farías a partir daí. Farías lesionou-se no inicio da época e só esteve disponível a partir da 11ª jornada.

Portanto para entrar mais um avançado teria de sair a 3ª opção, Adriano.

The Turk disse...

José Correia disse...
"No final da sua 1ª época (meia época) no FC Porto, o Adriano era considerado pela esmagadora maioria dos portistas um dos jogadores mais importantes na conquista do campeonato e da Taça de Portugal.
Não foi certamente por acaso que, muito antes de expirar o prazo, a SAD, no início de Maio, exerceu a opção de compra.

Ao contrário, a 1ª época (completa) do Farias no FC Porto foi "tão boa", que desde o final do campeonato e durante todo o defeso se falou na possibilidade de ele regressar à Argentina, por empréstimo.

Não há comparação entre o desempenho do Adriano e do Farias nas suas primeiras épocas no FC Porto.
Um pegou de estaca, enquanto que o outro está há 14 meses em processo de adaptação..."

É aqui que discordamos completamente. Ou melhor, concordo na importância do Adriano na 1ª temporada. No inicio da 2ª temporada critiquei o Jesualdo por Postiga ser a 1ª opção.

O ponto que não concordo é na apreciação ao rendimento do Farías. Para isso é que fiz aquele post com os números dos golos e minutos de todos os avançados. Vou restringir a análise ao campeonato para não complicar mais a questão.

A época passada Farías marcou 1 golo em cada 120 minutos jogados. Os números de Adriano são os seguintes:
05/06 1 golo em cada 162 minutos.
06/07 1 golo em cada 120 minutos.
07/08 1 golo em cada 537 minutos.

Portanto a época passada Farías igualou o rendimento de Adriano na sua melhor época, mesmo não tendo golos de penalty, ao contrário do brasileiro.

Quanto à questão da champions, Adriano jogou pouco (158 minutos) mas o mesmo se aplica a Farías (145 minutos).

Quanto aos rumores da saída do Farías não passaram de especulação da imprensa, porque não faltaram pretendentes ao argentino. Não houve vontade do treinador em deixar sair o jogador. Por outro lado não houve interesse público de nenhum clube no Adriano.

Acho que Farías é uma vitima da facilidade com que ganhamos o último campeonato. O seu único problema é que os golos dele não foram tão decisivos como os do Adriano nas épocas anteriores.

José Correia disse...

The Turk disse: «concordo na importância do Adriano na 1ª temporada. No inicio da 2ª temporada critiquei o Jesualdo por Postiga ser a 1ª opção
(...) Quanto à questão da champions, Adriano jogou pouco (158 minutos) mas o mesmo se aplica a Farías (145 minutos).»


Afinal, estamos de acordo em várias coisas:
1) Que o Adriano foi importante nas conquistas da temporada 2005/06
2) Que o Adriano fez uma boa época em 2006/07 (a sua melhor época no FC Porto em termos de número de golos marcados)
3) Que o Adriano jogou poucos minutos na Liga dos Campeões (158 minutos)

Ora, os dois primeiros pontos significam que o Adriano já demonstrou, no FC Porto, ser um ponta-de-lança útil e, conforme estamos lembrados, ajudou a resolver vários jogos complicados (jogos como o de ontem em Vila do Conde).

E este é um dos aspectos fundamentais da minha argumentação. Não compreender a facilidade com que primeiro se encostou e depois se dispensou um ponta-de-lança que demonstrou, em duas épocas seguidas, ser um jogador muito útil à equipa.

O terceiro ponto significa que não se podem exigir golos a um jogador na Liga dos Campeões, que na totalidade das três épocas jogou apenas 158 minutos.

José Correia disse...

The Turk disse: «A época passada Farías marcou 1 golo em cada 120 minutos jogados. Os números de Adriano são os seguintes:
05/06 1 golo em cada 162 minutos.
06/07 1 golo em cada 120 minutos.
07/08 1 golo em cada 537 minutos.
(...)
Acho que Farías é uma vitima da facilidade com que ganhamos o último campeonato. O seu único problema é que os golos dele não foram tão decisivos como os do Adriano nas épocas anteriores.»


Caro The Turk, considero excelente o teu contributo para a discussão em torno deste assunto. Aprecio particularmente os números que trouxeste à discussão, os quais são obviamente relevantes mas não dizem tudo.

Por exemplo, se bem estou lembrado, quatro dos golos que o Farias marcou na época passada foram obtidos em apenas dois jogos, que o FC Porto ganhou por larga vantagem. Posso estar a ser injusto mas, sinceramente, não me lembro de um único jogo em que o Farias tenha sido decisivo.

Mais. Se considerarmos que o Lisandro é, naturalmente, o ponta-de-lança titular, considero que em termos de complementaridade ao Lisandro o Adriano é muito mais útil que o Farias.
Porquê?
Porque o Adriano é um ponta-de-lança mais posicional e muito melhor de cabeça que o Farias, podendo ser muito útil para jogos como o de ontem, contra equipas que jogam fechadinhas, com uma enorme muralha defensiva.
Já o Pedroto dizia, quando não se consegue entrar na área com a bola junto à relva, tem que se entrar pelo ar.

Algum dos actuais pontas-de-lança do FC Porto joga bem de cabeça?
Não, pois não?
Mais uma razão para o Adriano ser útil.

The Turk disse...

José Correia disse...
"Se considerarmos que o Lisandro é, naturalmente, o ponta-de-lança titular, considero que em termos de complementaridade ao Lisandro o Adriano é muito mais útil que o Farias.
Porquê?
Porque o Adriano é um ponta-de-lança mais posicional e muito melhor de cabeça que o Farias, podendo ser muito útil para jogos como o de ontem, contra equipas que jogam fechadinhas, com uma enorme muralha defensiva.
Já o Pedroto dizia, quando não se consegue entrar na área com a bola junto à relva, tem que se entrar pelo ar.

Algum dos actuais pontas-de-lança do FC Porto joga bem de cabeça?
Não, pois não?
Mais uma razão para o Adriano ser útil."

O problema é que Adriano, tal como Lisandro e Farías, não é um avançado que se imponha fisicamente aos defesas adversários quando não há espaço para jogar. Foi o que faltou no jogo com Rio Ave. Com o campo naquelas condições, jogadores com mais músculo e altura fariam a diferença. Infelizmente no plantel do Porto só Guarín é que se destaca nesse aspecto.

José Correia disse...

The Turk disse: «O problema é que Adriano, tal como Lisandro e Farías, não é um avançado que se imponha fisicamente aos defesas adversários quando não há espaço para jogar.»

O Adriano não é uma torre, mas mede um 1,81m e já demonstrou que tem um bom poder de impulsão. Mas mais importante, tem um bom sentido posicional e isso é fundamental em termos de jogo de cabeça.

Podemos dizer o mesmo do Farias?

Não tenho as estatísticas, mas se bem me lembro grande parte dos golos do Adriano no campeonato português (Nacional e FC Porto) foram marcados de cabeça.

Uma outra característica importante do Adriano é ser um lutador e disputar todas as bolas. Quando há pouco espaço (como no jogo de ontem) pode não chegar para marcar golos, mas muitas vezes dá para "abanar" as defesas cerradas, provocar ressaltos ou até fazer assistências para um companheiro de equipa.

Podemos dizer o mesmo do Farias?

José Correia disse...

Depois de duas boas épocas do Adriano - em 2005/06 e 2006/07 (como já foi reconhecido) - e havendo a intenção do treinador em apostar em Lisandro para ponta-de-lança, é difícil justificar o grande investimento feito na contratação do Farias para a época 2007/08. A não ser que houvesse a expectativa do Farias se revelar um super ponta-de-lança, coisa que, obviamente, ele não demonstrou ser.

Se em Julho de 2007 ainda podia haver expectativas, 14 meses depois já restam poucas dúvidas: Farias é a última opção do treinador para ponta-de-lança e de cada vez que tem uma oportunidade (foi titular no 1º jogo oficial desta época - a Supertaça) parece andar perdido dentro de campo.

Conforme se tem visto neste conjunto de comentários, na comparação entre Adriano e Farias não é fácil encontrar argumentos a favor do argentino, quer pensemos em termos de ponta-de-lança titular, quer numa lógica de um deles ser complementar ao Lisandro.

Até este momento, atendendo ao desempenho de cada um deles no FC Porto, só há uma coisa em que o Farias está à frente do Adriano: custou quatro vezes mais.

The Turk disse...

José Correia disse...
"O Adriano não é uma torre, mas mede um 1,81m e já demonstrou que tem um bom poder de impulsão. Mas mais importante, tem um bom sentido posicional e isso é fundamental em termos de jogo de cabeça.

Podemos dizer o mesmo do Farias?

Não tenho as estatísticas, mas se bem me lembro grande parte dos golos do Adriano no campeonato português (Nacional e FC Porto) foram marcados de cabeça."

Metade dos golos do Farías no campeonato foram de cabeça.

The Turk disse...

José Correia disse...
"Uma outra característica importante do Adriano é ser um lutador e disputar todas as bolas. Quando há pouco espaço (como no jogo de ontem) pode não chegar para marcar golos, mas muitas vezes dá para "abanar" as defesas cerradas, provocar ressaltos ou até fazer assistências para um companheiro de equipa.

Podemos dizer o mesmo do Farias?"

Já que gostas de números cá vão os das assistências.

Adriano
2005/06 3
2006/07 3
2007/08 2

Farías
2007/08 3

Curiosamente ambas as assistências de Adriano na época passada foram para golos do Farías, sendo que o argentino retribuiu com uma assistência para o único golo do brasileiro. Se calhar era melhor jogarem os dois juntos no ataque. :D

João Saraiva disse...

Já o Pedroto dizia, quando não se consegue entrar na área com a bola junto à relva, tem que se entrar pelo ar.

e ainda não conhecia o Vinha. ;-)

José Correia disse...

Tht Turk disse: «Já que gostas de números cá vão os das assistências.

Adriano
2005/06 3
2006/07 3
2007/08 2

Farías
2007/08 3»


Caro Turk, obrigado por mais estes números, os quais vêm confirmar aquilo que já referi anteriormente:
não é fácil encontrar um item em que o Farias tenha demonstrado ser claramente melhor que o Adriano.

Assim sendo, volto à minha tese inicial:
perante o desempenho dentro das 4 linhas que todos pudemos observar;
perante os números que foram apresentados;
não é fácil justificar o enorme investimento feito na contratação do Farias e muito menos a dispensa de um jogador (um activo, na linguagem da SAD) como o Adriano.