sábado, 13 de fevereiro de 2010

Voar como o Jardel sobre os centrais

«Mário Jardel não chegou a tocar na bola na sua estreia oficial pelo Flamengo do Piauí, na madrugada de quarta para quinta-feira, em jogo da Copa Brasil, frente ao Palmeiras, que a sua equipa perdeu por 1-0. O ex-goleador de FC Porto e Sporting foi pedido em coro por parte dos 40 mil adeptos que lotaram o estádio, mas só entrou em campo quando se jogava o segundo de três minutos de compensação e não teve tempo para mais do que duas corridas: uma até à sua área e outra em direcção à linha de meio-campo. Mesmo assim estava satisfeito: "Estou feliz com a minha estreia. Foi pena não ter tocado na bola. Mas se o tivesse tinha feito o golo", disse logo após o final da partida, em directo na Sport TV brasileira, um ofegante Jardel, igual ao craque de outrora apenas na confiança. (...)
Jardel, claramente acima do peso (não há dados oficiais, mas parecia perto dos 100 quilos), começou por dizer, antes do jogo, que não estava na sua melhor forma, mas que devia dar para jogar um pouco na segunda parte. (...) E, aos 90', quando o quarto árbitro mostrou a placa a anunciar três minutos de desconto, o treinador anunciou aos suplentes que não ia fazer mais substituições. Jardel não concordou e lá conseguiu convencer Maranhão a deixá-lo entrar, o que sucedeu aos 90+2'. Não teve tempo para mais do que uma corrida até à sua área, para ajudar a defender um canto, e outra, mais lenta, em direcção à linha de meio-campo. Quando lá chegou, acabou o jogo. E quem apenas o viu no final, suado e ofegante, não teria dúvidas em achar que tinha acabado de jogar 90 minutos de alta intensidade.»
in O Jogo, 12/02/2010


Eu não me esqueço das quatro épocas em que o Jardel vestiu a camisola do FC Porto, com a qual marcou 130 golos (!) em 125 jogos. Por isso, é com alguma tristeza que vejo aquele que voava sobre os centrais a arrastar-se pelos relvados, aos 36 anos, num modesto clube brasileiro, o 17º emblema da sua carreira.

3 comentários:

hmocc disse...

Não tenho pena do Jardel. Ele tanto quis sair para um clube "maior" que se acabou por perder.

Perdeu-se no Galatassaray, Achou-se e voltou a perder-se no Sporting, e perdeu-se aí para o futebol num cocktail de jogo, drogas e rock & roll.

Até a Karen perdeu, o Jardel.

Tudo porque se achou maior do que os clubes onde passou.

Mefistófeles disse...

Grande jogador, fraca mente.

Podia ter tido uma historia mais bonita, se tem ficado no FCP.

Miguel Teixeira disse...

Vivi de muito perto a desgraça do Jardel em Lisboa.


O Jardel não se estragou pelas más companhias. O Jardel era a má companhia. Um homem com um grande coração mas com a cabeça de uma criança. Um homem de vicios que nunca soube dar ouvidos à grande mulher que estava ao seu lado. Quando o Jardel perdeu a Karen, perdeu tudo - ele que já estava perdido. E assim continua.