sábado, 3 de abril de 2010

Um vencedor pré-anunciado?


"Fui dirigente do FC Porto mas serei na Liga o presidente de todos os clubes", esta foi uma das frases de Fernando Gomes na passada quarta-feira, quando se apresentou como candidato à presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Para além da Comissão de Clubes da Liga de Honra e do presidente da Académica, o ex-administrador da SAD portista já recebeu o apoio público de diversas personalidades directa e indirectamente ligadas ao futebol, entre as quais: Gilberto Madaíl, Filipe Soares Franco, José Luís Arnaut e António Pires de Lima (presidente da Comissão Executiva da Unicer, um dos principais patrocinadores da LPFP).
Além disso, e por aquilo que se vai lendo e ouvindo, poderá também contar com o apoio do Sporting e até com a anuência (não oposição) de Luís Filipe Vieira.

Somando todos estes apoios, tudo indica estarmos perante um vencedor anunciado, cujas principais ideias para a LPFP são as seguintes:
a) a definição de um modelo estratégico para Liga;
b) a existência de uma estrutura organizativa profissionalizada na Liga;
c) um maior envolvimento dos clubes e SAD's nos processos de decisão;
d) rever os regulamentos ao nível da disciplina, arbitragem e competições;
e) criar uma central de compras em nome dos clubes;
f) distribuir "dividendos" pelos clubes e SAD's;
g) participar no projecto de regulamentação das apostas desportivas em Portugal;
h) promover auditorias nos clubes e SAD's;
i) garantir a sustentabilidade e viabilidade da Liga e dos seus associados;
j) aumentar a competitividade.

Para além deste conjunto de ideias e propostas há algo muito importante de que Fernando Gomes não falou: uma negociação global dos direitos televisivos.
Não mexer nos direitos televisivos garante uma boa relação com Joaquim Oliveira e evita guerras com os três grandes, nomeadamente com o SLB (que sonha poder aumentar muito o valor do seu contrato), mas sem isso duvido que se consiga aumentar a competitividade e garantir a viabilidade da maior parte dos clubes, nomeadamente dos que disputam a Liga Vitalis.

De resto, sobra uma dúvida existencial: será que esta candidatura à presidência da Liga é o segundo passo para Fernando Gomes se posicionar como candidato à presidência do FC Porto, daqui a três ou seis anos?

Foto: Record

7 comentários:

Jorge Aragão disse...

A questão da presidência no FCP estará muito dependente da forma como agir e se comportar na Liga, não digo, claro, para beneficiar o Clube mas sendo realmente isento e fazendo uma gestão sem mácula, não se deixando levar pela voragem do andor.

Armindo disse...

Será que o Fernando Gomes estará preparado para a pesada indemnização que a LPFP terá que pagar ao F.C. PORTO?

Ou será que por ser amiguinho, a indemnização será perdoada?

Caso esta última suposição se confirme, deixarei de contribuir para toda esta corja!!!

Duarte disse...

Boa questão Armindo, confesso que ainda não tinha pensado nisso.

Mefistófeles disse...

"De resto, sobra uma dúvida existencial: será que esta candidatura à presidência da Liga é o segundo passo para Fernando Gomes se posicionar como candidato à presidência do FC Porto, daqui a três ou seis anos?"

Muito disso o dirá o seu percurso na Liga (se fôr eleito ). Pessoalmente não acredito, ainda que seja excelente, esse percurso.

Acho que a presidência do FC Porto ( depois do último mandato de PdC - o que se segue...) será ( relativamente ) surpreendente. É só a minha modesta opinião.

Anónimo disse...

Quase que aposto que o próximo presidente será o António Oliveira... Os manos zangaram-se e agora a música é outra,,,

victor sousa disse...

A Liga perdeu a sua importância, enquanto factor de manipulação da competição, com a saída da Disciplina e da Arbitragem, pelo que apenas fica a gestão das competições.
E acho até muito "interessante" que os "encornados" não se oponham. Para quem achava que "aquele" com cara de "anjinho" era um diabo, depressa se reposicionou! Porquê será? Porque agora pode manipular "ao pé da porta"

Miguel Teixeira disse...

Gente que é a "cunha" dos Araújos para fazer entrar "deusas" nos camarotes do Dragão não interessam minimamente ao futuro do FC Porto. São as pessoas com este tipo de co0mportamentos que devem sair para nunca mais voltar.

Ser o principal favorito na eleição da Liga de Clubes diz muito sobre o o que significa o futebol em Portugal e a mentalidade dos seus dirigentes.

No nosso caso é este o tipo de pessoas que nós queremos para uma futura presidência do FC Porto?

Ainda pior a emenda que o soneto.