domingo, 30 de novembro de 2008

Os Balanços

clique na imagem para ampliar

A análise aos quadros acima, relativa dos componentes dos Balanços da FC Porto, Futebol, SAD do período 2001-2008 e à sua estrutura percentual permite fazer os seguintes destaques (com percentagens aproximadas):

1) O Activo não corrente, ou Imobilizado, constituído essencialmente pelas instalações, viaturas e passes dos jogadores representa, em média e para o período em questão, 45% do total do Activo e o seu principal componente é o Valor do Plantel. No entanto o peso deste Activo não corrente no Total do Activo tem vindo a diminuir dado que em 2001-02 e 2002-03 representava 50% e 61%, respectivamente, e em 2007-08 representa apenas 36%. Por outro lado, o Activo corrente, ou Circulante, tem visto o seu peso no Activo total aumentar ano após ano até 2007-08.

2) O aumento do valor das Dívidas de terceiros, quer em termos absolutos quer em termos relativos, indicia falta de capacidade da sociedade para cobrança das dívidas que se vão acumulando ou alargamento voluntário dos prazos de recebimento como consequência do poder negocial de fornecedores e terceiros.

3) Há um enorme desajuste entre prazos de pagamento e prazos de recebimento, que já é uma constante ao longo dos últimos anos e que confirma essa incapacidade da SAD em cobrar dívidas. Daqui ressalta naturalmente uma maior pressão sobre a tesouraria (também confirmada por uma degradação nos rácios de liquidez).

4) O capital próprio tem vindo a diminuir desde 2001, ano do último aumento de capital, e representa neste momento cerca de 11% do Activo total, como consequência de resultados negativos elevados (acumulados) e frequentes. Em 2006-07 e 2007-08 a sociedade recuperou em termos de capital próprio mas muito pouco sendo de cerca de 10 M€ a soma dos dois últimos Resultados Líquidos que não chegam para compensar o prejuízo de 30 M€ em 2005-06. Como tal a sociedade continua descapitalizada.

5) Temos assistido a uma progressão da função financeira com o aumento do endividamento bancário, em especial o de curto prazo, que aumentou em 22 M€ no último ano. No que respeita a endividamento bancário total este aumentou cerca de 43% só neste último ano. O clube está hoje mais dependente da banca o que é um factor de maior risco dada a situação complexa que o sistema financeiro está a viver a nível global. O aumento da dívida aparenta dois objectivos: suportar os investimentos feitos no plantel e fazer face ao aumento do ciclo de tesouraria. Poderá no entanto ser uma opção estratégica por parte da administração da SAD (uma empresa muito endividada é, em condições normais, uma empresa menos apetecível aos “apetites” do mercado no que respeita a OPA’s hostis).

6) A questão do aumento do Passivo, tão abordada publicamente, não é um problema per si se o Activo aumentar na mesma ou em maior proporção. Neste caso significaria que os Capitais Próprios teriam aumentado o que não deixa de ser positivo (e foi o que na realidade aconteceu em 2007-08). O Passivo cresceu 21%, cerca de 24,5 M€, mas o Activo cresceu 26%, cerca de 32,5 M€. Mais preocupante do que o aumento do Passivo é, em minha opinião, o aumento do endividamento bancário supra referido.

Nota: a partir do ano 2005-06 a SAD passou a publicar as contas no novo normativo IAS/IFRS, no entanto optei por fazer os ajustamentos para apresentação dos Balanços em POC para haver homogeneidade ao longo dos vários anos. As diferenças originadas por esses ajustamentos não são significativas.

13 comentários:

HULK Onze milhas disse...

Ora aqui está um óptimo trabalho e que deverá ser a base para uma troca de opiniões acerca do futuro financeiro da "FCP-Futebol SAD".
Acerca do texto que acompanha os mapas, permito-me discordar da seguinte parte:
- "... Poderá no entanto ser uma opção estratégica por parte da administração da SAD (uma empresa muito endividada é, em condições normais, uma empresa menos apetecível aos “apetites” do mercado no que respeita a OPA’s hostis)."
Discordo deste temor porque entendo que sendo o FCP o accionista maioritário, dificilmente algum investidor poderá, através duma OPA hostil, chegar ao controlo da nossa SAD.
Além das acções que se encontram em poder do FCP, existem ainda alguns milhares em "investidores do coração", que muito dificilmente venderiam as suas acções se entendessem que isso não iria ser um bom negócio para o FCP.
Penso que será mesmo esta situação de domínio do FCP sobre a Futebol-SAD, para além do mau desempenho financeiro, que estará a fazer com que os investidores tenham pouca apetência pelo nosso "papel".
Aqui fica este meu 1.º comentário, acompanhado de 2 desejos:
- Que a caixa de comentários se encha de opiniões!
- Que estes quadros agora apresentados sejam apenas os primeiros duma série, seguindo-se outros que permitam uma análise mais descriminada das respectivas contas de custos e proveitos.
Ao autor aqui deixo o meu agradecimento pelo trabalho apresentado.

Nuno Nunes disse...

Caro HULK,

Permita-me discordar da sua opinião discordante! Se juntarmos as acções detidas pelos irmãos Oliveira e pela Chamartín Imobiliária temos quase 40% do capital da sociedade, tanto como o próprio clube, o que não é nada desprezível (10% + 10% + 18% = 38%, aproximadamente).
Infelizmente os "milhares de investidores do coração" que refere não representarão mais do que 20% do capital e o problema é que sendo investidores isolados não se conseguem unir para decidir em conjunto (a não ser que fosse criada uma associação de pequenos accionistas e se fizesse um "proxy voting").

Obrigado pelo seu comentário.

Nuno Nunes disse...

Se atendermos ao facto de que já terá sido proposto, no âmbito das reuniões do Conselho Consultivo, uma "operação harmónio" para limpar os prejuízos acumulados depois do péssimo resultado em 2005-06, vemos que o clube já poderia ter perdido os actuais 40% do capital dado que não tem liquidez para acorrer a aumentos de capital que se venham a fazer.

HULK Onze milhas disse...

Prezado Nuno Nunes:

"... Se juntarmos as acções detidas pelos irmãos Oliveira e pela Chamartín Imobiliária temos quase 40% do capital da sociedade..."
Desconhecia esta situação. Pensava que as posições que eram da Olivadesportos e do Grupo Amorim fossem bem inferiores!

Sendo assim, a situação poderá tornar-se preocupante, agravada pela actual baixa cotação das acções.

"...a não ser que fosse criada uma associação de pequenos accionistas..."

E porque não? Vamos a isso?

"...vemos que o clube já poderia ter perdido os actuais 40% do capital dado que não tem liquidez para acorrer a aumentos de capital que se venham a fazer..."

Já ouvi numa AG do FCP o Administrador da SAD Dr Fernando Gomes dizer que uma forma do FCP participar num aumento de capital da SAD poderia ser feita através da transferência da propriedade do "Dragão" para a "Futebol-SAD".
Ouvi isto e... fiquei arrepiado!!!

hmocc disse...

Uma OPA sobre a SAD não seria de todo descabida, nem os pequenos accionistas desdenhariam de uma boa oferta pelas acções que ainda detêm.

Penso que o que ainda está a segurar as pontas é a banca e a confiança que têm na capacidade da FC PORTO SAD serviçar as suas dívidas.

Outro pormenor é que em termos de receitas, a liga portuguesa vale 0 (zero) isto é que torna os clubes portugueses nada apetecíveis, pois não são rentáveis "per se", necessitando permanentemente de alienar património activo (jogadores) para equilibrar as contas.

Se algum dia for criada uma liga europeia fechada ou se o Porto passar a disputar a liga espanhola ou inglesa, então aí o caso muda de figura. Mas como não acredito em nenhum destes 2 cenários...

Aristodemos disse...

"Outro pormenor é que em termos de receitas, a liga portuguesa vale 0 (zero) isto é que torna os clubes portugueses nada apetecíveis, pois não são rentáveis "per se", necessitando permanentemente de alienar património activo (jogadores) para equilibrar as contas."

Esse é o cerne da questão: vivemos num país do 3º mundo.

Lista comparativa de receitas de direitos televisivos de alguns dos maiores clubes Europeus na temporada de 2006/2007 segundo o Futebol Finance:

SL Benfica (Portugal) - 9.200.000 €
FC Porto (Portugal) - 7.200.000 €
Sporting CP (Portugal) - 8.900.000 €
Juventus (Itália) - 92.600.000 €
Real Madrid (Espanha) - 132.400.000 €
FC Barcelona (Espanha) - 106.700.000 €
Manchester United (Inglaterra) - 91.300.000 €
Olympique Lyon (França) - 69.900.000 €
AC Milan (Itália) - 153.600.000 €
Chelsea FC (Inglaterra) - 88.500.000 €
Arsenal FC (Inglaterra) - 65.800.000 €
Celtic (Escócia) - 34.500.000 €
Bayern Munique (Alemanha) - 61.200.000 €
São Paulo FC (Brasil) - 9.900.000 €

José Correia disse...

Nuno Nunes disse: «Infelizmente os "milhares de investidores do coração" que refere não representarão mais do que 20% do capital e o problema é que sendo investidores isolados não se conseguem unir para decidir em conjunto (a não ser que fosse criada uma associação de pequenos accionistas e se fizesse um "proxy voting").»

Penso que os pequenos accionistas (como eu) representarão cerca de 10% do capital da FCP SAD.

A criação de uma associação de pequenos accionistas é uma ideia interessante, não sei é se teria uma grande adesão e se seria possível federar vontades.

No imediato, entendo que artigos como este são muito importantes, porque contribuem para que os adeptos do FC Porto e, particularmente, os pequenos accionistas da SAD fiquem melhor informados.

José Correia disse...

Nuno Nunes disse: «o clube já poderia ter perdido os actuais 40% do capital dado que não tem liquidez para acorrer a aumentos de capital que se venham a fazer.»

A distribuição de receitas entre o Clube e a SAD é muito favorável à SAD.

Na minha opinião, seria justo que o Clube recebesse uma percentagem superior das cotas dos associados do FC Porto (recebe apenas 20%), bem como, recebesse verbas significativas da exploração dos espaços comerciais do estádio (Café, Solinca, Rádio Popular, etc.).

Se assim fosse, o Clube poderia ir acumulando um "pé de meia" que lhe permitisse, quando for caso disso, acorrer a aumentos de capital da SAD.

José Correia disse...

Hulk onze milhas disse: «Já ouvi numa AG do FCP o Administrador da SAD Dr Fernando Gomes dizer que uma forma do FCP participar num aumento de capital da SAD poderia ser feita através da transferência da propriedade do "Dragão" para a "Futebol-SAD".»

Não quero acreditar que esta Administração da SAD tenha o desplante de propor um cenário destes.

Contudo, se este cenário se colocar, terá de ser aprovado pelos sócios do FC Porto numa AG do clube.

Por isso, se este cenário se colocar, embrulhado numa eventual engenharia financeira, considero que será a hora da verdade para os sócios do FC Porto.

Se este cenário se colocar, espero que os sócios do FC Porto se mobilizem e participem em massa na AG do clube em que tal assunto for a votação. Nem que tenhamos de fazer a AG no novo pavilhão.

José Correia disse...

Aristodemos disse: «Lista comparativa de receitas de direitos televisivos de alguns dos maiores clubes Europeus na temporada de 2006/2007 segundo o Futebol Finance:
SL Benfica (Portugal) - 9.200.000 €
FC Porto (Portugal) - 7.200.000 €
Sporting CP (Portugal) - 8.900.000 €»


Não sei qual é a fonte do Futebol Finance para apresentar estes valores.
A ideia que tenho é que o contrato da SportTv com o SLB e o FC Porto tem valores semelhantes.

Aliás, no artigo referido (seguir o link) é o próprio administrador da Benfica SAD, Domingos Soares Oliveira, que refere que os direitos de TV do SLB estão vendidos até à época de 2012/2013 por 7,5 milhões de Euros por ano.

Aristodemos disse...

José Correia disse:
"Não sei qual é a fonte do Futebol Finance para apresentar estes valores.
A ideia que tenho é que o contrato da SportTv com o SLB e o FC Porto tem valores semelhantes.

Aliás, no artigo referido (seguir o link) é o próprio administrador da Benfica SAD, Domingos Soares Oliveira, que refere que os direitos de TV do SLB estão vendidos até à época de 2012/2013 por 7,5 milhões de Euros por ano."


Os valores são referentes à temporada de 2006/2007, já que não tinha dados mais recentes dos outros clubes europeus. Em 2007/2008 os valores apresentados nos R&C das SADs foram os seguintes:

SL Benfica (Portugal) - 8.409.000 €
FC Porto (Portugal) - 7.100.000 €
Sporting CP (Portugal) - 11.273.000 €

Creio que a diferença dos valores se deve ao facto de SLB e SCP terem saído da fase de grupos da Champions para a taça UEFA, onde passaram a ter os direitos das transmissões televisivas. Em 2006/2007 o SCP não se qualificou para a UEFA.

José Correia disse...

Aristodemos disse: «Em 2007/2008 os valores apresentados nos R&C das SADs foram os seguintes:
SL Benfica (Portugal) - 8.409.000 €
FC Porto (Portugal) - 7.100.000 €
Sporting CP (Portugal) - 11.273.000 €»


Falta saber como é que as três SAD's contabilizam as receitas de publicidade (junto com TV?) e as receitas de TV (pool market) da Liga dos Campeões.

Aristodemos disse...

No site d'OJOGO:
"O FC Porto é o único dos três grandes que apresentou um resultado líquido positivo de 6,8 milhões de euros, no primeiro trimestre de 2008/2009, no entanto, um número abaixo do alcançado em período homólogo anterior (10,8 milhões de euros), correspondente "em grande parte ao agravamento de encargos financeiros". Os resultados operacionais da SAD dos dragões ficaram nos 9,1 milhões de euros (menos 2,5 por cento no mesmo período do ano anterior), e no Sporting estes desceram para 1,2 milhões de euros (menos 72,81 por cento) e no Benfica ficaram em um milhão de euros negativos (menos 109 por cento do que no primeiro trimestre de 2008/09). As SAD dos três grandes, FC Porto, Sporting e Benfica, apresentaram resultados líquidos no primeiro trimestre de 2008/09 abaixo dos registados no ano passado, devido, sobretudo, aos investimentos nos plantéis. A ausência na Liga dos Campeões, a continuidade dos principais jogadores no plantel e o reforço da equipa foram apontados pelo Benfica como a principal razão para o resultado negativo de dois milhões de euros em relação a período homólogo do ano passado. De acordo com o comunicado enviado ontem à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o resultado representou um decréscimo de 121 por cento em relação ao primeiro trimestre de 2007/08. O Benfica foi, aliás, o único dos três com resultados líquidos negativos, tendo a ausência na Champions resultado num impacto negativo de 4,8 milhões de euros nos Outros Proveitos Operacionais, que decresceram 86,98 por cento. Os resultados operacionais da SAD encarnada ficaram em um milhão de euros negativos, menos 109 por cento do que no primeiro trimestre do ano passado. Já o Sporting, que aumentou os custos com o plantel, ao valorizar os seus salários, e que teve uma redução dos proveitos com a venda de jogadores - este ano a SAD dos leões decidiu não colocar no mercado as principais estrelas da equipa -, obteve um resultado líquido de 16 mil euros. A SAD do Sporting, no comunicado enviado sexta-feira à CMVM, revelou que os lucros do primeiro trimestre caíram 99,6 por cento (4,3 milhões de euros) em relação ao período homólogo anterior, devido à redução de 94 por cento no proveito das transacções dos passes dos jogadores."