quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Ponto da situação



O ponto mais saliente desta primeira parte da época de 2011/12 e aquilo que a nós portistas mais deveria importar é, sem qualquer dúvida, a dívida para com o Standard Liége.

Qualquer outro assunto deve ser relativizado perante as potenciais consequências desta nossa (grave) falha.
Nem Vítor Pereira, nem Villas-Boas, nem Falcao, nem Kléber ou Walter. O que mais marcou este arranque, foi mesmo este inédito problema financeiro. Que não se repita, nunca.
O nosso prestígio está também aqui em jogo. Nem tudo se resume às quatro-linhas.

Quanto ao que se tem visto no relvado, e começando pelos nossos rivais, temos que, aqueles treinados por Domingos, estão numa sequência de vitórias raramente vista nos últimos anos por aquelas bandas.
E só de pensar que estiveram, em Paços de Ferreira, a escassos 15 minutos de verem toda a sua temporada arruinada...
Izmailov, antes de se voltar a lesionar para o resto do ano, marcou um golo (caído do céu) que tudo alterou. Depois, uma série de 2/3 jogos com abundância de "fortuna", fizeram o resto.
Teremos que esperar por um novo percalço para, de acordo com a reacção, vermos se temos, ou não, adversário a sério.
Que esteja para breve.

Já quanto aos orientados por JJ, aconteceu, mais ou menos, o de sempre. Naquela fase em que, verdadeiramente, se decide se duram, ou não, até ao último terço de época (ou seja, nos 4/5 primeiros jogos da temporada), o "amparo" arbitral pesou de forma significativa (principalmente nos jogos caseiros contra Feirense e Guimarães).
Depois, a comunicação social lisboeta fez o resto. Inclusive, transformando o empate europeu na Luz, perante o Manchester United, numa "grande vitória".
A confiança, essa parte tão complicada de se conquistar, foi assim aparecendo aos "empurrões".
E, pronto, desta forma aí estão eles lançados. Há que ter muito cuidado.

E nós? Bem, tudo ainda está algo vago no nosso caso.
Muitas incertezas pairam no ar, e estas não aconselham grandes conclusões.

Duas correntes de opinião se formaram, logo desde o principio desta temporada, em quase todos os seus aspectos-chave:

1 - Uns consideraram Villas-Boas um traidor sem perdão, que nos hipotecou o futuro. Outros, que terá sido "vítima" do enorme sucesso alcançado pelo FCP em 2010/11 e que mais e melhor, no FCP, seria sempre impossível;

2 - Depois, tivemos uns que consideraram a derrota na Supertaça Europeia (mais uma) um "bom resultado" dado a enorme valia do oponente e outros para quem uma derrota é sempre uma derrota e que, na verdade, nunca o FCP esteve sequer perto de obter qualquer outro resultado. Seria apenas uma questão de tempo até o Barcelona arrumar o assunto;

3 - Por último, e já quando a bola deixou definitivamente de entrar tantas vezes, muitos passaram a defender a saída imediata do treinador "enquanto ainda temos tempo". Outros, não inocentando o técnico, consideram que o seu despedimento seria precoce e que, perante a tamanha indefinição que existiu aquando da constituição do plantel, Vítor Pereira ainda justifica um período mais largo de avaliação;

Em dois aspectos, porém, existiu quase unanimidade entre a massa adepta:

1 - Praticamente todo a gente, no já longínquo mês de Junho, apoiou a decisão (de "continuidade") de Pinto da Costa de optar pelo adjunto de Villas-Boas;

2 - Praticamente ninguém é capaz de lançar um nome (realista) que possa, no imediato, substituir o nosso actual treinador;

Tudo é ainda demasiado cinzento, pois.

Existe o real perigo de um novo "2004/05", sem qualquer dúvida, e as coisas não estão a sair nada bem.
Que ninguém acredite, porém, que o nível alcançado em Abril/Maio passado seria algo possível de ser mantido.
Falcao representava muito mais que apenas 1/11 avos no poder global da equipa. O futebol tem uma matemática muito própria.
Infelizmente, também, tanto a defesa, como o meio-campo, não terão sido reforçados como deveriam e isso, mais cedo ou mais tarde, ser-nos-á fatal em termos europeus. Aí, haverá já pouco a fazer.

Resta-nos, contudo, a liga nacional e, aí, as coisas poderão (ainda) cair para qualquer um dos lados. Falta ainda tirar uma ou outra dúvida quanto ao verdadeiro grau de motivação dos melhores jogadores.

E temos ainda Hulk connosco (ainda que oxigenado), o que é uma óptima notícia a qual nos podemos agarrar.

São tempos de consumos muito rápidos, estes.

22 comentários:

David Duarte disse...

Luis Carvalho, a anàlise ao Benfica... bom... merecia outra coisa que a caricatura (até porque nem é assim que se medem as reais forças dos adversarios).

"Já quanto aos orientados por JJ, aconteceu, mais ou menos, o de sempre. Naquela fase em que, verdadeiramente, se decide se duram, ou não, até ao último terço de época (ou seja, nos 4/5 primeiros jogos da temporada), o "amparo" arbitral pesou de forma significativa"

Ao ler esta frase até pensei que se estava a referir à primeira parte da campanha do Porto na época passada... por isso esse "aconteceu, mais ou menos, o de sempre" deixa muito a desejar aos espiritos mais criticos.

Miguel Pereira disse...

Uma vergonha, mas esperada, foi a atitude da FIFA que divulgou a lista dos 50 candidatos ao Ballon D´Or com a France Football e não há espaço para nenhum, NENHUM, jogador do FCP.

Nem Hulk, nem Falcao, nem Moutinho num lote onde andam para lá Puyol, Abidal, Khedira ou van der Vaart.

Em 87 o Futre perdeu o prémio pelo voto do jornalista da Bola. Em 2003 tivemos alguns nomeados mas em posições secundárias (apesar do Baía e do P. Ferreira terem entrado no onze tipo) e em 2004 o Deco só perdeu pelo maior mediatismo do Shevchenko.

É absolutamente vergonhosa esta lista e espelha bem como a Europe League faz parte da segunda divisão mediática e como apesar de termos sido considerados, de forma unanime, uma das cinco melhores equipas do Mundo em 2011, ninguém se lembra de nós quando a época de prémios chega!

Mefistófeles disse...

Excelente post, concordo em absoluto. São tempos turvos, estes.

Mas o que realmente me faz "espécie" é este silêncio sobre a dívida ao Standard de Liége que é em si mesma vergonhosa. A divida e o silêncio. Ninguém ainda se deu ao trabalho de dar uma explicação oficial, o que não nos fica nada bem. Muito mal ficámos na fotografia.

miguel disse...

Por principio sou contra os despedimentos do treinador a meio da época, da ultima vez que tal sucedeu no FCP foi uma desgraça, foram uns atrás dos outros.
Quando ao AVB penso que esteja tudo dito, o dinheiro move montanhas.
Sabemos de antemão que VP não tem perfil nem estaleca para treinador do FCP, não é um aglutinador de massa critica, não é um líder nato....um bom adjunto não é sinonimo de um bom treinador, o PC escolheu-o como decisão de recurso, ou seja, naquela altura não haveria ninguém com uma relação custo, qualidade que fosse interessante contratar, pois tenho quase a certeza que se o AVB avisasse ou desse sinais mais cedo que iria sair, o Domingos Paciência estaria sentado na "sua cadeira de sonho".

José Correia disse...

E só de pensar que estiveram, em Paços de Ferreira, a escassos 15 minutos de verem toda a sua temporada arruinada...

E que a viragem no marcador se deu após a expulsão de um jogador do Paços (expulsão muito discutível, diga-se).
Enquanto foram 11 contra 11 o Paços estava a ganhar e com o jogo perfeitamente controlado.
Mas, claro, destes "pormenores" não reza a história...

José Correia disse...

A confiança, essa parte tão complicada de se conquistar, foi assim aparecendo aos "empurrões".

A maior dose de confiança do slb foi-lhes dada pelo FC Porto, primeiro ao empatar em campo neutro com o Feirense e depois, na jornada seguinte, ao ceder (e ceder é o termo) um empate em casa no confronto directo.

O que destruiu irremediavelmente a época passada do slb foram os 5-0 e terem saído do Dragão a 10 pontos de distância.

José Correia disse...

Vítor Pereira ainda justifica um período mais largo de avaliação

Recordo duas coisas:
1) Do onze tipo da época passada apenas saiu um jogador (no tempo do Jesualdo saíram sempre 2 ou 3);
2) O Vítor Pereira já conhecia, detalhadamente, a esmagadora maioria do plantel actual.

José Rodrigues disse...

Luis disse: "Praticamente todo a gente, no já longínquo mês de Junho, apoiou a decisão (de "continuidade") de Pinto da Costa de optar pelo adjunto de Villas-Boas"

Bem, parece-me q o Luis andou muito distraido, nao lendo sequer os comentarios aos artigos sobre isto aqui no RP (na altura). E' q essa frase nao corresponde minimamente 'a verdade.

Por tudo o q li e ouvi (aqui e em muitos outros lados) a opiniao maioritaria entre os portistas (em q me incluo) foi de apreensao por ser um "peso bastante ligeiro" mas dando o beneficio da duvida a PdC, q o conhecia muito melhor do q nos, ate' pq o conheciamos (ao VP) muitissimo mal. Diga-se de passagem q qdo se conheceu a restante equipa tecnica a apreensao aumentou ainda mais.

Uma opiniao tipica da altura foi este comentario do Ricardo RSW aqui no RP:

"VP não tem o mesmo "estofo" e solida formação que AVB tinha, não é possivel ignorar que AVB trabalhou durante anos ao lado de pessoas como Bobby Robson, Jose Mourinho, e passou por clubes como FC Porto, Chelsea, Inter e nos entretantos tirou os seus cursos nas mais prestigiadas instituições do reino unido..
Sabia falar e sabia exprimir-se.

Pelo que vi de Vitor Pereira, é uma pessoa a quem falta carisma, capacidade de expressão, as suas experiencias reduzem-se a sanjoanense, sporting espinho e santa clara, trabalhou com AVB.

Pouco.

Tem todo o meu apoio como portista, mas falta-me a confiança que sentia ano passado.
Espero estar enganado, sinceramente."

De resto estou convencido q foi uma escolha de recurso, e nao pq isso estivesse previsto ha' muito (sim, o PdC disse isso mas e' preciso ver q so' lhe ficava bem dizer isso - pelo menos na altura... - por muito mentira q fosse; e' q ja' sabemos do q a casa gasta).

José Correia disse...

Praticamente ninguém é capaz de lançar um nome (realista) que possa, no imediato, substituir o nosso actual treinador

Manuel José, Mário Wilson (ainda é vivo?), Toni (ai este não, que vai para a FPF), Scolari, ...

José Correia disse...

Que ninguém acredite, porém, que o nível alcançado em Abril/Maio passado seria algo possível de ser mantido.

Eu ficaria muito contente se o FC Porto estivesse ao nível de Agosto de 2010 (quando derrotou o slb na Supertaça), ou de Novembro de 2010 (quando esmagou o slb por 5-0).

O problema é que eu olho para o jogo com o Feirense, a 2ª parte contra o slb, o jogo em São Petersburgo, ou o jogo contra o APOEL (só para falar nos exemplos mais gritantes) e o que vejo é uma equipa com um desempenho paupérrimo.

José Rodrigues disse...

"Praticamente ninguém é capaz de lançar um nome (realista) que possa, no imediato, substituir o nosso actual treinador"

E q tal o Carlos Queiroz? Nao foi o PdC q disse q o gostava de ver a treinador no FCP? Como sabemos o PdC tem sempre razao, entao e' pq seria mesmo boa escolha... ;-)

Agora a serio, treinadores competentes ha' bastantes por esse mundo fora. Muitos nao serao possibilidades reais (desinteressados, muito caros,...) mas certamente q uns quantos SAO possibilidades reais. Cabe 'a direccao da SAD (altamente profissionalizada) e nao aos adeptos investigar e saber quem sao ao certo.

Atencao q nao quero com isto dizer q estou convencido q VP deve ser substituido ja' (mesmo q nao esteja exactamente convencido q deve continuar...). Acredito em 2as oportunidades e q o VP pode aprender com os seus erros (mesmo q tenha as minhas duvidas). Sendo assim so' acho q deva ser substituido se tivermos nas px semanas uma sequencia de maus resultados e exibicoes (ou caso o PdC, com inside information, conclua q o VP nao vai dar a volta 'a coisa).

Daniel Gonçalves disse...

"Praticamente ninguém é capaz de lançar um nome (realista) que possa, no imediato, substituir o nosso actual treinador".

Exceptuando os nomes que o José Correia ironicamente lançou para o debate, que, na minha opinião, não são para levar a sério, em Portugal só vejo Manuel Cajuda, a nível motivacional e de discurso no balneário é muito bom.

No estrangeiro havia muito onde escolher, e não me refiro a Del Neris ou Co Adrianses, mas sim a treinadores de gabarito e com experiência vencedora, mas, como disse o José Rodrigues, a responsabilidade - quando colocada face a tal eventualidade - é dos profissionais dentro da estrutura.

Vítor Pereira enquanto for treinador do nosso clube merece todo o meu apoio e respeito, mas no entanto tal atitude não implica cegueira acrítica. E neste momento quero que o FC Porto, e portanto VP, vença todos os jogos, embora reconheça a desorganização táctica da equipa e a falta de fio de jogo da mesma.

Daniel Gonçalves disse...

Após confirmada a saída do AVB, em Junho, e antes do anúncio do Vítor Pereira eu coloquei, aqui no Reflexão, o seguinte comentário ao post "Não era este que tinha comprado casa no Porto":

Louis Van Gaal, Carlo Ancelotti ambos ainda sem clube, esses sim devem ser nomes a considerar. Basta de decisões erradas como Luigi Del Neri, Co Adrianse; em 2004 depois de sermos campeões europeus deveríamos ter apostado num nome com provas dadas (tipo Marcelo Lipi) em vez disso fomos apostar em Del Neri um desconhecido e um inexperiente nas provas europeias, e os resultados forma o que foram, de certeza que um treinador ganhador teria vindo na altura porque iria disputar a Supertaça Europeia e a Intercontinental e ser "cabeça de lista" na Champions. Temos de aproveitar o recente prestígio e reputação desportiva na Europa, fazer parte do 1º pote na Champions, enfrentar o Barça na Supertaça, de certeza que muitos treinadores de prestígio aceitam um salário mais baixo sabendo de antemão as contrapartidas desportivas que ganhará em vir para o FC Porto. Basta de apostas de risco em treinadores estrangeiros sem créditos firmados, não queremos outro Del Neri. Ivic foi uma excelente aposta em 1987, era um treinador ganhador e com bastante experiência europeia é desta forma que temos de voltar a actuar, em não como em 2004.

Desde aí não mudei de opinião.

José Rodrigues disse...

"em Portugal só vejo Manuel Cajuda, a nível motivacional e de discurso no balneário é muito bom"

Bem, quando foi anunciado q ALB saia eu disse q uma solucao q me parecia satisfatoria seria o Domingos, ate' pq seria uma solucao em certa parte na continuidade (ja' q conhecia certamente bastante bem os jogadores do FCP, mais nao fosse por seguir os jogos todos).

Bem sei q ja' tinha sido anunciado para o SCP, salvo erro, mas nem q se pagasse a clausula de rescisao penso q seria de ter tentado ja' q certamente preferia o FCP ao SCP (e sei la' se nao foi tentado...).

De resto um treinador q me agrada razoavelmente e' o Carlos Brito (mas se calhar o PdC la' tera' boas razoes para nunca ter pegado nele).

De qq forma eu, como a maioria dos portistas, vejo muitos poucos jogos de equipas portuguesas (excepto quando jogam contra o FCP) e a SAD q faz disto o seu ganha-pao e tem muitos funcionarios estara' certamente muitissimo melhor informada.

Para terminar, diga-se q certamente o lote de potenciais treinadores nao se limita aos q actuam no campeonato portugues.

José Rodrigues disse...

"em 2004 depois de sermos campeões europeus deveríamos ter apostado num nome com provas dadas (tipo Marcelo Lipi)"

Um ponto em q estou farto de "malhar" ao longo dos anos (aqui no RP e nao so') e' precisamente q nao compreendo porque e' q nunca se apostou num treinador de creditos firmados, ainda q caro. Um q gostava imenso de ver no FCP era o Hiddink, por exemplo.

Nao compreendo q se queira poupar no salario do treinador quando mesmo um treinador de topo ganha muito menos (no maximo alguns milhoes por ano) do q aquilo q gastamos em contratacoes todos os anos (dezenas de milhoes), e um treinador normalmente faz muitissimo mais a diferenca do q uma contratacao de 4MEuro a mais ou a menos.

Uma teoria avancada por alguns e' q esses treinadores com CV tem um caracter muito forte e nao aceitariam contratacoes impostas pela SAD, ao contrario de outros mais maleaveis. Quero acreditar piamente q essa nao sera' a razao.

Diga-se de passagem q o FCP oferece algo com q muitos outros clubes / seleccoes nao podem competir, principalmente os turcos, russos, etc: uma vida privada muito agradavel (tempo, cidade, comida, cultura, 2h de aviao para o resto da Europa ocidental, etc). Isso para um treinador q ja' e' milionario pode fazer toda a diferenca (para alem do cartaz do clube comparado com os Zenits deste mundo).

"[...]em vez disso fomos apostar em Del Neri um desconhecido e um inexperiente nas provas europeias, e os resultados forma o que foram"

Bem, os resultados com o Del Neri por acaso nao foram maus. Alias, nem maus nem bons, ja' q nao fez um unico jogo oficial :-D

Mário Faria disse...

Embora considere que o prémio concedido a AVB foi justo, a gala do Coliseu foi um acontecimento mediático, com uma notoriedade tal, que transformou este galardão numa espécie de folhetim, porque mostrou que o troféu concedido ao antigo treinador, não resultou apenas do justo reconhecimento enquanto líder do grupo fantástico que obteve os êxitos, mas muito mais do que isso : tratou AVB como um autentico herói e a festa foi dele e somente à volta dele. Os restantes serviram de figurantes.

E, esse facto, muito explorado pelos media, fez que o galardão oferecido passasse a ter um efeito indesejado, na minha opinião, porque acabou por tornar o actual treinador como uma figura secundária, solitária perante o brilho do herói e a “rendição” do imperador face à magnitude da grandeza dos feitos de AVB.

O trabalho de VP vai ser ciclópico. Gostaria de ter visto depois deste show mediático, uma presença de PdC mais próxima do actual treinador. Mais do que nunca o apoio do presidente pode ter intermitências. Não é justo e prejudica a coesão do grupo. PdC é muito sagaz, mas ou é impressão minha ou o VP deixou de ser o homem que era muito mais que o braço direito de AVB: o seu trabalho da campo foi de tal maneira valorizado que alguns terão pensado que o AVB era apenas a ponta do iceberg da equipa técnica do FCP.

Também gostaria que o FCP desse uma explicação pública do atraso do pagamento ao clube belga, mas parece-me um exagero as repetidas ameaças, porque não me acredito que contratualmente não hajam formas de penalizar quem não cumpre prazos, pois é disso que se trata. E, então, é só cumprir o estipulado, para o efeito.

O FCP tem um bom plantel. O que entendo é que foi um exagero gastar 25m€ por dois jogadores de elevado potencial, mas muito jovens. Um investimento de risco quer quanto ao retorno desportivo quer ao financeiro. De resto temos homens de sobra para todos os sectores. Talvez, a linha de frente seja a mais carenciada.

Estes dois jogos, nomeadamente o da CL, ditarão a retoma ou não da confiança. Mas, 2004/5 poderá ser uma ameaça, mas nunca será maior da que vamos ter de passar. Que ninguém se iluda, 2012 e 13 vão ser tão difíceis para o futebol quanto o serão para os portugueses. O nosso futebol não tem base de sustentação para sair incólume do aperto. Espero com alguma ansiedade o RC do FCP, SAD, que tarda em ser apresentado.

Daniel Gonçalves disse...

José Rodrigues quando me referi aos resultados do Del Neri, referia-me às consequências da sua contratação: o tempo de pré-época perdido com um treinador que não teve continuidade e as influências que daí adviram para o plantel/balneário.

José Rodrigues "Nao compreendo q se queira poupar no salario do treinador quando mesmo um treinador de topo ganha muito menos (no maximo alguns milhoes por ano) do q aquilo q gastamos em contratacoes todos os anos (dezenas de milhoes..." Exactamente, estou totalmente de acordo, o dinheiro gasto em Tomás Costa, Prediger, Benitez (refiro-me ao defesa lateral argentino), Valeri dava para contratar um treinador com prestígio. Um treinador competente equivale, na minha modesta opinião, a cerca de 50% da razão de sucesso de uma equipa, sendo o restante repartido pela restante equipa técnica e pelo plantel.

José Rodrigues disse...

Mario Faria disse: "acabou por tornar o actual treinador como uma figura secundária, solitária perante o brilho do herói e a “rendição” do imperador face à magnitude da grandeza dos feitos de AVB"

Este foi precisamente um ponto (contra-producente) q eu avisei mal o premio foi anunciado.

No momento por que a equipa tem passado, a ultima coisa de q o VP precisava (e eu diria mesmo a direcao, a nao ser q estejam para o despedir) era o clube relembrar aos jogadores, adeptos e todos os outros o contraste imenso entre AVB e VP, entre os resultados & exibicoes da epoca passada e os resultados & exibicoes mais recentes.

"Rubbing salt in an open wound", como diriam os ingleses.

José Correia disse...

José Rodrigues disse...
o clube relembrar aos jogadores, adeptos e todos os outros o contraste imenso entre AVB e VP, entre os resultados & exibicoes da epoca passada e os resultados & exibicoes mais recentes

E tendo sido isso notório, qual a explicação para o facto de ter sido Pinto da Costa a entregar o prémio e da atitude e declarações que efectuou no palco do Coliseu?

Alexandre Burmester disse...

Aquilo a que nos foi dado assistir no Coliseu não foi o Pinto da Costa calculista: foi o Pinto da Costa emotivo e grato. É essa a explicação para o seu entusiasmo com André Vilas Boas, até porque decerto não acredita que este possa regressar ao FCP tão cedo.

Quanto a possíveis sucessores de Vítor Pereira (que, estou certo, o Pinto da Costa calculista já estará a equacionar), e embora fazendo minhas as palavras do José Rodrigues a este propósito (a SAD, mais que nós, tem meios para saber onde eles estão e quem eles possam ser), lanço desde já um nome para a arena: Ivan Jovanovic, treinador do APOEL.

dragaovenenoso disse...

Eu mantenho a opinião que tinha na altura do anúncio da promoção do treinador-adjunto a principal. Não foi mal pensada, mas faltava saber se o homem era ou não capaz de orientar a equipa que é praticamente a mesma. Acho que cada vez que fala se enterra mais. Devia limitar-se a comentários curtos e apenas tácticos. Mandar uma mensagem para o balneário através dos media mostra autoridade que tem - nenhuma. As substituições que faz são nas mesmas alturas do Jesualdo. Não me parece que tenha conhecimento suficiente para formar jogadores jovens - não teve a oportunidade de acompanhar treinadores ao nível do nosso FCPorto. E acima de tudo foi uma promoção. Acho que, intuitivamente, os jogadores o continuam a ver como o treinador-adjunto e que o principal está ausente. E falta a grande motivação e energia que pelos vistos o AVB transmitia. É provável que os jogadores se sintam defraudados quando no final do ano passado se preparavam, com o AVB, para mostrar as suas credenciais na LC. Tendo saído a fonte da inspiração, nada funciona. Este é um problema real que o VP terá de saber lidar DENTRO do balneário. Terá de ser capaz de mostrar que não era um subalterno do AVB, mas sim o braço direito. Não vai ser fácil.
Arranjar um treinador agora? Acho que não seria muito difícil, dado o prestígio do FCPorto e as competições em que está envolvido. Só que toda a equipa técnica se iria embora e seria trabalho a realizar desde o zero.

Termino como já disse algumas vezes. As minhas expectativas para este ano são mais baixas do que as que eu tinha no início da época passada. E até ao momento, infelizmente, parece que tenho razão.

Me myself and I disse...

Cajuda? Cajuda nada, Cadestrói. Tudo menos essa personagem Couceirenta. Para quê? Para perder 4 a zero em casa com o Nacional? Com o VP demos 5. Claramente agora já não dá para tirar VP da liderança, seria catastrófico. Booby Robson foi despedido do Sporting quando era 1ª classificado por um resultado péssimo na Europa. Tinham boa equipa e veio queirós, havia ainda mt tempo. Não ganharam nada. É sempre um risco manter VP mas é um risco maior trocar de treinador agora. Só no fim da época se realmente os resultados não aparecerem.