domingo, 12 de outubro de 2008

Inovar no marketing e merchandising

Em 31 de Março de 2006, a PortoComercial - Sociedade de Comercialização, Licenciamento e Sponsorização assinou um contrato com a TBZ - Marketing Acções Promocionais tendo em vista uma melhor exploração de tudo o que anda à volta da marca FC Porto.
Contudo, as coisas não correram lá muito bem (para não dizer que correram mal) e em Junho passado o FC Porto renegociou o contrato para a cedência da exploração comercial da sua marca e das áreas comerciais do clube com a TBZ, estando assegurada "uma receita mínima global de 8,9 milhões de euros até 2016", segundo informação prestada pela SAD à CMVM.
A alteração contratual visou a exclusão da "gestão e exploração das áreas comerciais do FC Porto, passando esta actividade a ser gerida directamente pelo Grupo FC Porto".

Como o marketing do FC Porto tem andado com falta de ideias para tirar partido da marca FC Porto, que só em Portugal tem mais de dois milhões de adeptos, aqui vão alguns exemplos de iniciativas inovadoras promovidas por dois clubes sul-americanos.

1. O Hotel do Boca Juniors

«Um cemitério, desenhos animados, uma companhia de táxis e agora um hotel. A marca Boca Juniors, que conta já com 900 produtos e serviços, não pára de crescer (...)
Líder absoluto das ideias insólitas na área da comercialização da marca, o clube mais popular da Argentina anunciou recentemente que vai construir um hotel de cinco estrelas em Buenos Aires, o Boca By Design Suites. (...)


Será o primeiro hotel temático de um clube de futebol, que custará cerca de 14 milhões de euros. Um investimento (a cargo da empresa Design Suites) que os responsáveis do clube acreditam ter retorno em poucos anos.

"Há milhões de fãs do Boca que já devem estar a sonhar com a possibilidade de passar algum fim-de-semana neste hotel ao lado dos seus ídolos", comentou o presidente do Boca Juniors, Pedro Pompilio, quando apresentou o projecto.

A diária num quarto simples irá custar cerca de 200 euros, e as suítes devem oscilar entre os 250 e os 325 euros. Serão 89 quartos, distribuídos entre 17 andares e baptizados com os nomes dos jogadores mais importantes do clube. A suíte presidencial, como não podia deixar de ser, chamar-se-á Diego Armando Maradona.


Tudo transportará os hóspedes para os 103 anos de história do clube. As paredes serão forradas com imagens interactivas de antigos craques. Os empregados serão especialistas de futebol - quase com habilitações para serem treinadores - e umas das suas obrigações é saber de cor todas as importantes datas, troféus conquistados, golos decisivos. À mesa, o prato fará alusão a figuras da equipa e a símbolos do clube.


O Boca By Design Suites, além de restaurantes e bares, terá um canal de TV temático, uma piscina com tela gigante para os jogos, uma biblioteca temática sobre o clube, salas de conferências e salões para festas. Não faltará uma megaloja com produtos da marca Boca, um verdadeiro fenómeno de vendas.
O azul e o amarelo predominarão no empreendimento, que ocupará uma área de 7500 metros quadrados. Os jogadores do Boca serão hóspedes frequentes, já que o hotel passará a ser o local habitual de concentração da equipa.»
in DN, 04/10/2008


2. Nomes dos adeptos no carro do Corinthians


Corinthians quer colocar nomes de torcedores no carro da Superliga
por Agência Corinthians
10/09/2008

«Devido à grande repercussão da ação de marketing “O Timão Tem a Sua Cara”, na qual o Corinthians vai nome dos torcedores na camisa oficial do time, o clube resolveu replicar a experiência no carro do Timão na Fórmula Superliga, modalidade do automobilismo que congrega os maiores times de futebol do planeta.

Segundo o Vice-Presidente de Marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, a idéia surgiu para atender os torcedores que não terão condições de comprar um espaço na camisa do clube - o preço por foto, ainda em estudo, é de cerca de R$ 1 mil.

Já o preço para colocar o nome no carro alvinegro do Corinthians deve atingir cerca de R$ 40, e serão aproximadamente 10 mil nomes. Além de ver seu nome no carro pilotado por Antonio Pizzonia, apresentado hoje como novo piloto da equipe, o torcedor ganhará um certificado e participará de promoções. A ação de marketing está em fase de planejamento e ainda não tem uma data de início.»

4 comentários:

Jorge Aragão disse...

Concordo plenamente que a área comercial do Porto é uma lástima.
Falta de ideias, produtos tipo loja dos trezentos, lojas onde não dá gosto entrar, bem diferente da do Barça, manchester United ou Chelsea, para falar das que conheço.
Ideias precisam-se com muita urgência.
Quando fizemos acordo com a TBZ entrei na loja que era azul do Maia Shopping onde costumava comprar bilhetes e para meu espanto estvam lá equipa,entos da concorrência. Depois a loja fechou !!!
Há realmente que reflectir em tudo isto, já nem digo chegarmos ao Hotel do Boca mas ver de que modo podemos ter melhores produtos e melhores lojas com outra dimensão.

urtigao disse...

A cultura da exigência, infelizmente no nosso clube, só se repercute no relvado aonde os associados /adeptos aquando de uma qualquer má exibição soltam o assobia, tão em voga nas ultimas semanas.
O problema é que estes não são assim tão exigentes, com aqueles felizardos que gerem ou deveriam gerir as diversas sociedades que o nosso clube possue, desde a criação da $ad.
Dado o elevado orçamento, e visto que forçosamente teremos que procurar novas receitas para poder suporta-lo, e não estar, como é recorrente á espera das MV realizadas com as transferencias, caso tivéssemos gestores capazes, porque profissionais já o são, por certo que algo obrigatoriamente já deveria ter sido feito para potenciar a marca do clube e dai retirar dividendos financeiros que muito jeito por certo dariam aos cofres do clube.

Mas como continuamos a ser o clube do amigo, do amigo, em que os quadros ao invés de serem recrutados pela sua competência, temo que o sejam pela dita "cunha", sistema tão em voga na sociedade portuguesa, e assim sendo quando chegarmos á hora do balanço, e avaliação de desempenho este está a vista de todos, nada muda, tudo se mantêm inalterável.

Basta entrarmos na loja azul, no site do clube para verificarmos de como ainda somos um clube do sec. XIX..e por certo para alterar este tipo de coisas não seriam precisos muitos recursos financeiros.

Seria preciso audacia, competencia, rigor e profissionalismo, tudo aquilo que anteriormente teriamos em maior escala...
Agora é a cultura da "graxa" do não levantar ondas internas, para continuar com o tacho...porque isto de trabalhar faz calos!!

Afinal continuamos a ser campeões...e infelizmente é este tipo de feed-back que a maioria dos os adeptos transmitem á $ad...e estes por certo agradecem...porque para aqueles que algo necessita ser feito, os gestores fazem ouvidos moucos.

Os resultados estão á vista de todos...um clube parado no tempo, aonde o MKT / Merchandising são o paradigma de isso mesmo.

Já agora, quem será o responsavel pela gestão do Porto Comercial, a quem deveriam ser pedidas responsabilidades por este tão fraco desempenho?

Mefistófeles disse...

"Os resultados estão á vista de todos...um clube parado no tempo, aonde o MKT / Merchandising são o paradigma de isso mesmo.

Já agora, quem será o responsavel pela gestão do Porto Comercial, a quem deveriam ser pedidas responsabilidades por este tão fraco desempenho?"

É que o problema é mesmo esse: não sabemos a quem pedir meças ! No Mkt ou noutras áreas !

miguel_canada disse...

Eu também concordo com a pobreza do produto da marca FCPorto.
Tirando os equipamentos, bonés e cachecóis, temos uma panóplia de azeiteirisses tipo loja dos chineses que não prestigiam em nada a marca do clube.
Eu vivo nos arredores de Toronto e fico espantado com a potencia comercial dos Toronto Maple Leafs que é a principal equipa de hóquei do Ontário.

Apesar de ser uma equipa medíocre que não atinge sequer a primeira fase de play-offs da Stanley cup, tem o pavilhão constantemente cheio com os adeptos na sua esmagadora maioria vestidos a rigor com o jersey da equipa.

O catálogo da marca é feita na sua esmagadora maioria por peças do mais diverso tipo de roupa e objectos de decoração como candeeiros para o quarto dos miúdos, molduras, relogios de parade, etc.
Reloginhos de ouro, canetas finas, gravatas, vinhos e outro tipo de paneleirisses, nem perdem tempo com isso.

A primeira coisa que se nota nas lojas dos Leafs é a exploração do mercado infantil. Há imensos brinquedos com a marca dos leafs, camas e armários de quarto, edredons, almofadas e sempre orientado para as crianças.

Para mim, a coisa mais fabulosa que eles tem e acho que o FCPorto também deveria ter não só pelo factor infantil mas também pelo factor do coleccionismo, são os bonecos réplica dos jogadores.

Estes bonecos tem cerca de 10, 12cm de altura e são réplicas perfeitas dos jogadores mais mediáticos do clube equipados a rigor.

Eu tenho um amigo que tem uma das paredes da sala forrada destes bonecos de cima abaixo.

Imaginem, todos os anos, podermos comprar o bonequinho do Jaime Magalhães, do Gomes, do Jorge Costa, do Jardel, do Deco, do Hulk e por aí fora.