segunda-feira, 28 de março de 2011

Mourinho, Cristiano Ronaldo, o Real Madrid e a Selecção


José Mourinho é, segundo as suas palavras, um grande defensor e um apaixonado da selecção. Até já decidiu que um dia será seleccionador nacional, cargo para o qual já se nomeou a si próprio numa data futura que lhe dê jeito. E a F.P.F., claro, só tem de o receber quando essa data, por ele determinada, chegar. Nem que seja preciso mudar os estatutos, com a preciosa ajuda do Dr. Laurentino.

Perante este acrisolado e indubitável amor pela "equipa de todos nós" do actual anunciante do Millennium BCP, nenhum de nós duvida que Cristiano Ronaldo apenas tem tido azar em se lesionar imediatamente antes de jogos da selecção, além de, concomitantemente, ter tido a sorte de logo a seguir recuperar e alinhar pelo Real Madrid.

No Sábado, Paulo Bento substituiu ao intervalo Ricardo Carvalho por Pepe, e logo o comentador da RTP comentou com naturalidade que Bento assim poupava os jogadores do Real Madrid, clube ainda envolvido "em todas as frentes".

Eu gostava de perguntar se faz parte do papel do seleccionador nacional "poupar" jogadores de um clube estrangeiro, ainda para mais quando, simultaneamente, o líder do campeonato português, também envolvido em muitas frentes, tinha em campo desde o início três dos seus jogadores. A pergunta é retórica, pelo que não carece de resposta.

Há, contudo, uma coisa que já nem pergunto, nem retoricamente, porque não vale a pena: quando acabará o triste fenómeno do "nacional-lambebotismo"?

9 comentários:

Mefistófeles disse...

"... quando acabará o triste fenómeno do "nacional-lambebotismo"? "

A resposta é: NUNCA ! Porque o nacional-parolismo é mais forte que qualquer outra coisa.

Bem observado.

rbn disse...

Quando vai acabar o lambebotismo?

Fácil :

-quando jasus pegar um castigo igual ao do Hulk por agressão

-quando o Saci Pererê cruzar as pernas

-quando o Sargento Garcia prender o Zorro

-quando o coyote conseguir apanhar o Papa-Léguas, e calar o irritante bip-bip

-quando 100% da imprensa desportiva portuguesa for isenta e imparcial

-quando jão gaybriel usar risco ao meio como Paulo Bento

-quando a vaca cuspir

-quando o Cascão da turma da Mônica tomar banho

-quando o Cristo Rei cruzar os braços

e quando o (a) pinhão falar bem do FCP.

Daniel Gonçalves disse...

Esse triste fenómeno do "nacional-lambebotismo" não acabará tão facilmente, sendo uma característica perene do sistema desportivo nacional.
Fiquei seriamente preocupado quando, no jogo da Selecção neste Sábado, vi o Varela agarrado à perna após uma disputa de bola, mas depois acabou por recuperar, senão já estava a ver mais um "efeito colateral" dos jogos da selecção, vejam o que aconteceu ao João Pereira.

António disse...

Sinceramente, a pergunta aqui colocada está baseada num comentário jornalistico sem pingo de verdade e que não corresponde a vontade e imparcialidade do Paulo Bento.

Barba azul disse...

Alexandre, a sua falta de sentido patriótico está a incomodar o António...

reine margot disse...

- Quando a bota não for do Jorge Mendes?

Alexandre Burmester disse...

Ao António digo simplesmente que não sei a que comentário jornalístico se refere, pela simples razão de que não li nenhum. Trata-se da minha mera opinião.

Alexandre Burmester disse...

Ressalva: a não ser que esteja a referir-se ao comentário do jornalista da RTP, mas precisamente eu critico esse comentário, e não necessariamente o Paulo Bento, cujas intenções não pretendo adivinhar.

Barba azul disse...

A propósito do jogo com a Finlândia,o Paulo Bento disse que ia escalar a equipa que julgasse mais conveniente, independentemente de jogarem próximamente Benfica e Porto e lembrou "que a Liga já está decidida".
O António quer comentar?