quarta-feira, 1 de junho de 2011

FC Porto, grande aos olhos do Mundo

Por Miguel Lourenço Pereira

A espantosa época do FC Porto não passou inadvertida nos quatro cantos do Mundo. Como poderia? Se a Liga ZON Sagres continua a ser uma prova de pouco impacto internacional, a caminhada na Europe League tratou de elevar o FC Porto ao estatuto de sensação do ano. Villas-Boas, Hulk, Falcao e companhia são hoje nomes reconhecidos respeitosamente em qualquer lado. Se em Portugal muitos continuam agarrados ao passado, fora do rectângulo a realidade é bem diferente. Para os estrangeiros o FC Porto é um dos grandes clubes europeus da actualidade.

Depois de mais de doze anos a ver todos os jogos disputados em casa (e algumas viagens imperdíveis), troquei a minha Invicta por Madrid. O FC Porto de Jesualdo começava a dar os primeiros passos ao mesmo tempo que a minha experiência pelo estrangeiro me ajudava a entender como os de fora viam o nosso clube. Cinco anos depois, a percepção não podia ter mudado tão radicalmente. Em 2006 o FC Porto era a equipa de Mourinho, a equipa utilizada pelo sadino para lograr o seu trampolim rumo à glória. O mau ano que se seguiu à saída do técnico ajudou a criar essa sensação colectiva. Mas a pouco e pouco a imprensa espanhola, italiana, francesa, alemã e inglesa mudaram de perspectiva. Um homem ajudou, mais do que qualquer outro, a lograr essa mutação: André Villas-Boas.

A chegada de AVB ao banco do Dragão levantou muita curiosidade. A maioria esperava um mini-Mourinho, jovem, ganhador e polémico. Sobretudo esperavam um técnico que seguisse o ideário táctico do consagrado campeão europeu. A surpresa que levaram não os podia ter apanhado mais de surpresa. Quando o FC Porto foi sorteado com o Sevilha na primeira eliminatória da Europe League, em Espanha poucos davam opções aos dragões. Salvo algum reduto de bem informados – porque sempre os há em qualquer sítio – a maioria reportava-se apenas à época anterior e aos jogos com o Atlético de Madrid, onde os dragões não tinham convencido ninguém. Para a imprensa espanhola, Hulk era um Cristiano Ronaldo em miniatura, egoísta e inconsequente, Helton um guarda-redes com um sério problema de fiabilidade e o resto do plantel um mistério. O FC Porto já tinha humilhado o Benfica, mas isso para eles contava pouco. Durante anos ouvi revoltado comentários do género “O teu Porto na liga espanhola lutava para não descer”. No final dessa eliminatória tive a minha desforra pessoal quando ouvi e li o mesmo em todos os sítios: este FC Porto é favorito a ganhar a Europe League.

Folheando a imprensa internacional, conversando com colegas, tornou-se fácil perceber como Villas-Boas tinha logrado mudar esta percepção. A fama de bons vendedores já a tinhamos e sempre que sai um novo jogador do Porto à baila para um clube espanhol, todos os jornais relembram o duro negociador que é Pinto da Costa. Mas o estilo de jogo não convencia ninguém e, aos olhos do público, empequenecia-nos.

Quando AVB chegou e aplicou um modelo de jogo muito similar ao do aclamado Barcelona, as pessoas começaram a prestar atenção. Em Inglaterra os artigos publicados em jornais de prestígio como o The Guardian ou o Times reforçavam a ligação de Villas-Boas a Robson e ao estilo ofensivo britânico. Itália, a recuperar da ressaca da saída de Mourinho, reforçava o ar atrevido do técnico e a imprensa sul-americana, com especial incidência para a Colômbia, onde temos uma mina por explorar, enfocava os golos de Falcao e o trabalho de Guarín e James com um entusiasmo que não se via desde que Asprilla e Valderrama atravessaram o oceano para brilhar na Europa. Colombianos a viver em Madrid começavam a seguir os passos dos seus compatriotas com entusiasmo.
E depois, durante o duplo duelo com o Villarreal, assisti ao jogo abismado pelos comentários de constante admiração dos jornalistas espanhóis, sempre habituados a desvalorizar os rivais dos clubes do país vizinho. O FC Porto era tratado como um grande da Europa e muitos se atreviam a dizer que este equipa podia perfeitamente ter disputado a Champions League ao próprio Barcelona. Para quem teve de suportar durante alguns anos insinuações judiciais, as críticas ao jogo especulativo e os comentários mal informados de quem ainda pensa que o Benfica actual tem alguma coisa a ver com o de Eusébio e companhia, essa foi uma grande vitória.

Quando se vive longe há sempre a tentação de tentar mostrar aos amigos, ou colegas de trabalho, algo sobre o teu clube, falar sobre as conquistas mais importantes, convidá-los a ver um jogo, ganhar a sua atenção. Pela primeira vez desde que saí de Portugal experimentei a realidade oposta. Agora são eles que perguntam, que querem saber mais, que tentam recitar o alinhamento de memória e que levam as mãos à cabeça quando pensam que jogadores como Hulk ou Falcao não estão nos seus clubes. Mais do que uma vez vi camisolas do FC Porto a deambular pelas ruas e Metro de Madrid. E não eram portugueses que as levavam vestidas. A espantosa época de Villas-Boas deixou marca nos adeptos internacionais e que ninguém duvide que hoje todos olham para o FC Porto com um respeito reservado só aos grandes clubes.


Nota final: O 'Reflexão Portista' agradece ao Miguel Lourenço Pereira a elaboração deste artigo.

Imagens (clicar para as ampliar): extractos de artigos da CNN, Marca e L'Equipe

13 comentários:

JON disse...

Arrepiei-me ao ler este artigo! Obrigado!

SOMOS PORTO!!!

João disse...

Muito bom post! Adorei o pormenor final das camisolas. Continuação de bom trabalho!

Miguel Pereira disse...

Jon, João

Obrigado. Uma vez ia de comboio para o trabalho e vi um tipo de 30 e tal anos com a camisola do FCP do ano passado. Pensei, este tipo é portista, vou meter paleio. Decido falar com ele em português e o gajo olha para mim com uma cara de surpresa. Resulta que é argentino e conheceu o FCP com o Lucho e desde então é fã, vê os jogos todos e com o River é o clube dele, mesmo depois do Lucho ter saído.

Acho que o clube não tem ainda a consciência do poder que tem, sobretudo nos adeptos sul-americanos, mas somos cada vez mais por esse mundo fora ;-)

um abraço

Pedro disse...

http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=266527

O Dragão disse...

Lindo! Arrepiei-me! Ser Portista está em boa parte escrito neste artigo...

Saudações!

Nuno Ribeiro disse...

Muito bom o artigo, Parabéns... É de facto um orgulho cada vez maior ser Portista...

JON disse...

O filão sul-americano está claramente mal explorado! O José Correia bem tem apelado neste blog a isso mesmo. Concordo...
Infelizmente no que extravaza a gestão desportiva, e sublinho desportiva, o nosso clube tem ainda muito que palmar. Visão estratégica, senhores... O futebol é um negócio e não é só a vender jogadores que se sobem receitas!

Miguel Pereira disse...

Precisamente,

Conheço muitos estrangeiros que estão a tentar sacar da internet os jogos da campanha europeia deste ano, incluindo a final e já perdi a conta aos dvds que emprestei para copiar das nossas finais. Quando alguém entra na pagina web e procura esse tipo de productos, tão comuns em Inglaterra e mesmo em Espanha (habitualmente proporcionados pelos jornais), sai sempre desiludido. Temos de começar a trabalhar mais nessa área.

um abraço

JCCJCC disse...

Excelente artigo, confirma a noção que eu já tinha da forma como o Porto é visto no estrangeiro.

Já o disse diversas vezes.
O Porto é neste momento uma das melhores equipas da europa. E tem potencial para ser um dos maiores clubes da europa.
Alias, os próprios adeptos e dirigentes do clube ainda não se aperceberam da grandeza clube. Basta ver que continuam a escolher adversários que claramente não estão à altura.

Dia 26 de Agosto, jogo grande no Mónaco. O FC Porto joga finalmente com um adversário desafiante e motivante.

O Caçador disse...

SOBERBO ARTIGO, Realmente o André tem qualquer coisa de REI MIDAS... penso eu de que.....Continuar é o caminho.
Obrigado Presidente por esta época em especial

Frederico disse...

Excelente post, mas nem de propósito...Saí à pouco do banco onde estive a conversar com o gerente sobre, imaginem, o nosso Porto. O comentário dele foi "...amazing team and very good manager" :D
Aqui em Londres já passei pelas experiências relatadas no artigo, o que me deixa com uma enorme alegria. Colombianos, Ingleses, Espanhóis, Checos, Argelinos (Madjer, claro!), etc. .Todos eles conhecem e seguem o Porto ou até apoiam. Isto prova que já não somos o clube Distrital que tanto
gostam de apregoar.
Quanto à velha questão do Marketing referido aqui em alguns comentários o meu desejo é que os responsáveis tenham lido o artigo sobre o James...pode ser que isso lhes diga alguma coisa.

Saci Pererê disse...

O detalhe das camisolas do Porto vestidas em Espanha por espanhois e nao só tb o vi aqui em Málaga

reine margot disse...

como o saci pererê está fora do seu país (málaga é lugar de saci ?) entro daqui da terra do saci, para dizer que em cada família de um jogador brasileiro nosso há um adepto portista que permanece para sempre, e que a vinda do Deco para o Flu traz sempre à conversa o porto... na final da liga europa, os comentadores diziam que o Mano tinha que trazer o Hulk à seleção...(não é pouco, para quem conhece, eles têm mesmo de achar que é craque para poder integrar a seleção...)
E, é claro que o Porto é conhecido : quem ganha é sempre conhecido.

(Como o foi o Benfica do tempo do Eusébio, se bem que eu veja com espanto, que agora há muitos portistas que querem re-escrever a história...)