quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Um Porto de Honra


Um bom resultado porque quem não marca sofre e quem dá brindes normalmente perde. Era uma tremenda “injustiça”, mas no futebol só ganha quem marca mais golos. Sempre atrás do prejuízo, aconteceu-nos de tudo numa exibição muito conseguida. Golos perdidos em série, um golo sofrido aos 3 minutos em que a defesa e Fernando concederam demasiado espaço e permitiram que o AM manobrasse sem a devida oposição, logo depois da primeira grande oportunidade desperdiçada por Rodriguez, um golo limpo invalidado, um frango a acabar a primeira parte, mais duas ocasiões de golo, uma delas quase escandalosa, no início da 2º. Parte, e finalmente o justo empate, numa excelente jogada de Cissokho que Lisandro, à matador, não desperdiçou desta vez.

Um bom resultado porque empatar fora 2-2, em provas a eliminar, é positivo. Bom resultado porque depois de tantas adversidades fomos capazes de ter aquela atitude que faz os campeões: solidariedade, espírito de equipa e luta pertinaz pelo melhor resultado. Depois, ainda tivemos a lesão de Sapu e a sua substituição por Pedro que manifestamente não serve para jogar naquele posto. É uma maldade que se lhe faz.

Grande jogo do FCP, apesar da ineficácia. O meio campo esteve melhor – Fernando deu bastante espaço na 1ª. parte e foi pouco agressivo nuns quantos lances – mas na segunda foi o esteio, quando as pilhas de Lucho e Meireles perderam alguma energia.


No ataque estivemos muito bem, com um Hulk entusiasmante, o melhor Rodriguez e Lisandro uns furos acima do que tem vindo a fazer na 1ª. Liga. Os centrais muito bem e até os laterais , acabaram em bom plano, bem acima do que têm produzido, depois de um início de jogo menos conseguido.

O FCP jogou como equipa e, desta vez, o colectivo foi superior à soma das partes, e quando assim é só temos que nos regozijar com o desempenho da equipa. Sinto muito que Helton nestes jogos decisivos falhe com alguma frequência, mas não tenho dúvidas que é o melhor guarda redes a actuar em Portugal.

A eliminatória está em jogo. A nós basta o zero a zero. Ao AM apenas marcar um golo. Uma eliminatória que creio vai continuar muito cerrada. Esperemos que a equipa continue no próximo sábado o excelente ensaio de hoje. Provámos este Porto e não queremos outro.

Uma palavra final para a equipa de arbitragem que foi demasiado caseira, quase sempre, e só não o foi numa jogada muita duvidosa de Sapu sobre Simão. Esperemos ter mais sorte no Dragão.

Força Porto!

22 comentários:

jdm.dragão.lisboeta disse...

Grande FCPORTO, apesar das falhas "impossíveis" em alta competição, das lesões de última e durante a hora que naturalmente condicionaram o nosso treinador e...do "polícia", também árbitro profissional inglês, que nos tramou, no golo mal anulado, nas pseudo-faltas do Hulk e na não marcação de faltas perigosas contra o Atlético; numa delas à entrada da área, creio que sobre Lisandro, o defesa colchonero deveria ter sido expulso,... enfim, apesar de tudo, fomos GRANDES.

Para quem não saiba, este "referee" é um dos meninos bonitos dessa avecla do "paltinado" e que esteve em Portugal a falar sobre profissionalismo na arbitragem. Assim vai a uefa dos compadres!!!! Felizmente, há mais lei e competências que fazem do FCPORTO o orgulho de Portugal e um dos GRANDES da Europa.

Força para sábado (pobres calimeros, que espero tenham boa prestação e sorte contra o BM) e daqui a 15 dias vamos comer esses colchoneros, mostrando força, fair-play, especialmente para o Maniche, e renegando traidores e "porcos", tipo assunções frustrados, estejam em campo/banco ou numa bancada/tribuna/camarote.

Paulino disse...

Finalmente um jogo que já não via à muito tempo.

Mesmo estando a perder mantiveram sempre a "gana" de vencer a partida.

É pena o frango do Helton, mas acontece aos melhores.
Isto sim é um Porto à Porto, parabéns à equipa, e daqui a 15 dias vamos come-los.

Paulino disse...

Força SCP e BRAGA!!

dragao vila pouca disse...

Sabe a muito pouco...

Num jogo em que fomos claramente superiores, dominamos e criamos as melhores oportunidades, fomos penalizados, porque por um lado, fomos perdulários, por outro, sofremos golos que já não se usam.
Em jogos a este nível, isso não pode acontecer e vamos ter de sofrer, quando já podiamos ter a eliminatória resolvida.
Mas tudo somado, gostei do F.C.Porto, que soube lutar conra todas as adversidades - Lesão de Fucile, golo madrugador, arbitragem má, frango de Helton, etc. - e honrar num país de grande futebol, o prestígio internacional dos Dragões.

Acredito que no nosso estádio, com o nosso apoio e entusiasmo, vamos chegar aos quartos-de-final.

Uma palavra para o forte apoio dos portistas em Madrid e para P.Assunção: falou muito, mas jogou pouco.

Um abraço

José Rodrigues disse...

A exibição foi personalizada, a equipa (e treinador) nunca se amedrontaram, estando sempre com as "setas" apontadas à baliza e defesa do A Madrid. Parabéns a Jesualdo e aos jogadores, q demonstraram cabalmente q este FCP é MUITO melhor q este A Madrid.

Só é pena é a % amadora de concretização de boas oportunidades de golo (a este nível isto costuma ser fatal) e o frango monumental de Hélton. Mas estou confiante q isso não será o suficiente para nos negar a passagem aos 1/4s de final.

Ontem ficou mais do q demonstrado (como se ainda fosse preciso...) pq é q algumas equipas estão nos 1/8s de final da LC, enquanto outras q muito falam são eliminadas por uns metalúrgicos quaisquer na fase inicial da Taça UEFA.

Luís Carvalho disse...

Acabou por ficar uma sensação agradável do jogo de ontem mas as coisas poderiam ter sido bem negras dada a nossa assustadora incapacidade de concretizar. Não se pode repetir no futuro. Não numa prova destas.

Duas coisas ficaram provadas ontem à noite.
Primeiro que este Atlético tem uma defesa muito fraca. Aliás, nem sequer me recordo de ver semelhante coisa num jogo europeu, numa fase tão adiantada da prova. Não admira mesmo nada que este seja um clube em crise permanente.
Por outro lado, Paulo Assunção comprovou que não prima pela inteligência: o FCP é mesmo muito melhor do que estes espanhóis.

Todos os nossos atletas oscilaram entre bons pormenores e falhas proibitivas.
Até o grande Hulk falhou, isolado, num duelo aparentemente fácil, de um-para-um, com o guardião adversário.

A nota mais positiva do encontro deu-se, porém, em dois momentos sem bola: a forma como os companheiros acarinharam Helton após o 1-2 e, depois, a seguir ao 2-2, será um daqueles momentos que não se apagará da nossa memória colectiva de portistas.

Nuno Leal disse...

Grande jogo, grande exibição, merecíamos ter ganho e resolvido ontem a eliminatória mas ganhámos equipa

xandreazevedo disse...

Penso que não podemos falar de grande exibição com tantas oportunidades falhadas,golos feitos falhados pertencem a exibição ou não???
A quantidade torna-se demasiado infantil e não me falem em foras de série PF , falem me em bons jogadores que realmente temos.
Em alta competição não se pode falhar tantos golos e não me venham com a conversa que ao menos criamos as oportunidades!!!!! FALTA TALENTO CONCRETIZADOR
Quanto ao arbitro basta ouvir o que CR7 falou depois do jogo que ele apitou do Man UNDT ..o gajo é mau mas mau mesmo .Isto serve para os adoradores do futebol inglês e espanhol ..abram os olhos há lá tanta porcaria como no nosso futebol..

HULK Onze milhas disse...

xandreazevedo disse: "...Quanto ao arbitro basta ouvir o que CR7 falou depois do jogo que ele apitou do Man UNDT ..o gajo é mau mas mau mesmo..."

Estive em Madrid e não concordo que o problema deste árbitro seja a falta de qualidade. Penso que ele procurou, deliberadamente, prejudicar o FCP. Não precisei de repetições para verificar que em alguns lances, estando ele bem colocado, agia em prejuízo do FCP porque o entendia fazer.
Notei também que na 2a. parte modificou bastante esta sua tendência. Teria levado, ao intervalo, um puxão de orelhas do delegado da UEFA?
Quando marcamos o nosso 1.º golo vi na sua cara uma enorme contrariedade. Eu nem festejei o golo porque estava à espera, como sempre o faço, que ele apontasse o centro do terreno mas não o fez. Olhou demoradamente para o assistente, parecia hesitar e depois caminhou muito devagar em direcção à linha de fundo onde os nossos jogadores festejavam o golo. Ia cá com uma cara que metia medo! Passou-se a escassos metros de mim...
Seria encomenda do Platini???

Mefistófeles disse...

"Seria encomenda do Platini???" disse Hulk 11 M.

Não tenho muitas dúvidas que foi...

Ainda assim, não chegaram para nós.
Falta-lhes mesmo muita coisa, têm que comer muito pão.

José Correia disse...

O que diz a imprensa de Madrid sobre o jogo de ontem?

«O Atlético devia ter saído goleado perante um rival que foi muito superior»
in Marca

«Não era [FC Porto] tão mau quanto queriam fazer ver algumas pessoas supostamente documentados. Aliás, é muito bom. Mesmo que ontem tenha ficado com um resultado muito curto. Teve ocasiões para fazer mais três ou quatro golos.»
in Marca

«O Atlético está vivo, por milagre»
in Ás

«O 2-2 final não é bom, é magnífico»
in Ás

«Se a deusa da sorte não se tivesse vestido de rojiblanco, o Porto teria ganho com facilidade. Com muita. Com demasiada facilidade»
in Ás

«O Atlético sobreviveu, o que não é pouco»
in El País

«O empate foi muito, muitíssimo, pois podia ter saído destruído por um F.C. Porto que foi superior do princípio ao fim. A equipa de Abel Resino foi salva por Léo Franco, que até evitou um golo com o ombro. Saiu moribunda, mas viva, o que não é pouco.»
in El País

José Correia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Correia disse...

Hoje de manhã, ao ver o noticiário da TVE, também usaram a palavra "milagre" para classificar as defesas de Léo Franco.

José Correia disse...

Apesar do azar com as lesões dos dois defesas-direitos.
Apesar de um golo a frio, sofrido logo aos 3 minutos.
Apesar de um golo limpíssimo, anulado pelo trio de arbitragem.
Apesar do frango do Helton.
Apesar das N faltas ridículas marcadas a Hulk por um árbitro habilidoso.

Apesar de todas estas contrariedades, os jogadores, a EQUIPA do FC Porto soube sempre reagir e só por "milagre" (um misto de ineficácia e de falta de sorte) não venceu o jogo de ontem, por um resultado que tivesse resolvido desde já a eliminatória.

Sim, porque ninguém tem dúvidas, nem os espanhóis, o FC Porto merecia ter ganho o jogo de ontem por, pelo menos, dois ou três golos de diferença.

Que grande exibição!
Que demonstração de categoria e personalidade!

Desde os tempos gloriosos do Mourinho que não assistíamos a nada de semelhante.

José Correia disse...

Relativamente ao Hulk, vão apreciando os últimos meses em que ele vai vestir a camisola do FC Porto. Sim, porque depois do que ele fez ontem...

«[Hulk] Rompeu o Atlético as vezes que quis, arrasando, impondo a potência de um físico descomunal e de um pé esquerdo que sabe dominar a bola. Recebeu agarrões, patadas, quem sabe mordidelas... faz honra à alcunha que tem»
in El País

«[Hulk é] Um espectáculo. Começava a correr e os adversário caíam à sua volta. É muito mais do que um portento físico. Destroçou a defesa do Atlético com potência e qualidade. Quando arranca tem coisas do imparável Ronaldo, do Barça, mas em canhoto e sem a precisão cirúrgica no remate.»
in Ás

«[Hulk] Foi o protagonista de quase tudo o que de bom o Porto fez. Um actor acima de todos os outros. Um avançado brutal, que logo no primeiro minuto comeu meio-campo em velocidade para oferecer o golo a Lisandro.»
in El Mundo

Guedesnet disse...

A imprensa espanhola desta quarta-feira desfaz-se em elogios ao F.C. Porto. Na directa proporção das críticas ao At. Madrid, aliás. As páginas dedicadas ao jogo do Vicente Calderón acabam por ser apenas o espelho da indignação dos adeptos. «O Atlético devia ter saído goleado perante um rival que foi muito superior», escreve a «Marca».

O jornal desportivo mais vendido em Madrid acrescenta que é preciso levar em conta o F.C. Porto no futuro. «Não era tão mau quanto queriam fazer ver algumas pessoas supostamente documentados. Aliás, é muito bom. Mesmo que ontem tenha ficado com um resultado muito curto. Teve ocasiões para fazer mais três ou quatro golos.»

O outro desportivo da capital espanhola, o «As», escreve em primeira página que «o Atlético está vivo, por milagre». No interior do jornal, adianta que «o 2-2 final não é bom, é magnífico». «Se a deusa da sorte não se tivesse vestido de rojiblanco, o Porto teria ganho com facilidade. Com muita. Com demasiada facilidade», diz o «As».

Já o generalista «El País» titula que «O Atlético sobreviveu, o que não é pouco». «O empate foi muito, muitíssimo, pois podia ter saído destruído por um F.C. Porto que foi superior do princípio ao fim. A equipa de Abel Resino foi salva por Léo Franco, que até evitou um golo com o ombro. Saiu moribunda, mas viva, o que não é pouco.»

Hulk... «o imparável», «o incrível», «um espectáculo»

A imprensa espanhola saiu também maravilhada com Hulk, «o imparável Hulk», «o incrível Hulk» repete o «El País». «Rompeu o Atlético as vezes que quis, arrasando, impondo a potência de um físico descomunal e de um pé esquerdo que sabe dominar a bola. Recebeu agarrões, patadas, quem sabe mordidelas... faz honra à alcunha que tem».

O «Ás» chega a comparar Hulk a Ronaldo, o Fenómeno. «Um espectáculo. Começava a correr e os adversário caíam à sua volta. É muito mais do que um portento físico Destroçou a defesa do Atlético com potência e qualidade. Quando arranca tem coisas do imparável Ronaldo, do Barça, mas em canhoto e sem a precisão cirúrgica no remate.»

Também o generalista «El Mundo» destaca que «o Porto perdoou a vida ao Atlético» e coloco acima de tudo a exibição de Hulk. «Foi o protagonista de quase tudo o que de bom o Porto fez. Um actor acima de todos os outros. Um avançado brutal, que logo no primeiro minuto comeu meio-campo em velocidade para oferecer o golo a Lisandro.»

O gesto feio de Jesualdo e a agressão a Lucho

Por fim, a «Marca» faz referência a dois factos, documentados com fotografias, que passaram despercebidos. Primeiro um gesto feio de Jesualdo, «un corte de mangas», diz o jornal, na direcção do árbitro quando anulou o golo a Lisandro. Depois uma agressão a Lucho, que na celebração do segundo golo foi atingido por uma garrafa lançada das bancadas.

José Correia disse...

Não houve muitos comentários que focassem o Jesualdo Ferreira. É bom sinal porque, muitas vezes, tem sido o “bombo da festa”.

Perante a exibição que os dragões fizeram em Madrid, penso que será justo destacar o trabalho que o Jesualdo Ferreira tem feito com esta equipa.
É bom lembrar que 6 dos 10 jogadores de campo que ontem foram titulares (Sapunaru, Rolando, Cissokho, Fernando, Rodriguez e Hulk) estão no seu primeiro ano de FC Porto e a respectiva média de idades deve andar nos 22-23 anos.

Mais. Não fossem as muitas contrariedades que a equipa teve ontem e, provavelmente, estaríamos aqui a especular sobre qual o adversário que gostaríamos de ter nos quartos-de-final.

José Correia disse...

Luís Carvalho disse...
«este Atlético tem uma defesa muito fraca. Aliás, nem sequer me recordo de ver semelhante coisa num jogo europeu, numa fase tão adiantada da prova. Não admira mesmo nada que este seja um clube em crise permanente.»

É verdade que este Atlético está longe de ser uma equipa do top europeu, mas convém não esquecer que na fase de grupos o Marselha e o PSV foram derrotados em Madrid e o mesmo Liverpool que hoje venceu o Real, conquistou um empate lisongeiro (para os ingleses) no Vicente Calderon.

Ou seja, considerar o Atlético uma equipa fraca é capaz de ser um bocadinho exagerado...

Luís Carvalho disse...

Eu escrevi "defesa" e não "equipa".
Porém, é bem verdade que quem tem uma defesa destas nunca poderá ser uma grande equipa.

Por alguma razão só alcançou uma vitória nos seus 10 últimos jogos.

Mas, como disse, fiquei com uma agradável sensação no final deste encontro.
Apenas temo que se esteja a exagerar um pouco quanto à nossa exibição.
Quem falha tanto numa competição destas, normalmente não chega longe.
E, claro, há que colocar sempre os factos em perspectiva: se muitos portistas ficaram eufóricos, como estarão então os adeptos do Liverpool e do Bayern?...

Bem, que a festa continue já neste Sábado.

André Vilas-Boas disse...

Consigo entender o espirito do post anterior - Luis - , e se é muito bom ler noticias como esta
OJOGO, 26 Fevereiro 2009:

"Hulk conquistou o respeito dos adeptos "colchoneros". Durante o jogo no Vicente Calderón, a partir do meio da primeira parte, fazia-se silêncio sempre que o avançado brasileiro pegava na bola, como se as bancadas suspendessem a respiração à espera do que pudesse sair dali, respirando sonoramente de alívio no fim, incrédulos."


A verdade é que ainda é uma equipa jovem. Cissoko é um estreante(!) na Champions, e Sapu, apesar de denotar grande potencial, ainda comete erros de palmatória - que saem muito caros em penalties ou expulsões -
Insultei o Helton no frango (muito mais do que o tinha insultado no Chelsea) mas senti-me mal quando vi aquele abraço do Bruno Alves, a relembrar que é da solidariedade que são feitos os campeões.

Tal como o Luis fiquei também com uma agradável sensção no final do jogo, e apesar de tudo, temos de lembrar que o Jesualdo pediu para darmos "tempo a esta equipa" no ínicio da época.

De facto, o se calhar o problema não é bem o defesa esquerdo, o guarda redes, ou falta de capacidade do "miolo", ou no treinador...

Se calhar o problema está na necessidade estratégica da SAD em alienar jogadores todos os anos (ler o excelente artgo Balaços Funcionais no Reflexaºo) que impede uma consolidação da experiência e estarmos com (ainda) mais força e fiabilidade na linha da frente da Europa!

Quanto a este ano, gosto de pensar que estamos com A ESTRELINHA DOS CAMPEÕES!

Saudações Portistas!

André Vilas-Boas disse...

Esqueci-me só de uma pergunta idiomática para interpretar o espirito do post anterior:

Para o ano o Cissokho e o Sapu vão "certezas" no futebol europeu, mas será que ainda vamos ter o Hulk?

Alienado disse...

Teimo na inadequação da filosofia do Mister Jesualdo à lógica/mística/identidade do F. C. do Porto, que apenas resulta em jogos como o de Terça (defesa adversária com a linha subida), haja ainda eficácia executória. Era um sonho vencer a Liga dos Campeões, nem que praticando este futebol, daí que aplauda a vitória, mas não deixe de, mesmo nesse caso, apontar forma diversa de jogar, baseada em posse de bola continuada.