sábado, 22 de maio de 2010

A equipa, os adeptos e a marca FC Porto


No domingo passado, dia 16 de Maio, após os festejos da conquista da 15ª Taça de Portugal, o plantel do FC Porto entrou de férias. Serão 39 dias de descanso até ao arranque da nova temporada, marcado para o dia 25 de Junho, excepto, claro, para os seis jogadores convocados pelas respectivas Selecções para o Mundial da África do Sul (Beto, Rolando, Bruno Alves, Raúl Meireles, Fucile e Álvaro Pereira).

Tendo a época terminado tão cedo, porque razão é que o FC Porto não aproveitou para fazer uma digressão? Seria uma excelente oportunidade para disputar dois ou três jogos num PALOP, ou em países onde haja uma vasta comunidade de emigrantes (na Europa ou na América).

Terá sido por falta de convites? Parece que não porque, segundo O JOGO, “apesar de ter recebido alguns convites, o clube decidiu não efectuar qualquer jogo ou mini-digressão de final de temporada”.

Ora, para além de servir para estreitar laços com os adeptos e fomentar o portismo além fronteiras, uma digressão nesta altura também poderia (deveria!) incluir 7 ou 8 dos muitos jogadores que estão emprestados – Ventura, Tengarrinha, Castro, Ukra, André Pinto, Pelé, Stepanov, etc. – de modo a aquilatar do seu estado actual e, principalmente, para perspectivar a integração de alguns no plantel da próxima época.

E o treinador? Mesmo a eventual mudança de treinador seria um problema facilmente ultrapassável, porque o comando técnico poderia ser entregue à dupla Rui Barros – João Pinto.

Ao longo dos últimos anos o FC Porto coleccionou vitórias e teve um assinalável sucesso desportivo, incluindo a nível internacional. Contudo, parece-me que temos esbanjado boas oportunidades para promover a marca FC Porto de uma forma mais global. Outros - SLB -, com muito menos vitórias para exibir, não perdem qualquer ocasião para manter a chama da fé clubística bem viva.

15 comentários:

Carrela disse...

Eu pessoalmente acho melhor, dar descanso agora, até pq os níveis de motivação n serão os melhores para digressões. E iniciar a pré-época um pouco antes.

Remígio Manuel Silva da Costa disse...

Tenho seguido este blogue com muito interesse sem, contudo, ter feito qualquer comentário, até agora.
Faço-o neste momento para manifestar a minha concordância com o que no post é dito, já que nos tempos actuais, esta longa ausência de actividade não é benéfica para a projecção do clube, interna e externamente. Já bem basta o reduzido destaque que nos é dado nos media, mesmo quando os sucessos amplamente o justificariam.

Jorge Aragão disse...

Nos Palop's, discute-se o futebol português como se este se jogasse lá.
Uma embaixada de um clube português tem mais sucesso que as embaixadas políticas.
Realmente dois ou três jogos com uma equipa mista de alguns titulares e jovens a observar, não ia mal ao Mundo, antes pelo contrário.
E promovia-se o FCP.

Bernini disse...

E convém lembrar que no primeiro ano de Mourinho este aproveitou o final de época para lançar jogadores já contratados como Derlei e observar alguns jogadores, entretanto emprestados, nalguns jogos particulares.
A diferença para essa época é que actualmente ainda não temos treinador...

Rui disse...

Normalmente estaria de acordo com o texto, mas neste momento sem se saber quem será o próximo treinador, a digressão ia tornar-se num circo para a impressa especular sobre quem seria o próximo, e sempre a pressionar os jogadores a perguntar quem queria que fosse o treinador, etc etc etc.

Parece-me que neste final de época é mais importante termos as pessoas concentradas a trabalhar nos bastidores para garantir o sucesso dos próximos anos.

Anónimo disse...

De certeza que temos treinador, Bernini, pois seria muito mau sinal que a estrutura ainda não tivesse contratado ninguém nesta altura. O que sucede é que o anterior treinador estará hoje em Madrid a convite da UEFA, ainda na qualidade de técnico do FCP, e seria bastante deselegante ter-se já anunciado a sua saída.

Perante estes constrangimentos, e/ou outros que possam existir, também a mim não se levantam objecções ao facto de não termos feito uma digressão.

Daniel Gonçalves disse...

Concordo inteiramente com a ideia de que o Porto deve promover a sua marca/imagem junto dos países de língua portuguesa PALOP, ou países onde existam comunidades de emigrantes. Rui: A altura não é ideal? Se não for neste período de temporada não dá para ser noutra altura. A questão do treinador é um obstáculo/serve para especulação? Como refere o post a dupla do comando técnico, João Pinto e Rui Barros, servia para o efeito. Se houve convites, e estes foram recusados considero ter sido tomada a atitude errada por parte da direcção.

Unknown disse...

Concordo com o Alexandre na certeza que já desde há muito tempo temos treinador; seja ele quem for!...E, obviamente e, até por isso,e por não poder ainda ser apresentado, penso que uma digressão neste momento seria um caos, ou como disse o Rui, um circo para a imprensa. Para além disso em ano de campeonato do mundo, acho que ninguém vai dar muita importância a digressões ou não digressões.
Do ponto de vista do valor das digressões também não sei se valem muito a pena (i.e para nós adeptos); se virmos o caso do Real - para que serviu tanta digressão?...para ganhar dinheiro, e fama, que depois se desperdiçam durante a época!... Não há propaganda melhor que as vitórias, especialmente se forem a nível internacional.
O que nós queremos é uma época bem preparada...e, isso, seja quem for o treinador vai ser muito difícil: durante o defeso os jogadores deliram um pouco, os "araújos" idem aspas; acresce que há campeonato do mundo; acresce que estamos em crise profunda como país; acresce que o modelo de administração do clube precisa de ser renovado; acresce que esperam que o treinador vá fazer milagres sozinho; acresce que não há um portista que não acredite que vamos ganhar o título e a taça europa para o ano!...
quais digressões, pezinhos no chão é o que se pede!

guedesnet1969 disse...

Villas-boas no FCP

http://desporto.publico.pt/noticia.aspx?id=1438151

Anónimo disse...

Eu até digo masi: não só temos treinador, como estou convencido que ele é português, pois afigura-se-me difícil que, se fosse um estrangeiro, isso não tivesse já aparecido na imprensa estrangeira, principalmente na do seu país de origem. Poderão contrapor que já se falou em estrangeiros, como o Boloni, mas isso para mim são especulações sem fundamento, pois "lá fora" de nada se fala.

Mefistófeles disse...

Eu, por acaso estou convencido que o treinador e estrangeiro. E so um feeling ( e tambem um desejo, confesso ).

Bernini disse...

Alexandre, é mais que óbvio que temos treinador, mas seja quem ele for não está a preparar a época que vem a 100%...quanto muito a 20... por isso seja como for, neste momento, termos ou não treinador é quase a mesma coisa...

José Correia disse...

@reine margot

Conforme referi no post, para além de servir para estreitar laços com os adeptos e fomentar o portismo além fronteiras, uma digressão nesta altura também poderia (deveria!) incluir 7 ou 8 dos muitos jogadores que estão emprestados, de modo a aquilatar do seu estado actual e, principalmente, para perspectivar a integração de alguns no plantel da próxima época.

Ora, o facto de o novo treinador ainda não ter sido apresentado, não punha em causa estes objectivos.

miguel.ca disse...

Penso que uma digressão pós-época seria uma situação complicada de gerir porque obrigaria a manter Jesualdo por mais uma ou duas semanas no clube o que provocaria um atraso, de todo dispensável, na preparação da próxima temporada por parte daquele que será o novo treinador do clube.

Mas concordo perfeitamente com a teoria de que o FCPorto devia fazer um esforço pela expansão da marca e nome do clube pelos quatro cantos do mundo, especialmente onde existam grandes comunidades Portuguesas.

Eu vivo em Toronto e adivinhem quem cá esta hoje.... o benfas!
Anda tudo louco por aqui e a radio portuguesa vive num estado de histerismo insuportável mas é um facto que os emigrantes sonham com este dia durante a época toda.

O FCPorto esteve cá em 2004 para jogar com o Liverpool no Sky Dome e aquilo estava cheio. Havia mais de 20.000 Portistas nas bancadas a ver o jogo que ganhamos por 1-0 com golo do Carlos Alberto nas estreias de Quaresma, Raul Meireles e Seitaridis.
Foi um dia fantástico e inesquecível para muita e muita gente. Devia ser assim todos os anos.

KOSTA DE ALHABAITE disse...

Muito bom artigo, ao nível do que este espaço de tertúlia nos habituou. Muito bem observado e muitíssimo pertinente. Basta perceber que este é um dos muitos problemas que o nosso Clube enferma. Ainda trabalham para dentro: acho que nãp sabem aproveitar os sucessos para promover a imagem fora do país, nem tão pouco aproveitar estas janelas temporais sem competição para, como diz muito bem, apresentar os jovens que andam emprestados por esse país fora...
Aquela Casa por vezes surpreende-me pela negativa e, confesso, fico incomodado...