sábado, 15 de outubro de 2011

Muitos golos, naturalmente...



Nem se esperava outra coisa. Na deslocação ao concelho de Sintra o FC Porto arreou o Pêro Pinheiro por uns concludentes 8 golos sem resposta, num encontro que nem para treino serviu. O clube que milita no terceiro escalão nacional revelou ingenuidade a rodos, numa tarde de sonho onde, afinal, uma escapadinha à praia teria sido mais proveitosa do que o massacre a que foram alvos. Walter assinou metade da factura, enquanto Iturbe, Alex Sandro, Bracali e kadu estrearam-se de dragão ao peito.

Sem grande espanto, Vítor Pereira aproveitou um jogo de menor exigência para ensaiar uma espécie de via alternativa e dar minutos aos menos utilizados. Num sintético ardiloso combinado com um sol escaldante, a circulação de bola foi lenta na fase inicial da partida. Os propósitos dos visitados iam-se cumprindo, porque entrar em correrias não favorecia a sua menor condição física. Os portistas levaram tempo a contornar a bitola e colocar a bola no terreno, promovendo a sua circulação.

Alguns fogachos de Walter com a baliza adversária em mira ditavam uma ligeira ascendência azul e branca no encontro e o fim da resistência caseira. Numa recuperação a meio campo, Walter lança Defour para o 1º de muitos. Mais dois vieram na mesma encomenda aos 33´e 35´, ambos pelo nosso ponta de lança, que ainda faria o 3º da sua conta pessoal, antes do intervalo. A falsa organização do Pêro Pinheiro revelava-se. Mas a competência do detentor da Taça de Portugal muito contribuía para isso.

Com 5 no papo os segundos 45 minutos converteram-se em mera formalidade. Iturbe dava lugar a Varela que haveria de converter a 7ª bola na rede dos locais. Antes disso, Djalma, autenticara o 0-6 numa altura em que todos aqueles que assistiam esta espécie de treino/recriação com bola já bocejavam à boca grande.

Walter fechou a contagem e fez poker com estrondo. A tarde foi sua e amealhou mais uns créditos ao seu prestígio perante o técnico. O adversário não foi competitivo o bastante, mas não se podia pedir muito mais. Ao FC Porto coube-lhe o papel de dinamizador da contenda e assumiu-o com toda naturalidade. Apuramento garantido numa goleada que não ficará para contar.

10 comentários:

Dragaoatento disse...

Gostei do profissionalismo, seriedade e responsabilidade com que os Dragões encararam a eliminatória! Acabou por ser uma vitória fácil precisamente pelo facto dos portistas não terem facilitado. E quando assim é, será sempre muito difícil resistir-lhes.
Destaques na equipa azul e branca: antes demais Iturbe! Não há dúvida, este menino não engana: é possuidor duma técnica avançada e duma velocidade de execução estonteante! Quando estiver totalmente adaptado ao futebol europeu e bem entrosado na equipa, vai ser um caso serio! Alex Sandro atendendo a que foi o seu primeiro jogo, é preciso ver que esteve lesionado, cumpriu relativamente bem a sua função e já mostrou qualidade.Tem técnica, velocidade e presença física.
Também gostei muito do desempenho de Mangala e Defour! Então o central promete e de que maneira, os titulares que se cuidem, porque um dia destes ele lhes arrebatará o lugar na equipa. Belluschi teve pormenores deliciosos! Walter, provou que merece uma oportunidade na equipa. Não é tão dinâmico como o Kléber, mas parece-me mais eficaz do que ele a finalizar!

reine margot disse...

Não fica para contar?... Oito golos são oito golos! Além disso estrear-se aos 16 anos, nem o nosso Vitor Baía!

Nelson Coutinho disse...

Mangala nao vai demorar muito a tirar o lugar a Rolando (ou Otamendi, mas espero que seja Rolando).

Gonçalo Verdasca disse...

Espero que o Vitor Pereira perceba rapidamente que o Mangala é muito melhor que o Rolando.

Pedro Reis disse...

Até acredito que o Mangala seja melhor que o Rolando, mas não é num jogo contra o Pero Pinheiro que dá para comprovar isso...
Bom jogo, 8 golos são sempre 8 golos e foi especialmente bom por proporcionar rodagem a muitos jogadores pouco ou nada utilizados até agora.

P. Ungaro disse...

Boas,

Num jogo contra um adversário fraquinho fizemos o que devíamos ... não complicamos e goleamos.
Foi um "boost" de confiança para o Bigorna, sem ser exuberante foi efectivo e é isso que se pede a um PL, de todos gostaria de destacar Mangala, com mais experiência, mais jogos irá ser um seguidor efectivo da nossa escola de centrais.
Resumindo e concluindo, sem ser um jogo deslumbrante foi extremamente importante para dar moral quer á equipa quer aos jogadores menos utilizados.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

Dragaopentacampeao disse...

Tratou-se de um ensaio em relvado sintético, com um calor do caraças, frente a um adversário inofensivo e sem classe.

Não deu por isso para aferir da verdadeira capacidade dos estreantes. Porém, não passaram despercebidos alguns bons apontamentos.

Alex Sandro integrou-se bem nos movimentos ofensivos, mas denota muita falta de ritmo, o que é natural. Iturbe só jogou meia parte por se ter lesionado. De Messi parece ter muito pouco, Já de James, eu diria que parece gémeo. Esteve em dois golos com movimentos muito parecidos com os do colombiano. Mangala mostrou-se seguro, com bom sentido posicional, capaz de conduzir a bola e entregá-la a preceito. Defour voltou a impressionar, primeiro pela desenvoltura e depois pela ineficácia no remate (marcou um bom golo mas falhou dois cantados). Djalma esteve irrequieto e rematador. Desta vez acertou com a baliza duas vezes. Bracali foi mero espectador tal como o seu substituto Kadú. Walter mostrou o que dele já se conhece. Aparece no sítio certo para marcar com facilidade, umas vezes e falhar outras. Se fosse daqueles que acerta sempre tinha batido hoje um recorde. Dos habituais o maior destaque vai para o Bellushi que esteve como peixe na água. A jogada do segundo golo foi à Messi sim senhor. Os outros nem bem nem mal.

Um abraço

Daniel Gonçalves disse...

Agora que tinhamos um Walter motivado e com confiança, não podemos contar com o contributo dele no jogo da Champions, onde os golos podem ser importantíssimos, quer para a vitória quer para um possível gol-average.

Nelson Coutinho disse...

Pedro Reis,

este nao foi o primeiro jogo de Mangala a titular.

Pedro Reis disse...

Eu sei q não foi o 1º, foi para aí o 2º ou 3º. E para que não fiquem dúvidas eu tenho gostado do Mangala e estou longe de ser um grande fã do Rolando, agora entendo que não seria lógico cortar assim a direito num jogador que quer se queira quer não é de selecção e no nosso clube já fez dezenas de jogos ao mais alto nível, com CL e Liga Europa pelo meios, é só isso!