terça-feira, 27 de setembro de 2011

No lugar do cineasta

Há cerca de um ano, Rui Moreira abandonou o Trio D´Ataque em directo e, uns dias depois, escreveu o seguinte na sua crónica semanal em A Bola: “Não pactuo com a porcaria, com a canalhice e com a insídia. Não serei cúmplice de um sistema em que aqueles que são condenados pelos tribunais são, depois, inocentados em programas de televisão ao passo que aqueles que são absolvidos pelos tribunais são depois sujeitos a julgamentos sumários. Comigo não contam para ser juiz, verdugo ou testemunha em autos de fé.”

A partir de hoje, o individuo que, com o seu comportamento abjecto, esteve na origem da saída de Rui Moreira, deixa o seu lugar no Trio, sendo substituído por Júlio Machado Vaz.

O Trio D´Ataque sobreviverá sem o fanatismo fundamentalista do cineasta encarnado?
Como reagirão as audiências, particularmente entre os benfiquistas, por o lugar do comentador encarnado passar a ser ocupado por uma pessoa com o distanciamento e perfil do sexólogo do Porto?

Pelo menos nos primeiros tempos, vai ser interessante verificar como será o programa sem os recados provenientes da Luz, na boca daquele que, nos últimos anos, se transformou na voz do dono?

16 comentários:

reine margot disse...

Muito bom, José Correia!
No lugar do morto vai ficar o sexólogo!

ℕℯℓsση ℳαcℎα∂σ disse...

Por acaso estava agora mesmo a pensar em ver o trio daqui a pouco mas nem sabia que tinham havido substituições.

Fico satisfeito por saber que Machado Vaz substitui o "walkie talkie" cineasta.
Este não acredito que pape grupos como o anterior. A independência é uma característica facilmente reconhecida em Machado Vaz pois percebe-se nas suas "conversas" radiofónicas e televisivas que as suas opiniões não estão sujeitas a inquinação de terceiros.

Saúdo esta boa substituição e espero agora diálogos mais cordatos e essencialmente sobre futebol.

ℕℯℓsση ℳαcℎα∂σ disse...

Bem, fui agora confirmar esta boa noticia ao site da RTP e afinal diz lá que a substituição só ocorrerá a 4 de Outubro.
Bom, seja quando for, hoje ou para a semana, é uma boa substituição.

Miguel Dias disse...

Mais rídiculo é o motivo que levou este "idiota útil" a abandonar o programa, segundo disse "porque sou contra a privatização do canal público". Lógica a atitude dele, a RTP nestes últimos anos foi um "albergue" de indivíduos sectários e facciosos que estavam a mando de alguém, ou um Partido Político ou um clube de futebol, era - demasiado - fácil ver que a direcção de informação da RTP recebia "recados" e indicações da direcção benfiquista e o APV, um "engajado" isto é um tipo que se gaba de ser um intelectual (embora na realidade este APV não possua intelecto de nível elevado ou íntegro) era o perfil ideal para representar (fingir diríamos nós) um benfiquismo que se queria "amante da verdade" mas na realidade era do mais faccioso e doentio que existe. Ora a ideia de a RTP passar a ser um canal independente, isento e sem interferências nas notícias por parte de partidos ou clubes - espero que seja isso que se pretenda com a privatização - não se coaduna com a mente de uma pessoa como APV formado na dependência de poderes (políticos, culturais, clubísticos ou outros) e que não sabe viver com independência de espírito e isenção de opinião, e para mais com a privatização lá se ia o "estratagema" que esteve por detrás da permanência do APV neste programa: ser um lacaio e um fantoche da direcção benfiquista. A "obra" cinematográfica deste APV é o reflexo da mente dele, argumentos foleiros, sem erudição, sem valor artístico, enredo dependente dos "mentecaptos da cultura francesa" pós-guerra, em suma cinema no qual se defende causas ou ideais. "A Arte pela Arte" não existe para este APV.

Replica disse...

Posso, posso, este senhor, palerma, atrasado mental, não passa de um gajo que tem uma garagem para uns bailes, em que as catraias tem nojo dele.este seria um enredo do filme deste energumeno.

Nightwish disse...

Sim, como se os media fossem todos independentes e isentos...

Alexandre Burmester disse...

Pois, pois, esperem só até que o "sexólogo" Júlio Machado Vaz desembainhe a espada do seu benfiquismo. Não nos esqueçamos que pertence à pior espécie de benfiquistas - os do Porto.

Digo isto sem qualquer acinte ou observação pessoal até porque não conheço o "sexólogo" de lado nenhum.

Mas também não me admiraria que, dentro em pouco, ele começasse a interpretar as reacções dos portistas à luz das teorias de Sigmund Freud, para quem o mumdo girava em torno do sexo - assim a modos como os marxistas, que achavam que a "luta de classes" era o motor da história.

Depois não digam que não vos avisei!:-)

joao abel calais disse...

Caríssimos
...não é que li o post,os comentários e tal como o Alexandre Burmester -não conhecendo o sexólogo de lado nenhum - vá de começar a ver o senhor em causa,de um modo,como direi..."doentio"?! perversamente (ainda) mais anti-portista que o vasconcelos dos filmes?! Não sei se já repararam, mas este, tem um mamar mais doce que o outro,uma certa maneira embevecida e dolente,uma calmaria rebuscada,penso eu de que ...
Porra! Porra! até parece que já estou deitado no divã...
Saudações das boas e sobretudo - PORTISTAS !
João Carreira

Miguel Dias disse...

Caro Alexandre Burmester,

"não me admiraria que, dentro em pouco, ele começasse a interpretar as reacções dos portistas à luz das teorias de Sigmund Freud". Bem visto, pois eu penso que juntando a psicanálise, que é considerada uma vigarice pelos filósofos, com um benfiquismo fundamentalista não vá sair dali nada de sadio para a mente. Na minha opinião será mais um "apóstolo da verdade" que vai procurar fundamentar com a charlatanice da psicanálise, ou qualquer outra treta pseudo-científica de que ele é portador, um benfiquismo militante e sectário.

Pueeertô! disse...

Eu espero um estilo completamente diferente, para melhor, do novo representante benfiquista no trio de ataque, porque vejo nele uma pessoa sensata, e nao um desesperado cego de ódio como o defunto.

Naturalmente, espero que desembainhe a espada do seu benfiquismo, pois é precisamente para isso que o convidam os comentadores.

Alexandre,
ao dizer que a pior espécie de benfiquistas sao os do Porto, está a entrar num perigoso caminho paralelo ao gasto discurso das gentes da capital quando falam dessa "gente do Norte" como se se tratasse de outro povo (ou espécie)onde se concentram todos os vícios e defeitos.
Cuidado!

Hoje voltamos às grandes exibiçoes e ganhamos sem espinhas!

Nightwish disse...

'"luta de classes" era o motor da história.'
A luta de classes é a história do século 20 e 21. E finalmente que a conseguimos lutar.

'Bem visto, pois eu penso que juntando a psicanálise, que é considerada uma vigarice pelos filósofos,'
Disparate completo que nem sei que lhe diga. O Miguel deve ser daqueles cuja resposta para quem está deprimido é "Anima-te, não custa nada!".
Quanto ao JMV, só quem nunca o viu o pode achar da mesma laia do subsídio-depedente.

nobigdeal disse...

não vejo qualquer problema em dizer-se que os piores são os ben7iquistas do Porto, assim como não me admiraria nada se dissessem que os portistas mais aguerridos são os de Lisboa.

parece-me perfeitamente normal que uns e outros, 24 sobre 24 horas rodeados pelo “inimigo”, acabem por extremar as suas opiniões, é assim a natureza humana…

também não espero quaisquer melhorias nos debates com este novo comentadeiro, bem pelo contrário, acho que conseguirá passar melhor a mensagem dos coisinhos. Passaremos da boçalidade básica de um e que até nos faz sorrir pelo ridículo de que se cobre, para as falinhas melífluas do outro, ditas com tão aparente ponderação que soarão como verdades incontestáveis para muitos.
Cumps.

Miguel Dias disse...

Nightwish disse: "Disparate completo que nem sei que lhe diga. O Miguel deve ser daqueles cuja resposta para quem está deprimido é "Anima-te, não custa nada!"
Aquilo que eu quis afirmar é que a psicanálise não é considerada, pela filosofia alemã e anglo-saxónica (por exemplo Karl Popper) uma ciência, porque não possui pressupostos científicos, ou seja não consideram que a psicanálise compreenda ou explique a mente humana.
Para mim é-me indiferente se quem está deprimido vai a um psicanalista, se vai a um ginásio descarregar num saco de boxe a depresão ou se se se dedica a algum passatempo, para os meus lados as pessoas preferem ir passear para a floresta ou para o monte divagar. Desde que no final se cure a depressão, pouco interessa o meio usado para tal.

Barba azul disse...

Eu o que acho é que, tal como num jogo, deviamos reagir a esta mudança na equipa adversária mexendo também nós na equipa. O Miguel Guedes parece-me pessoa para se deixar enrolar pela conversa mole e peganhenta do sexólogo, pessoa para querer mostrar que é "fixola" e tentar contrargumentar na dialéctica do outro. Se for assim, corre o risco de que o outro o consiga fazer parecer, para o público, um tipo sem argumentos nem razão.
Para alguém com o perfil de psicólogo da treta como o JMV, precisamos é de alguém não impressionável, terra-a-terra, daquelas pessoas capazes de com duas ou três palavras desmobilizar o efeito confundidor de longas frases de pseudo-erudição, ou de pôr em evidência o ridículo com uma breve intervenção oportuna. Enfim, alguém como o nosso Manuel Serrão, aqui em baixo!

Me myself and I disse...

Alegra-me a TV privar-me desse sr realizador, mas entristece-me ser substituído por um portuense benfiquista. Tenho pena que sequer ainda existam.

sts disse...

vou ali vomitar e não volto.