segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Um Braga low cost


«E qual foi a ideia que permitiu ao Sp. Braga constituir um plantel "low cost", por comparação com os três grandes, mas que lhe permite ombrear desportivamente com os melhores a nível nacional e brilhar na Europa?
Mais do que tudo o resto, o Sp. Braga ocupou o espaço deixado livre pelos grandes no mercado interno. Todos os anos o clube de António Salvador reforça-se com alguns dos melhores jogadores das equipas secundárias da Liga. Este ano foi assim com Lima, foi assim com Sílvio, foi assim com Leandro Salino, como no passado tinha sido com Evaldo, com Mossoró, com João Pereira.
Antigamente, os jogadores que se evidenciavam nas equipas do fundo da tabela tinham como destinatário um dos três grandes emblemas, o que deixou de acontecer quando a Argentina e o Brasil se tornaram a fonte de quase todas as contratações dos grandes.
E o Sp. Braga soube ocupar esse espaço como ninguém, a que juntou uma criteriosa escolha de treinadores, que fazem com que pelos minhotos tenham passado nomes como Jesualdo Ferreira e Jorge Jesus, antes de Domingos Paciência demonstrar estar também talhado para altos voos.»
Francisco J. Marques
in semanário Grande Porto, 27/08/2010


O FC Porto também tem feito contratações baratas no mercado interno, algumas de sucesso (ex: Rolando, Cissokho, Varela) e outras nem tanto (ex: Lino, Miguel Lopes). Mas não há dúvida que, nos últimos anos, o Braga tem sabido aproveitar os "desperdícios" dos grandes - Evaldo, Alan, César Peixoto, Luís Aguiar, João Pereira, Hugo Viana -, bem como, o mercado low cost para potenciar jogadores com pouco curriculum. É, claramente, uma das razões do seu excelente desempenho desportivo e financeiro.

8 comentários:

meirelesportuense disse...

Concordo com o raciocínio do Post.
Muitos jogadores que aparecem e se evidenciam no Futebol indígena são agora pescados pelo Braga, Guimarães, Marítimo ou Nacional...Mas também por Clubes ainda menores...O que leva a que os grandes se virem para outros mercados supondo que assim pagarão menos, o que na maior parte das vezes nem é verdade.
Não é verdade que aqueles sejam mais caros e têm a vantagem de terem sido vistos e observados de forma mais profunda e prolongada, ainda por cima no terreno em que se supõe irão actuar.

David disse...

Acho que está a ver a coisa ao contrário, meirelesportuense: é por os grandes ignorarem o mercado nacional que os Bragas deste mundo o aproveitam.

Por outro lado, o Braga poderá aproveitar o mercado nacional mas também não privilegia o produto nacional. Será que este está assim tão fraco, ou foi todo para Chipre, onde jogam várias dezenas de futebolistas portugueses?

José Correia disse...

Algumas das principais contratações do Braga em 2010:
Miguel Garcia, Olhanense, 50 mil euros
Luís Aguiar, Dínamo Moscovo (Rus), Empréstimo (em duas ocasiões, Janeiro e Agosto)
Hélder Barbosa, FC Porto, Troca (Pawel Kieszek)
Sílvio, Rio Ave, Troca (Tiago Pinto, Mendes)
Quim, Benfica, Custo zero
Lima, Astral, Custo desconhecido
Leandro Salino, Nacional, Custo zero
Elderson, Rennes (Fra), Custo zero
Élton, Vasco da Gama (Bra), Empréstimo
Felipe, Corinthians (Bra), Custo zero


Principais vendas:
João Pereira, Sporting, 3 milhões
Evaldo, Sporting, 3 milhões
Eduardo, Génova (Ita), 4,5 milhões

José Correia disse...

De acordo com uma notícia da Lusa de 11 de Agosto passado, nas transacções de jogadores feitas entre Janeiro e Agosto, o Braga tinha obtido um lucro de 10,45 milhões de euros. E não me parece que o plantel do Braga esteja mais fraco, bem pelo contrário, ao ponto do Meyong e do Custódio terem ficado de fora da lista de jogadores para a Liga dos Campeões.

868 disse...

Eu lembro-me de no Dragão se comentar que o Alan não era jogador para um grande, assim de gozar com isto: http://rascordonline.planetaclix.pt/que_deles_JP.html

O Braga tem a vantagem dos jogadores não sentirem a pressão de um grande e é mais facil eles demonstrarem o seu valor, apesar de não sair nenhum fora de serie.
Num grande é logo assobiado se fizer asneira e fica logo com o rotulo de não ser para um grande.
Mas o Braga não foi buscar um Deco e negocios como esse não há muitos (1 taça UEFA e 1 Taça C.E.)

meirelesportuense disse...

Pegando nas palavras do 868 é completamente verdade que o Alan e o Luís Aguiar, por exemplo, foram considerados por muitos Portistas como não tendo valor para a nossa equipa, faziam parte do tal contentor...E quem fala no Luís Aguiar, podemos também lembrar o Renteria, ou no sentido contrário o Orlando Sá...Portanto, podemos concluir que não é fácil jogar num grande.
E este raciocínio responde de alguma forma ao que disse o David, os Clubes de projecção média tem que se contentar com os excedentários dos grandes, mas com isso, com a sua conhecida incapacidade financeira ou dizendo melhor -para evitar melindres-, com a menor capacidade financeira, têm alguma vantagem, se o Porto tentasse contratar o Leandro Salino ao Nacional levava com uma proposta de cair para o lado, o Braga consegui-o a custo zero!...

David disse...

meirelesportuense,

O Renteria nem em Braga se impôs!Deve ser a pior contratação de sempre do FCP sob o prisma preço/qualidade.

O caso-Luís Aguiar é um mistério: ninguém percebe como se prescindiu dele e se foi insistindo em Tomás Costas e Guarins! É de bradar aos céus, mas devo ser eu que só sei dizer mal.

Se o Braga contratou o Salino a custo zero, provavelmente o rapaz estaria em fim de contrato, não lhe parece?

meirelesportuense disse...

"Se o Braga contratou o Salino a custo zero, provavelmente o rapaz estaria em fim de contrato, não lhe parece?"

David:
Eu não sei, você sabe?...Mas se o rapaz estava em fim de contrato e era assim tão bom, porque é que o Nacional não prolongou o vínculo?...
Perguntas difíceis de responder.