terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

A ditadura da Capital na comunicação social

«Pelo menos 181 jornalistas das redacções do Porto de vários órgãos de comunicação social perderam o emprego nos últimos cinco anos, 54 dos quais no despedimento colectivo anunciado quinta-feira pelo grupo Controlinveste, apurou esta sexta-feira a Lusa.

Justificado pelo grupo de Joaquim Oliveira com a «evolução acentuadamente negativa do mercado» e a «profunda quebra de receitas», o despedimento abrangeu um total de 75 jornalistas do «Jornal de Notícias» (JN), «Diário de Notícias» (DN), «O Jogo» e «24 Horas».

Destes, 54 (23 no JN, seis no DN, 15 no jornal «O Jogo» e 10 no «24 Horas») nas redacções do Porto destas publicações.

No caso do jornal «24 Horas» deixou mesmo de existir a delegação do Porto, com a saída de todos os jornalistas que a compunham.

Recentemente, foram também «convidados a sair» três jornalistas da Rádio Regional de Lisboa (Rádio Clube Português), do grupo Media Capital, no Porto.

O esvaziamento das redacções do Porto, de vários órgãos de comunicação social, já vem acontecendo há algum tempo, acompanhado do encerramento de publicações sedeadas na cidade, como «O Comércio do Porto».

Este jornal, que era o diário mais antigo do país, foi encerrado em Julho de 2005 pelo grupo que então o detinha, os espanhóis da Prensa Ibérica, que acabou também com «A Capital», um dos mais prestigiados títulos de Lisboa.

No caso d' «O Comércio do Porto» perderam o emprego 50 jornalistas.

Dois anos antes, em 2003, a estação televisiva NTV, um canal regional do Porto criado em 2001 através de uma parceria entre a PT Multimédia e a RTP, dispensou também 25 dos 37 jornalistas contratados a termo certo, tendo acabado por desaparecer para dar origem à actual RTPN, que absorveu os restantes profissionais.

Também em 2003 a Lusomundo Media/PT encerrou a redacção do Porto da revista Notícias Magazine, despedindo os quatro jornalistas que a compunham.

Em 2006 foi a vez de o jornal «Público» iniciar um processo de rescisões que resultou na saída de 11 jornalistas no Porto (incluindo os correspondentes de Aveiro, Famalicão, Braga e Vila Real), enquanto o semanário «Expresso» dispensou, em Junho de 2007, dois jornalistas na redacção da cidade.

A estes juntaram-se, em Agosto de 2008, mais 32 jornalistas de outros dos mais antigos diários portugueses, o portuense «O Primeiro de Janeiro», alvo de um processo de despedimento colectivo

Fonte: Agência Financeira
2009/01/16

----------

Nem faço comentários. Os factos falam por si.

Nota: A selecção das fotos e os destaques no texto a negrito são da minha responsabilidade.

3 comentários:

ACCM disse...

Muito bem, muito bem...

Miguel disse...

Desculpem este comentário um bocadinho off-topic.
Como tenho um trabalho por turnos entrando um deles pela madrugada dentro, raramente consigo apanhar os programas desportivos. Como tal, costumo ir ao site da RTP para ver esses mesmos programas que ficam disponiveis on-line umas horas depois de serem emitidos na tv. É por exemplo assim que costumo ver o "Trio de Ataque".
Tendo visto um dos últimos "posts" que foi aqui colocado, aguardei ansiosamente que colocassem o programa "Zona Mista" no site para ver se dava umas boas gargalhadas com os vótimos do tal senhor corpulento que por lá habita.
Estranhamente, até hoje, o programa de dia 21... nem vê-lo...
Não sei se a vergonha não será tanta que nem queiram por aquilo on-line.
Alguém sabe algum outro sitio onde eu possa ver esse programa ou pelo menos as partes mais "divertidas"?!

Um grande abraço portista e já agora... Vamos Comer os Espanhois!!!!!!!!!!

Nightwish disse...

O João Querido Manha veio ontem no Rascord dizer que agora está tudo bem, as equipas ganham por mérito desportivo sem se falar em regionalismos.
Palavras para quê?