domingo, 15 de maio de 2011

Os números de um Super Campeão


0 derrotas nos 30 jogos do campeonato.

0,53 é a média de golos sofridos por jogo.

2,43 é a média de golos marcados por jogo.

5 golos sofridos, nos 15 jogos disputados fora de casa.

7 golos marcados e apenas um sofrido nos dois jogos contra o slb.

16 golos sofridos (menos 15 que as três equipas - slb, SCP e Nacional - com as segundas melhores defesas da prova).

17 vitórias seguidas (da 12ª à 28ª jornada).

19 dos 30 jogos disputados sem sofrer qualquer golo.

21 pontos de diferença em relação ao 2º classificado (recorde no campeonato português).

27 vitórias nos 30 jogos do campeonato.

36 pontos de diferença em relação ao 3º classificado.

39 jogos seguidos sem perder para o campeonato nacional (9 na época 2009/10, mais 30 na época 2010/11) e marcando golos em todos esses jogos.

41 pontos conquistados nos 15 jogos disputados fora de casa (superam os pontos totais de 10 equipas do campeonato).

73 golos marcados (mais 12 que o 2º melhor ataque da prova).

84 pontos em 90 possíveis (93,33% de aproveitamento).

Melhor ataque e melhor defesa, quer nos jogos disputados em casa, quer fora;
maior sequência de vitórias seguidas;
duas vitórias inequívocas nos jogos com o ex-campeão e principal rival;
os dois melhores marcadores do campeonato.

Acompanho o futebol há mais de 35 anos e nunca vi uma equipa que dominasse de forma tão clara e esmagadora o campeonato português. Verdadeiramente fantástico, este FC Porto de André Villas-Boas.

2 comentários:

Nelson Machado ℗ disse...

Sem dúvida um feito só ao alcance dos grandes colectivos.

E se não tem sido aquele empate a semana passada em casa então era o campeonato perfeito.
Quer se dizer, perfeito perfeito era ganhar um com 100% de vitórias, mas tendo em conta o que se passou em alvalade e ... argh isso agora não interessa nada. CAMPEÕES INVICTOS quem mais para alcançar tal grandioso feito.
FC PORTO

ALBINO disse...

Fantástico, mesmo! E lembrar-me eu de que, na pré-época, o dono de um outro blogue, que "se diz portista de bancada", me insultou porque tive a ousadia de lhe lembrar que o importante não é como se começa mas sim como se acaba. Era ele, então, muito crítico, do presidente e do novel treinador, porque as coisas lá pela Holanda/França não tinham corrido do seu agrado, e antevia uma catástrofe eminente. Hoje deve estar tão feliz como eu, esquecido daquele próximo/passado. Da minha parte, não voltei a frequentar o dito blogue, pois nunca gostei de ser maltratado, mesmo virtualmente, e por quem não conheço, nem me conhece. Mas também não deixei de responder à letra, é evidente, porque me ensinaram na minha terra que "O POBRE PODIA IR EMBORA SEM ESMOLA, MAS NUNCA SEM RESPOSTA". Se o tipo, por acaso, ler este comentário, tome nota apenas desta palavra: EMBRULHA!!! VIVAM OS CAMPEÕES.