quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Fim de linha para Adriano


Longe dos grandes palcos e votado ao esquecimento, Adriano vai-se treinado diariamente à parte no complexo de treinos do Olival. Os tempos de glória com a camisola azul-e-branca vestida não passam já de ténues memórias e a esperança de voltar a competir de Dragão ao peito é uma miragem.

Na sua edição de Sábado, o jornal Record deu à estampa mais um capítulo do “braço de ferro” que envolve o jogador, treinador e SAD:
«A guerra de nervos entre o FC Porto e Adriano está prestes a chegar ao fim. Há um dado novo que permite antecipar tal cenário: o avançado está farto de se treinar sozinho e de não competir, pelo que vai facilitar a saída em Janeiro, mês em que completa 30 anos. Perante a ameaça de estagnação na carreira, o brasileiro desiste do braço-de-ferro para permitir uma resolução a contento de todas as partes.

É evidente que o seu nome não consta das opções portistas (não está inscrito e nem sequer compete na Intercalar), pelo que o futuro de Adriano no futebol está dependente de um novo projecto.

É aqui que voltam a opor-se interesses. O FC Porto investiu 1,4 milhões de euros na compra do passe do ex Cruzeiro e, com salários e prémios, as despesas ultrapassam claramente os 2 milhões. Resta saber onde podem os dragões garantir algum retorno numa eventual transferência definitiva, cenário que, obviamente, mais interessa a todas as partes.

O mercado brasileiro é, nesse sentido, o mais provável destino de Adriano, até porque é notório que o jogador não pretende regredir significativamente nos seus vencimentos, incomportáveis para os emblemas nacionais

in Record, 22/11/2008

Num artigo sobre Adriano publicado há 2 meses atrás aqui no Reflexão Portista, onde é descrito o assinalável percurso do avançado brasileiro no FC Porto, José Correia aventou da seguinte forma o mais provável desfecho deste imbróglio: «Sinceramente, tenho pena que a ligação de Adriano ao FC Porto esteja nestes moldes e termine (tudo o indica) com o jogador a treinar sozinho e, mais dia menos dia, a sair em conflito com o clube. Pelo seu passado e por aquilo que já deu ao FC Porto, acho que o Adriano não merece este tipo de tratamento».

Independentemente das razões que levaram à exclusão de Adriano do plantel do FC Porto, – o que até hoje não foi esclarecido, tendo já sido elencadas várias hipóteses, desde a mera opção técnica até a retaliação por o avançado não aceitar um empréstimo – nada justifica a forma como o jogador tem sido quase ostracizado no Clube.


Actualmente, continuo com a convicção de que Adriano apresenta características singulares em todo o plantel que poderiam ser importantes para a equipa, mormente o seu forte jogo aéreo, que é um aspecto decisivo em muitos encontros.

Á excepção de Lisandro, que amiúde finaliza com êxito de cabeça, nem Farias nem Hulk são jogadores talhados para esse tipo de lances. E já que estamos numa simples análise comparativa, diga-se que o avançado argentino, nem de perto nem de longe faz esquecer Adriano que, para alem de ter sido bem mais caro, tem uma média de golos muito inferior à do avançado brasileiro.

Mas, dado conflito existente entre o jogador e quem gere os destinos do FC Porto, não é plausível que Adriano volte a envergar a camisa azul e branca, sendo que a sua transferência para outro clube fora de cá do burgo é o mais provável que se venha a verificar.

11 comentários:

José Correia disse...

De facto, é uma pena a situação do Adriano.

O problema (parece-me) é que no plantel não há espaço para quatro avançados/pontas-de-lança.
Ora, sendo o Lisandro e o Hulk indiscutiveis, a dúvida coloca-se entre o Farias e o Adriano.

A minha escolha seria, claramente, o Adriano, mas compreendo que para a SAD não seja fácil descartar um jogador como Farias, o qual, com comissões incluídas, deve ter custado 5 a 6 milhões de euros.

Mário Magalhães disse...

É dificil ver um jogador como Adriano a treinar sozinho, recordo que na segunda volta com o Co Adrieense ele marcou quase em todos os jogos, na segunda volta com o Jesualdo marcou na maioria do jogos, e agora témos um Farias no plantel que deve ser bem caro mensamente e témos um activo a parte que tantas alegrias nos deu, como tanto jeito nos fazia na nossa equipe.
Considero que é mais um birra do nosso mister como para não falar do caso do Ibson que é outro exemplo preocupante...
Já disse em post anteriores que a nossa administração por vezes vende muito bem mas por vezes perde muito dinheiro.

Jorge Aragão disse...

Um caso realmente triste de um jogador que nos deu dois campeonatos com golos decisivos e por razões desconhecidas está ostracizado.
Uma lástima, o delapidar de um património, de um jogador útil quye sempre apreciei.
Ao menos que se resolva a sua situação pois ninguém merece tais tratamentos.

Pedro Vale disse...

Á excepção de Lisandro, que amiúde finaliza com êxito de cabeça, nem Farias nem Hulk são jogadores talhados para esse tipo de lances.

Se é claro que o Hulk não é talhado para esse tipo de jogo, o mesmo não se passa com Farias.
Creio que Farias é o jogador do plantel mais parecido com Adriano. Ponta de Lança fixo, com bom jogo de cabeça (a maioria dos seus golos foram marcados de cabeça) e pouca capacidade para aparecer nos espaços vazios.

O problema do Farias acaba por ser o mesmo do Adriano. Neste plantel não há espaço para jogadores que joguem fixos numa posição, e muito menos no ataque.

miguel87 disse...

Penso que o Pedro Vale disse tudo. Nesta equipa e tipo de jogo não há mesmo lugar para pontas de lança fixos como o são Farias e Adriano.
Custa-me ouvir as criticas que fazem ao Farias, quando ele é, neste caso literalmente, "vitima do sistema" :)

Rui disse...

Acho uma atitude miserável que nem na intercalar jogue.

Merecia mais respeito da Administração da SAD.

VVolverine disse...

E já que estamos numa simples análise comparativa, diga-se que o avançado argentino, nem de perto nem de longe faz esquecer Adriano que, para alem de ter sido bem mais caro, tem uma média de golos muito inferior à do avançado brasileiro.

Como já foi dito pelo Pedro Vale, não é verdade que o Farías não tenha bom jogo de cabeça, muito pelo contrário, parece-me ser mesmo o ponto mais forte dele, sendo este apenas um dos aspectos em que é superior ao Adriano.

Outra coisa que não é verdade é que o Adriano tenha uma média de golos superior à do Farías, quer a análise se faça em jogos, quer em minutos, como facilmente se pode consultar em zerozero.pt, com a curiosidade de que na única época em que estiveram juntos no plantel jogaram o mesmo número de jogos para o campeonato tendo o Adriano feito apenas 1 golo contra os 6 do Farías!

José Correia disse...

Caro VVolverine, recomendo a leitura de um artigo sobre o Adriano publicado há cerca de dois meses atrás (o Nelson colocou o link para esse artigo), onde pode encontrar, no próprio artigo e nos comentários, uma vasta quantidade de dados e estatisticas sobre o Adriano e o Farias.

Mas independentemente das estatísticas, há algo que é absolutamente indiscutível: o Adriano foi decisivo em muitas vitórias e nas conquistas do FC Porto nas épocas 2005/06 e 2006/07.

Relativamente ao Farias, bem... nos últimos 16 meses, em quantas vitórias do FC Porto é que ele foi decisivo?

Só por brincadeira, podemos dizer que o Adriano e o Farias tiveram rendimentos semelhantes nos primeiros 16 meses em que jogaram de azul-e-branco.

Pedro disse...

Li agora esse post e vi que este tema da comparação entre Adriano e Farías já foi mais que debatido por isso não vale a pena estar aqui a chover no molhado.

Estatisticamente (golos/jogo, golos/minuto) os números do Farías e do Adriano, a meu ver, são semelhantes mesmo se compararmos apenas com as melhores épocas do Adriano e convém não esquecer que o brasileiro, ao contrário do argentino, chegou a ser aposta regular no 11 e nunca teve de concorrer com um Super Lisandro pelo lugar.

Olhando às opções consensuais no plantel (Lisandro e Hulk) e ao modelo de jogo implementado no Porto, provavelmente nem Adriano, nem Farías, seriam a melhor opção para fazer o papel de complemento dos outros dois avançados, mas entre um e outro, pelo que valem actualmente e não pelo que fizeram no passado, prefiro o Farías.

nobigdeal disse...

numa palavra? ingratidão

João Saraiva disse...

É mera especulação, mas o facto de o Adriano e o Paulo Assunção serem unha com carne, não pode ser mais um dos "motivos"?