sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Equipas B de regresso?

"Está prestes a sair do estirador uma revolução na Liga Orangina que permitirá a entrada em cena das equipas B nos escalões do futebol profissional português. É um desejo antigo dos maiores clubes nacionais que se concretiza, ainda que em moldes mais optimistas do que o inicialmente projectado. FC Porto, Benfica, Sporting, Braga, Guimarães e Marítimo entram directamente na Liga Orangina, que passa a envolver 22 clubes, transformando-se numa maratona que expõe as equipas B à descida e as inibe, naturalmente, de aspirar à subida a um escalão onde esteja a principal equipa do mesmo clube.

- Liga Orangina passa de 16 para 22 clubes. Em aberto a possibilidade de passar a promover 3 equipas, despromovendo outras tantas FC Porto, Benfica, Sporting, Braga, Guimarães e Marítimo são os clubes que vão avançar para a Liga Orangina já na próxima época.

- Não podem participar nas mesmas provas que as equipas principais do mesmo clube, pelo que estão excluídas da Taça de Portugal e da Taça da Liga.

- Cada equipa B só pode ter até 3 jogadores maiores do que 23 anos na ficha de jogo

- Nenhum jogador pode competir pela equipa principal e pela B em menos de 72 horas

- Propostas serão apresentadas em Novembro e sujeitas a aprovação na Assembleia Geral da Federação já em Janeiro"


Acho muito bem que se ressuscitem as equipas B. É bom para o futebol português (cria-se mais espaço para talento português jovem progredir, principalmente na etapa 18-20 anos em que dão o salto para seniores), para a 2a Liga (maior interesse de adeptos e TV) e, espero eu, para o FCP (assim os jogadores podem ser acompanhados de muitíssimo perto nas primeiras épocas de senior, com vantagens para as duas partes; e é também a oportunidade para jogadores do plantel A afastados das convocatórias poderem ir mantendo o ritmo).

Acho também muito bem que as equipas B possam jogar na 2a divisão, ao contrário do passado. Para um jogador, fazer a 1a época de senior numa equipa da 1a Liga pode ser complicado, mas fazê-la na 2a B pode não dar competitividade suficiente. A 2a Liga pode ser o "sweet spot" em muitos casos.

Para mim o percurso típico de um jovem promissor no FCP será: juniores -> 1-2 épocas na equipa B -> 1-2 épocas num clube da 1a Liga -> FCP, i.e. lá para os 21-22 anos (claro que se for mesmo bom nada impede que não possa entrar no plantel A mais cedo).

Já não acho tão bem que comecem directamente na 2a Liga, em vez da 2a B (por mim começavam aí e se demonstrassem mérito para subir, tudo bem, passado um ano estavam na 2a Liga); e acho uma coisa um bocado portuguesa que se aldrabe uma época com 22 equipas, o que se vai traduzir numa maratona de jornadas. Mas pronto, isso são pequenos detalhes.

3 comentários:

Miguel Pereira disse...

José,

Sou completamente a favor da utilização de equipas B. O projecto incial foi muito mal planeado, como era de supor, e é uma ferramenta importante para relançar a abandonadissima formação dos principais clubes. Em vez de termos 25 jogadores pagos a rondar por aí (por muitos favores que isso depois desse em reuniões e votações) temos 20 miudos a trabalhar no Olival ao lado da equipa principal, a jogar em casa e a provar o seu valor longe dos campeonatos amadores onde tentaram meter a equipa B. O exemplo do Barça B, que até terminou o ano em posições de subida, é claro. Dali vai sair a estrutura de futuro do clube (a começar pelo Thiago ou o Fontás, por exemplo) e apesar da 2º liga espanhola ser muitissimo mais competitiva que a primeira liga portuguesa em vários aspectos, não deixa de ser um sinal positivo.

Gostaria de ver os Atsu, Diogos Vianas, Ferreiras, Maias e afins aí em vez de emprestados por esse mundo fora, cumprindo o papel que as equipas de reserva têm em Inglaterra. Assim os Iturbes e Kelvins que chegam em vez de estarem escondidos a esta altura tinha minutos importantes nas pernas e sempre que existam jogadores na equipa A a precisar de ficar em forma fazer um que outro jogo contra o Santa Clara, Belenenses ou Leixões não deixa de ser uma óptima ideia. A diferença com os Olhanense, Setubal e Feirenses não é muita!

um abraço

Pedro Reis disse...

Também me parece uma excelente notícia, que esperemos se confirme e que o FCP a saiba aproveitar bem!

Mário Faria disse...

Acho que o principal benefício vai para a TV. A Liga Orangina deverá ter audiências residuais e com a integração das equipas do principal escalão (fundamentalmente os 3 grandes) é provável que essas emissões fiquem valorizadas.

Se haverá contrapartidas para os clubes, saber-se-á depois.

Desportivamente, todas estas provas têm sido acolhidas como boas soluções para melhor integração dos mais jovens, mas rapidamente os jogadores (promovidos) se sentem desmotivados por integrar uma competição "inferior" (em que vencer não traz o benefício maior) e acaba-se por integrar, maioritariamente, os juniores para constituir a equipa.

Foi, assim, claramente com a Taça Intercalar da AFP. Acabou, ainda, criança.

Muitos jovens estrangeiros foram recrutados pelo FCP para tirocinar na equipa “B” : Fernandinho, Josivan, Paulo Assunção, Banjai, Cristian, Vladimir, Moreno, Feher, Ferreira, Marco António, Elias, Zé Carlos, Chidi, Akos Buzaky, David Júnior, Evaldo, Diogo Gomes, Léo Faria, Charles Chade, Amuneke, Thiago Silva, Vinicius, C. Benson, Gonzalo, Michael Pereira, entre outros, e poucos se firmaram no clube.
As equipas B deveriam não poder jogar com mais de 3 estrangeiros.

Fico à espera para ver.