quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Lei 13

Para que não haja dúvidas e para quem não conhece as leis do jogo (pelos vistos é muito boa gente).

A Lei 13 regulamenta os Pontapés-Livres, e pode ser consultada:

No sítio da FIFA
No sítio da Liga
No sítio da APAF

Se a redacção da lei 13 propriamente dita não esclarece a marcação rápida de livres, a secção de interpretações é esclarecedora:
Distância

Se um jogador decide executar um pontapé-livre rapidamente e um adversário, que se encontra a menos de 9,15 metros da bola, a intercepta, o árbitro deve permitir que o jogo prossiga.

Se um jogador decide executar um pontapé-livre rapidamente e um adversário, que se encontra perto da bola, o impede deliberadamente de o executar, o árbitro deverá advertir esse jogador por retardar o recomeço do jogo.

Se, quando uma equipa é beneficiada com um pontapé-livre dentro da sua própria área de grande penalidade, um jogador decide executá-lo rapidamente, um ou vários jogadores adversários se encontram dentro da área porque não tiveram tempo de sair dela, o árbitro deve deixar prosseguir o jogo. 

Existem esclarecimentos adicionais nas FAQs:

7. Um jogador executa um pontapé-livre de forma rápida e a bola entra na baliza. O árbitro não teve oportunidade de indicar que o pontapé-livre era indirecto. Que decisão deve tomar o árbitro?

Deve mandar repetir o pontapé-livre indirecto no mesmo local, já que não teve tempo de indicar que o mesmo era indirecto.

8. Um pontapé-livre é assinalado e o jogador decide executar rapidamente o pontapé. Um adversário que se encontra a menos de 9.15 metros intercepta a bola. Como deve agir o árbitro?

Deve deixar prosseguir o jogo.

9. Um pontapé-livre é assinalado e o jogador decide executar rapidamente o pontapé. Um adversário que se encontra junto da bola impede-o de realizar o pontapé. Como proceder?

O jogador deverá ser advertido por retardar o recomeço de jogo.


Mais esclarecedor não podia ser.
Por isso critiquem os árbitros quando estes não permitirem a marcação rápida, esses sim é que estão a desrespeitar a lei.

10 comentários:

Pedro disse...

Ver a hipocrisia do Arsene Wenger

- http://www.youtube.com/watch?v=gCWjioIR5MM

- http://www.youtube.com/watch?v=tTvOl7hKK6A , ver minuto 3:50

Coerente o senhor Francês...

Jorge disse...

Eu nao usaria os exemplos da APAF, Liga ou FPF ja que estao mal escritos e podem confundir em vez de esclarecer.
Por exemplo o 7 deveria dizer claramente "Um jogador executa um pontapé-livre de forma rápida e a bola entra na baliza sem tocar em qualquer outro jogador." A repeticao desse lance deve-se ao livre ser indirecto mas o arbitro nao ter tido a possibilidade do assinalar originando uma decisao errada por parte do marcador e nao ao livre ter sido marcado de forma rapida.
O ponto principal, e quem joga futebol tem de saber isso, e que o marcador do livre escolhe se quer marcar o livre de forma rapida ou se quer esperar pelo apito, para dar ao arbitro tempo para por os jogadores adversarios a distancia regulamentar.
O Arsene esta a fazer rabula ja que sabe perfeitamente que o erro foi dos seus jogadores.

Fleaster disse...

O médio espanhol Cesc Fàbregas reconheceu que sofreram dois golos inaceitáveis e que no segundo, após um rápido livre indirecto, foram «ingénuos».

«Sofremos dois golos infantis. O que é que podemos fazer agora. Depois do segundo golo, nós baixámos os braços. Fomos um pouco ingénuos nesse lance. Depois, até ao segundo golo acho que estávamos a jogar bastante bem», admitiu Fàbregas, em declarações à imprensa local.

RS disse...

É o tipo de golo que normalmente as equipas portuguesas sofrem nas competições europeias e que temos tendência a justificar com a matreirice e experiência dos adversários.
Já aqui referi um que me ficou na memória penso que num jogo com o Bayern ainda nas Antas.
Pois bem, desta vez a equipa matreira e experiente foi o Porto.

Claro está que para consumo interno o golo foi "polémico" mesmo que lá fora, tirando o estrabucho do Wenger para inglês ver, quase ninguém questione a legalidade do mesmo.
Seja como for não gosto dewste árbitro. É um clone mental do Paixão.

Roberto Tavares disse...

O mais interessante é a imprensa portuguesa a reforçar que o golo foi polémico, mas o melhor foi quando se virar para o Grande Fabregas(é um sr jogador) e lhe perguntaram sobre o arbitro e o que achou, e ele calou a cambada de jornalistas anti-porto dizendo que o erro foi deles, pois eles é que tinham sido ingénuos....

Ora sendo uma vitoria, traz pontos para Portugal, mas estes senhores(anti-portistas) estão mais interessados em levantar polémicas. E desvalorizar como o Porto inferiorizou os Canhões ingleses..

Miguel Magalhães disse...

Por mim, os jornalistas portugueses que "la sigan chupando".
Eles vendem aquilo que os mentecaptos pagam para ler ou ouvir. Esses jornalistas sao meros vendedores de capas de jornais e de aberturas de telejornais.

Hugo disse...

Um jogador executa um pontapé-livre de forma rápida e a bola entra na baliza. O árbitro não teve oportunidade de indicar que o pontapé-livre era indirecto. Que decisão deve tomar o árbitro?

Ou muito me engano, ou o arbitro nao assinalou que era livre indirecto. Sim, grande "duh, claro que e' indirecto", mas mesmo assim ele so assinalou que era indirecto quando a bola ja rolava.

Eu sou portista e estou completamente a cagar-me. Contra esse sr. Wenger ate podiam marcar ao 10 minutos de desconto, com a mao, depois de expulsarem dois jogadores do Arsenal e a falta ser existente. Esta la dentro! E mai nada! Agora ja que vamos a Londres, podiamos pegar num daqueles autocarros de dois andares tao tipicos de la' e por 'a frente da nossa baliza :P

Vai ser o 0-0 mais sofrido de todos os tempos. Escrevam ai.

Hugo disse...

ups, e a falta ser inexistente :P

RS disse...

Por falar em 0-0 sofrido. Quem não se lembra de uma eliminatória com o Feyenoord no tempo do Ivic, em que o Porto foi à Holanda defender o 1-0 conseguido em casa? Isso é que foi um empate sofrido! :-)

O Ivic conseguiu essa coisa extraordinária que foi meter quatro centrais (Aloisio, F. Couto, José Carlos e Jorge Costa) e três defesas laterais (João Pinto, Secretário e Rui Jorge) no mesmo onze!!!!! Coitado do Kostadinov que passou o jogo todo a correr atrás da bola... Mas no final, missão cumprida!

The Blue One disse...

Foi um jogo com um Golo de Varela muito esquisito do qual até o seu autor se riu e outro que mostra a Classe e Maturidade que o Madeirense Micael trouxe á equipa Portista. Ainda estou para perceber porque razão o FC Porto não o contratou logo no incio da temporada.

Foi uma vitória que soube bem á generalidade dos Portugueses e dos Portistas, pois muitos ainda tem na memória a cara de gozo que o Treinador Françês fez quando goleou o FC Porto em Londres há umas épooas atrás.

Não entendo o porque de tanta Critica a Jesualdo e à equipa Azul e Branca que na Europa do Futebol tem de jogar desta maneira e não á "mandão" como muitos querem. É a realidade do nosso Futebol e da equipa que temos. E muito mérito tiveram o Treinador e os Jogadores que estão no intervalo a vencer uma equipa que é de um Campeonato doutra galáxia.

Uma palavra final para os Parolos de Encarnado vestido que tentam minorizar esta importante vitória do Porto e de Portugal:

Internen-se numa Instituilção Psiquiatrica o mais rapidamente possivel, pela vossa Saúde e pela Saúde dos outros que tem de vos aturar.

Cumprimentos e saudações Portistas!!!