sábado, 6 de fevereiro de 2010

As SADs e a Bolsa


Anteontem, as acções da FC Porto Futebol SAD desvalorizaram 39,52%, fechando a sessão a valer 0,75 euros.
Ontem, no último dia da semana, as acções da sociedade desportiva portista valorizaram 66,67%, valendo agora 1,25 euros.
Este tipo de variações não fazem qualquer sentido.
Aliás, cada vez é mais notório que faz muito pouco sentido as acções das sociedades desportivas portuguesas estarem cotadas em bolsa.

12 comentários:

Miguel Teixeira disse...

Nunca fez sentido, e num futuro muito próximo ainda fará menos sentido, "as acções das sociedades desportivas portuguesas estarem cotadas em bolsa". Esta "gestão" cumprirá o seu objectivo quando o nível de endividamento for tão alto que os Clubes terão obrigatoriamente de entregar TUDO às suas SAD's.

Quando os sócios acordarem para a realidade já será tarde demais. Chegada essa altura é escolher entre o NADA ou a SAD.

Este é o verdadeiro tabuleiro de jogo do actual futebol português. Por isso é que somos "obrigados" a falar pouco de desPORTO.

Pedro Vale disse...

José Correira,

Associo esta queda e subia ao "crash" da bolsa de quinta feira...
A grande maioria das cotadas em bolsa acabou por não recuperar na sexta feira.

Creio que as acções do FCP acabaram por recuperar, por que creio que neste momento estão abaixo do valor real da SAD.

Jorge Aragão disse...

PObre de mim, que meti lá ... cem euros logo de início, por pura militância e ainda os mantenho, sempre a levar no pelo...
Mas não é por isso que fico mais rico ou pobre.
Preocupa-me é a situação fianceira que nos pode trazer muitos problemas.
De resto acho que todos nos comportamos como se não houvesse SAD.

Pedro disse...

Deixo aqui uma breve explicação. Que aliás é melhor explicada na edição de hoje do Jornal Ojogo.

Momentos antes do fecho da sessão foi transaccionada uma única acção no valor de 0,75€. Há uns anos atrás isto seria impensável porque haviam minimos de acções transacionadas. 100 creio.

Este tipo de situações parecem propositadas para afectar os valores de fecho e minimos de cotação num dia.

Transacionar uma acção de 0,75€ comporta mais custos operacionais do que qualquer lucro que se pudesse tirar... logo não é dificil perceber o porquê desta situação...

Se estivessemos nos E.U.A o autor desta trama já estaria a ser investigado...

Rogério Paulo Almeida disse...

Amigos,

Nesse dia, no momento do fecho, foram transaccionadas 51 acções a 0,75€. E assim ficou determinada a cotação de fecho das acções. No total do dia transaccionaram-se apenas 120.

Nos momentos finais de negociação estava colocada uma ordem de compra de 5.000 acções a 0,75€. Ao mesmo tempo estavam ordens de venda aos preços recentes “habituais”, ou seja, na casa dos 1,20/1,30€. No preciso momento de fecho, um “engraçado” colocou uma ordem de venda de 51 acções a 0,75€ que “casou” com a ordem de compra em curso. E assim se realizou a última transacção do dia e se determinou a cotação de fecho para as mesmas. Foi isso que aconteceu.

Provavelmente a pessoa que colocou a ordem de compra das 5.000 acções a 0,75€ foi a mesma que no momento final deu a ordem de venda das 51 a esse mesmo preço. Ou então dois conhecidos actuando em conjunto. Com esse procedimento, esse “artista” conseguiu “mexer” de forma decisiva na cotação e nos “média”, que, é claro, aproveitaram logo o facto, para, à boca cheia, enfatizar que as acções do F. C. Porto tinham caído 40%!!!

É muito fácil fazer essas “brincadeiras” com acções com tão pouca liquidez. Esse “artista” conseguiu fazê-lo com apenas 38,25€. Basta um computador pessoal, entrar na conta bancária, deter as acções em causa e dar as respectivas ordens de compra/venda quando o fecho se aproxima.

No dia seguinte, como obviamente não havia ninguém disponível para colocar à venda as suas acções a 0,75€, a cotação, mediante o confronto da oferta e da procura, com as respectivas ordens de venda e de compra, abriu no patamar recente “habitual”, ou seja, na casa dos 1,20€.

Foi isso que aconteceu. 51 acções foram colocadas à venda por brincadeira a 0,75€, casando essa ordem isolada com a ordem de compra das 5.000 acções ao mesmo preço de 0,75€ que já estava inserida no sistema, e assim se fez a última transação e se determinou a cotação de fecho das acções.

Um abraço

José Correia disse...

Lendo a explicação do Rogério Paulo Almeida, reformulo o que escrevi.
Em vez de "faz pouco sentido as acções das sociedades desportivas portuguesas estarem cotadas em bolsa", eu diria que, com as regras actuais, não faz qualquer sentido e, inclusivamente, é pernicioso as acções das sociedades desportivas portuguesas estarem cotadas em bolsa.

José Correia disse...

O Jogo, chama ao que se passou na quinta-feira, acto de "Terrorismo bolsista".
http://www.ojogo.pt/26-37/artigo846657.asp

Depois do cibercrime das escutas no Youtube, assistimos agora ao "terrorismo" na Bolsa.
Não há dúvidas, esta gente não olha a meios.

pc disse...

Caro José Correia
A guerra — não há outra maneira de qualificar o que se está a passar, -jogadores aprisionados etc — está para durar e ainda há muito dinheiro para a financiar...(lembra-se do desvio do Maradona para o galinheiro?)

Vamos ver se conseguimos dar luta fora das 4 linhas.

Uma releitura do Apito Encarnado ajuda a perceber o que se está a passar.Em particular com os senhores Vitor Pereira e Ricardo "advogado dos Ugandezes" Costa.

PS Ainda haverá advogados que trabalhem a lume de palha?

PS2Interessante para o país estar a assistir ao esfrangalhar de uma equipa de futebol, que não a nossa, por ter a ousadia de dar luta ao clube do regime.

Armindo disse...

Depois dos TÚNEIS!

Aparece agora o TERRORISMO BOLSISTA!!!

(Andam aflitas, as galinhas)!!!

Pedro disse...

Neste pais de bananas em que tudo vale... nada faz sentido.

Como referi, há gente a ser presa nos E.U.A por actos similares a estes. Aqui vale tudo.

Luís Negroni disse...

Estes bandidos do clube do regime são capazes de tudo. E a CMVM e a PJ, vão fazer alguma coisa? Ou não vão fazer nada por ter sido o FCP o lesado por esta "brincadeira" bolsista tal como nada fizeram quando o slb foi beneficiado por "brincadeiras" especulativas? Maldita máfia, são piores que as máfias de leste, fazem tudo o que lhes apetece e nenhuma autoridade lhes faz nada. Estão acima de todas as leis.

José Rodrigues disse...

Só me admira q a CMVM deixe q as acções das SADs continuem em Bolsa quando a liquidez é tão reduzida. Ridículo.

E alguma da liquidez é artificial; o próprio PdC já vendeu *e* comprou acções regularmente, em quantidades semelhantes; a única razão lógica para isso é aumentar a liquidez.