sexta-feira, 11 de março de 2011

Um 12º jogador de luxo


«André Villas-Boas acertou em cheio: apostou em Guarín e o colombiano resolveu um jogo complicado. Mais uma vez, o médio demonstrou ser um jogador especial e com características ainda mais especiais, que encaixam na perfeição em determinados jogos. Foi o caso de ontem. A exibição de Guarín não foi perfeita, mas o sul-americano revelou-se fundamental na forma como arrastou a equipa para a frente. Perdeu algumas bolas, é verdade, mas recuperou muitas mais, sempre naquele estilo de um todo-terreno preparado para as maiores adversidades. Depois, sobra o golo. Um grande golo. Afinal, não há melhor fórmula do que aquela que junta a arte à capacidade de trabalho
in ojogo.pt


«No segundo tempo, o F.C. Porto conseguiu finalmente controlar o jogo e muito por mérito de Guarín. Não o digo por causa do golo, apesar de este ter sido excelente. Além desse instante, decisivo, o médio colombiano foi sempre a principal referência da equipa, o porto seguro a quem oferecer a bola em momentos de aflição. Mas antes dessa parte da história, aos 64 minutos, Guarín teve o lance da partida, uma espécie de síntese do excelente momento que atravessa. Na área portista, fintou dois adversários e numa demonstração de confiança, fez um passe de 50 metros que originou um ataque perigoso. Que alma! Seis minutos depois surgiu o golo, num remate sem defesa.
A titularidade de Guarín era óbvia há algum tempo e ficou demonstrado em Moscovo que o F.C. Porto, pelo menos nesta altura, ganha com o colombiano. Quem sai para ele entrar é problema do treinador. Mas faz sentido que Guarín seja um dos onze.»
Luís Sobral, Maisfutebol


É inteiramente justo o destaque que a comunicação social deu a Guarín, a propósito do jogo de Moscovo. E não só pelo grande golo que marcou, porque a exibição de Guarín foi muito mais do que isso. Foi sempre o melhor médio da equipa, quer na primeira, quer na segunda parte. Melhor do que o Moutinho (que neste jogo voltou a mostrar não estar em grande forma) e muito melhor que o Fernando, que na primeira parte andou meio perdido, sem saber o que fazer perante as movimentações do Wagner Love.

O Guarín tem-se revelado um 12º jogador de luxo, quer quando jogou na posição 6 (no período em que o Fernando esteve lesionado), quer, como ontem, tendo jogado em vez do Belluschi.

A dúvida é se ele já não merecia ser titular deste FC Porto. Eu penso que sim mas, numa equipa com uma série impressionante no campeonato e na Liga Europa, quem tirar do onze-tipo de André Villas-Boas?

7 comentários:

t_valente disse...

Para aquele tipo de jogo, faz mais sentido estar em campo do que belluschi. Ainda assim, que nem sempre é a melhor opção para os jogos com equipas com defesa mais fechadas, em que o argentino se superioriza em termos de rasgo, finta e passe ao colombiano.
Ainda assim, é óptimo termos estas 2 opções.
Julgo que Moutinho e Fernando são intocáveis, ainda que por vezes em pior forma. Dão uma grande estabilidade à equipa.

Filipe Costa Pinto disse...

O melhor é deixar AVB decidir que ele é que sabe e tem provado que o faz bem.

O Guarin está agora a mostrar-se mais porque não se lhe voltou a pedir para ser médio defensivo.

Ele é bom nos remates de longe mas não tem grande técnica, como Belluschi, por isso as decisões de AVB para diferentes adversarios, parece-me, que tem a ver com o que ele entende que lhe faz mais jeito naquele confronto;
Remates de longe e poder físico ou segurar a bola e fazer esta correr entre os médios e cruzamentos para a área.

Sendo que não é de descartar nesta rotatividade o Moutinho.
Moutinho é um tipo com uma capacidade física de resistência assinalável mas não é por isso que também não deve ser poupado e dar lugar a um dos outros dois atrás referidos, dependendo do adversário qual dos dois pode substitui-lo.
Mas lá está, AVB é que sabe... e sabe bem.

Leceiro disse...

O Guarín destaca-se dos seus companheiros do meio campo porque é o que arrisca mais, tal como acontece com o Belluschi (já para não falar que este tem um capacidade técnica fantástica); depois existe um trabalho sem bola em que o Nando/Moutinho são soberbos, algo que o Guarín não é capaz de fazer ou para já, não atinge o mesmo nível.

A rotação, necessária a meu ver para o jogo de Leiria, passará sobretudo pela posição ocupada pelo Belluschi/Guarín, o Nando e o Moutinho são os baluartes do meio campo e mesmo acusando algum desgaste, são jogadores muito acima do Guarín excepto no capítulo da meia distância e força física.

Além disso, veremos se o Hulk e o Guarín recuperam a tempo, caso o primeiro não recupere, entregava a titularidade ao Cebola, que está claramente a atingir um pico de forma e temos que aproveitar isso enquanto é tempo.

Jorge disse...

Nao acho que o Fernando seja intocavel e faria sentido por o Guarin no seu lugar contra equipas que jogam mais fechadas.
O Guarin nao so tem um remate de respeito mas decide melhor com a bola.
Esta epoca em que foi dada mais liberdade ao Fernando para subir no terreno percebo porque e que o JF o accorentou atras. O Fernando e mau com a bola nos pes, tanto em termos de decisao como de execucao, e a medida que se aproxima da area adversaria e os espacos se reduzem as suas deficiencias sao notaveis.

meirelesportuense disse...

O Guarin tem-me feito engolir muitas das críticas que lhe fiz ao longo do tempo, isso para mim não é difícil de aceitar bem pelo contrário, este confissão de um erro de análise não tem significado para mim, o que conta é o resultado positivo para o FCP que está presente nesta minha nova perspectiva sobre o Colombiano...Só espero que ele se mantenha sempre assim.
Agora quanto à sua titularidade, eu tentaria ensaiar o Fernando mais à direita, na linha lateral ou experimentaria jogar com os dois elementos na mesma equipa em zonas mais ou menos próximas...

Aurelio Estorninho disse...

http://www.fcporto24.com/noticia.php?id_noticia=639

divulgar

miguel_canada disse...

Talvez fosse altura de fazer descansar Moutinho um bocadinho e deixar o Guarin jogar.