segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Um dano colateral

Antes de ter sido tornado público que Rui Moreira não voltaria a participar no programa 'Trio de Ataque', o jornalista Alfredo Barbosa escreveu um artigo (clicar na imagem ao lado para aumentar) sobre o assunto, o qual foi publicado no semanário Grande Porto da passada sexta-feira.

Desse artigo, destaco a seguinte parte:
«Se bem o conheço, Rui Moreira nunca mais se sentará ao lado de António Pedro Vasconcelos. O Trio de Ataque, tal como existiu durante anos, acabou.
Se bem o conheço, José Alberto Lemos (director da RTPN) considerará que a saída de Rui Moreira não passa de um dano colateral na luta pela audiência.»

Ao contrário de Alfredo Barbosa, eu conheço mal o director de programas da RTPN. Sei que andou pelo jornal Público, pela SIC, pela RDP/Norte e que está na RTP desde 2003. Mas conheço razoavelmente bem o seu braço direito, o benfiquista mais famoso de Paredes, o qual, em Março de 2008, foi convidado para director adjunto da RTPN, tendo na altura José Alberto Lemos afirmado: “Carlos Daniel vai ter uma ligação muito estreita à área informativa, fazendo a gestão da informação do dia-a-dia. Vamos também reflectir em conjunto sobre os programas, o que devemos ou não mudar”.

Depois do que se passou no último Trio de Ataque, em que o próprio pivot do programa chamou à atenção do representante do slb para a ilegalidade que estava a cometer, o mínimo que a direcção de programas da RTPN deveria ter feito era um comunicado, garantindo que não mais seriam toleradas tais situações. Claro que não o fizeram, tamanha é a submissão aos interesses do slb.

Para verem onde a coisa chega, disse-me uma fonte credível que é frequente o cineasta ser visto no gabinete do Carlos Daniel até à hora do programa. E isso é crime? Não, tal como não é crime dois jornalistas da RTP - Carlos Daniel e Hélder Conduto - irem almoçar com Jorge Jesus no restaurante de um conhecido barbudo benfiquista, provavelmente para falarem do tempo...

O que é público e notório é a cumplicidade entre alguns jornalistas e diversos actores do slb. Esse facto, por si só, não põe em causa a sua competência profissional, mas que tipo de imparcialidade se pode esperar desses jornalistas?
Como diz o povo, quem não quer ser lobo, não lhe veste a pele.


Passámos [RTP-N] de um canal regional para um canal nacional que representa todas as regiões do País. Era um canal que nasceu torto e desprestigiado, mas foi traçada uma estratégia para um canal de informação que se foi solidificando e hoje tem uma situação favorável do ponto de vista das audiências e é uma referência no panorama informativo. O canal precisa de crescer mais. E, mais do que estarmos obcecados com as audiências, apostamos antes em trabalhar com a qualidade, que distingue a RTP como serviço público de televisão”.
José Alberto Lemos, 05/06/2009

26 comentários:

nunovinagre disse...

infelizmente Rui Moreira saio,era portista mas imparcial,falava do porto para o bem e para o mal, não existe nenhum comentador ,seja ele de que clube for que se posa gabar do mesmo.

Nelson Machado disse...

A ultima frase deste artigo faz-me lembrar uma comparação que fiz há uns tempos atrás, numa conversa de amigos, entre álcool e mentiras.
Se a mentira fosse crime estávamos todos presos(quem nunca mentiu?) mas se a mentira, assim como a taxa de alcoolemia, tivesse graus de permissão e de condenação, uns teriam apenas multas para pagar mas outros, e é aqui que entra a ultima frase do artigo, estariam uns meses presos ou com a capacidade de verbalizar apreendida.
É como diz o ditado; "Apanha-se mais depressa um mentiroso que um coxo", e para apanhar este nem é preciso ser-se um Usain Bolt.

Alexandre Burmester disse...

Eu também não acho que eles estejam obcecados com as audiências, caro Nelson Machado. Se assim fosse, e por mais adeptos que o Benfica tenha, decerto que eles perceberiam que a benfiquização do programa aliena potencialmente muitos espectadores portistas ou sportinguistas, fazendo baixar as audiências.

Nelson Machado disse...

Exactamente caro Alexandre, ainda para mais quando se sabe hoje em dia que as audiências do benfica já não são o que eram. Aliás, vocês aqui no Reflexão Portista têm evidenciado essa falácia que ainda existe na cabeça de muitos, que o benfica "dá" mais audiências que qualquer outro. Falso, é tão falso como dizerem que são 6 milhões em Portugal pois estudos mais recentes e não encomendados por empresas do grupo benfica dizem que nem aos 5 milhões chegam.
É o tal efeito deixado pelo engenhoso Propagandaminister do Adolfo que mais uma vez é usado com sucesso, porque até Portistas e adeptos dos outros clubes deixam esta prosa passar constantemente sem fazerem a correcção.
E é assim que até convencem o Quinzinho Oliveirinha a dar mais pelas transmissões do glorioso. Por falar(escrever) glorioso, vou escrever(a muito usada na época passada) frase porque deu-me de repente essa vontade. glorioso glorioso nos túneis és poderoso.

Ana Martins disse...

Pois eu, q não conheço nem Carlos Daniel, nem Hugo Gilberto nem José Alberto Lemos, digo:

1) Compreensível a saída de Rui Moreira, mas pouco inteligente. Se queria advogar a questão da ilegalidade daqueles comentários, deveria contrariá-los na substância (como o fez), enquadrando-os na (i)legalidade, mas saindo de cena não a meio do que disse APV. Qualquer coisa como: "posto isto, e uma vez que a direcção de programas da RTPN optou por ser conivente com esta ilegalidade, não me resta outra opção que não alinhar neste pacto lamentável, até ser posta a legalidade". E aí, sim, sair;

2) Incompreensível o comunicado da FCP SAD. Alguém acha que um cidadão rejeita 650 euros por programa (90 mn!)? Estava mesmo a ver-se q qualquer um dos putativos comentadores não iria conseguir resistir (há até qm diga que Lemos retirou o convite a Miguel Guedes). Resultado: alguém vai para lá, ficando - a fazer fé no comunicado, claro - amputado de info do clube (em clara desvantagem perante APV e ROC). Ou seja, FCP em desvantagem;

3) O que eu teria feito: criticar a situação criada, dando estatuto de mártir a Rui Moreira. Entrar em contacto com os possíveis comentadores (já sabemos, são 3 ou 4) e, com eles, pressionar a RTPN neste sentido: vai para lá um nosso SE APV sair.

Se não conseguissem encontrar substituto, iriam ceder mais tarde ou mais cedo.

Assim é que me parece uma "no win situation".

cumps

Zemis disse...

lamento, caros camaradas portistas, mas esta é, na minha opinião, uma falsa-questão; cada um vê para o lado que lhe convém.

os portistas dizem que a CS está manietada aos interesses do slb; os benfiquistas, por sua vez, dizem que cs é avençada e é controlada pelo pinto da costa. por sua vez, os sportinguistas, li há pouco num outro blogue que sigo, que estão todos contra eles (como sempre)... dão, como exemplo, o comentário ao jogo do portugal-dinamarca que, aparentemente (eu não sei que estava no estádio) por esse tal hélder conduto, elogiou demasiado o joão moutinho apenas para valorizá-lo (como se os putativos olheiros dos clubes estrangeiros ricos seguissem as indicações dos comentadores do jogo...)

por outro lado, foi discutido, esmiuçado e debatido o vídeo que o antónio pedro vasconcelos passou no trio de ataque sobre o roberto, como forma de valorização do activo...

enfim, não que eu não concorde com que deva haver um pouco mais de bom-senso no meio desta história toda mas noto, com alguma curiosidade, que das duas facções da barricada se ouvem as mesmas críticas mas em sentidos opostos.

para mim não é crime nenhum o carlos daniel ser benfiquista, gosto até bastante do seu trabalho, nem o hélder conduto almoçar com o jorge jesus (até o pinto da costa o faz, ou fez, e eu, se tivesse oportunidade, faria o mesmo - concerteza que iria aprender algo sobre futebol)...

também não acho criminoso 'a bola' estar directamente relacionada com o benfica tal como 'o jogo' está com o porto. cada um usa as armas e faz o negócio que bem entender. cabe-nos a nós, leitores portistas, seleccionar o tipo de informação que queremos e a atenção que lhes dispensamos...

o que é condenável é ter num programa que se quer cordato e ponderado ter alguém claramente alinhado pela direcção de algum clube a infestar o ódio dos outros e a passar mensagens que todos conhecem. só por isso, eu gostaria que nenhum portista se sentasse ao lado daquela personagem; infelizmente, creio que o dinheiro cantará mais alto, e algum há-de aceitar. o que eu acho triste é que alguém que queria ser tomado como um intelectual, que faz filmes e fala francês, e que tinha uma opinião, minimamente, interessante se tenha transformado num radical extremista que não ideias próprias; mas desses está o inferno cheio...

(peço desculpa pelo comprimento da mensagem...)

Luis disse...

Pois eu acho que esse tipo de programa,só serve a quem não tem mais nada que fazer/ver.
Se qualquer Portista, quiser ir para lá ganhar o vil metal,problema dele.
Não torno a ver mais esse tipo de folhetim televisivo,até por uma questão de sanidade mental.
Por mim podem tomar de assalto todos os canais de TV e toda a CS deste jardim à beira mar plantado.
Quero é que o Porto ganhe e jogue bom futebol!

Pedro Malaquias disse...

Caro José Correia,

Tal como há jornalistas próximos do SLB, também os há perto do SCP e do FCP (ou acredtia que o seu clube não "encomenda" notícias quando lhe dá jeito).

Por fim, uma pequena nota. Já vi variadíssimas vezes afirmar que APV cometeu um crime. Contudo, interpretando a lei considero impossível qualificar tal conduta enquanto tal. Pode achá-la desprezível, pode considera-la uma vergonha, mas crime ela não é na minha modesta opinião de jurista e advogado-estagiário.

Luis disse...

Uma coisa na vida não gostaria de ser:advogado do diabo.
A lei tem subterfúgios que a própria lei desconhece.E assim me fico,mesmo não sendo formado em leis.
A divulgação das escutas sem o consentimento dos visados,é proibida por lei!Aqui e em qualquer parte,até na capital do império.

Nelson Machado disse...

Não estando ligado a este artigo directamente não deixa de o estar de forma indirecta.
Reparem que mais uma vez se prova que há diferenças de tratamento com relação a coisas que se passem com o FC Porto ou com outros intervenientes.
Para uns são enviados ofícios directamente do gabinete do senhor Procurador Geral da Republica a ordenarem recursos em todos os casos em que Pinto da Costa não fosse considerado culpado ou absolvido, para outros... está bem assim, não se chateia mais as pessoas.
Eu não estou a dizer que os Loureiros deviam continuar a serem "perseguidos" mas a dualidade de critérios é de tal forma gritante que isto devia ser dado a conhecer a todo Portugal para as pessoas perceberem pelas suas cabeças como funcionam as coisas... por outro lado.

Nelson Machado disse...

E, com relação ao link deixado por mim no comentário anterior, ainda se pode virar o feitiço contra oS feiticeiroS. Se houver vontade e coragem de avançar com estas decisões contra quem ordenou perdas de pontos e descidas de divisão e outras decisões tomadas à pressa e "em cima do joelho" e contra as decisões de tribunais sem cores clubísticas e obviamente imparciais(mau era se houvesse outros), ao contrário dos senhores que decidiam na Liga até há pouco tempo atrás, ainda vai ser lindo ver certos "bichos" a estrebuchar.

José Correia disse...

Pedro Malaquias disse...
"Tal como há jornalistas próximos do SLB, também os há perto do SCP e do FCP"

Naturalmente, mas a RTP, por ser o operador de serviço público e paga com os impostos de TODOS os portugueses, tem obrigações acrescidas em termos de isenção e imparcialidade.
Assim sendo, é mais grave a proximidade quase promiscua de jornalistas da RTP para com diversos actores do slb. Eu dei dois exemplos, mas poderia dar mais.

José Correia disse...

Pedro Malaquias disse...
"interpretando a lei considero impossível qualificar tal conduta enquanto tal"

Pois é, eu não tenho qualquer dúvida que as leis são feitas assim de propósito, para poderem ser interpretadas conforme dá mais jeito. Mas, independentemente das habilidades e manhosices jurídicas, o espírito da Lei é claríssimo. Conforme referiu Rogério Alves (sportinguista e ex-bastonário da Ordem dos Advogados), "não é permitida a publicação de conversas ou comunicações interceptadas, mesmo que o processo de que fazem parte já não esteja em segredo de justiça, a não ser que haja autorização dos intervenientes nessas conversas. Se não tiver havido essa autorização, que é o ponto de partida que estamos a assumir, então essa divulgação viola a lei e faz incorrer quem a promova na prática do crime de desobediência simples".

Mas claro que o Rogério Alves não percebe nada disto. Quem percebe são os doutos juristas (e são sempre os mesmos) que aparecem na comunicação social a defender as teses que dão mais jeito ao slb.

AFC disse...

2) "...Resultado: alguém vai para lá, ficando - a fazer fé no comunicado, claro - amputado de info do clube (em clara desvantagem perante APV e ROC). Ou seja, FCP em desvantagem;..."

3) "...Entrar em contacto com os possíveis comentadores (já sabemos, são 3 ou 4) e, com eles, pressionar a RTPN neste sentido: vai para lá um nosso SE APV sair."


Viva os canais públicos de televisão :)

cinemadafebre disse...

Essa das audiências é talvez uma das maiores falácias/mentiras/mitos do futebol Português. O Guimarães-FCPorto teve mais 3000 adeptos que o Guimarães-Gertrudes Encornadas. A máquina de propaganda do Vale do Tejo só tem uma agenda, manter o Vale do Tejo no poder e a controlar o dinheiro de todos, custe o que custar e como o FCPorto é um apelo constante à insurreição (por estar sempre a derrotar os representantes máximos do Vale do Tejo, mostrando a toda a gente a ENORME fraqueza do lider), tem que ser denegrido (já que nunca o conseguiram abater, apesar de terem tentado, nem juntar-se a ele). Não tenho a mínima dúvida que estas palavras são interpretadas, pelos provincianos bacocos lá de baixo, como mania da perseguição, mas para mim vêm de carrinho...

Já agora, aproveito para sugerir que façam uma busca no google por "Orelhas o Penhorado"

Mário Faria disse...

Entendo que Rui Moreira sempre foi uma mais valia no programa Trio de Ataque. Soube ser independente, o que valeu, em tempos passados, a constituição de uma segunda lista para o Conselho Consultivo do FCP, na qual deixou de constar, por suposta azia da direcção relativamente a algumas declarações suas.
Hoje, nomeado sócio do ano, RM recebeu a justa “compensação” do seu clube pela sua valiosa intervenção na comunicação social. Vale mais tarde do que nunca.
Preferia que se tivesse mantido no Trio de Ataque, mas respeito a sua decisão que é exclusivamente do foro individual. RM não se comprometeu com ninguém e, por isso, se estava de saco cheio fez o que provavelmente faria.
O futebol caiu numa irracionalidade perigosa, e às vezes é preciso dizer basta e gritar: “não, não vou por aí”. A indignação tem um significado político e pode ser que este gesto possa mudar o ambiente.
Não tenho preferido para ocupar o seu lugar : cada vez vejo menos esse tipo de programas. É preciso equacionar a formatação, escolher criteriosamente os convidados e minimizar o tempo para falar sobre a arbitragem.

Pedro Malaquias disse...

Claro que Rogério Alves percebe (e certamente muito mais do que eu). Porém, a questão é que APV não publicou quaisquer escutas.

A publicação de escutas no youtube é criminosa. Caso as mesmas escutas apareçam num jornal, o mesmo ocorre. Agora, nada impede comentar escutas que são de conhecimento público.

Em suma, o problema está na interpretação do conceito publicar. E em Direito Penal, com o princípio da legalidade e uma série de coisas aborrecidas que lhe estão associadas, é necessário ser-se muito cuidadoso com as interpretações.

José Correia disse...

Se eu pegar num jornal que, de forma ilegal, publica um conjunto de escutas e as for ler, ou citar, para um programa televisivo, estou a fazer o quê?
Pois, a lei dá azo a interpretações diversas, mas o espírito da lei é muito claro naquilo que pretende salvaguardar. E isso é algo que qualquer advogado-estagiário compreende.

David disse...

Isso é como a velha questão de não ser crime os jornais publicarem matéria que está em segredo de justiça. Ou seja, quem comete o crime não é o jornalista e o director do jornal, mas sim quem lhe faculta a informação.

Eu também sou de opinião que comentar matéria ilicitamente publicada não é crime: mal ou bem está no domínio público. E defendo esta posição com base no princípio da liberdade de expressão, que deve, do meu ponto de vista, prevalecer cobre o príncípio do direito à privacidade quando os dois entram em conflito (isto, claro, é um princípio geral, sustentado ou não em jurisprudência).

David. I., Coimbra 1979-84 (boa colheita;-)).

Luis disse...

Boa colheita, é a que defende o princípio,que as escutas só são justificadas em caso de força maior,ex:terrorismo ou atentados aos cidadãos.
Oxalá as escutas nunca cheguem ás " boas colheitas" seja de que ano for.
Senão pudemos ficar a saber que fulano,ou a mulher do fulano,jantou com um amigo de Sicrano.
Brincámos? Quem não tem estofo para o Direito, dedique-se ao big brother ou em alternativa à casa dos segredos.

Pedro Malaquias disse...

José Correia,

Não me vou estar a repetir. Reveja o programa em causa e diga-me se acha que APV "publicou" alguma coisa. Caso tenha um interesse sério no caso, leia os comentários presentes nos diversos Códigos Penais anotados ou pesquise no google sobre o Princípio da Legalidade em Direito Penal. Pode ser que finalmente abandone essa sua ideia.

Atenção, eu concordo consigo quando afirma estarmos perante uma conduta lamentável. Agora não me venha falar em crimes.

Para mais, tendo em conta que estamos perante um crime público, não considera que existem magistrados do MP suficientemente diligentes para abrirem inquérito caso considerassem estar perante uma situação que o justificasse? Ou pensa mesmo que o Benfica controla todos os magistrados do MP?

Ao mesmo tempo, será que sempre que neste blog se refere a escuta de LFV se está também a cometer um crime?

Quanto à parte final do seu comentário, enfim...

David disse...

Boa colheita é também não tirar conclusões indevidas e precipitadas de textos alheios, isto é, não argumentar contra opiniões não expressas pela parte contrária. Soa bem a ouvidos propensos mas não passa de ruído.

A discussão, para sermos claros, não girava em torno da aceitabilidade ou não das escutas na investigação. Em Portugal, aliás, generalizou-se a utilização das mesmas, o que é altamente lamentável, além de ter criado hábitos de preguiça nos investigadores. Tal como o meu ilustre comentador e presumível colega também só defendo a utilização de escutas na investigação de crimes graves devidamente tipificados e na prevenção de actos de terrorismo ou atentatórios da segurança do Estado.

Mas a discussão não era obviamente essa, mas sim se é crime comentar publicamente matéria por outrém divulgada e cuja divulgação constitui ilícito criminal. E quer-me parecer que não, além de ter muitas dúvidas que algum juiz fosse de parecer contrário. Já dei o exemplo dos jornais e o segredo de justiça, onde a óbvia preocupação dos Meritíssimos é defender o interesse público e a liberdade de expressão.

rbn disse...

A já célebre escuta telefonica do orelhas ao major, exibida em rede nacional em horário nobre em todos os telejornais, ficou por isso mesmo...

O orelhas a jantar várias vezes com o ENTÃO presidente da arbitragem Pinto de Sousa vai ficar por isso mesmo...assim como agressões a autocarros, atletas e adeptos do FCP perto ou em Lisboa...

Já qualquer escuta ou simples suspeita que envolva o FCP é motivo de "investigação minuciosa" e alarido nas 1ªs páginas dos 2 papéis higiénicos desportivos lisboetas...

Taí a diferença...mainada...

miguel_canada disse...

O Anderson diz, numa entrevista, que gostava de voltar ao FCPorto.
Porra, eu adorava que o Anderson voltasse ao FCPorto!
E se a gente juntasse umas coroas para trazer de novo o "minino" ao FCPorto?

Luis disse...

Malaquias,
Criminosos só existem no Porto,tal como em Palermo.
Na capital do império é tudo gente impoluta,santa,pura e casta.
Posto isto,espero que se concentre nas suas leis e que durma bem.
Cuidado quando lidar com Portistas,são só mafiosos,a começar por mim. Faça desta máxima jurisprudência e vai longe nos corredores do poder,terá o apoio da mizé.
Mas por favor:largue-nos a braguilha!
Deste que se subscreve atenciosamente,
O Padrinho.

Nightwish disse...

David,
concordo consigo, isto de andar a proteger escutas de manifesto interesse público é andar às avessas num estado de direito onde anda toda a gente a tentar enganar o resto sem ser apanhada.
Quanto a estas em específico, esta leitura do que não está lá cansa. É um comportamento profundamente errado a que os próprios portistas deviam dar mais importência do que à existência das escutas. E, no entanto, nada do que lá está é crime, por muito que insistam no mesmo, ou sequer é único ao PdC.