domingo, 14 de novembro de 2010

Três pontos a lume brando


Nos despojos do fuzilamento galináceo da passada semana, um FC Porto desprovido de alguns dos seus mais proeminentes elementos, entrou para a 11ª jornada do campeonato a lume brando, como que ainda verberando os momentos alucinantes do encontro anterior. Dois golos de Walter e Hulk deram expressão ao marcador, num jogo em que o Dragão não foi aquela equipa acutilante e entusiasmante que se tem evidenciado ao longo desta temporada.

Perante uma moldura humana considerável e vibrante, os comandados de Villas Boas não foram capazes de estender o ambiente de festa no estádio para o relvado. Amputado de alguns automatismos que jogadores como Moutinho ou Falcao oferecem ao colectivo, o conjunto azul e branco reflectiu essas ausências na sua dinâmica de jogo. Porém, foi acima de tudo a baixa dos níveis de agressividade e intensidade, que fizeram com que o Porto não conseguisse impor o seu poderio e ser mais dominador como o faz regularmente.

Curiosamente, a ausência de Falcao foi aparentemente bem disfarçada com a presença em campo do avançado brasileiro Walter. O Bigorna voltou a fazer o gosto ao pé na 2ª vez que foi títular, desatando o nó apertado em que o encontro estava enredado. Na falta de um colectivo forte, valeu um “vólei” em grande estilo do nosso ponta-de-lança para quebrar o nulo. O ponto alto de uma exibição interessante do suplente de Falcao, que mostra saber conhecer os truques para se sobreviver na grande área.



Como se não bastasse as ausências forçadas de Fernando, Moutinho e Falcao, Varela ressentiu-se de uma “picada” muscular, obrigando o técnico portista a uma mexida forçada. Cristian Rodriguez voltou para a tentativa de redenção, mas passou discreto a maior parte do tempo. Morno, ao ritmo e embalo do jogo.

Se os primeiros 45 minutos estiveram longe se ser brilhantes, o 2º tempo ainda foi capaz de se tornar ainda mais enfadonho. De tão pouco que se jogou, consequentemente pouco também resta para contar. Apenas a leve incerteza do marcador, pela existência da vantagem mínima, mantinha os níveis de vigília em prontidão. A penalidade convertida por Hulk, já ao cair do pano, colocou um ponto final a um jogo de pouca chama.

De tão habituados que estamos a manjares fartos e suculentos, ficamos desconsolados com serviço de catering prestado esta noite no estádio do dragão. O futebol eminentemente de ataque e assertivo dos homens de Villas Boas meteu gazeta, mas o soberano objectivo foi alcançado sem mácula. Mais 3 pontos para a consolidação do 1º lugar, num jogo em que não ficará na memória, mas tão importante como todas as outras vitórias que nos levarão ao título.

Fotos: uefa.com

15 comentários:

Daniel Gonçalves disse...

Não gostei da atitude de relaxamento e de "pré-época" durante a 2ª parte, fizemos rodar jogadores, como Castro e Ukra. Não estou contra a utilização destes jogadores, mas, com o jogo a 1-0 e o risco do empate, era de exigir mais pressão para marcarmos o 2º golo.

ultrafcporto disse...

Caros portistas,
Sem dúvida que tivemos algumas dificuldades, mas acho que o FCP deu a volta a todas elas, e quando teve as oportunidades soube aproveita-las e facturou mais 3 pontos objectivo cumprido, venha o próximo.
Cumprimentos,
Ultrasfcportomatosinhos

ultrafcporto disse...

Caros portistas,
Sem dúvida que tivemos algumas dificuldades, mas acho que o FCP deu a volta a todas elas, e quando teve as oportunidades soube aproveita-las e facturou mais 3 pontos objectivo cumprido, venha o próximo.
Cumprimentos,
Ultrasfcportomatosinhos

Nuno Nunes disse...

Foi um jogo de ressaca. É estranho que alguns jogadores menos utilizados não tenham aproveitado a oportunidade para fazer um bom jogo: Rúben e Guarín. O madeirense esteve muitos furos abaixo daquilo que é capaz. Está claramente desmotivado. Outro que entrou e nada acrescentou foi o Rodriguez. Este FC Porto foi irreconhecível. Esperemos que se possa apresentar de outra forma em Alvalade.

O problema da equipa neste jogo foi o meio campo composto por Belluschi, Rúben e Guarín. Não estão rotinados e o adversário atou-os bem. O ataque ressentiu-se.

Roberto Tavares disse...

Vitória com sabor amargo!!!!

LESIONARAM O VARELA!!!!!!!!!

Como é possível uma equipa assinar contrato de patrocino quando a época ja vai quase a 1 terço??????

O que eu quero dizer é:

A Sagres patrocina o SLBOSTA e A LIGA, e na semana que a equipa de portimão recebe o slbosta,a 1ª assina um contrato de patrocino com o mesmo patrocinador do seu adversário. E no inicio deste jogo lesionam um jogador do FCP!!!!!! Coincidência???? Não!!!

Chama-se a isto fazer as coisas pelo outro lado! o dr ricardo costa não ta la, logo ha que ser original!!!!!

E diga-se que tentaram por o Hulk na mesma situação do varela!!!

UMA VERGONHA!!!!

miguel_canada disse...

Muito bom:
O resultado e o golo do Walter.

Bom: Belluschi e Helton.

Mau: A atitude relaxada com que se enfrentou este adversário, não pelo facto de perigar o resultado porque o Portimonense ofensivo quase que não existiu mas pela traição aos milhares que se dirigiram ao Dragão para se continuarem a deliciar com o nosso futebol perfumado.

Péssimo: As assobiadelas da nossa massa adepta!!! Que espécie de idiotas é que tem a suprema lata de assobiar uma equipa que lidera com 10 pontos de avanço, que tem dez vitorias e um empate na liga e que acabou de cilindrar o mais maior grande do mundo???

Tripeiro disse...

Não vamos ganhar os jogos todos 5-0. Calma, boa exibição, mais três pontos importantes rumo ao TÍTULO. Isso é que interessa.

Seguimos firmes.

Mais de 40 mil numa noite muito fria, excelente.

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem tivemos uma exibição menos conseguida.

O nosso meio campo, com Ruben e Belluschi não funciona. São dois atletas que não se complementam e que por vezes parecem algo confusos na ocupação dos espaços.

Varela teve problemas musculares, e não estava ao seu melhor nível, acabando por ser substituído.

Hulk ontem esteve algo apagado, pois também não teve um meio campo que o servisse, para criar desequilíbrios vindo de trás.

Alvaro e Fucile tentaram lançar o ataque, mas principalmente Alvaro longe do fulgor dos últimos jogos.

Villas-Boas numa altura que o Portimonense estava a ganhar o meio-campo, soube ler bem o jogo e colocou e campo os aguerridos Castro e Ukra e reequilibraram o jogo.

Nota negativa para o jogador Jumisse que teve duas entradas muito perigosas, e que deveria ter sido expulso.

Estiveram melhor neste jogo Helton, Otamendi, Guarin e Walter.

Walter acabou por também sair desgastado fisicamente.

Nota positiva para o público que numa noite fria, acorreu ao Dragão em grande número ... mas nota negativa para os assobios, que intranquilizam a equipa, há que ter calma, pois nem sempre vamos realizar jogos brilhantes como aquele contra o Benfica.

Abraço

Paulo

http://pronunciadodragao.blogspot.com/

Ana Martins disse...

Caro Roberto Tavares,
"E no inicio deste jogo lesionam um jogador do FCP!!!!!! "

SEgundo percebi, trata-se de uma lesão muscular. Na minha opinião, na sequência de um lançamento para a grande área do Portimonense, ao qual o varela não chegou. Imediatamente, agarrou-se à coxa.

Quanto ao jogo: não gosto, não gostei, mas um campeão também é feito de jogos mal conseguidos com 3 pontos.

Cumps

Dragaopentacampeao disse...

Foi realmente uma exibição muito apagada, aquela que os atletas portistas ofereceram à boa assistência presente (mais de 40.000 é obra!), para assistir a um jogo contra um dos últimos classificados.

Villas-Boas, apesar das suas claras mensagens para o grupo de trabalho, não conseguiu evitar um relativo relaxamento, que a vantagem pontual, sempre provoca no espírito da equipa.

Ainda que as ausências de peso fossem consideráveis, a categoria dos jogadores utilizados exigia outra performance.

Destaques positivos:

O belo golo de Walter;
A manutenção dos dez pontos de vantagem;
O 11º golo de Hulk em 11 jogos do campeonato;
A décima vitória em 11 jornadas;
O 28º jogo consecutivo sem experimentar o amargo sabor da derrota.

Viva o FC Porto!

Um abraço

nobigdeal disse...

também não entendo esta "massa assobiativa", num jogo que se esperaria de comemoração alegre da goleada anterior.

estarão à espera que o Hulk, por exemplo, responda como fez o Quaresma: "talvez para o ano já não me assobiem"?

se fosse adepto de teorias da conspiração diria que são infiltrados :)

meirelesportuense disse...

Jogo mais para cumprir calendário e atenção, que o Portimonense jogou muito bem, ainda que não tenha conseguido tentar muito a finalização, mas ficaram excelentes apontamentos dos dois/três ex-júniores Portistas...Ivanildo, Candeias e André Pinto.
Depois o Hulk poupou-se e resguardou-se um bocado, eles não o largavam...Ukra mais uma vez infeliz, segunda intervenção e segunda lesão no rosto...Não o querem deixar jogar, mas parece-me ter condições para ser muito útil a breve trecho...
Foi penaltie, mas não gostei da "celeridade" -cheirou-me a lambidela- e do momento...

Frangos Roberto 24h aberto disse...

esse pessoal que vai para lá assobiar que compre uma vuvuzela e fique em casa a soprar pros vizinhos!
Estamos em 1º sem derrotas, 10 pontos de vantagem, esmagamos os lampiões e há energúmenos a assobiar a equipa?
Querem o Jesualdo de volta é?
Noutros sítios vê-se as equipas a serem apoiadas mesmo a perder, aqui vê-se a equipa assobiada quando ganha, domina, esmaga!
Enfim, quando o Hulk se fartar depois chorem por ele!

Amphy disse...

Caros,

na altura dos assobios pairava no estádio um sentimento de alguma insegurança no resultado, nervosismo e frustração. Noto que estava 1-0, a Naval ameaçava e mais que isso, os assobios visavam certos jogadores em particular:

- Álvaro Pereira que ontem não teve vontade de correr.

- Rolando que numa subida desajeitada deixou o Otamendi entregue à própria sorte, com dois adversários pela frente. (para mim o lance mais perigoso)

- Rodriguez que também pouca vontade teve de se cansar.

- Fucile pelas mesmas razões.

O Walter não é o típico avançado que distribui jogo, apesar de proteger bem a bola, no entanto pensei que rematava mais forte (até pela alcunha - "Bigorna"). Realço pela positiva o Belluschi, sempre esforçado, sempre inteligente e ainda o Castro, cheiro de vigor e raça.

Pouco mais tenho a acrescentar, a não ser que são 3 pontos tão bons como outros quaisquer, apesar da exibição não ter sido exuberante por forma a presentear os 40000 resistentes ao frio, chuva e granizo.

Bem hajam.

José Correia disse...

Concordo, na integra, com o comentário do Dragaopentacampeao.

Acrescento, apenas, que não é fácil atingir grandes performances se o onze não tiver as necessárias rotinas.