segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O treinador que nunca sorri


Não estou contente com o resultado. Não jogámos como eu queria, falhámos contra-ataques e a transição defesa-ataque foi lenta.
Ljubomir Obradovic, treinador do FC Porto

«O FC Porto jogou contra uma das melhores equipas espanholas de olhos nos olhos e, muito embora o seu treinador se mostre insatisfeito com a exibição, a verdade é que os bicampeões nacionais revelaram ter já capacidade para consumo externo. A vitória neste jogo da primeira mão assenta-lhes como uma luva.»
in O Jogo, 21/02/2011


Num jogo correspondente à primeira mão dos oitavos-de-final da Taça EHF, o FC Porto venceu os espanhóis do Reale Ademar por 26-25.

O FC Porto poderia ter ganho por mais? Sim, basta constatar que estava a vencer por 25-21 a cerca de cinco minutos do final e que falhou um livre de sete metros a poucos segundos do fim. Mas convém não esquecer que do outro lado estava o actual 4º classificado da Liga ASOBAL, um dos campeonatos de andebol mais fortes do mundo, a par do alemão.

Obradovic queria mais, mas é preciso ter noção da realidade, da distância que separa o andebol português do espanhol e da diferença entre os dois planteis.

Mesmo sabendo que a probabilidade do FC Porto seguir em frente na Taça EHF é diminuta (a 2ª mão joga-se no próximo sábado, em León), penso que Obradovic teria motivos para sorrir com a exibição de ontem dos seus atletas.

3 comentários:

Mario disse...

Ora aí está um desporto que me enche as medidas. Claro que o futebol tem uma importância tremenda, mas sabe tão bem ver estes desportos em que há contactos, há faltas, mas existe acima de tudo um grande respeito pelos adversários, pelos árbitros e pelo público. A nossa equipa de andebol é muito boa e tem um treinador com uma cultura desportiva que certamente não é das nossas, quer sempre muito mais e melhor. Ontem o FCP não foi grande, foi enorme, quem acompanha regularmente o andebol sabe a dificuldade que terá sido ultrapassar os espanhóis. Força Porto

Pedro disse...

Sorrindo ou não, este treinador é do melhor que já tivemos no Andebol Nacional. Disciplinador mas justo. Uma versão civilizada do A.Doner.

Quanto à eliminatória... estamos provavelmente eliminados, mas a qualidade do nosso andebol é muito boa. Um plantel nacional, jovem. Merece mais público no pavilhão.

Simão disse...

é preciso pressão para criar diamantes!