segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Faría(s) e fez mesmo...


Inesperadamente, este acabou por ser um jogo com mais acção e suspense do que aquilo que se supunha inicialmente.

Jesualdo, finalmente, inovou no "11" inicial. Era algo que muitos vinham pedindo há já muito tempo.
Estava mais do que na altura de fazer algo para alterar a (muito) previsível forma como o FCP vinha actuando neste tipo de jogos em nossa casa.
A ideia-base estava correcta, pena só a inclusão de Mariano. Custa a crer que um Tarik mesmo (supostamente) a apenas uns 50% do seu rendimento não seja mais útil do que o argentino.

A primeira fase do encontro trouxe um Hulk no seu melhor. Pujança, garra e olhos sempre na baliza adversária. Um furacão completo. Um atleta sem paralelo nos dias que correm. O ferro e o guarda-redes adversário (dentro ou fora da baliza) foram adiando o inevitável.
Mas eis que chegou o penalty. E logo um daqueles a que não estamos muito habituados pelo Dragão...
Lucho desta vez não bateu para o meio da baliza e a bola lá cumpriu o seu destino.

Na segunda parte, o grosso da acção e os nervos ficaram reservados para os minutos finais. Mais uma vez, o factor-Coentrão fez pairar no ar o medo de mais uma humilhação. Parecia que tudo se ia encaminhar para a nossa habitual sina caseira da presente temporada quando, finalmente, surgiu o primeiro momento de verdadeira glória de Farías com a camisola do nosso clube. Dois golos de rajada e vitória garantida.
Razão parece ter quem defende que Jesualdo erra quando o lança com o jogo a decorrer. Farías precisa de jogar de início e com alguma regularidade para o podermos ver no seu melhor. Ah, também ajuda o facto de ter o melhor "11" a seu lado e não outros 10 reservistas...
Uma leitura atenta ao C.V. deste jogador (aproximadamente um golo em cada duas partidas), autoriza a que assim se pense.

Em resumo, vitória saborosa mas que ninguém deve embandeirar em arco.
Nada ainda nos garante que encontramos, finalmente, a fórmula mágica para abater autocarros...
Foto retirada do site oficial do clube

19 comentários:

Nuno Nunes disse...

Mais um jogo em casa com falhanços atrás de falhanços nos minutos iniciais. Aquilo não é só azar, tem de haver muita azelhice também.
Vá lá que o árbitro marcou penalty quando o Farías foi ensanduichado e o golo permitiu acalmar os nervos que começam a surgir no Dragão esta época.

O Farías teve realmente o seu momento de glória desde que chegou ao FC Porto. É aproveitar a onda e pô-lo a titular contra o Paços.

Quanto ao jogo da equipa, a jesualdísse do costume. Entregar o jogo ao adversário e pontapé para a frente. Uma tristeza ir ao Dragão e ver o FC Porto a jogar daquela forma. Já estou um bocado farto deste modelo de jogo.

Crystal Rat disse...

Tenho lido a imprensa de hoje e já estou farto de ler que não foi penalty no lance de Fárias. Que o golo de mariano deixa duvidas, ou seja que a bola não entrou totalmente. E que o 1º golo de fárias é falta.
Porra não há paciência! Eu vou começar a defender que jornalistas e comentadores devem vir do estrangeiro. Porque foi esta campanha que começou há muitos anos na comunicação social que fez como que a gente burra e mesquinha deste país acreditasse que o FCPorto comprava árbitros e só assim é que consegue ganhar campeonatos. E meus caros Portistas eu vivo na corja de Lisboa e de vez em quando vou à terrinha transmontana, e acreditem em mim que 90% das pessoas ou mais acreditam veemente que o FCPorto só ganha a roubar. Vamos continuar impávidos e serenos a ouvir semana após semana a difamar-nos em tudo que é sitio.
Nos lances dos vermelhinhos e dos verduscos tudo que é contacto é penalty claríssimo, e nem vale a pena lembrar aqui os lances que até metem nojo. No penalty sobre o Farias dizem logo, cara na cara não foi penalty. É claro que houve falta claríssima no golo de farias. Mesmo sem ter imagens que prove o contrario, como em muitos outros lances no passado. A imprensa cria intrigas, mentiras que se tornam verdade, pena é que não crie um fosso tal que criasse tensão social. Visto que não é preciso dizer que o Porto cidade foi completamente esquecido nas últimas décadas e é alarmante ver como as coisas estão por ai em termos económicos e sócias. Para não falar na chacota que os responsáveis do SLB fizeram da PSP do Porto e da PGR e morgado fizeram nos vários casos de justiça que aconteceram no Porto. Desautorizarão tudo e todos no Porto.
Quero finalizar que mais que nunca precisávamos de um FCPorto forte para calar tudo e todos, precisávamos de jogadores na esfera de influência do Porto, tipo bairros sociais etc, que personalizassem o carisma e a luta que era necessário nos dias de hoje.
Por fim quero dizer a todos que afirmam que o FCPorto é corrupto e foi no passado. Desmontasse facilmente esse argumento com uma simples conjectura. Se o fosse, toda a gente no mundo do futebol acabaria por o saber (neste país toda a gente sabe tudo um dos outros). E é claro que se um paga para ganhar jogos os outros também o fariam visto que a corrupção tem tendência para se propagar. Percebem? O corrompido tem tendência para querer sempre mais e logo todos os clubes certamente não estarão inocentes…

Força FCPorto vamos para a frente!!!

Jorge Aragão disse...

Eu sempre achei o Farias um rato da área que sabe lá estar e marcar se o bola chegar à área.
Ora o FCP não tem um jogo deste tipo, falta quem lá coloque a bola jogável pois o meio campo não constrói e depois fazem as tais transições rápidas muitas vezes sem nexo.
Além disso entra sempre tarde e em momentos de aflição - 3' com os lampiões !!! - e não tem ritmo.
Não sendo se calhar o avançado "total " de que necessitamos, acho-o útil desde que mais rodado.

José Correia disse...

Lances da 1ª parte do FC Porto x Rio Ave (entre aspas coloquei comentários extraídos do minuto a minuto do Maisfutebol e do Record):

4': Defesa "impossível" de Paiva com a perna (fez lembrar Manuel Neuer há um ano atrás)
«Cheirou a golo no Dragão! Boa jogada do FC Porto, com a bola a chegar aos pés de Hulk, que remata para defesa inspirada de Paiva.»

7': Boa defesa de Paiva!
«Jogada de Lucho, com a bola a sobrar para Fucile, que já dentro da área desfere um bom remate. Defesa segura de Paiva!»

21': 1ª bola no poste
«Raul Meireles ao poste!! A jogada de Hulk na esquerda é muito boa e o passe para o médio ainda melhor. Raul chutou com a biqueira da bota mas a bola bateu num defesa e desviou para o poste direito da baliza de Paiva!»

22': Mais uma oportunidade flagrante do FC Porto
«Defesa do Rio Ave em sobressalto!! Agora foi Farías que por muito pouco não desviou com sucesso um remate rasteiro de Raul Meireles!»

27': Estirada de Paiva a um remate colocadissimo de Lucho
«Grande oportunidade para o F.C. Porto!! Lucho enche o pé de fora da área, mas Paiva evita o golo com uma grande defesa!! A bola ia mesmo colocada junto ao poste!!»

32': 2ª bola no poste
«Bola à trave!!! Fantástico Hulk!!! O brasileiro recebeu a bola pouco depois da linha do meio-campo, arrancou em velocidade, passou por um, dois, três e quatro adversários, finalizando num remate de fora da área fortíssimo, que bateu no ferro!! A baliza tremeu toda!»

36': Farias “ensandwichado” entre dois defesas do Rio Ave é carregado pelas costas por Gaspar, que não tem qualquer hipótese de jogar a bola. Penálti claro!
«CARTÃO AMARELO para GASPAR, por falta sobre Farías dentro da área de rigor. É penálti no Dragão!»

37': 1º golo do FC Porto
«GOLO DO FC PORTO, por LUCHO. O médio argentino é chamado à conversão da grande penalidade e não falha. Está feito o primeiro da noite no Estádio do Dragão.»

39': Golo de Mariano anulado pelo árbitro auxiliar José Oliveira.
«Polémica no Dragão!! Mariano cabeceia e Paiva defende dentro da baliza, mas o árbitro manda seguir!! Terá ficado um golo por assinalar a favor do F.C. Porto!!»

41': Farias ligeiramente adiantado marca golo, mas é anulado pelo árbitro auxiliar.
«Farías marca mas a jogada é anulada por fora-de-jogo.»

43': Fucile sofre uma entrada violenta de um jogador do Rio Ave nas barbas do mesmo árbitro auxiliar. Nem sequer é assinalada falta!
«Fucile está magoado. Não é grave...»

45': Resultado ao intervalo muitíssimo lisonjeiro par o Rio Ave.
«FINAL DA PRIMEIRA PARTE: O F.C. Porto chega ao intervalo a vencer por 1-0, graças a um penalty bem conseguido de Farias, que permitiu a Lucho converter da marca de onze metros. A vantagem azul e branca é justa e peca por escassa, perante a muito produção ofensiva conseguida.»


Aceito que haja portistas descontentes com o modelo de jogo, a percentagem de tempo de posse de bola, ou com a exibição do FC Porto. Mas, perante a produção ofensiva e o número de oportunidades criadas, parece-me inequívoco que ao intervalo o FC Porto merecia estar a ganhar por três ou quatro golos de diferença.

PMF disse...

Eu também acho que o dito "modelode jogo" do Porto deste ano talvez não seja, em teoria, o melhor. Talvez (esta espécie de 4-3-3 atípico...) Talvez fosse melhor um 4-4-2 assumido...mas, independentemente do modelo de jogo, como se viu contra o Benfica, commos jogadores que temos (que, prasticamente, são onze ou doze, sem grande banco!) talvez não haja que pensar muitro em modelos!

Independentemente desta discussão que invariavelmente acabará na "verdura" (para não dizer mais) do plantel, o factop é que tem havido jogadores em notória falta de forma e muito azar. Uma espécie de malapata psicológica que, com algumas ajudinhas tipo Fernando a defesa direito e T. Costa a "trinco" médio centro (não poderia sair melhor ao contrário? quer dizer, continuar o Fernmando no meio e o T. Costa fazer o lado direito? digo eu...), acabam por nos fazer sogrer como ontém!

Quanto ao Faria, ele mau não é, ele sabe colocar-se e jogar bem no meio da área 8o 3º golo recordou-me os famosos toques em velocidade do Gomes), porém, talvez o tal "modelo" de jogo não o favoreça e talvez precise de jhogar mais tempo para render (aproveitando uma ou duas oportunidades que podem resultar de falhas da defesa adversária)

Mário Faria disse...

Um jogo pobre como tem sido habitual, só que desta vez marcámos relativamente cedo, numa grande penalidade que é provável que tenha sido porque foi o árbitro Elmano Santos– sempre muito pouco caseiro quando se trata do FCP – que o marcou, muito próximo do lance e de forma categórica. No campo – onde estava – e pela TV ficam dúvidas.
Depois, foi mais do mesmo : algumas oportunidades esbanjadas, apesar do ritmo cada vez mais baixo, com as acelerações monopolizadas por Hulk, muita perda de bola, muito jogo junto das linhas e a bola sair constantemente do relvado. Estancada a fluência inicial do FCP que durou em lume brando até aos 30 minutos, tal como ocorreu com o SLB, passámos a viver demasiado de Hulk e das suas jogadas, e obviamente a sofrer todos os convenientes dessa centralização : o jogador repete-se, perde espontaneidade, cansa-se, o adversário cerca-o e depressa se conclui que é muito difícil um único jogador resolver sozinho o que tem de ser feito por todos. Poderia ter acontecido, naquela estupenda jogada com a bola a bater estrondosamente na trave. Não aconteceu, e o colectivo mostrou mais uma vez as suas debilidades, e de forma preocupante a partir dos 30 minutos de jogo.
Temos dificuldades em criar espaços e linhas de passe, circula-se pouco bola (descansa-se menos e faz-se correr menos o adversário à sua procura) e lá voltámos às correrias, sempre atrás da bola e a procurar ir depressa para o ataque, o que na 2ª. parte raramente foi conseguido. Um futebol aos repelões e lá veio o golo da ordem do adversário, face à passividade da defesa e de um sem número de perdas de bola e do pontapé para frente, impróprias de uma equipa do FCP.
A entrada de Tomás Costa para o meio campo e a colocação do Fernando a defesa direito não resultou, desta vez. O Tomás foi muito pouco influente e o Fernando teve muitas dificuldades em parar Candeias. Com os apagamentos do Lucho e Meireles, passámos a não criar e a não conseguir tamponar o labor do meio campo do Rio Ave sempre com mais homens num desdobramento que nunca fomos capazes de contrariar, mormente na 2ª. parte.
Com o empate, JF meteu toda a carne no assador e desta vez o final foi feliz. Farías marcou dois golos e carimbou mais uma vitória sofrida. Mais um bom resultado, mais um mau jogo. Uma palavra final para Farías que não é tau mau quanto parece, mas que não pode produzir numa equipa que joga tão longe da grande área adversária uma grande parte do tempo, tem um meio campo que estoura rapidamente e é pouco agressiva quer defensiva quer ofensivamente.
Continuamos na frente : as próximas jornadas dirão um pouco mais das nossas valências e carências. Tal como Cissokho que tem um largo caminho a percorrer até convencer.

Pedro Reis disse...

"Tal como Cissokho que tem um largo caminho a percorrer até convencer."

Acho que "estamos" a ser muito injustos para com o Cissoko. Veio a meio da época, tem 21 anos, 1ªépoca em Portugal, percurso 2ªdivisão francesa, Setúbal, 11 titular do FCP. Tem estado bem sem ser brilhante, calmo e concentrado, não é um velocista mas tem um tempo razoável de entrada, é forte no ataque embora ainda revele alguma imaturidade a centrar. Tem falhas como todos, mas não treme nem se desorienta.
Em vez de o apoiarmos como merece e tem feito por isso, parece que estamos mortinhos por queimá-lo!
E defesas-esquerdos sabemos bem que não é fácil encontrar. Desdo o Branco nunca mais tivemos nenhum bom. Força Cissoko, força FCP!

hmocc disse...

Não tenho agora tempo para comentar o jogo. Deixo apenas um link para um artigo do Guardian sobre o AZ Alkmaar de Van Gaal que aconselho a leitura - http://www.guardian.co.uk/sport/blog/2009/feb/16/leander-schaerlaeckens-eredivisie-dutch-football

hmocc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
hmocc disse...

O Link parece ficar cortado aqui na caixa de comentarios. Vou colocá-lo em 2 linhas:

http://www.guardian.co.uk/sport/blog/2009/
feb/16/leander-schaerlaeckens-eredivisie-dutch-football

Paulino disse...

Como disseram em alguns comentários nos artigos anteriores, o Rio Ave ia ser a "tal equipa" a aliviar a pressão e vergonhice que o FCP tem vindo a fazer ultimamente.

Mas veremos contra o Paços de Ferreira se a mulher gorda vai cantar da mesma maneira.

Paulino disse...

Para acrescentar, não concordo que tenha sido um bom jogo do FCP, pois se fosse verdade haveria ontem uma grande goleada no Dragão

AZUL disse...

Os adeptos vão-me desculpar mas até acho que o Mariano não merece ser assim crucificado... noto nele vontade e esforço e lembro que não é a primeira vez que um jogador é punido severamente...consigo pensar em alguns,que ao largo dos tempos, tiveram sempre lugar cativo sem merecerem. Ele precisa mais trabalho mas não está assim tão mal. Quanto ao Cissokho, também acho que foi uma boa aquisição. E o Farias fez um brilharete, sim, mas não se esqueçam das vezes que foi apanhado em destacado fora de jogo destruindo belas jogadas de ataque. É preciso mais atenção. De qualquer das formas, foi um bom resultado e gostei do comentário onde são especialmente descritos os lances da primeira parte pois habitualmente vemos o grão de areia e esquecemo-nos de ver a praia...Força Porto! Até os "mastigamos"...

José Correia disse...

A 2ª parte do FC Porto foi claramente pior, mas depois do golo do empate o FC Porto voltou a carregar e, para além dos dois golos de Farias, teve ainda três outras boas oportunidades de golo.

Lances da 2ª parte do FC Porto x Rio Ave (entre aspas coloquei comentários extraídos do minuto a minuto do Maisfutebol e do Record):

73': 3ª bola a roçar o poste
«O F.C. Porto volta a criar perigo!! Raul Meireles atira às malhas laterais!!»

82': Quase auto-golo de Gaspar
«Gaspar quase traía Paiva! O central desviou de cabeça um centro de Lucho e a bola passou a rasar a trave!»

85': Com a baliza deserta, Rodriguez cabeceia ao lado
«Rodriguez de cabeça ao lado!!»

86': 2-1 por Farias
«Boa concretização do argentino de cabeça, após um cruzamento da esquerda»

90': 3-1 por Farias
«Passe de Lisandro na direita e concretização de primeira por parte do avançado»

J Reis disse...

Ontem durante o jogo comentava que o Farias era útil e rendia quando jogava com o Lisandro ao lado. Acho que combinam muito bem os dois, sabem abrir espaços um para o outro e pressentem onde estão e o que vão fazer. Felizmente o Lisandro entrou, o Jesualdo deixou o Farias em campo (como se impunha) e a coisa resultou. Espero que para a semana aposte nestes dois de início, com um meio campo forte. É verdade que isso pode implicar deixar o Hulk no banco, porque ainda não sabe recuar e defender como as outras alternativas (sejam elas Rodriguez, Tarik ou até o pobre Mariano), mas paciência. Acho que valia a pena experimentar, até porque aproveitar o ascendente anímico que estes golos vão trazer ao Tecla pode significar ganhar mais uma opção valida no ataque para o resto da época. O homem tem que ser melhor do que aquilo que tem demonstrado, o curriculum dele não mente.
Por alguma razão que sempre me escapou, o Farias é o jogador preferido do meu filho de 6 anos desde que chegou ao Porto. E a verdade é que nas duas vezes que foi ao Dragão (ontem e com o guimarães), viu o seu ídolo facturar. Não é que eu seja supersticioso, mas já decidi que vai ver o jogo com o spórtem :)
abraço

José Correia disse...

Uma das razões para a pior exibição do FC Porto na 2ª parte teve a ver com a saída do Fucile ao intervalo.
O Jesualdo Ferreira teve de fazer ajustes que, claramente, não resultaram.

O Fernando a defesa-direito revelou muitas dificuldades a defender (Candeias deu-lhe água pela barba) e inclusive foi ele que fez o passe a Coentrão para este rematar ao poste.
Em termos ofensivos também não se compara com o Fucile (não me lembro do Fernando ter feito um único centro).
Já agora, para se perceber o peso do Fucile no jogo ofensivo do FC Porto, a estatística ao intervalo mostrava que o FC Porto tinha feito 15 ataques pela direita e 7 pela esquerda.

Relativamente ao Tomás Costa, que substituiu Fernando na posição de médio defensivo, voltou a mostrar que não tem perfil para jogar nessa posição.
Foi dos piores jogadores do FC Porto no jogo de ontem, só comparável ao Cissokho e ao Fernando (da 2ª parte).

José Correia disse...

Há um longo caminho a percorrer até esta equipa assimilar os mecanismos necessários e ter a coesão que eu gostaria de ver.
Contudo, e ao contrário da maior parte dos comentários que vou lendo em alguns blogues, estou mais preocupado com as fragilidades defensivas evidenciadas, do que com a dificuldade em marcar golos (particularmente em casa).

Porquê?

O FC Porto pode não “jogar bem”, ter pouca posse de bola e fazer exibições que não enchem o olho, mas se analisarmos friamente os últimos jogos (Braga, Belenenses, Benfica, Rio Ave) verificamos que do ponto de vista ofensivo temos sempre criado mais oportunidades que os adversários.
Ora, quem cria as oportunidades que o FC Porto tem criado, acaba por marcar golos.

Já relativamente à capacidade defensiva, a coisa pia mais fino.

O Fernando parece ter qualidades para o lugar, mas ainda tem “pouco calo” para a posição que ocupa.

O Cissokho, embora seja melhor que o Benitez e o Lino, não deixa de ser um “buraco” a defender, e que tem sido muito bem explorado por todas as equipas com que o FC Porto em jogado (vejam de onde nasceram os golos do Belenenses, Benfica e Rio Ave e as jogadas mais perigosas do Braga).

Dito de outra maneira.
Eu estou convencido que esta equipa do FC Porto é capaz de marcar golos a todos os adversários que irá ter pela frente até ao final da época (incluindo ao Atletico Madrid).
Tenho é dúvidas, muitas dúvidas, que tenha a capacidade defensiva para os evitar.

dragao vila pouca disse...

Este Porto mata-nos!

Bem melhor do que nos últimos jogos, a 1ª parte do F.C.Porto, merecia ter acabado com o jogo, já que sem favor, podiamos ir para o intervalo com 3-0.

Depois Jesualdo teve que mexer - lesão de Fucile - e mexeu mal. Em vez de fazer troca por troca: saía Fucile e entrava T.Costa para lateral-direito, e fazia apenas uma mexida, o técnico portista, resolveu fazer duas e estragou tudo. Nem Fernando foi o lateral que a equipa precisava - falta de rotina -, muito menos T.Costa cumpriu a função que o jovem brasileiro, tão bem tinha executado na 1ª parte. A equipa perdeu clarividência, desarticulou-se, deixou de pressionar, de jogar, adormeceu e pagou por isso. Valeu que Farías estava inspirado e resolveu, mostrando que na área, pode ser um jogador muito útil.
Jesualdo, que contra o Benfica meteu El Tecla a 3 minutos do fim - só por milagre em 3 minutos alguém pode resolver - deve reflectir muito bem na forma como a equipa funciona e como faz a opções durante o jogo. Hoje sujeitou-se a ter grandes problemas...safou-se. Que tenha aprendido a lição.
Falta claramente a esta equipa, a capacidade para acabar com o adversário e assim, coloca-se a jeito para ter grandes dissabores.

Esta guerra sem quartel pelo título precisa de um F.C.Porto pronto para aguentar a pressão e não um F.C.Porto a dar tiros nos pés.

Um abraço

Anónimo disse...

O Farías é um típico jogador de área, um finalizador nato. Acontece que as rápidas transições do prof. Jesualdo se não enquadram com este tipo de jogador. Pode até ocasionalmente facturar, mas o seu potencial nunca será devidamente aproveitado com este tipo de jogo.