sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Luis Fabiano, o Fabuloso


Na madrugada da última 5ª feira, num jogo disputado no estádio Bezerrão (que nome apropriado…) a selecção brasileira de futebol infligiu uma goleada das antigas (6-2) à sua congénere portuguesa.

Quando se esperava por um duelo entre Kaká (o actual melhor jogador do Mundo para a FIFA) e Cristiano Ronaldo (o anunciado próximo eleito como melhor do Mundo), quem brilhou a grande altura foi Luís Fabiano, que fez um hat-trick e ainda o passe para o golo do seu companheiro de equipa Maicon.

Este Luís Fabiano é bem conhecido dos portistas.
Em Agosto de 2004, a FCP SAD comprou 25% do seu passe e Luís Fabiano chegou ao Dragão com o apelido de “Fabuloso”, devido aos 61 golos que tinha marcado em 85 jogos com a camisola do São Paulo, entre 2001 e 2004.

Contudo, Luís Fabiano não foi feliz no FC Porto, nunca vimos o tal “Fabuloso”, e em 22 jogos com a camisola azul-e-branca marcou apenas três golos.


Ao contrário do que é habitual (veja-se os casos actuais de Mariano Gonzalez e de Ernesto Farias), infelizmente os dirigentes portistas não tiveram paciência e à primeira oportunidade o Fabiano foi vendido, no caso ao Sevilha, pelo mesmo valor que tinha custado 10 meses antes.

Vestindo a camisola do clube andaluz, Fabiano encontrou as condições para voltar a brilhar e, desde que chegou a Sevilha (a partir da época 2005/06) marcou 62 golos em 130 jogos para o campeonato, taça de Espanha e competições europeias.


De regresso à Selecção do Brasil (onde já marcou 14 golos em apenas 23 jogos), veste actualmente a camisola 9, sucedendo a Ronaldo e deixando no banco avançados como Adriano.

Tivemos um diamante nas mãos e deixamo-lo fugir entre os dedos…

3 comentários:

Mário Magalhães disse...

Como disse em post anterior a nossa administração vende muito bem mas tambem mete muita agua, e nestes caso meteu, como no caso do Diego...
Por um lado sou a favor de apoiar as decisões dos treinadores, mas em alguns casos, não se pode dar ouvidos aquilo que eles pedem e rejeitão´. Neste momento témos um grande jogador emprestado por mero capricho deste mister, custa-me ver o Ibson a jogar muito e ñós a desperdiçar este jogador, por vezes é dificil compreender certas pessoas.
Haja paciencia

Saudações

Zé_Lucas disse...

O tempo branqueia tudo, é certo. No entanto, faz-me confusão estas unanimidades que, por vezes, atravessa o espírito dos Portista.
Os factos, são estes:
1 - o Fabiano, na sua passagem pelo Porto, foi uma nulidade completa.
2 - na altura, não me recordo de ninguém que tivesse criticado a sua venda.
3 - o Sevilha NÂO é o Porto
4 - à alguns poucos meses, lí uma entrevista dele a queixar-se que o público de Sevilha não lhe dáva o valor devido ( imagine-se porquê )
5 - finalmente, digo eu, prognósticos quanto a jogadores destes, só passados uns anos bons.

João Saraiva disse...

O Fabiano é um bom exemplo daquilo que é a diferença entre avaliar contratações e avaliar a política de contratações.

O homem até podia ter qualidades, mas foi contratado num contexto em que a sua integração estava obviamente dificultada - no início do campeonato, sem fazer a pré-época e com a concorrência de Derlei, McCarthy e Postiga que tinha custado 7,5M, e com a fasquia muito alta, por exemplo quando PdC diz: "Agora temos equipa para revalidar o título europeu".