sábado, 13 de novembro de 2010

No Name interrompem treino


«Cerca de meia centena de adeptos benfiquistas interromperam, este sábado, o treino da formação “encarnada”, que decorria à porta fechada no Centro de Estágio do Seixal, não tendo sido registado nenhum problema de maior.
Os adeptos, alegadamente pertencentes à claque não oficial No Name Boys, entraram pelo centro de estágio e chegaram mesmo a conversar com o técnico Jorge Jesus e com alguns dos jogadores.»
in abola.pt

A Bola esqueceu-se de dizer que estes adeptos eram membros dos Super Dragões, disfarçados de adeptos do SLB que, a soldo do maléfico Pinto da Costa, foram perturbar o treino dos recentes vencedores da Taça da Independência de Angola...

Capa do jornal Record de 14/11/2010

8 comentários:

navegante disse...

alegados adeptos, da alegada claque, do alegado país...

nunovinagre disse...

Realmente o orelhas tinha razoes para ir MAI pedir protecção

Ah pois disse...

Qual claque qual carapuça. Segundo A Bola foram só uns poucos jovens que quiseram dialogar.

Amphy disse...

Caros,

preocupa-me a quantidade de vezes que foi feita a referência ao diário do clube do regime neste espaço de discussão portista.

Em termo de comparação, é quase como se os bispos numa missa em Fátima começassem a citar o Alcorão. Parece que não faz aquele sentido. Com certeza que haverá melhor literatura para nos entretermos.

Ainda assim, a título de exemplo, no nosso clube também já terão acontecido situações semelhantes, o que não poderá deixar de ser considerado "normal" (dentro das normalidades do mundo futebolístico, anormais fora dele). É claro que este acto traduz insatisfação e uma perda do estado de graça em que o clube do regime se encontrava.


Bem hajam.

José Correia disse...

Amphy disse...
"preocupa-me a quantidade de vezes que foi feita a referência ao diário do clube do regime neste espaço de discussão portista"


Sun Tzu, em “A arte da guerra”, aponta com um dos caminhos para a vitória:
Conhece-te a ti e ao teu inimigo e, em cem batalhas que seja, nunca correrás perigo.

Amphy disse...

Caro José Correia,

Partilho a sua opinião acerca do conhecimento do inimigo (neste caso adversário, é diferente), no entanto não me parece que perder tempo a analisar o diário do clube do regime nos possa fazer crescer enquanto clube ou entidade representativa de uma região e de um país. Este diário, qual trovador da segunda circular, entoa os feitos ,os pseudo-feitos e os não feitos da mesma forma, mascarando a verdade a seu bel-prazer, o que o torna em literatura de ficção.

Por isto, não me parece que a leitura deste acto de fé benfiquista nos possa dar conhecimento da equipa adversária, ou até das suas hostes.

Não me consigo esquecer da capa desta bíblia encarnada transvestida de jornal desportivo (tipo Sócrates) no dia 21 de Maio de 2003. Em destaque, quase a totalidade da capa, as novas tranças ou a nova tatuagem do Simão e num canto a indicação que o F.C.Porto jogava a final da UEFA. Como de um assunto de somenos importância se tratasse.

Acredito ainda que quanto mais atenção lhe dermos, mais importância terá, sendo que o desprezo seria o melhor remédio.

Posso até concordar que se analise o que se escreve nesse pasquim quando o objecto de escrita seja o FC Porto, para que se possa agir em jeito de defesa do nosso bom nome, mas não quando o assunto é qualquer outro tema (ficcional ou não).

Para terminar deixo uma citação do mesmo autor da sua:

"Se o mensageiro do inimigo fala palavras moderadas, mas as suas preparações de guerra continuam, ele vai avançar.

Quando o inimigo fala de forma belicosa e ameaça avançar, ele vai retirar."

Ou seja, o que o mensageiro diz pouco interessa no final de contas.


Até logo às 20h, no sitio do costume.

Bem hajam.

José Correia disse...

@Amphy
Infelizmente, vivemos num país em que o inimigo/adversário não são apenas os 11 jogadores que envergam as camisolas encarnadas.
Neste caso, o inimigo/adversário é algo tentacular (comunicação social, política, Justiça, etc.), que extravasa, e muito, os jogadores e treinadores da equipa adversária.

Jorge Mota disse...

Jamais deixarei de estar atento ao fenomeno chungaria moura.Sempre de olho nos movimentos sinistros daquela corja indecente.Sinto me mais protegido!!

Foram esses q tentaram ganhar 1 campeonato de juniores as boladas de golf??..UPS!!..PARALELOS..

Cambada de nazis,traficantes,drogados,mercenarios,selvagens,indigentes e goleados!!