sábado, 1 de janeiro de 2011

Para memória futura (II)

"Nada belisca a relação umbilical que me liga ao FC Porto. Há uma carga emotiva muito grande, até porque a minha vida confunde-se com o clube. Tudo o que eu sou devo-o ao FC Porto. Embora tenha no currículo uma passagem pelo Barcelona, que muito me orgulha, há uma ligação eterna a este clube. De resto, a minha saída do cargo que ocupava foi pacífica."

"Tenho por Pinto da Costa uma admiração, um apreço e um carinho ilimitados. É uma pessoa que eu adoro e espero que fique muitos anos no clube. Atrevo-me mesmo a dizer que é a maior figura da história do FC Porto. Não tenho dúvidas quanto a isso."



Com estas afirmações, inseridas na grande entrevista que deu ao Record, estou certo que o Baía terá feito as pazes com os portistas que, em Outubro passado, ficaram zangados com ele, a propósito de uns desabafos efectuados pelo Vítor numa visita à escola EB 2.3 Nicolau Nasoni.

Eu continuo a pensar o mesmo. Na minha opinião, a polémica da altura foi muito empolada e exagerada. Aliás, na recente entrevista que deu a O Jogo, Pinto da Costa foi muito claro e afirmou o seguinte: "Tinha e tenho relações de amizade com ambos [Baía e Fernando Gomes]. Conheci o Vítor Baía ainda nos juniores e guardo com carinho a primeira camisola que ele usou como sénior, bem como, a camisola com que ele ganhou a Champions contra o Mónaco.".

Vítor Baía é dos nossos, é um "filho" do FC Porto e, mesmo que diga coisas com as quais não estamos de acordo (e eu não estive com algumas), não merece ser tratado como um proscrito.

2 comentários:

Pedro disse...

o Vítor Baía e' uma pessoa bastante inteligente e sabe bem o que quis dizer naquela escola e nesta entrevista. Posso discordar de um ou de outro ponto do seu discurso, mas na generalidade ele disse uma série de verdades.

HOOLIGAN disse...

...desde que não se torne a passar da cabeça.
(para quem tem dúvidas vá à fundação dele ver quantos ex-funcionários do Porto foram desviados, perdão convidados a trabalhar lá .....)