domingo, 28 de fevereiro de 2010

O "Drogba da Caparica"

Após o jogo com o Braga, o PUBLICO escolheu-o como o protagonista da Jornada 20, e na sua edição do dia 23 de Fevereiro, o jornalista Manuel Mendes escreveu o seguinte:
«Silvestre Manuel Gonçalves Varela foi um jogador sempre incompreendido no Sporting, onde fez parte da formação - dois anos como júnior. Mas, mal chegou a sénior, deparou-se com José Peseiro, que preferiu colocá-lo a rodar no Casa Pia. Regressou, mas no lugar de Peseiro estava um Paulo Bento que nunca entendeu que tinha à sua frente um jogador talentoso. Nem as exibições do avançado na selecção de sub-21 o fizeram mudar de ideias. Despachou-o para Setúbal. Feito que repetiu na temporada seguinte. À quarta vez, foi colocado mais longe: em Espanha. No Recreativo de Huelva, à boleia de outros dois jogadores do Sporting (Beto e Carlos Martins, este último agora a brilhar no Benfica). Como não se conseguiu fixar em Espanha, o técnico achou que também não se encaixava no seu sistema de jogo e avalizou a sua cedência definitiva ao Estrela da Amadora. O FC Porto esfregou as mãos de contente e contratou-o por cinco anos.»


No mesmo dia, no blogue 'De Trivela', Manuel Queiroz escrevia:
«Varela, o "Drogba da Caparica", é uma confirmação agora. Grande velocidade, grande controlo da bola, boa capacidade de remate. Uma sensação de jogador forte, capaz de desequilibrar. E há três-quatro anos ninguém diria que era capaz de chegar até este ponto - daí compreender-se que o Sporting, onde se formou, não tenha acreditado nele.»


Três assistências e oito golos no campeonato, a que junta mais um golo na Liga dos Campeões, um na Taça de Portugal e um na Taça da Liga. Estes números ajudam a perceber a importância que Silvestre Varela tem tido no FC Porto 2009/10. Não por acaso, o mês em que esteve ausente por lesão, foi um dos piores períodos da equipa portista.

E, a não ser que aconteça algo de extraordinário, tem lugar garantido nos 23 que irão à África do Sul.
Se pensarmos que em Maio do ano passado jogava num Estrela da Amadora com salários em atraso...

Foto: rtp.pt

10 comentários:

José Rodrigues disse...

O Varela é daquelas contratações de sonho: bom jogador e com potencial para chegar mais longe, extremamente barato (presumo q mesmo a nível de salário), já adaptado ao futebol português (ao contrário dos jogadores saídos da América do Sul). Agradecemos ao SCP :-)

Penso q é um exemplo cautelar do desprezo relativo a q a prata da casa pode ser sujeita (desta vez, no caso do SCP, onde é um caso de excepção - onde normalmente a prata da casa é bem aproveitada).

Tal como o Varela temos vários exemplos de prata da casa no FCP q são relegados ao "longo circuito dos empréstimos" e que - ao contrário do Varela - não são repescados pelo seu clube, podendo ir reforçar outros clubes (Tonel no SCP, P Machado no Toulouse); ou que alternativamente, perdidos nesse circuito onde não são tão bem acompanhados, vão fazer uma carreira discreta nunca passando de jogadores vistos como "jeitosos" (o N Valente esteve muito perto de nunca sair desse limbo, não fosse uma aposta pessoal de Mourinho q por coincidência o conhecia pessoalmente muito bem, tendo treinado o Leiria).

Esse pode muito bem vir a ser o destino dos Venturas, Castros e tantos outros saídos dos juniores do FCP.

Acho q faz bem à prata da casa rodar um ou dois anos no início da carreira senior em outros clubes (escolhidos a dedo, e não por razões políticas); mas os q revelam potencial deviam ter lugar a oportunidades no plantel A, onde podem continuar a crescer (mesmo jogando pouco) muito melhor do q em pequenos clubes com fracas condições, em vez de se contratar para o banco jogadores vindos do estrangeiro q pouco mais q eles revelaram na sua carreira (os T Costas, Predigers, Guarins, ...).

Mesmo q joguem relativamente pouco (em termos de frequência), podem ser uma aposta acertada porque libertam fundos para as contratações de peso ou alternativamente para segurar algumas das jóias da coroa.

É uma questão de custo de oportunidade: dinheiro gasto em 2as escolhas (i.e. q à partida são para o banco) é dinheiro q falta para as contratações de jogadores à partida para titular, ou para segurar uma jóia da coroa por mais uma ou duas épocas.

Vejo portanto esta prata da casa de um ponto de vista acima de tudo UTILITÁRIO, sem quaisquer lirismos ou dogmatismos; e não tenho ilusões de q isto pode ser colocado na prática para, digamos, 2 ou 3 jogadores por época, não mais do q isso, tendo nós q ir ao mercado na mesma para 4, 5 ou 6 contratações (em vez de 8 a 10, como tem sido costume).

Se fosse à direcção do FCP no princípio de cada época dizia ao treinador: "nós iremos ao mercado em força para as posições por ti consideradas como absolutamente fundamentais [normalmente não mais do q umas 3], mas para outras tens a missão de recuperar PELO MENOS 2 ou 3 jogadores emprestados à tua escolha (entre os 20 ou 30), e só depois disso estar definido falamos de contratações adicionais".

Hoje a impressão q me dá é q a recuperação de emprestados é um "after thought", não sendo visto como uma prioridade em relação a potenciais contratações secundárias.

PS - alguns poderão perguntar: mas o q é à partida uma contratação "fundamental" e uma "secundária"? Muito fácil: uma contratação secundária acontece quando o titular (da época q acaba) para essa posição teve um bom desempenho e continua no clube no defeso. Sendo assim, à entrada para esta época as contratações fundamentais eram 3: para def esquerdo, médio de transição/ataque e avançado. Todas as outras eram secundárias, e pelo q defendo só deveriam ter sido feitas após ter estabelecido 2 ou 3 jogadores emprestados a recuperar (neste caso recuperámos apenas 1, o NA Coelho).

José Rodrigues disse...

(continuando)

... o q quase certamente não teria impedido a vinda de Varela na mesma (tendo vindo quase de borla), mas sim a contratação de menos um ou dois dos seguintes jogadores: Prediger, O. Sá, Valeri, Maicón.

Será q teríamos ficado pior com um Castro em vez de um Prediger, um Rabiola ou Ukra em vez de um O. Sá? Financeiramente não ficávamos certamente (bem pelo contrário), e desportivamente duvido muito.

ricardo disse...

Paulo Machado é um jogador razoavel mas nada de mais, agora se o castro e o ukra foram por esse circuito de empréstimos já nao lhe vou chamar "não aproveitamento" mas sim incompetência pura e burrice...mas isso com esta direcção sempre foi assim e acho que já não vai mudar...no verão lá chega o contentor de sul americanos por 3/4M de euros cada um

José Rodrigues disse...

Esqueci-me no post inicial (quando disse ironicamente "obrigado" ao SCP) de dar os parabéns a JF e à SAD pela contratação do Varela. Venham mais destas!

Na altura discutindo com amigos dei o pleno benefício da dúvida à SAd/JF, nomeadamente pelo baixíssimo custo e por já estar adaptado ao camp português, e por não seguir os jogos do Varela no Estrela. Já agora, ele provou ser um jogador melhor do q eu em princípio estava à espera.

Isto ao contrário das contratações de Prediger e O Sá, tendo em conta o elevado custo (muitos milhões), o facto de serem contratações secundárias (ie em princípio para o banco), e de já termos jogadores aproveitáveis para essas posições.

André Pinto disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Américo Preto disse...

Uma pergunta que ainda não me responderam em lado nenhum?

Quando é que vão sair os castigos aos Assistentes de Recinto Desportivo do benfica, pelos tais comportamentos indevidos e provocações e presença em local não autorizado?

Sendo eles Agentes Desportivos devem ter uma tabela de regulamentos de direitos e deveres da alçada da Liga, certo?

Só espero que a indemnização que o FC Porto peça por esta aberração que sofreu seja superior aos 100 milhões de euros. Assim pode comprar outro Hulk para o caso de voltar a haver Agentes Desportivos a conseguirem "excluir" jogadores de futebol da sua profissão temporariamente.

miguel_canada disse...

Infelizmente, o FCPorto foi-se especializando mais em contentores do que em aproveitamento de jovens valores.

Mais infelizmente ainda, é que a ultima evolução da moda do contentor tem como chave um António Araújo, um empresáriozeco de baixo perfil que eu não consigo entender que espécie de divida é que o FCPorto tem com este Senhor que lhe permite colocar na equipe todo o tipo de lixo sul americano que lhe vem a cabeça!
Lucas Mareque, Benitez e Prediguer, são apenas três exemplos de jogadores que nem no Vitória de Setúbal cabiam mas que por obra do espírito Santo, vieram parar ao FCPorto!
Lembro que Benitez era suplente no Lanus!

Enquanto houverem Araújos a navegar na nossa orbita, não vejo como a politica de contratações e aproveitamento de jovens da cantera possa evoluir.

André Pinto disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Américo Preto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
miguel_canada disse...

O que dizer desta exibição clamorosa do FCPorto em Alvalade?
...deprimente!