sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Carimbar a passagem garantida

O FC Porto garantiu a mais que provável presença na Liga Europa vencendo o Genk por 4-2 totalizando 7-2 na eliminatória. Villas-Boas efectuou algumas alterações no onze. Para começar, Beto tomou o lugar de Helton, no meio campo Rúben substituiu Belluschi e Souza, que tinha estado bem no último jogo completou o quarteto. Hulk regressou a Portugal e alinhou ao lado de Falcão.

O jogo começou com um Genk rápido a circular a bola, procurando assustar um Porto desconcentrado e displicente. Aos 23 minutos, Vossen marcou e o FCP sofria o seu primeiro golo oficial da época. Não é que a qualificação tenha sido ameaçada e a sofrer golos, antes em jogos destes que em terrenos difíceis como na Figueira ou Vila do Conde, mas independentemente do resultado da primeira mão o Futebol Clube do Porto tinha toda a obrigação de vencer facilmente o Genk na Invicta.

Reacção imediata mas penálti falhado por Hulk. Onze dias após a sorte ter bafejado a má marcação do penálti na Figueira, Hulk voltou a cometer o mesmo erro. Penálti denunciado, para o meio da baliza e a meia altura... Mas o brasileiro haveria de se redimir através de livre directo, aparentemente com a ajuda do húngaro Laszlo Koteles que parece mal batido.

Na segunda parte, o FC Porto pareceu jogar mais concentrado, procurando cometer menos erros no seu meio campo. Fernando deu a volta ao marcador com um remate traiçoeiro de fora da área para o Genk empatar 2-2 logo a seguir. Mais 3 minutos e Moutinho "saca" mais um penálti que desta vez Hulk tratou de marcar calmamente. E o hat-trick do Incrível surgiria novamente de livre aos 63 minutos.

Ontem à noite, Álvaro Pereira pareceu subir menos o que foi pior, mas Sapunaru não subiu tanto, o que pareceu melhor. Rúben esteve apagado o jogo todo, João Moutinho controlou bem o meio campo e Souza voltou a mostrar ser um bom médio, bem adaptado e com boas capacidades.

Concluindo, Villas-Boas quis claramente ganhar o jogo, principalmente com um provável puxão orelhas ao intervalo, ao mesmo tempo que experimentou algumas alternativas e deu alguns minutos de descanso a Falcão e de jogo a Castro que esteve perto do golo. Ainda não foi desta que os portista viram Walter, o Bigorna.

É natural que este Porto não esteja a 100%, apresentando alguma deficiências, mas é óbvia a evolução da equipa, o bom entrosamente de alguns jogadores, especialmente no meio campo com os reforços Moutinho, Souza e até o renovado Belluschi. Mas mais importante que tudo, é bom ver que a equipa tem capacidade de reacção para mudar o rumo ao jogo, para alterar os seus "processos" e posicionamento. Este é um Porto que está a evoluir, evita a previsibilidade e procura a baliza desde o início.

12 comentários:

José Rodrigues disse...

Missão cumprida. Algumas afinações a fazer, mas dado o contexto do jogo não se podia pedir mais, sinceramente.

Até foi bom q sofressemos golos de forma a possam analisar o q correu mal com mais atenção de forma a melhorar no futuro.

Deu para rodar um bocado, o q tb é bom.

Mas uma coisa é certa, dá muito mais gosto ver este FCP q não se mete recuado na expectativa quando se vê a ganhar.

Agora é evitar no sorteio o Man City (do 2o pote) e o B Dortmund ou o Nápoles (do 3o pote).

Miguel Pereira disse...

Tive de ouvir o jogo à distância e pelo que percebi a primeira parte foi bastante frouxa.

No segundo tempo funcionou o puxão de orelhas e a atitude mudou mas também é compreensivel um relaxamente competitivo numa eliminatória que nunca esteve em risco, particularmente com a série de dois jogos à semana que vamos ter.

O Hulk nunca seria a minha opção para marcar penaltys e ontem voltou a dar-me razão. O Micael esteve adormecido, mas o Varela quando entrou pareceu ainda mais desastrado. Foi bom ter visto o Castro a ter a sua oportunidade, acho que o AVB está a fazer uma gestao muito inteligente do plantel que tem.

Esperemos que quarta-feira se aclare de uma vez o caso RM porque vai determinar os inscritos na fase de grupos (hoje somos cabeças de serie, mas há viagens bem chatas no horizonte) e o espirito do colectivo. Um bom grupo hoje e uma vitória contundente frente ao Rio Ave e temos de nos render a um inicio de época que acho que ninguem esperava.

um abraço

Nuno Nunes disse...

Parece-me que o Rolando é mal batido pelo avançado Vossen nos 2 golos do Genk. Partindo do princípio que a defesa precisa sempre de um central duro, de marcação e outro mais suave, se o novo argentino for tão bom quanto se diz poderá ser Rolando a sair e não Maicon como toda a gente espera.

O jogo do FC Porto é estranho e atípico desde que Villas-Boas chegou. Não sei explicar o porquê mas sinto que a equipa se apaga totalmente durante minutos e de um momento para o outro acorda furiosa e encosta o adversário às cordas. Tudo parece pensado, até as pausas que o FC Porto imprime no jogo. Ontem notou-se algum nervosismo depois do golo do Genk.

Leceiro disse...

Nunes, foi uma situação nova desde o início da temporada, nunca a equipa se encontrou numa situação de desvantagem e reagiu muito bem, sacando logo um penalty que o verde se encarregou de falhar. A partir daí existiu alguma intranquilidade, sobretudo na defesa. Sentiram a falta do Helton? Talvez, apesar do Beto não ter culpas nos golos sofridos (o primeiro é um golo de execução extraordinária, se este Vossen for baratinho, não sei não...) falta-lhe a voz do comando que o Helton dispõe nesta altura.

Em suma, um jogo em ritmo de passeio com demasiadas baldas na defesa e um regresso em grande do Hulk, venha o Rio Ave e já agora um sorteio que evite deslocações ao leste da Europa.

meirelesportuense disse...

Concordo com a generalidade dos comentários e a análise ao jogo.A defesa mostrou novamente alguns desacertos, bola que bata no terreno e suba bastante desconcentra e desenquadra de que maneira, os centrais...Também admito que eles tenham características muito aproximadas, o que faz com que abordem os lances de forma muito semelhante e se confundam muitas vezes...Ainda por cima o Álvaro Pereira, ontem, esteve menos bem e condescendeu bastante com quem lhe passava no corredor.
O Fernando, em alguns momentos, confundia-se com um dos centrais.
Continuou a errar na colocação da bola em distâncias um pouco mais alongadas...Tem que melhorar este aspecto.
À frente voltei a gostar do Souza, o mais esclarecido e geométrico.
Hulk tem de tudo um pouco, trapalhão, voluntarioso, egoísta, repetitivo, surpreendente, desequilibrador, rematador. Tem que pôr a cabeça a trabalhar um pouco mais, obrigar-se a que seja a inteligência a ditar o que há-de fazer e não abandonar-se à pura repetitividade.

Miguel Pereira disse...

O regresso do Quaresma e dois rivais muito, muito acessíveis que permitem tentar rematar o grupo em 4 jogos ou, pelo menos, nao prestar desatençoes na liga havendo sempre a hipotese de sumar o minimo de 12 pontos para seguir em frente com bulgaros e austriacos.

Daniel Gonçalves disse...

Concordo com o que já foi dito, apenas acrescento que vamos ter de "fabricar" um Stephan Demol para marcar os penaltys, o Hulk não me parece o jogador apropriado, e tem de ser treinado a marcação de penaltys nos treinos, o Micael no Nacional era responsável pela marcação e saíasse bem.

José Correia disse...

No dia em que Otamendi passou nos exames físicos, a dupla Rolando - Maicon chumbou (definitivamente?) no relvado molhado do Dragão.
Com a saída do Bruno Alves, esta dupla teve a oportunidade de se consolidar e impor como a dupla titular, mas tem cometido erros crassos em quase todos os jogos e, desta vez, o Genk aproveitou dois desses erros e marcou dois golos.

José Correia disse...

Com a fartura de opções de qualidade que tem para o meio campo, não me admirava que o AVB viesse a apostar num 4-4-2 em detrimento do 4-3-3 que anunciou inicialmente.

José Correia disse...

Com a eliminatória ganha, fez todo o sentido que AVB poupasse Falcao, substituindo-o aos 56 minutos.
O que eu não percebi é porque razão entrou Varela em vez daquele que, teoricamente, será o seu substituto natural - Walter. Ainda por cima, o "bigorna" precisa de jogar para ganhar ritmo de jogo e algum entrosamento com os seus companheiros de equipa.
Porque razão é que Walter (que esteve a aquecer) não entrou? Será que os seus índices físicos estão assim tão mal, que nem dá para aguentar 30 minutos?

Dragaopentacampeao disse...

Para quando uma nova exibição comparável com a da Supertaça?

Este FC Porto, continua em progressão lenta, alternando coisas más com coisas boas. Entram demasiado confiantes, lentos e desconcentrados. Esta atitude acaba por ter reflexos negativos, como se viu neste jogo frente a uma equipa que se apresentou bastante desfalcada. Não havia necessidade!...

Depois de acertadas algumas agulhas a normalidade aconteceu, com a maior classe e superioridade a virem ao de cima.

Fernando e Hulk foram as estrelas mais cintilantes da noite.

Inqualificável a atitude inicial dos adeptos belgas que mereceram por inteiro a carga policial para os pôr na ordem.

Um abraço

meirelesportuense disse...

O Walter vai ter de queimar muita chicha!...Aqueles abdominais estão repletos de gordura.Parece a Cintura Industrial.Daqui por dois meses conversamos...