quarta-feira, 19 de maio de 2010

Os melhores avançados centro da era Pinto da Costa

Por Hugo Mocc

Quem foram os melhores avançados da era Pinto da Costa?

Pus-me a pensar nisto pois acho o Falcao o segundo melhor avançado centro da era Pinto da Costa (1980 - 201...) apenas atrás de Gomes. E passo a explicar, logo a seguir à "minha" lista, que é subjectiva e mistura factos com a minha preferência ou interpretação pessoal da forma de jogar de cada atleta.

1. Fernando Gomes (Bi-Bota de ouro)
2. Falcao
3. Mario Jardel (Bota de Ouro)
4. Lisandro
5. Domingos
6. Derlei
7. McCarthy
8. Kostadinov
9. Juary
10. Artur

Menções honrosas: Farias, Yuran, Jankauskas

Os meus critérios, como escrevi acima, são uma mistura de facto e interpretação, ou seja, apesar do Jardel ter sido o maior goleador de sempre (média golos/jogo) do período em questão, para mim ficará sempre atrás do Gomes pelo que este representou em relação ao renascimento do FC Porto numa época em que o SLB ainda ganhava muitos campeonatos. Nessa altura ser Bi-Bota de Ouro Europeu, num clube como o FC Porto foi um feito que duvido que possa ser atingido ou ultrapassado por alguém nos dias de hoje.

Mário Jardel entra no Porto com a máquina preparada para ele. Receber "serviço" de jogadores como Drulovic, Zahovic, Capucho, Sérgio Conceição ou Deco foi mais que meio caminho andado para Jardel vencer também ele a Bota de Ouro em 1998-99 (viria a vencer outra ao serviço do Sporting em 2001-02).

Lisandro criou a bitola do rendimento que um jogador do FC Porto deve sempre demonstrar em campo, seja defesa, médio ou avançado: sempre lutador, raçudo, inteligente e eficaz. Derlei também era assim mas foi Lisandro que impôs o seu cunho nas 4 épocas que esteve ao serviço do FC Porto.

McCarthy, possivelmente o avançado mais completo que passou pelo Porto até ao aparecimento de Falcao, era tacticamente e tecnicamente perfeito dentro dos moldes do avançado centro moderno - estilo Drogba - que em tantos jogos se vê obrigado a jogar sozinho no meio de 2 ou 3 defesas adversários e com pouca ajuda dos colegas do meio campo, e que ainda assim consegue, muitas vezes, levar a melhor. Não admira que José Mourinho gostasse tanto dele, ainda que muitas vezes parecesse perder interesse e a concentração nos jogos.

Domingos e Kostadinov fizeram a melhor dupla mas isolados nunca foram tão bons como juntos. Domingos, o outro Português da lista, foi provavelmente o mais tecnicista de todos os avançados centro que tivemos. Ruud Gullit comentou durante o Euro 92 que nunca tinha visto um avançado com um toque de bola como Domingos ao vê-lo fazer um "amortie" durante um jogo da Selecção Portuguesa. Kostadinov tinha na velocidade e remate fácil as suas grandes armas e cedo se tornou um jogador de culto entre os adeptos portistas.

Juary era um jogador supersónico que marcou o golo da vitória na final da Taça dos Campeões Europeus em Viena (1987) frente ao Bayern Munique. Era um jogador talismã, a arma secreta de Artur Jorge. Artur era um jogador franzino que o Porto foi buscar ao Boavista e que se destacava pelas velozes "diagonais" que fazia pela esquerda, causando enormes sarilhos a defesas que não o conseguiam parar.

"El Tecla" Farias todos conhecemos pelos impressionantes índices de aproveitamento que apresenta, marcando quase sempre nos jogos em que entra, mesmo que a suplente. Yuran e Jankauskas porque foram 2 jogadores resgatados ao Benfica que foram bastante úteis - quem não se lembra do grande golo de Yuran contra o Benfica em pleno estádio da Luz e dos golos decisivos de Jankauskas nos anos de Mourinho - durante as respectivas estadias no Porto. Farias Mas de todos o jogador mais completo parece-me ser Falcao.

Se o Porto o conseguir segurar por mais 2 ou 3 épocas, poderá tornar-se um caso sério de popularidade pois tenho para mim que Falcao combina o talento de Gomes, Jardel e Domingos com a raça e o trabalho incasável de Derlei e Lisandro.

Falcao tem tudo para ser um dos melhores pontas-de-lança da Europa. Esperemos que o consiga ao serviço do FC Porto!

Nota final: O 'Reflexão Portista' agradece ao Hugo a elaboração de mais este artigo.

36 comentários:

José Rodrigues disse...

Para mim não há qualquer dúvida q o Jardel foi o maior, já q era uma autêntica marca de marcar golos, mesmo q tivesse um ou dois jogadores a marcá-lo em cima. Faro de golo 10% puro. Para além disso é provavelmente o melhor jogador de sempre no mundo a jogar de cabeça (ou anda lá muito perto) e com os pés não era tosco nenhum, como se viu naquele golo de trivela (após fintar 3 jogadores) nos 7-1 para a taça.

Em 2o lugar provavelmente colocaria McCarthy, com Gomes e Falcão muito perto (e Falcão pode ainda subir no ranking).

Rui Pedro disse...

Bom dia.
Não concordo com esta tabela, mas como disse o autor "é apenas uma escolha pessoal".
Entendo a colocação do Gomes no primeiro lugar por causa do simbolismo daquelas épocas (inicio de uma era maravilhosa para o nosso clube).
O Falcão é excelente mas... calma! Não é por causa de uma excelente época que vamos embandeirar em arco. Isso é para os lados de Lisboa! Continuo a achar que o Jardel é o melhor avançado que tivemos e mesmo em termos europeus só é batido pelo Ronaldo (o verdadeiro) nos tempos do Barcelona e Inter.
Uma palavra para as menções honrosas ao Yuran e Jankauskas. Por muito que eu tivesse gostado deles não me parece que mereçam essas nomeações. O tal golo que o Hugo fala do Yuran nem sequer deu para ganharmos o jogo (ficou 1-1) e apenas me lembro de um "golo decisivo" do Jan (contra o Boavista).
Mal estamos se começamos a honrar um jogador por um ou dois bons jogos. Como disse acima, isso é para outras paragens.
Cumprimentos a todos e esta tb é apenas a minha opinião. Não levem a mal!

Luís Carvalho disse...

Que exagero.

Deixem o "pobre" do Falcao, que ainda agora chegou, crescer em sossego e "com muita tranquilidade".

Jardel, obviamente, foi de longe o melhor "matador" de todos.
Os números são esmagadores.

nobigdeal disse...

como diz o autor do artigo são sempre escolhas sujeitas a muita subjectividade e ao tipo de futebol que cada uma aprecia.

colocada a questão em termos de "avançado", pessoalmente escolheria o Lisandro por fazer todos os lugares no ataque;

como "ponta de lança" ou "goleador", sem dúvida Gomes e Jardel.

Unknown disse...

Kostadinov foi um senhor futebolista. Um perigo, mesmo sozinho. Provavelmente, o meu favorito.

Também colocaria nessa lista o Drulovic, e em destaque. No entanto, o Hugo esqueceu-se de um bastante importante: Paulo Futre.

Boas recordações que essa lista traz!

Anónimo disse...

Para mim o Jardel era bem superior ao Gomes e mostrou que marcava golos em qualquer palco ou prova. O Gomes passou discretamente por Espanha e nunca brilhou na selecção pelo que, sem desmerecer dos seus dotes de goleador, ficou sempre a sensação de que era essencialmente um produto para consumo interno.

Domingos e Kostadinov formaram a melhor dupla de pontas-de-lança de que me lembro no FCP e classificaria ambos acima do Gomes e logo a seguir ao Jardel. Ambos metiam no bolso qualquer um dos outros membros da lista do Hugo, tecnicamente falando.

Ricardo Rocha disse...

Sem qualquer duvida, Jardel no topo. Colocacao e movimento na area, brincava com o fora de jogo como ninguem. Golos de memoria, de cabeca mais que muitos, Farense pe' esquerdo de primeira em casa (fez outro igual com o pe' direito ja' nao sei onde - guimaraes em casa?), bicicletas. Enfim... eu gosto dos que correm muito, mas destes ha' bem menos.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Hugo,

Excelente iniciativa.

Como já aqui se disse, para mim o Jardel foi o melhor ponta-de-lança de que me recorde, não só da era Pinto da Costa senão da história do clube. Era uma máquina perfeita de fazer golos, provou no Galatassaray e no Sporting que nao era só um producto das alas bem oleadas do FCP e teve em contra ser de um país que nao apreciam o seu estilo de jogo. Fosse ingles ou alemao e estaria ao nivel de Muller ou Shearer.

No segundo lugar, ex-aqueo, colocaria Gomes e Domingos, dois jogadores eficazes e que dominavam bastantes registos, mas que falharam, como diz o Alexandre, quando deram o "salto".

Atrás viria o McCarthy, perfeito na sua concepçao de jogo colectivo ofensivo, o Kostadinov, um verdadeiro cometa e o Derlei, um avançado de porte e estilo moderno.

Num hipotético sétimo posto lá ficaria o Artur, muito bom mas que se exibiu melhor na sua etapa do Boavista e o Lisandro, que demorou bastante a adaptar-se para quem nao se lembra.

Curioso que tivesses tido o actual ponta de lança do Brasil e ninguém deu conta (nem ele!!) e acabamos por ter um dos poucos Botas de Ouro azuis dos últimos 10 anos e ninguém se quer lembrar do homem. Creio que este ultimo merecia uma menção honrosa mais do que o Jankauskas ou o Yuran, avançados de circunstancia como os Mielkarskis ou Vinhas.

Gosto muito do Falcao e acho que tem tudo para entrar nessa lista, mas quero vê-lo um ano mais sem o colocar em qualquer lista. Se mantiver o nivel tem todas as condiçoes para entrar na parte alta do top.

um abraço

Zero disse...

Escrever "Falcao" em segundo, à frente de Jardel, é wishful thinking um bocado, digamos, infantil. Ok, é uma escolha pessoal...

Falcao é um belo jogador, tem uma grande atitude, é um dos nossos melhores jogadores actuais. Mas ainda não fez "nada", digamos. Com ele, não ganhámos "nada" e também não se mostrou na Europa. Relembro que também Pena marcou mais de 20 golos na Liga na sua primeira época (e o primeiro, na sua estreia, foi soberbo) e hoje ninguém se lembra dele.

Com isto, de todo, não estou a dizer que Falcao é mau (é dos meus preferidos actuais), mas ainda não deve estar nesta lista. Muito menos à frente do melhor "9" que alguma vez vi jogar no FCP, Jardel, ou à frente dos terceiro, quarto, quinto e sexto melhores (Gomes, Domingos, McCarthy e Kostadinov).

Só mais uma palavra para dizer que nmo o Yuran era um péssimo ponta-de-lança (4 golos numa época inteira), o génio dessa altura era o Domingos. Muito mais importantes foram o Mike Walsh ou o Vermelhinho. Mas lá está, quem nunca os viu jogar...

Bernini disse...

Não há dúvidas que Jardel é o número 1! Como ponta de lança foi o melhor que alguma vez vi jogar.
Jardel ao serviço do FCP marcou em estádios como o Nou Camp, Santiago Bernabeu, Olimpico de Munique, San Siro, entre outros... isso diz muito da sua categoria!

Dispunha de grandes assistentes?? É verdade... o Gomes também...

Daniel Gonçalves disse...

Houve outros avançados centros que não foram mencionados no post, porque não brilharam tanto como oss referidos, como Jaques e o Walsh (que já faziam parte do plantel antes de PDC ser Presidente). Tivemos o Paulinho Cascável que, tapado pelo Gomes, brilhou noutros clubes, o Casagrande que brilhou em Itália; o Rui Águas, o Stephan Paille, o Baroni (penso que era peruano, tapado pelo Domingos e Yran no tempo de Robson), o Mielkarski, e o Pena que foi o melhor marcador do campeonato em 2001.
Discordo que o Jardel fosse um grande tecnicista, era mortífero de cabeça na área, mas era tosco de pés, não adiante dizerem-me que marcou grandes golos com o pé, mas apenas se a bola estivesse pronta a rematar à baliza, pois se fosse preciso correr com a bola dominada com os pés e fintar um adversário em corrida... nada, Jardel não conseguia correr com a bola nos pés, por isso é que nunca conseguiu singrar na selecção brasileira, só entrava nos minutos finais para o "chuveirinho". Fatal de cabeça, talvez o melhor do mundo nesse aspecto, marcava excelentes golos com os pés mas com a bola já pronta a rematar ou depois de alguém lhe ter feito o "amortie", caso contrário correr com a bola e fintar era uma nulidade, lembro-me de grandes jogadas que morriam nos seus pés porque este não conseguia dar seguimento ao lance, só se a baliza estivesse perto e desse para chutar.

Daniel Gonçalves disse...

Quer Domingos, quer Lisandro, McCarthy ou outros eram/são superiores tecnicamente ao Jardel, conseguem correr atrás da bola, algo que o Jardel não fazia, ficava à espera que a bola fosse ter com ele, lembro-me da 2ª mão contra o Manchester nas Antas, e penso que o Edmilson depois de ter passado pelo guarda-redes endereçou a bola para o Jardel que só tinha a baliza pela frente, mas era preciso dar 2 passos à frente para apanhar a bola, Jardel ficou à espera, parado, que a bola fosse ter com ele, consequência: a bola foi cortada por um defesa que correu para a bola, algo que Jardel não fazia corer atrás da bola. E depois Jardel precisava de ter uma equipa a jogar para ele, por isso é que não singrou na selecção brasileiro, ninguém imagina o Roberto Carlos, o Rivaldo ou outros a jogar exclusivamente para o Jardel, a estratégia canarinha era jogadas à flor da relva, com a bola corrida e para isso Jardel não servia. Se não tivessemos o Edmilson, o Drulovic, Sérgio Conceição, O Artur, Zahovic e depois o Capucho para servir o Jardel, o que teria sido dele?

868 disse...

Todos são únicos pelas suas características próprias. Mas todos os que foram referidos tinham de ser mesmo muito bons, já que todos foram Campeões, o que não acontece em listas de outros clubes. Mas o avançado que eu destaco é o Drulovik. Imaginem transplantar o seu cérebro para o corpo do Hulk...
Da lista apresentada voto no McCarthy.

Anónimo disse...

Jardel, Gomes e Walsh (um fantástico cabeceador) eram puros homens de área, e o Falcao não anda lá longe. Jogadores diferentes dos outros aqui mencionados. Técnica e globalmente Domingos, Kostadinov e McCarthy eram superiores a esses quatro, em minha opinião. Se estivessemos apenas a avaliar goleadores não havia discussão, claro, bastava olhar para os números.

Também acho que o Yuran e o Jankauskas fazem fraca figura nestas comparações

Daniel Gonçalves disse...

Ninguém falou no Postiga e no Derlei. O Yran também era bom, não olhem só para o nº de golos marcados, a táctica do Robson na altura era lançar o Yran de início para desgastar os defesas, algo que ele fazia muito bem, e depois surgir o Domingos para finalizar e marcar os golos.

fallengod disse...

Não tem nada a ver com o este assunto mas...
A edição online do "Destak" tem um pequeno artigo sobre as declarações que o vermelho colaço fez na bostatv.
http://www.destak.pt/artigo/64219

Pedro disse...

1- Jardel
2- Mc Carthy
3- Gomes
4- Lisandro
5- Kostadinov
6- Falcao
7- Derlei
8- Domingos

PS: O Jardel era fraco? Mas tá tudo louco? O homem vale 40 golos época, era um fenomeno imparável. No Sporting não tinha assim tanta gente a servi-lo e foi um fenomeno à mesma. Quero lá saber da técnica, foi um fenomeno que duvido que em vida veja novamente.

ZonaDesportiva_Staff disse...

Boas,

Nao concordo na tua lista, o Jardel devia ser claramente o segundo, para nao dizer o primeiro...

RS disse...

Custa-me a crer como é possível o Vinha e o Quinzinho não estarem nessa lista! :)

guedesnet1969 disse...

Como ele disse uma vez "só me falta marcar com a bunda", Jardel foi o melhor, com o Gomes à perna.

Daniel Gonçalves disse...

Eu Nunca disse que o Jardel era fraco, mas sim deficiente a nível técnico, com os pés, e isto qualquer pessoa que perceba de futebol o afirma. Marcava 40 golos por época? Sim, mas no campeonato português, e num clube como o Porto ou o Sporting com alas e extremos a servi-lo, nunca marcaria tantos golos numa equipa brasileira com outro estilo de futebol e quanto esteve no Galatasaray não marcou tantos golos como em Portugal, marcou contra o Milan e o Real enquanto esteve na Turquia, mas o técnico não queria ter uma equipa a jogar só para ele. Quando Hakan Sukur voltou para Galatasaray, trataram logo de despachar Jardel, que esteve para regressar ao Porto (Octávio machado não o quis) mas acabou por ir para o Sporting, não surgiram grandes clubes europeus interessados no Jardel.

meirelesportuense disse...

Também penso que o Jardel foi o maior, quer no número quer na qualidade dos golos...Fez golos fenomenais, como desviar remates que iam na direcção da baliza, golos de letra, de bicicleta, de cabeça e colocadíssimos e alguns, totalmente fora do comum, como um de que me recordarei para sempre, na Luz frente ao Benfica, bola a amortecer no peito, a deixar cair e aí vai bomba (1-3)!...Era um pouco deselegante a correr, num estilo pouco clássico, aliás o Falcao é também um pouco assim, desengonçado -ele que me perdoe, eu também sou desengonçado- mas ninguém se podia distrair, recordo também um jogo memorável em Itália contra o ACMilan (2-3)...E o primeiro jogo dele no Porto, nas Antas, com o Oliveira, entrou só na segunda parte e resolveu um jogo muito encravado...Depois, perdeu-se por Lisboa e disso cabe grande responsabilidade ao Octávio, não o quis, se calhar para ele rumar para o Sporting, com segundas intenções, Clube a que foi ele também parar, passado muito pouco tempo...Ainda é muito cedo para avaliar bem o Falcao, um ano é pouco tempo...Promete muito, vamos esperar.

Azulantas disse...

Obrigado pelos comentários. Tal como disse é uma lista subjectiva, mais por aquilo que me lembro de os ver jogar do que propriamente pelos números, que como diz e bem o Alexandre, nem valia a pena contabilizar, de tão destacado que o Jardel apareceria.

Eu vi-os jogar a todos e por isso escolhi estes. Por sorte são os da era PdC. Eu sou um adepto da era PdC.

Para mim há golos que valem épocas, e aquele golo do Yuran na Luz valeu uma.

Não inclui extremos, e daí não figurarem Futre, Rui Barros, Drulovic ou Quaresma.

Mas quis incluir os avançados totais, aqueles como o Lisandro, o Derlei e o Artur que jogam a toda a largura do ataque.

A única dúvida que tive foi em relação a Hulk. Hulk pode ser um fenómeno como avançado, mas para entrar nesta lista tem de jogar constantemente mais para a equipa do que para os vídeos do Youtube.

Jorge Aragão disse...

É uma felicidade poder escolher tantos grandes jogadores.
Indo aos anos 70, lembro-me de um grande avançado, brasileiro, Flávio, um grande jogador. Só que nesses tempos não ganhavamos.E o Abel, moçambicano, que fazia uma boa dupla com o Flávio e o ... Lemos, o dos 4 golos aos benfas.

Daniel Gonçalves disse...

Meireles portuense: o Octávio Machado não esteve primeiro no Porto e depois no Sporting, foi o inverso, primeiro no Sporting e depois no Porto, portanto não rejeitou o Jardel com segundas intenções de o jogador ir para Alvalade, penso que não quis Jardel para não ter de lidar com vedetas no balneário, o que nos diz logo das capacidades de Octávio. Depois do Porto, Octávio nunca mais treinou outra equipa, salvo lapso meu, foi directo para o quintal dele, tratar dos legumes.

Mário Faria disse...

Queria lembrar Jaburu que foi um tremendo avançado centro tradicional e Madjer que era um fabuloso atacante e fazia muito bem o lugar de (segundo) ponta de lança.

meirelesportuense disse...

"Meireles portuense: o Octávio Machado não esteve primeiro no Porto e depois no Sporting, foi o inverso, primeiro no Sporting e depois no Porto, portanto não rejeitou o Jardel com segundas intenções..."

Daniel:
É bem possível que tenha razão e a caminhada do Octávio tenha sido feita de forma inversa, mas fica a minha ideia quase certeza, que o Octávio rejeitou o Jardel -que vinha com tudo preparado para assinar depois de ter estado na Turquia-, com segundas intenções...Depois disso sempre o vi muito agarrado ao Sporting e mesmo ao Benfica...O que é certo é que ele -Jardel- rumou daqui para o Sporting -onde foi Campeão e mais uma vez o melhor marcador de Portugal- e do Sporting foi para a decadência...Mas quer-me parecer sem o poder afirmar taxativamente claro, que o mister Octávio -Malvado?- quis por esse meio pôr o Porto na mó de baixo -já estaria a preparar um futuro?- e essa foi uma jogada de mestre, preferiu o Pena que passado um ano foi nem sei para onde, Braga?!...Ainda agora, sempre que querem denegrir o Porto lá vão desencantá-lo a Setúbal...Deixem-no estar sossegado na direcção dos Bombeiros Voluntários de Palmela, do Vinho e da Vinha, das Cebolas e das Batatas...Como jogador era raçudo, como pessoa é uma calamidade e um intriguista...

Anónimo disse...

É muito fácil agora dizer mal do Octávio, caro Daniel. Se há coisa que ele sabia fazer era lidar com balneários, e por isso foi um (excelente) adjunto de vários treinadores do Porto. Se depois de cá sair disse umas coisas desagradávies - se calhar umas verdadeiras, outras não - isso não devia ser motivo para ele estar sempre a ser vítima das críticas dos adpetos do clube. Foi um grande profissional enquanto jogador e enquanto treinador e um homem sempre dedicado à casa. Não gostou de ser despedido - o que acontece amuito boa gente.

meirelesportuense disse...

Burmester, se esteve atento a tudo o que o Octávio disse desde que saiu do Porto -e mesmo entretanto, naquela guerra feroz "vomitada" sobre Artur Jorge, só porque este não o levou com ele para o Benfica- , percebeu de certeza que ele tem um ódio de estimação ao nosso Clube e a todos os que não lhe colocam o tapete nos pés...Ele diz que não, mas tudo o que faz parece provar o contrário e depois, sempre que há situações de potencial guerrilha é chamado, aparece nos convívios de casas do Benfica como nos foi mostrado em tempos não muito recuados, dá entrevistas aos Jornais, Tvs e Rádios sempre a levantar suspeições sem apontar o dedo de forma concludente -apenas aos Oliveiras ele rosna de forma clara- e nós percebemos bem, o que ele quer...Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és!...Não digo eu que seja pecado entrar em casa de um benfiquista, não é pecado é até natural são tantos, mas em tempo de conflito convém guardar algumas distâncias para evitar más interpretações sobre os nossos comportamentos...Não é hipocrisia, é inteligência e bom-senso...

Anónimo disse...

Mas claro que o Octávio de hoje em dia se farta de dizer bacoradas e aparecer em más companhias, caro Meireles. Isso é inquestionável. O que eu queria dizer e repito é que, apesar das fracas figuras que por vezes faz, o Octávio tem um grande passado de profissional do FCP como jogador e treinador-adjunto - e isso é também inquestionável e ninguém lhe tira.

Não vamos agora fazer como os bolcheviques que, quando algum deles caía em desgraça, o eliminavam das fotografias.

Também o Gomes disse algumas bacoradas e fez figuras tristes depois de sair do Porto (agora parece reconciliado com a "estrutura"), e contudo todos lhe reconhecemos o grande passado de jogador do clube.

meirelesportuense disse...

Como jogador é verdade, deu tudo o que podia, como adjunto fez bem o seu papel, mas depois tentou ir mais longe do que as pernas lhe permitiam, atingiu o seu principio de Peter e acabou-se, foi sempre a cair a pique e em idiotices pegadas...Às tantas nem ele sabia bem o que dizia, nem quem guerreava...
-Não me comecem a repisar a história dos bolcheviques ou do Stalinismo, apagar alguém das fotografias é hoje mais fácil do que nunca, não conheço esses truques, condenar pessoas ao ostracismo é vulgar acontecer, hoje já cansa, não sou de fazer de conta que sou muito bom rapaz, sou quem sou e digo o que penso, sem querer ofender ninguém, apenas há pessoas que se põem demasiado a jeito...O Octávio é uma delas.
-Sujeita-se a que eu e muitos outros, digam coisas que o podem melindrar, por isso eu lhe peço que fique a cuidar das hortas e da vinha e a tratar dos Bombeiros Voluntários de Palmela...Mas falo apenas dos momentos em que ele assumiu o papel de D.Quixote, nem se sabe muito bem contra quem... Porque não fala ele agora do Joaquim Oliveira e da Olivedesportos?...

Jorge Mota disse...

Ponta de lança ou avançado?

Q eu vi jogar:

Ponta de lança:1-Gomes,2-Jardel,3-Derlei..4-??

Avançado/Med Ofensivo:Madjer,Gomes,Futre,Kostadinov,Jardel,Deco,Oliveira,Derlei,Juari,Jaime Magalhaes,Hulk,Alenitchev,Anderson,Drulovic.Sem ordem.

O jogador q mais gostei do Porto foi:

MADJER

Jorge Mota disse...

Não vamos agora fazer como os bolcheviques que, quando algum deles caía em desgraça, o eliminavam das fotografias.


Nao era so das fotografias..

Jorge Mota disse...

esqueci o DOMINGOS,o Lisandro e o Artur..sao tantos!



Daqui a bocado lembro me de mais

lol

meirelesportuense disse...

Jorge Mota: -Os cemitérios estão cheios de pessoas eliminadas!...Desde que o Mundo é Mundo, quem se colocar à frente dos mais fortes e poderosos vai para o caixote.
Se os cortam das fotografias ou simplesmente os põem no desemprego é irrelevante, não sei o que é pior, se falsificar uma foto se condenar o outro à miséria...Uns são brutos até mais não, outros são mais suaves mas igualmente eficazes...Em eliminar quem se lhe oponha!

Jorge Mota disse...

Meireles,compreendo e aceito o seu comunismo,mas eu prefiro ser vitima do neo capitalismo selvagem e ir para o desemprego, do q ir,com 49 999 999 de pessoas, para 1 qq gulag sovietico(entre inumeras outras possibilidades made in Komite).

Ja agora,o q e q o seu barbeiro disse sobre novo tecnico Nosso Porto?