domingo, 17 de outubro de 2010

Um bom chefe de família...

Ser do FC Porto era ser o que o FC Porto era: um clube a fechar-se dentro de uma região, a olhar todo o resto de Portugal como um espaço de inimigos em delírio, de mouros a abater. O Benfica dava-me a imagem oposta: a ilusão de um universo sem limites
Carlos Móia, presidente da Fundação Benfica


Eu nunca tive dúvidas acerca das minhas escolhas clubísticas, mas ao ler estas declarações (feitas na casa do slb de Ovar) reforço a minha convicção.
Não sei se este senhor, que tem 64 anos (já tinha idade para ter bom senso e não dizer tantos disparates), faz parte daqueles que dizem ser benfiquistas desde pequeninos. Provavelmente sim, porque na década de 60 era habitual a expressão "quem não é do benfica, não é bom chefe de família"...

P.S. Dia após dia, dirigentes, comentadores e jornalistas afectos ao clube do regime continuam a semear ódio e a incendiar o futebol português. Se no dia 7 de Novembro houver alguma desgraça no estádio do Dragão, ou nas suas imediações, já sabemos quem são os autores morais. E, nessa altura, esses senhores escusam de surgir em público a chorar lágrimas de crocodilo e a envergar as vestes pudicas de virgens impolutas.

19 comentários:

Pedro disse...

espero que aqueles que publicamente se manifestam em nome do seu Portismo, carreguem bem sobre esta gente e não deixem passar em claro este ódio que já vai passando os limites do futebol

iur disse...

Mais um insulto que fizeram bem em denunciar e que nenhum Portista deveria deixar passar em claro.

Orgulho-me de ser português mas cada vez sinto mais nojo em ter de admitir que sou concidadão desses filhos da puta.

miguel_canada disse...

Talvez fosse melhor o FCPorto e os Portistas deixarem passar o circo e aguardarem pacientemente pela resposta dada dentro das quatro linhas.
Há semanas que o Benfica anda a "preparar" o jogo da décima jornada e sinceramente, acho que a nossa melhor resposta passa pela indiferença e por um grande jogo de preferência com uma vitoria clara e sem espinhas.

Estes gajos sabem bem que se perdem no Dragão estão bem fodidos. Vai-se a moral e a confiança na reconquista do titulo leva mais uma bofetada violenta.

Eles vão tentar por todos os meios possíveis agitar as águas tranquilas em que o FCPorto tem navegado, vão tentar que desviemos as nossas atenções daquilo que é fulcral, preparar a equipa para um grande jogo e para uma grande vitoria.

Reitero que a nossa melhor resposta é a indiferença e a manutenção da concentração máxima naquilo que é realmente importante; que a equipa jogue e marque golos.

O que se tem passado não é nada quando comparado com o que ainda estará para vir.

Aposto com quem quiser, o dinheiro que quiserem, que a equipa do benfica vai entrar no jogo do Dragão com uma postura de agressividade máxima que se ainda por cima tiver a colaboração de um arbitro como o "pode ser" na supertaça, vai tornar o jogo muito complicado de gerir no que concerne a concentração e serenidade mental dos nossos jogadores.

Repito, esses gajos vão tentar tudo, mas tudo mesmo, para não perderem no Dragão.

cinemadafebre disse...

Eu acho que a frase "a ilusão de um universo sem limites", diz tudo. O problema deles é mesmo esse... depois de tanta expectativa criada, fomentada e manipulada pelas maquinas de propaganda lá de baixo, tudo não passou duma ENORME ilusão e hoje em dia quem se está a fechar dentro duma região é o clube do regime. Deve ser a tal Justiça Divina que o Pinto da Costa referiu.

Amphy disse...

Julgo que não devemos deixar que este acto premeditado de levar o ódio (absurdo) ao extremo, interfira no caminho de uma época de grandes sucessos portistas.

Se porventura ocorrerem cenas de menor dignidade relacionadas com o jogo com o benfas, a responsabilidade será sempre de quem as pratica. Não concordo com a violência física ou moral nos jogos de futebol. Também não gosto de ver indivíduos a criticar actos de violência dentro das 4 linhas - por ex: lance da lesão do Anderson - e depois a regozijarem-se com pedras atiradas a autocarros. Nós portistas devemos ser melhor que isso.

Também não gosto de ver o nosso técnico a responder a provocações de indivíduos que não são técnicos de outras equipas, mas presidentes, vices, comentadores ou outra coisa qualquer. O nosso treinador deverá responder no campo com exibições demolidoras. Vejam o caso do Guardiola. Ganhou tudo o que havia para ganhar sem ter de baixar o seu nível perante ninguém. E quanto às outras equipas, bastava derrotá-las no campo. O FCPorto tem dirigentes suficientes para colocarem a pressão suficiente sobre todos os agentes desportivos da liga, federação ou arbitragem, para que a balança não penda toda para o lado dos vermelhos.

Assim, deixem-nos vir sem problemas, não agridam a bófia que têm filhos e família, façamos a festa nos estádio. No final lá vão embora cabisbaixos depois de uma suprema humilhação. Esta deveria ser a nossa vontade.

p.s. - Devo dizer que apenas existe um clube no mundo que gosto que perca sempre e costuma equipar de vermelho, mas não tenho ódio aos simpatizantes só por causa disso. Toda a gente tem defeitos.

Bem hajam.

meirelesportuense disse...

Se eu ler melhor estas palavras, elas quererão dizer que o Carlos Móia já foi Portista e depois achou melhor ingressar no grupo dos benfiquistas, porque estes lhe garantiam "a ilusão" de pertencer a um Universo mais alargado?...O Universo é o mesmo, seja eu Portista ou VilaCondense!
Mas eu entendo, era esta a mentalidade do meu tempo, ser Portista era ser pequeno, ser Sportinguista ou Benfiquista era ser dos GrandesMaioreseMelhoresdoPaísFascista em que vivíamos!...Triste ilusão a deste finório...

meirelesportuense disse...

E reparem que ele lê o que está a dizer, o que é bem diferente de falar de improviso que é a melhor forma de dar corpo inteiro ao coração...

Daniel Gonçalves disse...

"a olhar todo o resto de Portugal como um espaço de inimigos em delírio", toda a frase deste senhor é de uma hipocrisia e desonestidade intelectual, e passo a explicar: de facto, durante o Estado Novo, o Porto (clube e cidade) eram ostracizados, porque eram o símbolo da resistência ao regime, basta lembrar a recepção da cidade a Humberto Delgado em 1958, ora o clube do regime, SLB, procurou por todos os meios (políticos, económicos, sociais e culturais) menorizar os feitos do FCP, daí que o nosso clube se visse em determinada fase da história como um ilha solítária dentro de um Portugal inteiro "sufocado" pela ditadura, daí não se pode tirar a ideia, que estes benfiquistas intelectualmente desonestos tiram, que queriamos abater todos os outros, não, nós queriamos era afirmar a nossa individualidade, eles (SLB e Estado Novo) é que procuravam abafar toda e qualquer diferença e afirmação de indepêndencia pessoal, para eles todos tinham de pensar da mesma forma, como é apanágio dos Totalitários. Este senhor, Carlos Móia HIPÓCRITA, possui vestígios dessa mentalidade benfiquista que era típica no Portugal do Estado Novo.

David disse...

Amphy,

Congratulo-me e comungo das suas palavras. É raro ver-se alguém pensar assim, e ainda menos dizê-lo.

Também acho que o nosso treinador não devia dar troco a presdientes de outros clubes, mesmo quando estes o criticam. E se de um modo geral critico o silêncio dos nossos dirigentes, neste assunto da recepção ao Benfica acho que o silêncio é a melhor resposta. Mas como normalmente andam calados (a não ser quando há jantares nas casas do FCP, ocasiões que o presidente privilegia para usar da palavra) ficamos sem saber se este silêncio é propositado ou apenas a prolongação da inércia.

maniche disse...

Se é verdade que QUEM SEMEIA VENTOS, COLHE TEMPESTADES, também não é menos verdade QUE OS CÃES LADRAM E A CARAVANA PASSA! Como não se poderá(?) repetir a rábula dos túneis, estão a RESOLVER AS COISAS POR OUTRO LADO. E uma delas é a GUERRA PSICOLÓGICA que estão a fazer, que é uma incitação tácita à violência, mas vestindo capa de anjinhos. Estejamos atentos às provocações, crentes de que VOZES DE BURROS NÃO CHEGAM AO CÉU!

Nelson Machado disse...

No jogo da 2ª volta no estádio da falha de luz é que é preciso ter cuidado que eles já andam a treinar.

meirelesportuense disse...

Boa Nelson, nem o tratador do seu(?) "símbolo" eles respeitam...Mas o tratador é Espanhol?...A Águia também será espanhola?...Bem me parecia.
-Eles têm o Roberto, o Javi, o Juan e a ÁguiaFranquista!...

meirelesportuense disse...

Ó Barnabé toma lá Molho!...

Saci Pererê disse...

Tudo isto é triste tudo isto é fado. É deixa-los falar.

O FC Porto só tem que estar concentrado no seu futebol, e eles que continuem com a patetice. Quanto mais barulho fazem fora das 4 linhas mais se demonstra que dentro delas nao têm argumentos.

Estou de acordo com a o silencio como forma de resposta a estas provocaçoes, por parte da estrutura portista. Creio que denunciado pelos blogs azuis e pelos comentadores que representam as nossas cores é mais que suficiente.

Nao sou um sonhador e acredito que como em outros derbys haverá problemas com adeptos, e caso o clube do regime queira dar meia volta e zarpar, eu fico igualmente contente. Nessa altura alguém tem que dar o murro na mesa e voltará o bom-senso ao futebol português.

Mefistófeles disse...

"Repito, esses gajos vão tentar tudo, mas tudo mesmo, para não perderem no Dragão".

Não podia estar mais de acordo ! O circo está montado, muito cuidado com estes palhaços...são capazes de tudo, como bem o sabemos.

Concentração máxima no campo e fora dele é o que se pede. Uma vitória expressiva e sem espinhas também.Um público gozão mas ordeiro, sem atirar "tomates" aos palhaços. Antes deixá-los fazer as figurinhas tristes habituais e saírem vergados ao peso de uma derrota humilhante. É isto que mais desejamos e oxalá assim aconteça.

Pedro disse...

Fiquei na dúvida se o meu comentário anterior foi devidamente remetido. Portanto aqui vai outra vez

Concordo com a não resposta dos dirigentes do FCP a estas provocações, sob pena de acusação pelos escribas de regime em "incendiar" o ambiente.
É deixá-los a falar sozinhos.
O PC da costa já foi acusado com o LFV de incendiàrio, por alguns iluminados! A estes fulaninhos digo e respondo: O Pinto da Costa?! O homem tem estado sempre calado sem responder às provocações seus FDGP!!!!

Como diria o Galo Tião:
Pssst! Shhhhhh! Deixa-os poisar!

Um abraço
Pedro C.

FernandoB disse...

Por curiosidade !

De que vive o Sr. Moia ?

Ainda dos subsidios ao Maratona ? !!!!

David Duarte disse...

Infelizmente incendiar o futebol português é o que os dirigentes do Benfica e do Porto mais fizeram durante os ultimos 25 anos.

Sobre o FC Porto como clube que se fecha dentro de uma região e que apenas vê inimigos fora das suas "fronteiras", não se pode negar que tal seja a atitude de muitos adeptos portistas.

Se esta atitude era compreensivel nos finais dos anos 70 e nos anos 80, quando era necessario reconstruir um clube, motivar adeptos (e que melhor maneira que encontrar um inimigo comum : Lisboa e mais precisamente o Benfica... não me esqueço que nos anos 80 e inicio dos anos 90 a musica mais cantada nas Antas era "so queremos ver Lisboa a arder"), neste momento ela não faz sentido. Néao somente o porto goza hoje de um reconhecimento internacional, como igualmente este estatuto fez com que o Porto ganhasse adeptos por todo o pais e inclusivé em Lisboa onde ja ha uma grande massa associativa portista. Continuar com este discurso da divisão ja não faz sentido (se não me engano, neste ponto havia uma grande contestação do Rui Moreira em relaçao à direcçao do clube).

P.S.: Porque acabo de me lembrar dos jogos nas Antas nos anos 80 e 90, lembrei-me igualmente do homem da corneta que estava sempre presente (ele e a sua corneta valem todos os milhares dos SD). Que é feito desse homem? Imagino que ja tenha falecido...

José Correia disse...

David Duarte disse
«não me esqueço que nos anos 80 e inicio dos anos 90 a musica mais cantada nas Antas era "so queremos ver Lisboa a arder"»

A musica mais cantada o Estádio das Antas? Deve haver aí alguma confusão.