domingo, 26 de dezembro de 2010

O relógio suíço


Em dois dias seguidos, primeiro o presidente do FC Porto e depois o treinador que o lançou na equipa principal do Sporting, destacaram a importância que João Moutinho tem nas equipas em que joga e, particularmente, neste FC Porto 2010/11.

"[João Moutinho] É a mola, o motor de um relógio suíço. Ele não é do Porto, mas também não é de Lisboa; é do Algarve e, já agora, faço-lhe uma inconfidência dizendo-lhe que ele esteve cá a prestar provas antes de ir para o Sporting porque queria vir para cá. E só não ficou porque tinha um irmão que não foi aprovado, e os pais queriam que ambos ficassem juntos. Caso contrário, teria ficado cá. Quando disse que ele era um jogador à Porto, nunca sonhei que fosse possível que viesse para cá. Pela forma de ser, pelo facto de jogar sempre, de ser o primeiro a assumir os problemas, é o tipo de jogador que está de alma e coração em qualquer clube. (...)
Trocar o Raul Meireles pelo João Moutinho não é um risco
"
Pinto da Costa, O Jogo, 25/12/2010


Conforme escrevi em Julho, o FC Porto trocou um médio box-to-box por outro, que é três anos e seis meses mais novo e, além disso, encaixou uns milhões no diferencial das duas transferências. Eu era (sou) um apreciador das qualidades do Raul Meireles mas, quer em termos desportivos, quer financeiros, parece-me óbvio que o FC Porto ficou a ganhar com esta troca.


"Sempre disse que, ao contratá-lo, o FC Porto não corria risco nenhum, nem mesmo tendo em conta as elevadas verbas envolvidas. O João mostrou desde muito cedo que tem qualidades para jogar ao mais alto nível. Há jogadores que marcam mais golos do que ele, outros que são mais criativos, outros mais agressivos, mas difícil é encontrar um jogador como ele: com óptimo conhecimento do jogo e com uma enorme atitude competitiva. (...)
O que digo é que o FC Porto precisava de um jogador como ele, um jogador que participe na organização, que equilibre a equipa. Por exemplo, o Benfica perdeu o Ramirez e o FC Porto ganhou o Moutinho. Eles são idênticos, são jogadores de proteção. No caso do Moutinho, é o trabalho dele que permite maior liberdade ao Falcão e ao Hulk, aos laterais e até ao Fernando. Para haver um bom Belluschi, um bom Micael, um bom Hulk ou um bom Falcão, a equipa necessita de um jogador como ele.
"
José Peseiro, Record, 26/12/2010


Tenho dúvidas que a SAD portista venha a ganhar dinheiro, pelo menos de forma significativa, numa hipotética venda do Moutinho daqui a dois ou três anos. Não só teria de o vender por mais de 11 milhões de euros, como 25% da mais-valia (e os direitos de formação) pertencem ao Sporting. Mas, tal como Pinto da Costa afirmou na entrevista a O Jogo, também, prefiro que os "dez milhões sejam rendibilizados com muitas vitórias e mantendo o relógio sempre a funcionar".

P.S. 4,125 milhões de euros do investimento feito em João Moutinho já foram recuperados pela SAD, ao ter vendido 37,5% do passe à Mamers B.V.

8 comentários:

miguel_canada disse...

Dilema:

Pinto da Costa reafirmou ontem, em entrevista a "OJogo", que todos os jogadores que fizessem parte do núcleo duro do AVB estariam indisponíveis para serem transferidos neste mercado de Janeiro a não ser que fossem batidas as clausulas de rescisão.

Agora, consta, e repito...consta, que o Manchester City estará disposto a bater com 85 milhões em cima da mesa para levar Hulk imediatamente.

Lanço assim a discussão:

Se de facto forem batidos os 85 milhões e mesmo considerando o facto de que a SAD só possui 45% do passe do Hulk, o que fariam vocês? Vendiam?

José Correia disse...

@miguel_canada
Não acredito que o o Manchester City esteja disposto a bater com 85 milhões em cima da mesa para levar Hulk imediatamente. Contudo, se essa notícia de A Bola fosse verdadeira, a SAD teria mesmo de vender e pegar em parte da verba encaixada (38,25 milhões de euros, correspondentes a 45% do passe) e reforçar o ataque com avançados de valia indiscutível.

Amphy disse...

Caros,

parece-me natural que uma mais-valia dessa ordem de grandeza não poderia nunca ser dispensada pelo FCP. Obviamente que o Hulk é um grande jogador e deveremos sempre tentar ter os melhores connosco, mas o FCPorto é uma instituição que se rege (também) pelas mais valias que consegue gerar e esta seria uma grande alavanca, assim que fosse bem utilizada. Repito: bem utilizada!

Bem hajam.

miguel disse...

Este mail foi enviado à 1mês como sugestão de um post aqui no blog, mas ainda bem que abordaram a temática, pois as sad necessitam de saber gerir os seus activos.

Ontem ao desfolhar como de costume o JN fui confrontado com a noticia que 37,5% dos direitos desportivos de João Moutinho por 4,125ME tinham sido alienados a uma empresa de nome Mamers B.V., pelas minhas contas ouve um encaixe de dinheiro, mas não existindo mais valias, o que deixa no ar as seguintes questões:

1- Quem lucra com este negócio? O FCP não é de certeza

2- A quem pertence esta empresa?


Vejamos a seguinte situação, se o Porto conseguir transacionar o passe do Moutinho por 30ME o Sporting terá direito a 7,5ME; a MAMERS terá direito a 8,4375ME e o Porto terá 14,0625ME, se as contas não me falham:
-O SCP irá rentabilizar o Moutinho em 18,5ME ou seja um valor aceitável para a venda de um passe de um jogador na época em que estamos

- A famosa e desconhecida Mamers B.V. rentabiliza o seu investimento em 104,55% podendo afirmar-se que é um excelente negócio

-O FCP rentabiliza o seu activo em 65.34%

Perante estes dados e não sendo expert em negócios de milhões como quem está na SAD do FCP a zelar pelos interesses da mesma (ou pelo menos deveria ser assim), o FCP é aquele que faz o pior negócio, se por um lado:

O SCP libertou-se de um problema interno, mesmo reconhecendo a mais valia do jogador

A Mamers B.V. duplica o seu investimento sem custos acrescidos, ou seja, aplica um valor que em pouco mais de 24 meses lhe poderá render mais de 100% de lucro (pena eu não ter hipótese de efectuar este tipo de negócios)

O nosso clube além dos custos directos que tem com o atleta lucra os míseros 65,34%, não é mau mas atendendo aos lucros dos outros intervenientes parece-me pouco.

Pena não ter visto este negócio mais publicitado e explicado pelas partes interessadas.

Cumprimentos

A. Miguel

Nota: Nos valores apresentados não constam luvas e comissões pagas pelo FCP a intervenientes no negócio, valores esses que reduzem substancialmente a percentagem de lucro.

pedro disse...

a questao nesse caso é que o porto injecta dinheiro vivo e fica com a possibilidade de utilizar o Moutinho. ou seja, o porto é como se so tivesse gasto perto de 6M para o contratar e nao me admirava nada que o Moutinho acabe a carreira no Porto.
Neste caso essa tal de bammers assumiu o risco de o porto nunca o vender ou, pelo menos, de nao o valorizar.

pedro disse...

a questao nesse caso é que o porto injecta dinheiro vivo e fica com a possibilidade de utilizar o Moutinho. ou seja, o porto é como se so tivesse gasto perto de 6M para o contratar e nao me admirava nada que o Moutinho acabe a carreira no Porto.
Neste caso essa tal de bammers assumiu o risco de o porto nunca o vender ou, pelo menos, de nao o valorizar.

José Correia disse...

miguel disse...
se o Porto conseguir transaccionar o passe do Moutinho por 30ME o Sporting terá direito a 7,5ME; a MAMERS terá direito a 8,4375ME e o Porto terá 14,0625ME

Olhando para os valores por que foram vendidos o Lucho e o Meireles nos últimos dois anos, penso que é mais realista estimar uma hipotética venda do Moutinho por um valor a rondar os 15 milhões de euros.
Nesse caso, a distribuição das verbas seria a seguinte:
FCP SAD: 9,375 milhões (correspondentes a 62,5%)
Mamers: 5,625 milhões (correspondentes a 37,5%)

O Sporting teria direito a receber 1 milhão de euros (25% da mais-valia, ou seja, (15-11)x25% ), mais os direitos de formação.

FernandoB disse...

As contas não se fazem bem assim, dessa forma matemática... No caso do Hulk, o empresário que detem parte dos direitos, negoceia um preço pelo qual vende... Pode não ser aritmeticamente o valor que vc fazem sa contas... Descansem que o PC saberá o que fazer... Quem vendeu o Bruno Alves + o Pai, por aquele valor, não vai ser comido...