segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Voltou a "crise no futebol português"

Quando o FC Porto está em alta por mais de uma época é normal aparecerem a público uns passeriformes lisboetas clamando por uma suposta "verdade desportiva" e carpindo pelo estado de "crise no futebol português". Ou seja, quando começa o campeonato e o FC Porto vai na frente isso significa que "o futebol está em crise". E quando se diz futebol quer-se dizer, invariavelmente, arbitragem. A arbitragem é, em Portugal, o último pretexto daqueles que não se conseguem impôr dentro do campo.



No programa de ontem "Tempo Extra", o homem que se penteia com azeite da melhor acidez e qualidade chamou a atenção para o facto do FC Porto ser o clube que controla as arbitragens e de ser largamente favorecido por elas, além dos habituais dislates sobre Pinto da Costa. E pôs em prática a sua conhecida desonestidade intelectual afirmando que se o árbitro assinalou penalty pela falta cometida pelo defesa gilista sobre Hulk ao minuto 10 então também deveria ter assinalado penalty contra o FC Porto ao minuto 87 num lance que envolveu Sapunaru e um jogador do Gil Vicente. Como se os dois lances fossem iguais...

Só faltou dizer que o jogo Beira-Mar x Sporting foi apitado por um voluntário por culpa do Pinto da Costa. Esperam-se mais ataques de azia nas próximas semanas.



Hoje de manhã, a TSF entrevistou o caquéctico ex-presidente sportinguista Dias da Cunha que, quando instado a pronunciar-se sobre a actual situação do seu clube, veio afirmar que "o futebol português bateu no fundo", que a arbitragem já afastou o Sporting da luta pela liderança e que o próximo a ser afastado será o slb.

E isto foram apenas 2 testemunhos que tive oportunidade de ouvir porque, por esses pasquins desportivos, a azia deve ser muita.

Numa altura em que:

- a Selecção Nacional de sub-20 acaba de perder a final do Campeonato do Mundo com a poderosa Selecção do Brasil;

- há três meses 3 equipas portuguesas jogaram as meias-finais da Liga Europa e 2 chegaram à final;

- FC Porto e slb fizeram o maior investimento financeiro de sempre em novos jogadores;

é caso para dizer que o futebol em Portugal bateu mesmo no fundo o que, por um lado, até nem é mau, porque significa que o FC Porto tem estado muito bem.

12 comentários:

Charlie Big Potato disse...

O FCP foi beneficiado nesta jornada... Disso não tenho dúvidas. Tanto o penalti do Sapunaru como o vermelho ao Otamendi no lance do penalti deveriam ter sido punidos.
O que não invalida que este tipo (o azeiteiro) seja o mais baixo, mesquinho e como foi justamente apontado "intlectualmente desonesto" de todos os comentadores de futebol do país. O caquético não merece sequer comentário.
E sim... as arbitragens são, anos após ano, a escapatória dos incompetentes neste país. E no futebol, há tantos!

Pedro disse...

Um é desonesto, o outro tem um atraso mental já bastante acentuado. Não sei porquê mas são um bom exemplo de adeptos dos clubes do regime.

Alexandre Burmester disse...

Ainda bem que não vi o Rui Santos, Nuno. O meu médico proibiu-me de o fazer, por causa da minha tensão arterial!

reine margot disse...

Esta fotografia do "ex-Dias da Cunha" está magnífica!

mas o engraçado é que eles não são capazes de explicar porque é que o Sporting tem tantos ex-presidentes a mandar bocas, e o outro clube não tem um presidente decente desde o Fernando Martins (que eu não sei se era decente, de facto).
Charlie Big Potato, a questão está:
o árbitro beneficiou o Porto na questão do Otamendi, porque de facto era uma oportunidade de golo clara, e a falta punível com penalti, mas, o Gil no global, foi prejudicado ?... ? Não vi o Gil fazer algum lance de jogo (nem digo de perigo) digno de assim se chamar na segunda parte. No final, lá vem o Paulo Alves, falar que andou lá dentro e sabe como os jogadores são influenciados e ficam desmoralizados... - bah! - então os jogadores do porto contra o guimarães na supertaça ficaram de rastos...
Não estou a dizer que gosto quando o árbitro beneficia o Porto; que claro não gosto. Mas nós habituamo-nos a ganhar apesar dos árbitros - eles apenas a chorar...

Daniel Gonçalves disse...

Não dou credibilidade profissional e humana a qualquer das personalidades visadas por este post. Para eles só existe verdade desportiva quando o clube deles ganha - independentemente da forma com o consegue e da justiça da vitória - e o FC Porto perde.
Razão tinha quem afirmou: "Os maus são gente que conhece a verdade, mas que só a apoia na medida em que ela corresponde ao seu interesse. Fora disso abandona-a." Não lhes interessa reconhecer - e não possuem a nobreza de carácter para tal - que o FC Porto nos últimos anos tem sido melhor.
Tipos como este Rui Santos, António Pedro Vasconcelos, Rui Gomes da Silva e outros que tais são maus de carácter, o mais reles que Portugal produziu.

Pitágoras disse...

Concordo que o Otamendi deveria ter visto o cartão vermelho no lance do penalti. Tirando isso, não percebo porque os jogadores do Gil ficaram desmoralizados! Aliás, não me pareceram nada em baixo quando criaram duas situações de golo iminente ainda na 1ª parte. No entanto tenho a certeza de que se o Otamendi fosse jogador do clube do regime, e fosse expulso aos 2 minutos de jogo o baba de caracóis viria dizer que o árbitro deveria ter contemporizado, que não deveria estragar o jogo aos 2 minutos, etc. Espero que essa coisa gordurosa continue a debitar disparates desses pois é sinal que continuamos a cumprir o nosso destino: vencer.

Hugo disse...

Agradecia que um jurista me esclarecesse sobre a seguinte questão: no caso do João Moutinho se transferir por rescisão unilateral do contrato pagando o mesmo a clausula penal estabelecida por esse efeito (40 milhões de euros), não será que nesse caso não há lugar ao pagamento de qualquer quantia ao Sporting uma vez que não há, nesse caso, o que se pode considerar de transferência (contrato de compra e venda entre duas pessoas colectivas distintas)?

Alexandre Burmester disse...

Hugo:

Muito boa pergunta! E neste paraíso de "juristas e "garantistas", decerto isso daria pano para mangas!

Daniel Gonçalves: Também não exageremos: o mais reles que Portugal produziu, do meu ponto de vista, continuam a ser aqueles que, com a ajuda do "desvertebrado do Cardeal D. Henrique" (cito Aquilino Ribeiro) trataram de entregar isto aos espanhóis em 1580, seguios de muito perto pelo famigerado Marquês de Pombal, o maior assassino da História de Portugal (mas esse, ao menos, era patriota).

meirelesportuense disse...

"O Marquês de Pombal morreu pacificamente na sua propriedade em 15 de Maio de 1782. Os seus últimos dias de vida foram vividos em Pombal e na Quinta da Gramela, propriedade que herdara de seu tio, o arciprestre Paulo de Carvalho e Ataíde, em 1713.

Foi homenageado com uma estátua inaugurada por Oliveira Salazar, em 1934, numa das mais importantes praças de Lisboa, que tem o seu nome. Marquês de Pombal é também o nome da estação de metropolitano mais movimentada de Lisboa."

Daniel Gonçalves disse...

Alexandre Burmester

A responsabilidade não é unicamente ou exclusivamente do Cardeal D. Henrique, ele vem que tentou "remar contra a maré", mas possuia maus conselheiros políticos.
Devo referir que coloco no "mesmo saco" (ou no mesmo nível) as personalidades que referi no meu comentário e os "traidores" que - para benefício próprio e dos privilégios que esperavam obter - em 1580 sacrificaram Portugal face aos interesses castelhanos/filipino. Consigo imaginar Rui Santos, Rui Gomes da Siva e os outros a sacrificarem o interesse geral ou do País em proveitos dos interesses particulares deles e da seita de que fazem parte.
O Marques de Pombal? Sim, como o Alexandre escreveu, era um patriota; apesar de ter sido um ditador, aproveitou a situação política da altura para ter uma tirania pessoal (absolutismo), era cruel para com os opositores, mas colocava o interesse nacional/Razão de Estado acima dos interesses pessoais (o patriotismo), não se venderia aos espanhóis. Não coloco no mesmo patamar dos "traidores" de 1580.

Daniel Gonçalves disse...

Meireles,
apesar de Salazar ter inaugurado uma estátua do Marquês de Pombal tal não significa que existisse uma identidade de propósitos entre as duas personalidades, convêm referir que já alguns republicanos e vastos sectores do republicanismo possuiam uma profunda admiração pelo Marquês e pela acção política deste, dado o anti-clericalismo do mesmo.
Agora não encontro na posse de dados que me permitem ter a certeza absoluta e afirmar com exactidão, mas penso que essa estátua do Marquês foi idealizada e projectada por republicanos, Salazar recém chegado ao Poder - estavamos ainda em 1934 - limitou-se a inaugurar, pois era o Presidente do Conselho de Ministros/Chefe de Governo, a referida estátua.
E para assunto extra futebol já fomos longe.

Miguel Portugal disse...

É certo que faltou o cartão vermelho ao Otamendi e o penalty pelo agarrão do Sapunaru, mas também ficou por assinalar um penalty sobre o Varela o que também justificaria um cartão vermelho para o defesa do Gil. Assim, apesar de o primeiro prejudicado ser o Gil a verdade é que faltaram um penalty e um cartão vermelho para cada lado, não?