quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Os dias da rádio desligada

Nos tempos em que a gente via o espaço 1999 e sonhava no ano 2000 andar por esse espaço fora, a TV era a preto e branco e futebol na TV via-se nos dias em que o rei fazia anos - sempre precedido pelo "Com peúgas CD quem ganha é você".



A Bola era a bíblia mas só se lia 3 vezes por semana.

Por isso o meio que mais aproximava o futebol das pessoas, era sem dúvida a rádio. Se hoje a moda são os iPod's, mp3's, ... na altura eram os rádios, e era ver aos domingos, por esses jardins e praças, as patroas a fazerem croché e os machos de telefonia encostada ao ouvido.

Assim quando não se ia às Antas ou os jogos eram fora de casa, seguiam-se os jogos pela rádio. Desde esses anos cultivei cultos e ódios de estimação. Cultos para o Quadrante Norte, Gomes Amaro, João Veríssimo, Manuel Dias, Trindade Guedes, ... ódio de estimação para a Rádio Renascença, Ribeiro Cristovão, ...

Gomes Amaro

Gomes Amaro - imagem: Museu Virtual do Futebol

Quando as transmissões televisivas passaram a ser mais frequentes, e como havia cultos a manter, baixava-se o volume da TV e ligava-se a rádio. Matavam-se dois coelhos com uma cajadada só e não se aturavam os Alves dos Santos, Neves de Sousa e os Rui Tovar's.

Era a harmonia entre as ondas hertzianas (e sem falar no transmissor do Marquês que dava para ver a TVE)

Até que chegou a modernice: A TV por cabo.

Prometiam canais que ninguém vê, a maravilha da fibra óptica e todo um mundo de inovações, mas "esquereceram-se" de dizer que a transmissão ia passar agora por 500 locais e chegaria às nossas TV's com atrasos. Depois inventaram umas box's para que a gente tenha de pagar para ver a bola, e as ditas têm por lá uns algoritmos que fazem perder mais uns segundinhos para nos mostrarem as imagens que estamos a pagar.

Resultado: a imagem chega-nos à TV com uns 5 segundos de atraso (quando a coisa corre bem)

Daqui não resultaria nenhum mal de especial ao mundo, não fosse a rádio continuar a funcionar como funcionava, e se estamos num espaço público é certo e garantido que está lá alguém que está à nossa frente 5 segundos e que nos diz:

- foi falta! é canto! foi para fora! penálti! é golo! é amarelo para o Sapunaru!

e nós acreditamos porque passados esses 5 segundos vemos isso na TV. E apetece perguntar:
- Ó amigo! essa telefonia sem fios não lhe diz os n.ºs do euromilhões para sexta?
- não?
- então desligue essa merda, ou vá dar uma volta ao bilhar grande!

10 comentários:

Mefistófeles disse...

Hilariante post ! Parabéns.

( e que saudades das imbecis análises do Gabriel Alves....)

José Correia disse...

"Quadrante Norte, o sooom global!"

"A bola fez chuá, no fundo do barbante!"

Lembram-se?

Nelson Carvalho disse...

De facto é sempre a mesma coisa. Porque raio sempre que a gente vai ao café ver futebol, tem de estar lá sempre alguem a cortar a emoção do jogo aos demais presentes? ;-)

Jorge Aragão disse...

Excelente post, muito e muito humorado, com gratas recordações quer dos tempos da rádio, quer de algumas figuras da TV como o Alves do Santos que se empolgava todo com a " pertinácia " do Eusébio...
Outra figura foi o Rui Romano que queria comentar os jogos com poesia sobretudo quando o jogo era no Restelo e se via o Tejo ao fim da tarde ou lançando outros conceitos intlectuais, citando filósofos de gabarito como Roland Barthes.
Da rádio o Quadrante e o Amaro não tinham rivais ... " vai buscar ao fundo do gol...agora não adianta chorar ".
Bons tempos.

The Turk disse...

Golo de Ademir no FCP-SLB em 77/78 relatado pelo Gomes Amaro

Mário Faria disse...

Passou-se no jogo entre o MU-FCP em 2004, para a CL.
Estávamos a assistir - a família toda - ao jogo e a m/mulher teve que ir à cozinha para ir buscar qualquer coisa. Na cozinha havia uma pequena TV ligada na RTP1.
O FCP preparava-se para marcar o livre, quando ouvimos um estridente grito da minha mulher, um barulho inusitado, enfim uma reacção que não percebemos de todo. Não ligámos : a jogada do livre merecia a nossa máxima atenção. Entretanto, a minha mulher estupefacta perante o nosso silêncio, resolveu investigar.
Dirigiu-se à sala. Chegada assistiu ao vulcão em erupção e viu todos aos saltos que nem maluqinhos. O FCP tinha acabado de empatar na Sportv. Costinha maracara o golo na Sportv, o que tinha acontecido uns bons segundos antes na RTP1.
Foi uma espécie de viagem pelo twilight zone à escala doméstica . Contudo, uma viagem muito feliz. Com bolo, champagne, brinde e muita algazarra.

O Anti Lampião disse...

mais um
http://oantilampiao.blogspot.com/2008/09/mais-um.html

Guedesnet disse...

espectacular, bons tempos esses!!!
Passei muitos domingos com o meu pequeno rádio, marca sony, na mão a ouvir os jogos do FCP, rádio esse que deixou de existir quando lhe dei um murro em cima aquando do 2.º golo do real madrid nas antas, na época 87/88, se não me engano!!!

Pedro Reis disse...

Uma nota curiosa:
Do 11 titular de hoje, 8 dos 11 jogadores (toda a defesa e meio-campo) fizeram uma parte significativa da sua carreira e/ou atingiram um patamar elevado ao serviço do FCP.
Só temos de estar, como sempre, orgulhosos! O resto é conversa...

Nelson Carvalho disse...

Pedro Reis não irão faltar alguns "profetas" durante estes dias a apontar esse facto como factor principal da derrota frente à Dinamarca.