quarta-feira, 15 de junho de 2011

FCP Futebol SAD: orçamento recorde de 95M€

"O exercício financeiro do FC Porto está quase a terminar, o que acontecerá no final deste mês, e já está planificado o próximo orçamento, que vai suportar as despesas para a época que se avizinha. Trata-se, na linha do anterior, de mais um orçamento recorde no futebol português, a rondar os 95 milhões de euros. [...] "Será um orçamento da mesma ordem de grandeza do anterior. Diria que é um orçamento que está em linha com o do último ano, algo como 95 milhões de Euros. É um orçamento maior do que o do Benfica", disse Angelino Ferreira, para se ter uma ideia comparativa. " in "O Jogo"

Serve este artigo acima de tudo para assinalar que há duas coisas que muita gente confunde e convém ter em consideração:

1) confundir orçamento com receitas

O orçamento diz respeito às despesas; ainda mais importante do que isso é as receitas (proveitos). No caso do FCP as duas coisas são mais ou menos equivalentes, em média, desde que se vá vendendo em média 2 titulares por época (como aliás temos feito): as nossas receitas anuais excluindo vendas de jogadores andam um pouco acima dos 60M€ (presumindo que chegamos aos 1/8s final da LC).

Sobre o orçamento anunciado, é normal que varie pouco de ano para ano, já que os custos das contratações é amortizado ao longo de vários anos (i.e. durante a duração dos contratos) e o resto das despesas é pouco flexível (a não ser que numa dada época se substituta pelo menos metade do plantel por jogadores com salários muito mais altos ou muito mais baixos, o que nunca aconteceu e esperamos não venha nunca a acontecer). Ou seja, não há qualquer novidade no que o A. Ferreira anunciou.

Assinalo também que a diferença para os clubes mais ricos se esbateu nos últimos anos, felizmente, em termos de múltiplos. Quero com isto dizer q se há uns 5 anos o orçamento de um dos clubes mais ricos da Europa era para aí 10x mais alto do q o nosso, agora é "apenas" 5x mais alto.

2) Confundir demonstrações de resultados com necessidades de tesouraria

Muita gente tomou as declarações recentes de Angelino Ferreira como sinónimo da ausência de necessidade de vender jogadores neste Verão.

No entanto ele estava a falar da demonstração de resultados (i.e se vamos fazer lucro ou não; daí ter mencionado "mais valias", uma coisa irrelevante para a tesouraria), enquanto o que mais determina - e de longe - se é preciso vender ou não a curto prazo, é a situação da tesouraria (i.e. a capacidade para ir pagando, mês a mês, os compromissos assumidos); e essas já são contas substancialmente diferentes.

Pelo que vi no R&C do 3o trimestre teremos um "buraco" de tesouraria superior a 15M€ nos próximos 9 meses, caso não se venda ninguém ou não se negoceie novos empréstimos (é impossível dizer em que meses ao certo o buraco será mais agudo, para isso seria preciso ter detalhes que não são públicos). A situação com a banca não está boa, mas quero acreditar que novos empréstimos é uma possibilidade; a outra é vender jogadores, claro (e atenção que não costumam ser pagos por inteiro a pronto, longe disso; por outras palavras, a vender um jogador no Verão por digamos 20M€ o mais provável é que só entre em caixa um máximo de 10M€ nos próximos 9 meses).

Concluindo, a coisa está mais ou menos controlada, o que é agradável, apesar de também não ser exactamente positiva - e penso que o mais provável é que venhamos a assistir a uma mistura das duas coisas nos próximos meses (i.e. pelo menos um jogador titular vendido *e* renegociação de novos empréstimos, ainda que com juros altos como ainda agora aconteceu no empréstimo obrigacionista).

Para terminar, cresci habituado a que o FCP ganhasse mais títulos do que o slb enquanto gastava menos (i.e. tendo orçamentos mais baixos), algo que se inverteu nos últimos anos; gostava de voltar a essa situação (i.e. fazendo mais do que eles mas com menos dinheiro), porque isso ajudaria a consolidar por um longo prazo a nossa hegemonia, dando por exemplo mais flexibilidade para investir a sério e sem preocupações numa ou noutra época em que tal seja mais necessário.

12 comentários:

José Correia disse...

Quero com isto dizer q se há uns 5 anos o orçamento de um dos clubes mais ricos da Europa era para aí 10x mais alto do q o nosso, agora é "apenas" 5x mais alto.

Sim, mas a diferença para um Real Madrid ou Barcelona é na ordem dos 300-400 milhões de euros!

José Correia disse...

o que mais determina - e de longe - se é preciso vender ou não a curto prazo, é a situação da tesouraria

É verdade, mas estou convencido que a SAD vai querer fechar o exercício 2010/11 com resultados equilibrados e, para isso, irá precisar de vender um jogador até ao final de Junho.
Rolando? Rodriguez? Fucile? Veremos...

José Rodrigues disse...

"É verdade, mas estou convencido que a SAD vai querer fechar o exercício 2010/11 com resultados equilibrados"

Mesmo q não venda ninguém os resultados serão equilibrados (ainda q não positivos) fruto das vendas de B Alves e Meireles já esta época.

Sinceramente, vender alguém até fim de Junho ou em Julho não faz a mínima diferença (a não ser o bónus de 6% do lucro para os administradores).

eu disse...

Compreendo a preocupação mas não me parece um problema. Senão vejamos:

1- Até à formaçaõ da S.A.D., as contas eram muito pouco claras e feitas de forma bem diferente. Antes disso, não se sabe muito bem o valor real dos orçamentos dos clubes. Tabém com a Lei Bosman, passou a ter que se declarar os valores reais pagos pelos passes e salários dos jogadores. Assim, é muito difícil estabelecer um ponto de comparação com o pasado.

2 - É verdade que o Benfica sempre foi o nosso rival. Mas actualmente, os nossos maiores rivais encontram-se fora do país. Com esses é que nós temos de competir nomeadamente pelos milhões da Champions. E isto é o mais importante - o F. C. Porto precisa de disputar a Champions com resultados razoáveis para poder manter a competitividade da sua equipa época após época. No próximos 9 meses, vão entrar vários milhões por essa via o que é fundamental para a gestão corrente da tesouraria e que impede o tal "buraco" na mesma.

Assim, o valor do orçamento para o próximo ano não é comparável com o dos nossos rivais internos pois a política de compra de activos (jogadores), está no Porto equilibrada e planeada sem necessidade de fazer compras por razões emocionais como faz o nosso rival interno.

Cumprimentos portistas,
Fernando Vasconcelos

Pedro Rocha disse...

http://ensaiosdelucidez.blogspot.com/2011/06/o-porque-deste-blog.html


Um novo espaço de reflexão e livre intervenção.

José Rodrigues disse...

"Compreendo a preocupação mas não me parece um problema."

Fernando, eu não estou preocupado (ou não tivesse escrito no artigo que "a coisa está mais ou menos controlada"). Estou mesmo optimista, achando q temos todas as condições no horizonte visível (digamos 1 a 2 anos) para continuar a ter sucesso desportivo sem rombos financeiros.

Dito isto, acho q até temos condições (fazendo uso das virtudes internas) para ter o MESMO sucesso desportivo gastando um pouco menos (digamos uns 5 a 10M€/ano), dando por consequência maior flexibilidade na gestão das vendas/contratações.

Mas para concluir, acho q temos sim q nos comparar com o slb. Primeiro, pq é (principalmente) com eles q normalmente disputamos a vitória no campeonato; em segundo lugar porque é de esperar q também eles costumam ir à LC como nós, já q a situação normal é q Portugal tenha 2 equipas na LC; e finalmente, porque as nossas receitas estruturais são muito mais comparável com a deles do q com a dos Barças, Chelseas ou até mesmo Lyons deste mundo (e são as receitas q alimentam o orçamento).

José Rodrigues disse...

Bem, olhando agora para uma comparação temporal da evolução das despesas da SAD..

Apraz-me ver q o FCP (SAD) não tem aumentado muito o q gasta nos últimos anos. Há uns 5 anos atrás gastava cerca de 80M€ /ano em média, quando hoje gasta 90 e tal; e apraz-me ver isto porque as receitas (excluindo vendas de jogadores) até têm aumentado de ano para ano.

Em particular é agradável q temos aguentado bem as despesas com salários, apesar da pressão Webster; gastamos nisto hoje apenas um pouco mais do q há uns 5 anos.

A rubrica q pior desempenho teve neste período foi a "amortização de passes": temos vindo a gastar muito mais em contratações do q gastávamos há uns anos atrás.

O q pagamos em juros da dívida tem estado mais ou menos estável (cerca de 5M€), mas esta rubrica tem tendência a piorar (vidé os 8% q vamos pagar pelo recente empréstimo obrigacionista). Eu gostava de fazer um lucro razoável nos px 2 anos de forma a abater uma boa parte da nossa dívida (de forma a poupar nos juros); abater 20 ou 30M€ aos 120-130M€ de empréstimos q temos hoje já seria bem bom.

Pedro Reis disse...

Off-topic:
O que acham da hipotética possibilidade de o FCP contratar o Nuno Gomes?

Pedro Rocha disse...

http://ensaiosdelucidez.blogspot.com/2011/06/processo-salarios-em-atraso.htlm

Já não é a primeira vez que somos confrontados com notícias de salários em atraso nas modalidades ditas ""amadoras" do nosso clube. Esta situação é inadmissível, principalmente se atendermos ao rendimento irrepreensível destes homem e para os títulos que estes conquistaram ao longo da época.

Daniel Gonçalves disse...

Pedro Reis: Nuno Gomes? Há 2/3 anos atrás talvez, agora não me parece uma alternativa credível. Já temos o Falcão, Walter. Nuno Gomes não aceitaria ser suplente, ele quer ser titular nem que seja numa equipa que lute para não descer de divisão.

Pedro disse...

onde é que observou esse buraco de 15M?

hulk mocc disse...

Nuno Gomes? Lolz!

Voltando ao "Topic": É essencial vender alguém até por causa do impacto dos aumentos salariais para os nossos "superstars".

Rodriguez (um dos mais bem pagos do plantel) e Fernando (grande mais valia pois custou cerca de 1,5 M Euros mais salarios) são os activos mais vendáveis, com maior impacto financeiro e menor impacto desportivo.