quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Oeiras mais perto...


É usual ouvir-se um cliché futebolístico de que uma partida de futebol é óptima quando tem muitos golos. O jogo da noite passada do Dragão demonstra que tal afirmação pode não ser inteiramente correcta. Velocidade, ritmo, dinâmica e entrega de todos os intervenientes do encontro, tornaram-no num espectáculo agradável para quem o quis seguir.

Foi o Leixões que assumiu quase sempre as despesas de toda a 1ª parte, com excepção dos primeiros 5 minutos, que vieram a confirmar-se fatais para os Matosinhenses. Num lance quase todo ele desenhado por Mariano (iniciado e finalizado), com auxílio de Lucho e Lisandro pelo meio, os portistas superaram a “barreira invisível” com que Beto resguarda a suas redes.

Até ao período de descanço os comandados de José Mota fizeram valer e impor o seu futebol iminentemente apoiado e temerário, com evidentes dificuldades do reformulado meio campo azul e branco em suster o caudal ofensivo Matosinhense. Apesar do grande volume de jogo do Leixões, a sua melhor ocasião surgiu a partir de uma perda de bola proibida de Bruno Alves, mas Nuno opôs-se bem ao cabeceamento de Zé Manuel.


Nos segundos 45 minutos do encontro, a ambição Leixonense manteve-se em alta, mas o FC Porto teve pelo menos o mérito de ir pondo amiúde Beto de olho bem aberto. Hulk e Lisandro, logo no recomeço, ofereceram ao melhor guarda-redes Português da actualidade, razões para brilhar ainda mais. Zé Manuel respondeu bem, com novo cabeceamento, mas Nuno voltou a negar-lhe o golo.

A vantagem portista agradava a Jesualdo, mas a equipa tardava em saber controlar o jogo. No centro estava a questão. Meireles e Lucho não eram suficientes para preencher os espaços, já que Guarin parecia estar noutro lugar que não no Dragão. Ainda assim o Colombiano manteve-se em campo, mas o acrescento de Tomás Costa ao miolo de terreno arrastou o FC Porto para um domínio mais consistente da partida, o suficiente para fazer carimbar a passagem para as meias-finais da Taça de Portugal.


Positivo: Finalmente um jogo onde no seu final não serão esmiuçadas até ao tutano as decisões da equipa de arbitragem. Mérito de João Ferreira pela boa prestação que teve. Mérito aos jogadores por não lhe complicarem a vida.

Negativo: Guarin, não é que tenha estado mal, mas também não esteve bem, ou melhor, alguém o viu em campo? Deve ter sido por esse motivo que Jesualdo não o retirou durante o encontro, esquecendo-se que o Colombiano estava em jogo.

26 comentários:

José Correia disse...

A equipa do Leixões é tacticamente muito boa e o seu meio-campo, para além de trocar bem a bola, faz uma pressão alta muito forte, causando dificuldades às equipas adversárias.
O jogo foi dividido e o Leixões conquistou muitos cantos (tal como o Braga no último jogo), mas oportunidades de golo contei duas, ambas por Zé Manuel.

O FC Porto, mesmo sem ter feito um jogo brilhante, marcou um golo, mandou uma bola ao poste e obrigou o Beto (melhor jogador em campo) a quatro defesas de grande nível.

Penso que a vitória do FC Porto é inteiramente justa.

José Correia disse...

Convém notar que relativamente ao onze tipo que jogou em Braga, de início faltavam cinco jogadores: Helton, Rolando, Cissoko, Fernando e Rodriguez.
Não é pouca coisa, principalmente se levarmos em conta que do outro lado estava o 4º classificado do campeonato e que esta época, em quatro jogos com os grandes, somava três vitórias e um empate.

José Correia disse...

Estou inteiramente de acordo com a gestão do plantel que o Jesualdo tem feito na Taça da Liga e na Taça do Portugal.
É muito importante dar minutos e ritmo competitivo ao maior número possível de jogadores, até porque Fevereiro e Março irão ser altamente exigentes.

Mariano, Guarin e Tomás Costa não estiveram brilhantes, mas é importante que tenham ritmo competitivo para poderem ser alternativas credíveis nos desafios que se aproximam.

Jorge Aragão disse...

Bom jogo, competitivo, um excelente Leixões, um excelente Beto a ver com atenção...
Saliento dos nossos Stepanov, uma exibição muito boa, que cresça e se torne no jogador que pode ser...
Nuno também em evidência.
O 2-1 seria um resultado justo.
Também evitamos um indesejável prolongamento o que foi muito importante.
Venha o próximo.

J Reis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
J Reis disse...

Para mim o Stepanov foi o melhor em campo, numa noite em que o "enterra" ia sendo o Bruno. Continuo a acreditar que ele ainda vai a tenpo de dar jogador de futebol. Fucile também esteve muito bem. É definitivamente das melhores relações qualidade/preço que conseguimos nos últimos anos. Merecia uma estrela "ProTeste" de escolha acertada.

Excelente o comenttário sobre o Guarin, que só deu nas vistas quando fez asneiras - vá lá, que não foram muito grandes. Ele e o Hulk estiveram uns furos valentes abaixo do habitual.

Quanto à justiça do resultado, também acho que não há grandes dúvidas. Mas a verdade é que se o Leixões tivesse marcado um golito e levado o jogo para prolongamento, não se poderia falar em injustiça, nem sequer em surpresa. Mas as meias já ninguém nos tira, essa é que é esssa.

Abraço

Nuno Nunes disse...

Esta equipa do Leixões defende muito bem, compacta, em bloco. O José Mota conseguiu por os peixeiros a jogar em 433 mas a defender em 442 e 451. E depois têm o grande guarda-redes. Este é que o FC Porto devia ir buscar, vai ser um caso sério.

Continuo a ver a mesma equipa do FC Porto que não sabe jogar em posse e progressão, que imediatamente se desfaz da bola em passes longos, e que no fundo não aproveita as qualidades dos jogadores que tem. Não se vê uma jogada de ataque perigosa se a defesa adversária já estiver reorganizada, só se joga em puro contra-ataque. Pode dar jeito em muitos jogos, mas é uma pena. Não há triangulações e nem sequer o futebol vertical está a funcionar bem.

Gostei do Stepanov, pareceu finalmente autoconfiante e seguro. O Nuno salvou o jogo já perto do fim.

José Campos disse...

tamos a caminho do jamor com todo o merito.
marcamos cedo e deu-nos confiança pra fazer um jogo equilibrado.
vitória justa e que venha o proximo!
abraço

a nação azul e branca

C disse...

"Não se vê uma jogada de ataque perigosa se a defesa adversária já estiver reorganizada"

Nem mais.

HULK Onze milhas disse...

"Não se vê uma jogada de ataque perigosa se a defesa adversária já estiver reorganizada"
E aqui está porque perdemos em casa durante a 1a. volta 7 pontos, contra Trofense, Marítimo e Leixões. Assim será muito difícil ganharmos a liga da cerveja...
Mas pode ser que dê jeito nas Champions... :-)

miguel87 disse...

"Continuo a ver a mesma equipa do FC Porto que não sabe jogar em posse e progressão, que imediatamente se desfaz da bola em passes longos, e que no fundo não aproveita as qualidades dos jogadores que tem. Não se vê uma jogada de ataque perigosa se a defesa adversária já estiver reorganizada, só se joga em puro contra-ataque. Pode dar jeito em muitos jogos, mas é uma pena. Não há triangulações e nem sequer o futebol vertical está a funcionar bem."

É só para assinar por baixo...

miguel87 disse...

...e para deixar o meu próprio comentário, não confinado ao jogo de ontem, antes ao rol de jogos que temos assistido à muito tempo:

Realmente, começa a passar o limite do aceitavel este tipo de jogo que a equipa tem feito! Qualquer dia mudamos o equipamento para preto e branco axadrezado ou metemos um rato no lugar do dragão...!!

Tou farto deste fdp de treinador com mentalidade e tacticas retrogradas e cagonas.

Tou convencido que a jogar assim não vamos a lado nenhum contra o Atelico de Madrid, e mesmo na liga com o Sporting e Benfica não vai ser fácil pois Liedson, Vuk e Suazo por ex. não são propriamente Chumbinhos ou Reguilas!

Gostei de ver o Leixões jogar á bola e tenho pena que este jogo não tenha acontecido na final da competição. E é bom lembrar que jogaram sem o Wesley e sem o Braga.

Dentro da realidade tristonha da nossa equipa, algumas notas: é de rever se a subida de rendimento de Lucho não estará relacionada com o facto de ontem não ter estado preocupado em ter o Fernando atrás dele; que o Lisandro rende muito mais jogando no meio; que o Hulk tambem tem direito a dias não; que o Fucile está um Berdadeiro jogador á porto!; que estamos bem servidos de centrais (alem do mais acho que o Bruno Alves tem sido o menos certo ao longo da época); mas no geral mete dó ver o porto sujeitado á merda do treinador que tem.

Quem não reparou na confusão que o gajo armou quando ia meter o tommy, depois era o farias, depois não meteu ninguem... não sabe o que anda a fazer?? Quem o pode levar a sério??

E quem lhe dá mérito no suposto crescimento de jogadores como B.Alves, Rolando, Meireles, etc... para mim é tudo treta! São casos de jogadores com potencial e praticamente feitos que apenas precisam de jogar regularmente para estabilizar. Senão vejam o Guarin por ex e mesmo o Hulk, gajos cheios de potencial e que após meses de treino e jogos continuam muito imperfeitos taticamente.

E nem quero falar na delapidação do plantel que temos tido, em grande parte devido ás escolhas do cagão - Ibson, P.Machado, Vieirinha, B.Gama, H. Barbosa, etc... isso já era tema para outras discussões.

Nelson Carvalho disse...

Para alem do problema que Nuno Nunes apontou, que concordo inteiramente, há outro aspecto que me preocupa particularmente quando chegar os jogos da Champions. Parece-me que o FC Porto em determinados periodos defende muito atras, com um bloco muito baixo, como agora se costuma dizer, tornando asfixiante a pressão adversária nesses momentos. Se com equipas de menor valia tecnica (que são a grande maioria do nosso campeonato) a equipa tem conseguido aguentar a pressão, temo que com o Atletico de Madrid (que é uma equipa poderosa no plano da tecnica individual) a nossa defesa possa abrir brechas. Oxalá esteja enganado.

Subscrevo, tambem, a opinião dos demais users que aqui comentaram ao eleger Stepanov como o melhor jogador do FCP no encontro de ontem.

Pedro Reis disse...

Uma nota breve:
Excelente Stepanov, na linha do que tem feito nos últimos jogos (salvo erro para a Taça da Liga)!
Não está a dever nada ao Rolando. O próprio Bruno Alves é melhor a lançar o ataque e na questão dos livres mas a defender tem estado abaixo do Rol e Step.

P.S. Quando é que se vai deixar de bater no JF? Só qd ele for tricampeão, ganhar a Taça, a Taça da Liga e a CL?

José Correia disse...

Compreendo perfeitamente as criticas que são feitas ao treinador do FC Porto mas, fazendo um pouco de “advogado do diabo” (Jesualdo Ferreira), convém que não nos esqueçamos do seguinte:

1) A meio do campeonato, quando todos já jogaram contra todos, o FC Porto é líder após já ter jogado na Luz, em Alvalade e em Braga;

2) Estamos nas meias-finais da Taça de Portugal, após um trajecto que não tem sido fácil (eliminamos os actuais 3º e 4º classificados do campeonato);

3) Estamos nos oitavos-de-final da LC (pela 3ª vez consecutiva) e, pelos comentários que vou lendo, dá-me ideia que a maior parte dos portistas entende que temos obrigação de eliminar o Atlético de Madrid (é porque acham que somos melhores);

4) Com a excepção da Taça da Liga (em que jogamos com uma equipa B), a última derrota do FC Porto foi no dia 1 de Novembro, contra a Naval, para a 7ª jornada do campeonato. A partir daí foi só vitórias e, se não estou em erro, apenas dois empates.

É bom que os adeptos portistas sejam exigentes, mas convém não exagerar. Com este grau de exigência, se vocês fossem adeptos do SLB suicidavam-se... ;-)

Abraços

José Correia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Correia disse...

Já agora, também convém não esquecer que da época passada para esta houve 6 alterações no onze-tipo, nomeadamente:

Bosingwa → Fucile
Pedro Emanuel → Rolando
Fucile → Benitez / Lino / Cissoko
Paulo Assunção → Fernando
Tarik → Hulk
Quaresma → Rodriguez

E nestas contas não estou a incluir o facto de, com a entrada do Hulk, o Lisandro jogar numa posição diferente da época passada.

O FC Porto 2008/09 satisfaz-me plenamente?
Não, mas atendendo às circunstâncias e, particularmente, às seis mudanças e meia nos 10 jogadores de campo, acho que nesta altura dificilmente se poderia exigir mais.

miguel87 disse...

José Correia:
Concordo que os argumentos apresentados em defesa do treinador são válidos e até certo ponto, aceitaveis.
Mas, numa coisa não tenho dúvidas e serei sempre irredutível: a qualidade do plantel nos últimos anos, a história e dimensão do clube, a concorrencia apresentada não só nacional mas tambem internacionalmente (com excepção apenas nos tempos recentes de Liverpool e Arsenal - e mesmo este último é inadmissivel uma derrota por 4-0 seja em que circunstância for) não são de todo compativeis com os niveis exibicionais apresentados desde que temos este treinador!

Quanto á comparação com os benfas, tambem convem fazer o contra ponto e lembrar que não podemos embandeirar em arco e ficar convencidos que somos os "mais maiores grandes" do mundo cada vez que ganham 2 jogos seguidos, nem que seja com arbitragens completamente calaboticas!

C disse...

Sim, Zé, mas será admissível que não haja qualquer plano B?

Estamos há meses e meses reféns desta táctica única: chamar o oponente para a proximidade da nossa área e depois aplicar o contra-ataque.

Mas custará muito tentar, ao menos, aplicar outro conceito de jogo, de quando em vez?
Mas que outra grande equipa da Europa joga apenas num único sistema?
Muito menos num sistema destes...

Sim, para já a ideia que trespassa é que estamos bem colocados em todas as frentes, mas todos sabemos com tudo pode mudar muito rapidamente em futebol.

A eliminação de uma Champions, por exemplo, frequentemente começa mesmo nestas ilusórias vitórias internas...

José Correia disse...

miguel87 disse...
«Mas, numa coisa não tenho dúvidas e serei sempre irredutível: a qualidade do plantel nos últimos anos, a história e dimensão do clube (...) não são de todo compativeis com os niveis exibicionais apresentados desde que temos este treinador!»

Caro Miguel, concordo que as exibições têm deixado a desejar, mas tenho a certeza que ambos estaremos de acordo em como preferimos vitórias com exibições "fracotas" do que ao contrário.

Nestas coisas lembro-me sempre de uma célebre frase de José Maria Pedroto, a propósito das "más" exibições que a equipa estava a fazer, cujos termos foram mais ou menos os seguintes: "Se querem bons espectáculos vão à Ópera..."

Abraço

José Correia disse...

E quanto ao plantel, também convém lembrar a época 2004/05 em que tinhamos, provavelmente, o melhor plantel de sempre:
Baía, Seitaridis, Bosingwa, Jorge Costa, Pedro Emanuel, Pepe, Nuno Valente, Costinha, Maniche, Diego, McCarthy, Derlei, Luis Fabiano, Postiga, Quaresma, Ibson.

Até nos demos ao luxo de emprestar o Paulo Assunção e o Bruno Alves ao AEK...

Com este plantel de luxo quais foram os resultados?

Pois é, faltou-nos estabilidade e, provavelmente, um treinador à altura.

É importante, é fundamental ter bons jogadores, mas se não houver um treinador minimamente competente para liderar, nada feito.

José Correia disse...

C disse...
«Estamos há meses e meses reféns desta táctica única: chamar o oponente para a proximidade da nossa área e depois aplicar o contra-ataque.
Mas custará muito tentar, ao menos, aplicar outro conceito de jogo, de quando em vez?»


De acordo, o problema é que estas coisas levam tempo e no FC Porto não há tempo, o que é preciso é ganhar, seja a jogar em 3-4-3, em 4-3-3, à defesa, ao ataque ou em contra-ataque.

Sinceramente, perante a quantidade de alterações que houve no nosso onze-tipo (6 e meia nos 10 jogadores de campo), temi que esta época se transformasse numa época de transição com resultados bastante fracos.
Ora, até agora não nos podemos queixar (dos resultados) e quanto às exibições penso que a tendência será melhorar, à medida que os jogadores se forem conhecendo melhor e os automatismos saírem mais naturalmente.

José Correia disse...

Não me interpretem mal. Evidentemente que tenho criticas a fazer ao treinador do FC Porto, mas para equilibrar e animar a discussão achei que devia apresentar argumentos a favor do Jesualdo Ferreira.

HULK ONZE MILHAS disse...

Confesso que o Jesualdo me irrita em diversas situações:
- Quando não sentava o Quaresma no banco;
- Quando não dá descanso ao Lucho;
- Quando insiste com o Mariano;
- Quando não faz substituições ou as faz muito tarde;
- Quando as substituições não melhoram o rendimento da equipa o que acontece quase sempre;
- Quando vejo os adversários terem mais posse de bola, como por exemplo o Braga com 73%;
- Com a sua "tática do cagaço" ou, como dizia o outro, "tática de equipa pequena".
MAS:
GOSTARIA QUE O JESUALDO FICASSE MAIS UMA ÉPOCA!
Porque apesar de tudo acho que ele tem outras coisas muito boas e que não estão ao alcance de qualquer treinador.
Por outro lado, apesar dos seus 60 anos e larga experiencia no futebol, penso que ele tem evoluído imenso desde que chegou ao FCP.
E se ele sair no fim desta época com mais uns bons resultados, tornaria a vida muito difícil a qualquer outro técnico que o substituísse, mesmo que não me provocasse as "irritações" que o Jesualdo me provoca.

João Saraiva disse...

Eu sei que coisa e tal, mas a jogar em casa dá-me arrepios ver, a defender cantos, toda a equipa dentro da área (e na meia lua) - como aconteceu ontem sobretudo na 2ª parte.

Não é este Porto que me enche as medidas.

Mefistófeles disse...

Acho que temos todos que pensar que, mesmo num ano de crise de afecto dos portistas pela equipa, estamos em 1º e a lutar em todas as frentes !

Poderá não ser grande coisa, mas é melhor que nada! Se calhar fomos mal habituados.