quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

A Farsa da Liga


Esta edição da Taça da Liga foi apresentada com toda a pompa pelo gebo seboso presidente da Liga, Hermínio Loureiro. Mas como toda a gente já teve oportunidade de confirmar a competição é um verdadeiro embuste. E começou por sê-lo no momento em que a Liga alterou o seu formato de modo a que os três grandes tivessem grande facilidade em chegar às meias-finais. Pode ter sido em parte influência dos sponsors mas podia e devia a Liga ter pensado e executado melhor os moldes em que a competição se desenrola.
Os jogos realizaram-se entre todos os clubes das Ligas profissionais à excepção dos três grandes que esperavam confortavelmente “sentados” como cabeças de série em cada um dos três grupos de qualificação para as “meias”. Só por si, este tipo de formato já retira toda a emotividade à competição e fez mesmo com que os jogos de qualificação para a fase de grupos estivessem completamente “às moscas”.

Isto já é um factor de descrédito mas o pior não é isto. Pior ainda foram os exemplos de arbitragens miseráveis, tendenciosas, que alteraram a verdade desportiva ao longo da fase de grupos. Estou a referir-me aos jogos Rio Ave x Sporting em que o clube lisboeta obteve o golo da vitória em claro fora-de-jogo e Benfica x Belenenses em que o Bruno Paixão anulou um golo limpo ao Belenenses depois de já ter ignorado um penalty contra o Benfica. Este derby lisboeta foi um jogo escandaloso. Pena é que o clube do Restelo não fique sequer indignado por ser roubado de forma tão vil com a arbitragem do Paixão. Não sei como é que ainda é possível que este ladrão seja nomeado para apitar jogos nas competições profissionais depois de anos e anos de péssimas e dolosas arbitragens. Um mistério, ou talvez não.


Contudo, o presidente da Comissão de Arbitragem, Vítor Pereira, ainda teve a lata de afirmar que “apenas uma equipa vai garantir presença na Liga dos Campeões e isso vai provocar muito nervosismo, ansiedade e provavelmente muitas questões que vão pôr em questão tudo e todos”. Enfim, é mais um irresponsável que já devia ter sido demitido há muito tempo.

A última polémica, que não é mais publicitada na comunicação social porque um dos beneficiados é o SLB e o outro é o Guimarães (clube “amigo” do primeiro), está no regulamento da Taça da Liga. Diz então o regulamento que:

As meias-finais são disputadas a uma mão, em campo neutralizado, entre os 4 Clubes apurados na fase anterior.
É efectuado um sorteio pela Liga PFP para alinhamento das equipas.
Os critérios para determinar quem joga na qualidade de Clube visitado são os seguintes:
1. Melhor lugar e pontuação obtidos na 3.ª Fase;
2. Melhor “goal average”;
3. Maior número de golos marcados na 3.ª Fase;
4. Média etária mais baixa de jogadores utilizados nos jogos da 3.ª Fase.

É um regulamento ambíguo e que dá azo a interpretações diversas, mediante o interesse e a classificação final de cada clube na fase de grupos.
Porque razão é que não foi feito primeiro o sorteio das meias-finais e só depois aplicados estes critérios?
E o que é que significa "goal average"? A definição clássica inglesa de quociente entre golos marcados e golos sofridos, e que foi banida dos campeonatos europeus nos anos 70?
É que nesse caso o clube apurado seria o Belenenses e não o Guimarães. Ou a Liga, de tão profissional que é, se esqueceu de substituir o termo "goal average" por "goal difference"?

“No caso entre Belenenses e Guimarães, os dois métodos dão diferentes resultados. As equipas têm os mesmos pontos (quatro), e um critério de desempate por goal average puro coloca o Belenenses à frente do Vitória e, por conseguinte, nas meias-finais. Isto porque se dividem os dois golos marcados pelos azuis por um sofrido, o que dá uma média de 2; já o Guimarães, com três marcados e dois sofridos, só tem uma média de 1,5. Prevalecendo o critério de diferença de golos, as equipas têm saldo igual (um positivo), mas impera a regra seguinte, que beneficia a do Minho: maior número de golos marcados.”

O Jogo, 21/01/2008
A Liga, ao aperceber-se da borrada que fez, logo emitiu um comunicado para tentar remediar o irremediável:

"Em face de dúvidas suscitadas na comunicação social relativamente ao apuramento para as meias-finais da Taça da Liga, entende a Liga Portuguesa de Futebol Profissional prestar o seguinte esclarecimento:

O 1º ponto do nº 3 do artigo 7º do Regulamento da Taça da Liga elege o melhor "goal-average" como primeiro critério de desempate entre clubes que tenham alcançado a mesma pontuação. A referida expressão "goal-average" reporta-se à diferença entre golos marcados e sofridos; tal corresponde ao entendimento comum na linguagem corrente do futebol e, certamente por isso, como tal, foi interpretado pela generalidade da comunicação social, designadamente as televisões quando traçaram os cenários de apuramento em face dos resultados que se iam verificando nos jogos da última jornada da 3ª fase.

Dito pela negativa, não se significou nem se quis significar através da referência a "goal-average" a qualquer tipo de quociente entre golos marcados e sofridos. Sendo certo que, actualmente, em todas as competições internacionais, a referência ao "goal-average" expressa a diferença entre golos marcados e sofridos.

Acresce que o critério baseado na diferença entre golos marcados e sofridos harmoniza-se com o espírito geral do Regulamento, que é o de estimular e premiar a marcação de golos, como está claramente expresso no ponto 2º do nº 3 do artigo 7º da Taça da Liga."



É mentira que “actualmente, em todas as competições internacionais, a referência ao "goal-average" expresse a diferença entre golos marcados e sofridos” como a Liga quer agora fazer passar. É falso apenas e só porque "todas as competições internacionais" já não mencionam o termo "goal average" desde os idos anos 70 do século passado. Este método de desempate foi abandonado desde a final do Campeonato do Mundo de 1970 e desde a época de 1976/1977 no campeonato inglês.
Para o atestar basta atentar no ponto 6.05 do regulamento da Liga dos Campeões e no ponto 6.06 do regulamento da Taça UEFA:

6.05 If two or more teams are equal on points on completion of the group matches, the following criteria are applied to determine the rankings:

a) higher number of points obtained in the group matches played among the teams in question;
b) superior goal difference from the group matches played among the teams in question;
c) higher number of goals scored away from home in the group matches played among the teams in question;
d) superior goal difference from all group matches played;
e) higher number of goals scored;
f) higher number of coefficient points accumulated by the club in question, as well as its association, over the previous five seasons (see paragraph 8.02).

6.06 If two or more teams are equal on points on completion of all the group matches, the following criteria will be applied to determine the rankings:
a) superior goal difference from all group matches played;
b) higher number of goals scored;
c) higher number of goals scored away;
d) higher number of wins;
e) higher number of away wins;f) higher number of coefficient points accumulated by the club in question, as well as its association, over the previous five seasons (see paragraph 8.03).


Ou seja, na Liga nem se derem ao trabalho de ler um único regulamento internacional antes de elaborarem os regulamentos desta competição mas ainda tiveram o desplante de emitir este ridículo comunicado.

Com as arbitragens declaradamente tendenciosas a favor dos clubes de Lisboa, os estádios vazios e os erros na elaboração do regulamento é caso para dizer que esta competição será um sucesso.
Só é pena que os patrocinadores não se tenham dado conta que não deviam ter financiado uma nova competição de uma instituição dirigida por miseráveis e incompetentes.

12 comentários:

José Correia disse...

«Os jogos realizaram-se entre todos os clubes das Ligas profissionais à excepção dos três grandes»

Se não estou enganado, da 1ª fase da Taça da Liga ficaram isentos os quatro (ou seis?) primeiros do campeonato da época passada.

José Correia disse...

«Estou a referir-me aos jogos Rio Ave x Sporting em que o clube lisboeta obteve o golo da vitória em claro fora-de-jogo e Benfica x Belenenses em que o Bruno Paixão anulou um golo limpo ao Belenenses depois de já ter ignorado um penalty contra o Benfica.»

Neste rol de jogos da Taça da Liga adulterados pelas arbitragens, convém não esquecer o Guimarães-SLB.

E só não falo no FC Porto - Setúbal, porque apesar dos dois penalties forçados que foram assinalados contra o FC Porto (o 2º penalty é de bradar aos céus), o FC Porto acabou por ganhar o jogo.

José Correia disse...

«o presidente da Comissão de Arbitragem, Vítor Pereira, ainda teve a lata de afirmar que “apenas uma equipa vai garantir presença na Liga dos Campeões e isso vai provocar muito nervosismo, ansiedade e provavelmente muitas questões que vão pôr em questão tudo e todos”. Enfim, é mais um irresponsável que já devia ter sido demitido há muito tempo.»


"O Sporting lamenta que alguém com responsabilidades no futebol português tenha feito declarações que em nada abonam a atividade. Face a essas declarações do senhor Vítor Pereira, o Sporting entende que o mesmo só tem uma coisa a fazer: pedir a demissão. Caso não o faça, a direcção da Liga deve agir em conformidade"
Miguel Salema Garção, Director de comunicação do Sporting


Tenho pena que, mais uma vez, o FC Porto não reaja. Nem às escandaleiras que têm ocorrido dentro das 4 linhas, nem às declarações do presidente da CA da Liga.

Jorge Aragão disse...

Esta taça só tem algum interesse para rodar jogadores como o FCP tem feito, os outros nem por isso e acham que ganhá-la é uma tábua de salvação, um feito de encher o olho, tal a forma como comemoram os seus golos, como se de algo transcendente se trate.
Péssimo calendário, péssimos regulamentos ..-.
Arbitragens habilidosas para colocar a 2ª circular a disputar a grande final e se falamos deste ano, lembremo-nos do Amadora - abutres da época passada...
O azar foi o Setubal ter pregado a partida a seguir e ... a seguir...
Se o FCP tiver que jogar dia 4, que leve a segunda linha ou os juvenis...

Aristodemos disse...

José Correia disse:
«Se não estou enganado, da 1ª fase da Taça da Liga ficaram isentos os quatro (ou seis?) primeiros do campeonato da época passada.»

Os seis primeiros só entraram na 3ª fase. Esta foi a única coisa que fazia sentido, pois nessa altura esses clubes estavam a jogar nas competições da UEFA.

Zé Luís disse...

Sobre o goal-average:

... ainda falavam do engenheiro da treta mais o seu Inglês Técnico.

Sobre as arbitragens:
foram já lembrados os casos de Guimarães, este mês, e o da Roubalheira da Amadora, com o mesmo beneficiado.

Sobre as participações:
não foi o Benfica que ameaçou não disputar a competição?

Sobre os árbitros:
- vê-se pelo seu líder porque eles não podem ser melhores.

Sobre as reacções, é notória a a ausência do FC Porto que devia subscrever um comunicado como o do Sporting, mas só se o departamento de comunicação, imagem e representação existissem, o que sabemos não ser verdade.

Sobre os regulamentos:
já tinha feito diversas observações sobre peculiaridades do regulamento e notei a parvoíce do goal-average, percbi que tinha ali um ratoeira (como outras me pareceram dos regulamentos e fui anotando à medida da oportunidade), mas não me cabia fazer as contas nem saber quem passava, para além do FC Porto, sendo certo que legitimamente é o Belenenses que o merece, à letra do regulamento.

Rui disse...

Não me deixa de causar espanto, de como é possível a SAD não comentar ter de ir jogar a Alvalade, quando os regulamentos não referem que os jogos das meias-finais tenham de ser em casa dos primeiros de cada grupo.

Jorge Aragão disse...

Nuno Nunes ... fiquei hoje a saber que também está ligado, embora indirectamente, ao Colégio...
Este Mundo é pequeno mesmo...
Um abraço.

Mário Faria disse...

O Hermínio e a troika de que faz parte, foi eleita pelos clubes. Guilherme Aguiar foi simplesmente desprezado e nem foi a votos. Com Artur Jorge para a FPF passou-se mais ou menos a mesma coisa.
Os três grandes desprezam-se, mas conluiados ou não parecem convergir nestas opções. Porque será ?
São sempre os mesmos nem que tenham rostos diferentes, na FPF e na Liga. Só os tiques são diferentes.
Vivem cheios de compromissos e tentam agradar a todos, mas actuam conforme dá mais jeito à carreira e à promoção pessoal. E, sendo assim, não hesitam : sabem quais os melhores meios para atingir os fins que se propõem. E é o que têm feito. Nada a que não estejamos habituados.

J Reis disse...

Analisando a questão do ponto de vista da interpretação dos regulamentos, para mim (é uma opinião pessoal, naturalmente) é claríssimo que o uso da expressão 'goal average' não deve ser entendida à letra, e que portanto o belenenses não tem razão nenhuma.
O art. 9º do Código Civil estabelece os critérios de interpretação de qualquer norma jurídica, e diz o seguinte:

"1. A interpretação não deve cingir-se à letra da lei, mas reconstituir a partir dos textos o pensamento legislativo, tendo sobretudo em conta a unidade do sistema jurídico, as circunstâncias em que a lei foi
elaborada e as condições específicas do tempo em que é aplicada.
2. Não pode, porém, ser considerado
pelo intérprete o pensamento legislativo que não tenha na letra da lei um mínimo de correspondência
verbal, ainda que imperfeitamente
expresso.
3. Na fixação do sentido e alcance
da lei, o intérprete presumirá que o legislador consagrou as soluções
mais acertadas e soube exprimir o
seu pensamento em termos
adequados."

Neste caso, parece-me que:
- bem ou mal, quando se fala em goal-average toda a gente pensa em diferença de golos e nunca em média ponderada; e isto vale para o zé-povinho, comentadores, jornalistas ou dirigentes;
- não faria sentido nenhum usar um método que não se usa em lugar nenhum do mundo; para mais, usá-lo estaria em contradição com o 2º critério de desempate, que também se usa em toda a parte conjugado com o critério da diferença de golos;
- não há nenhuma expectativa legítima dos pastéis que mereça ser protegida; aliás só bem depois do jogo terminar é que viram uma possibilidade de ganhar o apuramento na secretaria - ou seja, fazer o mesmo que fizeram no caso Mateus, em que também não tinham razão nem moral, nem formal.

Isto não desresponsabiliza a Liga pelo embróglio desnecessário que criou, mas também não faz com que o belenenses tenha razão. Quem elaborou o regulamento, e deve ter sido bem pago para isso, que sofra as consequências devidas.

fernando_vilarinho disse...

já agora:

http://emailes.blogspot.com/2009/01/muito-recentemente-foi-publicado-este.html

Nuno Nunes disse...

Amigo Aragão,
O mundo é mesmo pequeno.
Vá aparecendo por cá.

Um abraço,

Nuno Nunes