segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Rolando para o 18º caneco



Nada de novo. A ascensão de Vítor Pereira de adjunto a treinador principal visou a continuidade de um projecto. Um projecto ganhador, com muitos títulos, como o que foi garantido esta noite em Aveiro. Ainda um pouco aquém do brilho patenteado na temporada transacta, mas com larga margem para evoluir e crescer bem ao nível do desejo da massa adepta azul e branca. Erguer o caneco tornou-se nesta casa um exercício indispensável.

A arrancada esmagadora do FC Porto atarantou o espírito vitoriano. Velocidade, pressing e ambição agigantaram o poder draconiano para além do que os afonsinhos são capazes de suportar. Rolando fez balançar a rede bem cedo, mercê, por um lado, do tal espírito da nossa equipa, e por outro, do momento de magia, a toque de letra, protagonizado por Hulk.

O domínio do campeão explanou-se por um bom par de minutos. Os suficientes para que o Incrível fizesse de novo das suas. O bastante, à partida, para se chegar a um resultado mais airoso. Nada disso. A noite não estava destinada a passeios de parque. O incaracterísmo da partida nublou a assertividade portista, posta a nu em algumas perdas de bola comprometedoras. A defesa afligia-se nas bolas paradas do Vitoria. Foi aí, num desses lances perdidos, que Toscano cabeceou para o empate perante alguma apatia de Fucile.

Felizmente tratou-se de uma igualdade pouco duradoura. Quase sem respirar, Rolando, outra vez ele, foi lá frente carimbar o seu nome na taça e garantir a 18ª conquista da Supertaça para o FC Porto. Solto de marcação na grande área, o central portista chutou lá para dentro, com alguma felicidade no ressalto.



Os segundos 45 minutos situaram-se em bases idênticas às do 1º tempo. Dragão dominador e um Guimarães expectante. Os homens de Vítor Pereira corriam em busca de uma margem segura, mas a pressa e a ansiedade de querer fazer tudo rápido atraiçoava a equipa. E quando os nossos jogadores pareciam estar perto de algo bom, eis que o “lambidinho” de serviço fazia vista grossa às infracções na área, que, em tempos idos, era designada de rigor. É só para a malta se ir ambientando ao esquema.

No mais o fundamental foi garantido. Triunfo no encontro e a conquista do troféu. Manter o espírito e dinâmica de vitória, que por inerência fará elevar a confiança aos jogadores e a fluidez no futebol praticado, é o desígnio fundamental. Ainda estão muitos trunfos em processo de engrenagem – Falcao e Guarín – e outros tantos por chegar – Álvaro, James, Alex Sandro, Danilo – pelo que só temos razões para olhar para o futuro com relativa confiança.

11 comentários:

Maria Da Fonte disse...

confiança no futuro pela qualidade 100% de acordo,mas muita desconfiança pela tentativa do vale tudo começada hoje pelo proença,
é o tudo ou nada para o clube do regime,se falham colapsam.
temos de estar atentos e unidos
PORTO PORTO PORTO

meirelesportuense disse...

Concordo com a explanação do Nelson, foi um jogo que acabou sofrido quando parecia poder ser absolutamente folgado, o golo aos 3 minutos já poderia ter acontecido antes, mas se existiram dificuldades foi muito por culpa do Pedro Proença que nestas coisas gosta de meter a sua colherada pessoal...Contei quatro penaltis, para além de uma série de faltas postas de lado, marcava longe, mas perto ou dentro da área era proibido, deve estar assim decretado na Comissão de Arbitragem.
Portanto o Porto que se cuide e grave todos estes jogos para os poder apresentar em lugar adequado...
Para além disso notei um sub-rendimento do Micael, não marca, não domina, não passa em condições...O Guarin em poucos minutos já tinha feito muito mais que o Ruben em 66...Com Moutinho sobre a esquerda e Micael sobre a direita obriga-se o pequeno João a desdobrar-se para cobrir toda a linha média ou o Souza a abandonar o apoio aos centrais, pois o Micael não acompanha de forma consistente o trabalho dos outros, parece-me que o Belluschi faz tudo isso bem melhor e com mais qualidade.
Para além disso notei algum cansaço, pode ser que seja resultado da sobrecarga de esforço, hoje foi nítido, contra o Lyon não reparara...
Um abraço para o Vítor Pereira, tem que se descontrair, perder a timidez e estar mais distante do que decorre à sua volta nas conferências de Imprensa.

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem confirmamos o nosso favoritismo, vencemos o 70º. título OFICIAL da nossa história, e também fizemos história ao fazer o Tri nesta Supertaça.

Quanto ao jogo, dominamos e controlamos o mesmo com superioridade, diante de um adversário valoroso e lutador.

No computo geral os jogadores estiveram bem, sendo que sobressaíram Hulk pelos desequilíbrios constantes, e Rolando pelos 2 golos apontados.

Notas também de realce para Maicon, Fucile, Moutinho e Ruben, que efectuaram uma exibição positiva.

Souza teve momentos bons e maus. Era capaz de um excelente corte na transição adversária, como depois fazia uma asneira de todo o tamanho. Continuo a achar que Castro seria a opção certa.

Kleber e Varela estiveram mais apagados, fruto da marcação cerrada de que foram alvo. Este Vitória aprendeu com o final da Taça e Portugal e foi bem mais prudente.

Realce para os regressos de Guarin e Falcao, que desejamos que permaneçam nesta equipa, que este ano pode almejar grandes conquistas.

Péssima arbitragem de Pedro Proença, que felizmente não teve influência no resultado.

Excelente presença humana nas bancadas, com os nossos adeptos brilhante no apoio à equipa, e a comemorarem mais este título com a equipa.

Abraço e boa semana

Paulo

pronunciadodragao.blogspot.com

José Correia disse...

O melhor: O primeiro golo, iniciado num calcanhar de Moutinho, seguido de um cruzamento de letra de Hulk e concluído com um remate de cabeça, como mandam os livros (de cima para baixo), de Rolando.

José Correia disse...

O menos bom: A adaptação de Souza à posição 6 (que precisa de continuar a melhorar) e o desempenho do Kléber (abaixo do que mostrou nos jogos da pré-temporada).

José Correia disse...

O surpreendente: Um Rolando goleador (com três golos já deve ser um dos melhores marcadores da história da Supertaça).

José Correia disse...

O essencial: A conquista de mais uma Supertaça (a 18ª) e o distanciamento relativamente ao slb, no que diz respeito ao total de títulos OFICIAIS conquistados.

Nelson Coutinho disse...

Nao consigo perceber os comentários depreciativos ao Souza!! Fui ao estádio ver o jogo e nao tenho dúvidas nenhumas em afirmar que foi o melhor jogador em campo do FCP. Limpou tudo o que passava a sua volta e praticamente nao errou nenhum passe, sinceramente nao percebo as vossas opinioes. Para mim a posicao 6 esta assim muito bem entregue. Kléber foi de facto uma desilusao para mim. Pouco eficaz, ma leitura de jogo. Varela esteve tambem muito abaixo das suas capacidades, dá sempre 2 toques a mais do que deveria. E Micael esteve, infelizmene igual a si próprio, nao recupera bolas, nao faz passes rasgados e parece-me que os jogadores nao confiam muito nele. Posto isto, apesar de nao ter sido uma exibicao de luxo, a nossa superioridade nunca esteve em causa e fiquei com a nitida sensacao que podiamos ter saído de lá com um resultado bem mais folgado.
Uma última nota para a arbitragem: miserável!! A cada falta marcada passavam no mínimo 5 minutos porque o artista de servico nao deixa marcar rápido. Fez vista grossa a 2 penaltis e demonstrou uma total falta de categoria.

Dragaoatento disse...

No Barça adversário que vamos defrontar na disputa da Supertaça europeia,mercê da excelente técnica individual dos seus jogadores, e dos eficazes automatismos da equipa, o seu futebol que privilegia a posse de bola, esta é uma posse com qualidade e objectividade! Que é o que falta aos dragões posse com qualidade e objectividade!

FC Porto sempre!

meirelesportuense disse...

NlesonCoutinho:
Concordo, o Kléber esteve um pouco abaixo que lhe vi antes, mas isso pode estar relacionado com a omnipresença do Falcao...Ele sabe que em princípio o lugar pertence ao Radamel.Mas não esteve muito mal, só que não lhe passaram jogo suficiente e em qualidade para ele facturar, no entanto mostrou-se esforçado...E concordo também na apreciação ao Rúben, está em baixo, parece perdido no terreno, sem grande acerto em tudo -que é pouco- o que faz...

Jorge Mota disse...

N acho q o Souza tenha estado mal.notei por algumas vezes q ele n se sentia mto habituado ao lugar, tentando encontrar posiçao.mas acho q para experiencia recente n esteve nada mal.

Pressing alto agradavel mas deve ser mto desgastante

Kleber no lugar de Varela NAO

Atençao aos passes adversarios para as costas nossos laterais.altos buracos.

De resto foi o tipico jogo pre temporada

arbitro patetico