terça-feira, 30 de dezembro de 2008

O campo do 'Trio' está inclinado


Costuma dizer-se que um relvado está inclinado quando o árbitro do jogo, sem dar muito nas vistas, “gere” os tempos do jogo, as faltas a meio-campo, a mostragem dos cartões amarelos, etc. Muitas vezes, sem necessitar de assinalar penalties mais do que duvidosos ou foras-de-jogo escandalosos, uma “arbitragem inteligente” é suficiente para perturbar, enervar, atrapalhar e dificultar ao máximo a tarefa de uma equipa.

Passe a comparação e com as devidas distâncias foi isso que eu senti no Trio d´Ataque da semana passada, com o “árbitro” - Hugo Gilberto - a dificultar, e de que maneira, a acção de um dos “jogadores” - Rui Moreira.


Hugo Gilberto, um ex-aluno da licenciatura em Jornalismo da Faculdade de Letras de Coimbra, é jornalista da RTP há vários anos e há cerca de dois meses substituiu o Carlos Daniel como moderador deste programa das terças-feiras, em que durante cerca de hora e meia Rui Oliveira e Costa (Sporting), António Pedro de Vasconcelos (Benfica) e Rui Moreira (FC Porto) debatem sobre os principais acontecimentos futebolísticos da semana.

Já me tinha apercebido de uns sinais dados por Hugo Gilberto em programas anteriores, mas no Trio d´Ataque do dia 23 de Dezembro as coisas foram óbvias. Vejamos:

No SLB - Nacional quis-se dar a entender que tinha havido um roubo (quando, de facto, há um único lance discutível) e os lances polémicos do jogo parece terem sido escolhidos a dedo para que fosse essa a mensagem transmitida.
Por exemplo, é analisado um pseudo fora-de-jogo do ataque do Nacional (em que o árbitro auxiliar decidiu bem ao não marcar) e de seguida um fora-de-jogo evidente do ataque do SLB (que o outro árbitro auxiliar voltou a estar bem ao interromper a jogada).
Qual era a ideia ao analisar estes dois lances em sequência?
Dar a entender que para dois lances “parecidos” o trio de arbitragem teve duas decisões distintas?
Azar! Os três comentadores estiveram de acordo que nestes lances o árbitro Pedro Henriques esteve bem (as imagens televisivas não deixam dúvidas).


Ao falar do FC Porto - Marítimo, percebeu-se que antes de serem analisados casos em concreto, Rui Moreira pretendia fazer algumas considerações gerais sobre a arbitragem de Duarte Gomes. O adepto do FC Porto ainda conseguiu referir o ridículo cartão amarelo mostrado aos 92’ ao guarda-redes do Marítimo (quando este tinha começado a queimar tempo logo no início do jogo), mas já não pôde falar mais do critério na mostragem dos cartões e, principalmente, na forma como o árbitro lisboeta pactuou com todas as estratégias da equipa madeirense para fazer passar depressa os ponteiros do relógio, visto Hugo Gilberto tê-lo interrompido.

A seguir, quase não se percebeu que o árbitro internacional de Lisboa tinha perdoado duas expulsões a jogadores da equipa verde-rubra na altura decisiva do jogo, porque a preocupação do Hugo Gilberto pareceu ser destacar uma hipotética contradição de Rui Moreira, por este ter analisado os lances das mãos de Miguel Vítor (no SLB - Nacional) e de Bruno Alves (no FC Porto - Marítimo) de forma distinta. Não percebi a admiração, porque os lances, como o Rui Moreira muito bem explicou, são distintos, nomeadamente no que diz respeito ao movimento dos braços dos jogadores.

Um outro aspecto que me chamou à atenção foi o modo como o Hugo Gilberto adjectivou e destacou determinadas coisas.

Quando referiu o incidente havido no Túnel das Antas, não entre elementos participantes no jogo (como foi o caso no SLB – Nacional), mas entre indivíduos dos bastidores, Hugo Gilberto teve o cuidado de sublinhar que Duarte Gomes tinha anexado ao seu relatório um documento de quatro páginas sobre o incidente (4 páginas, ena pá, deve ter sido uma coisa gravíssima...).

Na mesma onda, ao introduzir o tema da posição tomada pelo Conselho de Justiça da FPF sobre as escutas, talvez pensando na forma como o Tribunal Arbitral do Desporto pôs em cheque tanto a Comissão Disciplinar da Liga como o Conselho de Justiça da FPF, Hugo Gilberto afirmou que o CJ da FPF tinha arrasado a decisão do Supremo Tribunal Administrativo (STA).

Uauh! Afinal a justiça desportiva é credível e acima de qualquer suspeita!

Como é sabido, em 3 de Novembro passado o STA considerou inconstitucional a utilização de escutas telefónicas no âmbito de processos disciplinares, como é o caso do 'Apito Final'.

Esta questão das escutas é polémica. Alguns dos maiores especialistas portugueses na matéria – José Faria Costa, Germano Marques da Silva, Manuel Costa Andrade e Damião da Cunha –, bem como, conhecidos juízes como Rui Rangel e Fátima Mata Mouros são taxativos e alinham na mesma tese do STA. Já o Tribunal Constitucional teve posições contraditórias sobre este assunto, a última das quais foi no sentido de considerar as escutas legais.
Em que ficamos?
Alguém se entende no meio das enumeras contradições da Justiça portuguesa?

Seja como for, os pobres juízes do Supremo Tribunal Administrativo devem estar a tremer com esta posição dos altamente isentos juristas escolhidos pelo inenarrável Gilberto Madail, para substituírem os comparsas da golpada de Julho


Quem voltou a estar bem foi Rui Moreira, não reconhecendo idoneidade aos novos membros com velhos vícios do CJ da FPF, levando o representante do Sporting a mostrar toda a sua incomodidade, falando em pazadas...

Apesar do final do programa ter sido em contra-relógio, para além da “arrasante” decisão do CJ da FPF, houve ainda tempo para o Hugo Gilberto ler 5 ou 6 e-mails (nem um de adeptos do FC Porto!), incluindo um e-mail de um adepto do SLB, elencando jogos em que supostamente os encarnados teriam sido prejudicados (o hilariante é que até incluiu o Leixões – SLB para o campeonato).
Para falar na entrevista de Madail ao Porto Canal, em que o presidente da FPF abordou os critérios de Scolari nas convocatórias e, particularmente, o caso do Vítor Baía é que infelizmente não houve tempo…

Dizem-me que o Hugo Gilberto é portista.
Não sei se é portista, mas pelos vistos tem o estigma de o ser e já se sabe que neste país infestado pela inveja e mediocridade isso é pior, muito pior, do que ser incompetente. Talvez por isso, o Hugo Gilberto tem feito tudo para fugir a esse estigma, mas no último programa exagerou.

O Hugo Gilberto dá umas aulas no Curso de Pós-graduação em Comunicação e Desporto, na Escola de Jornalismo do Porto, em que juntamente com o seu colega Manuel Fernandes Silva é responsável pelos módulos/disciplinas de ‘Reportagem e Apresentação em Desporto’ e ‘Novos Desafios Éticos e Deontológicos’

Ora, é precisamente isso que eu espero dos bons jornalistas: ética e isenção no desempenho das suas funções.
Porque se é para ser mais papista que o papa, antes o benfiquista Carlos Daniel do que o “portista” Hugo Gilberto.

18 comentários:

Mário Faria disse...

De facto vi o trio, e o moderador é-o muito pouco. De falas mansas, aparenta ser equilibrado e equidistante. Mas, não é.
Compete ao "trio" defender as suas opiniões, paixões e diferenças. Não têm que ser isentos, e seria imperdoável que o fossem.
O fair play e a boa educação que se recomendam, não devem camuflar as diferenças. Se o fizerwm, temos uma coisa desenxabida, sem interesse.
O moderador deve ajudar a enriquecer o debate, administrar o tempo e não permitir a monotonia ou o arrastamento da discussão num determinado ponto. Não é o que o "homem" tem feito. Dá ideia que tem que provar que é um digno sucessor do Carlos Daniel.
Na Sportv só comenta quem for sócio do SLB ; nos outros canais é mais ou menos o mesmo. Aliás, este modelo de programa serve para demonstrar que as 3 grandes forças desportivas nacionais estão “representadas” na TV de igual forma. Uma falsidade, obviamente.
Tenho pena que o FCP não compre um estudo à Marktest comparativo dos tempos concedidos pelos canais genéricos ao SLB, SCP e FCP, nos programas desportivos e nos noticiários em geral, sobre tudo nestes.

Anónimo disse...

Meus caros, ouvi há minutos na RR que Pedro Poença foi nomeado para o Nacional - Fc Porto.

Após o Fc Porto- Marítimo disse a um amigo meu :"Depois disto só espero que não nomeiem o proença para o jogo com o Nacional"

Infelizmente acertei, digo infelizmente porque com este senhor a apitar não acredito que possamos vencer. Só se realizarmos a melhor exibição da época teremos algumas hipóteses.

Acredito que me julguem pessimista ou, ainda pior, maldizente. Acreditem que não, digo-o porque conheço a "peça" e os seus amigos.

Zé Luís disse...

Um tema desgastante. Um tema que agasta. E um tema gasto.

Caro José Correia, por acaso vi esse programa e anotei também toda essa "irreverência" do pequeno moderador que se acha importante só por ter câmaras de tv à frente. Talvez escudado nalgum "canudo" que pouca relevância tem nesta area do Jornalismo, a ver pelos exemplos consabidos e pouco edificantes que pululam nas tv's.

Talvez...

Talvez não seja verdade o "Dizem-me que o Hugo Gilberto é portista".

Quando toquei no tema no portistasdebancada, anotando a mudança de moderador/condutor do programa, não lhe augurei grande futuro. De resto, quando digo que "vi por acaso" é por, de há muito tempo, ter "desligado" do mesmo. Já não gostava com o Carlos Daniel e passaria a gostar menos com este tal Hugo Gilberto. Os tiques de falta de isenção e assomos de um protagonismo insano do pivot já eram do Daniel, Gilberto limitou-se a assumir a pasta e a lavar os dentes como lhe aprouver.

Não gosto do tipo e, quando a ocasião então se propiciou mesmo sem eu fazer um post, imerecido, só por estas minudências, lá exprimi o que sentia e sabia.

Contei, então, a história de o repórter Hugo Gilberto, que desconhecia por completo, ter feito um mau trabalho no resumo de um Porto-Marítimo, no tempo de Adriaanse.

Lembro-me que, assistindo ao jogo no estádio, o holandês foi muito substituído porque, a ganhar por 1-0 (Meireles), tirou o Adriano e meteu um médio, numa altura em que se justificava e uma opção que se revelou, como a identifiquei no estádio, acertadíssima.

É que o assédio do Marítimo e a ameaça do empate esfumou-se logo que o FC Porto aumentou as unidades a meio-campo. Adriaanse aprendeu, por exemplo, a lição que se lhe escapou frente ao Rangers, ao desguarnecer o meio-campo depois do 1-0 e pagámos com o 1-1 final frente a um adversário medíocre.

Adriaanse acertou, mas o público não gostou, ou não percebeu o que é mais comum. Gilberto, no resumo da RTP, limitou-se a sublinhar o momento não com explicações de ordem táctica que comprovavam o acerto do treinador na substituição, mas a deixar o som ambiente e uma ruidosa assobiadela.

Não sei se foi por ingorância, em que acredito, ou simplesmente má-fé, mas caiu-me mal essa opção editorial de todo despropositada. O jornalista não explicou o que se passou com reflexos no jogo, preferiu deixar no ar a assobiadela.

Um mau momento de jornalismo que, como em muitos outros casos, me fez e faz ainda olhar para certas peças televisivas de muito mau gosto e até mau-carácter.

Ao contar esta história no blog um comentador afiançou com plena garantia que Gilberto é benfiquista, o que me deixa indiferente nem que fosse portista, porque mau jornalista foi de certeza e por esse exemplo fiquei a conhecer o nome e o personagem.

Nalguns programas em que quis vê-lo em acção só confirmou a boçalidade e falta de intelecto que revela, sibilino em observações que normalmente denigrem o FC Porto mas na esteira do seu antecessor que também nos fóruns deixou sempre a dúvida sobre o seu clube.

E por tudo isto, por não gostar de muitas intervenções estúpidas dos rivais e de muitas fraquezas do nosso Rui Moreira, deixei de ser espectador pelo menos assíduo. À mesma hora, no canal 1, sempre prefiro o humor do Telerural do que a pastelada em que esta nova versão do Dia Seguinte se tornou.

Há muito que está esgotado este modelo de programa onde falam de lances sem imagens (pior na SIC) e se deixa ir na onda que convém aos apaniguados em maioria.

Já Carlos Daniel deu uma mostra da sua incapacidade para falar da parte jurídica do Apito Dourado de que conhece apenas a versão do Ricardo Costa e com assessoria do departamento jurídico do Benfica.

Quando o TAS revelou o seu acórdão, Daniel foi simplesmente medíocre a desvalorizá-lo, interpretando-o à luz da versão conveniente. Gilberto só lhe segue as pisadas, mas, como sabemos, a cópia é sempre pior que o original.

Esta gente mete-me nojo.

Armindo disse...

Mas "isto" dos campos inclinados é alguma novidade?

É "isto" que nos alimenta e que funciona como fel para os nossos adversários.

Também, ainda bem que assim é!

Caso contrário, seria uma enorme monotonia!!!

Anónimo disse...

Como dizia Zé Luis, aquela gente mete-me nojo, aqueles programas são um atentado às pessoas que não foram atingidas pela demência.

Aqueles formatos são uma porcaria atroz, ao qual o "Trio" disse que ia fugir, viu-se logo desde o início.

Usem esse tempo para coisas realmente interessantes e que se..o Gilberto e o Carlos Daniel.

Já agora, durante muitos anos houve quem, por todos os meios tentasse colar o cachecol do Porto ao Carlos Daniel. Parece que tentam fazer o mesmo com este..

José Correia disse...

Caro Zé Luís,

De facto, disseram-me que o Hugo Gilberto é portista. Se o é disfarça bem e não serei eu que ponho as mãos no fogo por essa eventual preferência clubistica.

Quanto ao 'Trio d'Ataque', e apesar dos defeitos que tem, é um programa que eu gosto de ver (o mesmo não digo do 'Dia Seguinte') e entendo que no essencial o Rui Moreira tem estado bem na defesa das nossas cores. Aliás, no último programa, apesar de jogar em inferioridade numérica e num campo inclinado, o Rui Moreira não se saiu nada mal.

José Correia disse...

Não conhecia o episódio do FC Porto - Marítimo da época 2005/06 relatado pelo Zé Luís.
O comportamento jornalistico do Hugo Gilberto foi, de facto, lamentável mas não chega para eu concluir que ele não é portista. Significa, isso sim, que não gostaria do Adriaanse, mas esse sentimento era comum a muitos portistas, incluindo alguns da administração da SAD...

Mefistófeles disse...

Amigos, sois uns cavalheiros.

Eu direi assim: basta olhar para a "tromba" deste energúmeno para perceber que é lampião.

Qual portista qual quê ? Isso era o que ele dizia aos amigos para não apanhar "tau-tau" no liceu.

Uma verdadeira papoila-saltitante.

Feliz 2009 para todos !

Mefistófeles disse...

já agora, concordo com o Lima.

Zé Luís disse...

Caro Zé Correia, o episódio que relatei do Porto-Marítimo não tem a ver com a simpatia clubística, mas com a deficiência jornalística que era suposto estarmos a analisar segundo o teu post.

É um daqueles "cliques" que nos faz fixar numa pessoa, num episódio, tentando perceber porque fez aquilo ou tal aconteceu.

Nunca seria por aí que avaliaria o clubismo de alguém, nem este tema acho que mereça ir por aí.

Quanto ao ser portista, ninguém me veio dizer, mas fui ouvindo. Pelo contrário, como sucedeu com o mafioso Daniel, há quem garanta sem ter a certeza e quem tenha certeza mesmo.

Adiante.

Lanço-te, agora, um desafio.

Pesquisa se puderes no youtube e pega num resumo do Porto-P. Ferreira (2-1), do tempo de Octávio, creio que pela 5ª jornada, em 2001-2002, foi a estreia do Pena, auspiciosa com dois golos, salvo erro.

Há um lance no directo da RTP em que o relatador, de que não digo o nome, e o comentador que era António Fidalgo, consideram um penálti de Jorge Costa ainda com 1-1 e que foi apenas um desarme limpo.

Vai ver quem era o relatador de serviço. És capaz de ter uma surpresa. Ou talvez não. Um bom desafio, à altura dos que o novo ano prometem, numa altura de crise generalizada mas com a carneirada lusitana a pastar, como sempre.

Abraço, boa pesquisa e feliz 2009!

José Correia disse...

Caro Zé Luís, pesquisei mas não encontrei o FC Porto - P. Ferreira da época 2001/02. Contudo, imagino quem foi o relatador...

Zé Luís disse...

Zé Correia, não creio que se possa imaginar. Que tal as iniciais?...

José Correia disse...

Zé Luís disse...
«Zé Correia, não creio que se possa imaginar. Que tal as iniciais?...»

Seria uma ajuda...

Zé Luís disse...

"Contudo, imagino quem foi o relatador..."

Caro Zé Correia, se imaginas avança então as iniciais, era este o desafio.

Eu não creio que se possa imaginar.

Mas adianto:

o mesmo relatador, entretanto saído da RTP, fez um dos últimos trabalhos do género num jogo da Taça, Porto-Sporting, em 2006. É bem mais recente. E ele gabou-se, no fim, de ter dito na transmissão que nunca viu o Porto ser tão favorecido. O Porto passou por penáltis, o Sporting voltou a gritar roubo mas foi mais protegido do que prejudicado.

O relatador é o mesmo.

É a melhor pista que posso dar.

Talvez este esteja no you tube. Este não vi na tv, mas no Dragão, porém soube do desabafo dele no fim. Enfim...

Mnauel Campos disse...

Nos fóruns de benfiquistas todos dizem que o Hugo Gilberto é portista. Aqui vocês já dizem que ele é lampião. Ele não será do Sporting?
Ou se calhar é sério...
Sempre simpatizei com o Hugo Gilberto. Não é daqueles mouros que passam a vida a atacar o nosso clube mas também não é daqueles parolos, demasiado pró-Porto, que só desprestigiam o nosso clube.

Manuel Campos

Carlos disse...

Será que o único problema do Hugo Gilberto, é não poder dar-se ao luxo de estar a escrever artigos de opinião num Blog em que predomina a côr azul?????
Acredito que os lançes abordados no programa foram os que reuniram mais destaque no cenário futebolístico da altura. Na minha opinião, é importante não transformarmos o "trio de ataque" na "reflexão portista" da televisão portuguesa e passarmos a analisar os lançes apenas da perspectiva azul e branca.
Não queria deixar de dar os meus sinceros parabéns pelo blog, que peca apenas por estar demasiado "inclinado" para o FCP, de resto, evidencia bastante qualidade e paixão clubística !!!!
Espero que este comentário não me traga nega a BDD. Carlos... Sportinguista!!!

Roxannah disse...

esse hugo gilberto comunica com o meu sistema nervoso. nao sei quem e que achou que ele seria a pessoa indicada para moderar nao so um, mas tres! programas sobre futebol, sobretudo o trio de ataque que tanto gostava de ver e agora so de ver o homem fico com vontade de desligar a tv. sinceramente que saloio. tanto quer ser como o carlos daniel que da vontade de rir. puhliiiise

Antonio Silva disse...

O problema é que o Hugo Gilberto é portista. Eu conheço-o bem, andou em Jornalismo na Universidade de Coimbra comigo durante 2 anos. Se ele diz as merdas que diz para agradar ao patrão lamp (Carlos Daniel), isso já é outra coisa. Mas garanto-te a 100% que ele é portista.