quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Um problema de matéria-prima


Se bem me lembro, no EURO 2004 o onze base da selecção portuguesa era o seguinte:

Ricardo
Miguel, Ricardo Carvalho, Jorge Andrade, Nuno Valente
Costinha, Maniche, Deco
Figo, Pauleta, Cristiano Ronaldo

Principais alternativas:
GR: Quim (Vítor Baía não foi convocado por Scolari!)
Defesas: Paulo Ferreira, Fernando Couto
Médios: Petit, Tiago, Rui Costa
Avançados: Simão Sabrosa, Nuno Gomes

Ontem, frente à Dinamarca, Portugal alinhou com a seguinte equipa:

Rui Patrício
João Pereira, Rolando, Bruno Alves, Eliseu
Raul Meireles, Moutinho, Carlos Martins
Nani, Postiga, Cristiano Ronaldo

Suplentes utilizados:
Miguel Veloso, Quaresma, Nuno Gomes (com mais 7 anos que em 2004…)

Em pouco mais de sete anos, parece-me evidente que a qualidade do onze e das principais alternativas decaiu substancialmente. E quando se chega ao ponto de uma selecção portuguesa apresentar como titulares jogadores do nível de um João Pereira, Eliseu, Carlos Martins e… Postiga (!), está quase tudo dito.

P.S. Há um ano atrás, a culpa pelas más exibições da equipa portuguesa era apenas de um homem – Carlos Queiroz. Um ano depois, após Portugal ter escapado por um triz a sair goleado e humilhado de Copenhaga, a culpa é de Paulo Bento?

11 comentários:

Deko disse...

Se a culpa é de Paulo Bento ?!

- Claro que não !! Continua a ser do Carlos Queirós...

José Rodrigues disse...

O P Bento tal como Scolari tb parece ter as suas taras... por exemplo, nao se compreende pq nao coloca Bosingwa a titular, muito menos nem sequer o convoca.

José Rodrigues disse...

De resto jogadores como Pepe e F. Coentrao fazem bastante falta; e outros como Moutinho estao em muito má forma.

Ou seja, Portugal no seu máximo até tem boa matéria-prima, com a excepção de ponta de lança (mas isso sempre foi uma lacuna, ainda q menos no tempo do Pauleta) e em menor medida de trinco.

Luís Negroni disse...

O 11 base era do melhor que há, se não fosse PB a excluir os melhores (Bosingwa, RC) e a promover os piores (JP, CM, HP). E JM decide oportunas lesões dos jogadores do RM, para não se cansarem muito, pra piorar ainda mais as coisas.

Mas por mim tudo bem, podem perder à vontade, não sou adepto da selecção de portugal do sul, que é o que a selecção pretensamente portuguesa é, no contexto actual.

Eu fiquei contente, e estou convencido de que o Carlos Queiroz, o Ricardo Carvalho e o Bosingwa ainda ficaram mais; Mesmo que não o admitam em público.

Alexandre Burmester disse...

Estamos a assistir ao fenómeno da "escocêzação" do futebol português, ou seja, a decadência do futebol nacional por míngua de verdadeiros talentos, a exemplo do que vem sucedendo na Escócia, país que, convém não esquecer, disputou as fases finais dos Mundiais de 1954, 1958, 1974, 1978, 1982, 1986, 1990 (cinco presenças consecutivas!) e 1998, isto para não falar dos Europeus de 1992 e 1996. Um palmarés mais impressionante que o nosso, diga-se.

Mas olhemos para a a Selecção Sub-21, e a coisa é ainda mais grave..

Pedro disse...

Apesar de tudo não podemos esquecer que P.Bento está a inventar (J.Pereira + Eliseu + Postiga + Carlos Martins) e que as lesões de Pepe, F.Coentrão, Silvio, Danny e H.Almeida têm o seu peso.

Ps: E temos uma pseudo estrela que a 20 minutos do fim a perder 2-0 desata a perder bolas com toques de calcanhar.

The Blue One disse...

Na minha opinião o problema da Selecção portuguesa não está só na matéria-prima.

Sim é um facto que o Futebol Português está a atravessar uma enorme crise no que á formação diz respeito (veja-se por exemplo o nosso clube que todos os anos "deita fora" uma carrada de jovens talentos em detrimento de um qualquer Sub 20 do Brasil ou de uma vedeta da argentina), mas o maior problema não está ai.

O problema da nossa selecção está nos valores. Os Jogadores que vestem a Camisola das Quinas não o fazem com vontade de brilhar mas sim de se mostrar ao mundo do futebol para depois poder ser contratado por um colosso Europeu.

Veja-se o exemplo de Danny que preferiu faltar a estes dois importantes jogos para poder jogar pelo Zenit já na próxima jornada do campeonato Russo. E quem diz o Danny diz o Ronaldo que só joga quando lhe apetece e até mesmo os Jogadores do Real Madrid que só aceitam virem á Selecção quando lhes dá jeito.

Depois temos o vazio Directivo da Federação. Como é que os dirigentes da FPF podem exigir respeito e disciplinar os Jogadores quando na Vice-presidência está uma personagem obscura que foi o protagonista dos vergonhosos casos Saltillo e Queiroz?

E depois temos o Paulo Bento e a sua mania de erradicar quem não vai na conversa dele. Bosingwa foi o primeiro, Ricardo Carvalho foi o seguinte e falta agora saber quem vai ser o próximo.

O PB não pode ter mão nos Jogadores pois na Selecção só singra o treinador que não puser a mão nos meninos, pois se põe os Jogadores arranjam maneira de o "queimar" publicamente.
E nem vou aqui falar na Sportinguização da Selecção que começa na equipa Técnica e nos seleccionados.

Muito mais havia para dizer, mas penso que mais grave do que a falta de matéria-prima, a crise de valores que se instalou na Selecção é algo de mais gravoso e não estou a ver solução á vista.

Cumprimentos a todos.

José Correia disse...

"Custa a acreditar como joga Hélder Postiga quando podíamos chamar quer o Bock quer o Tozé Marreco."
Frase de Eugénio Queirós no seu blogue

Miguel Pereira disse...

Alexandre,

Excelente exemplo da Escócia, eu lembro-me sempre do caso da Bélgica. Nos anos 80 viveu uma espécie de expoente máxima como Portugal nesta década com a geração dos Ceulemans, Gerets, Scifo, Pfaff, van Heyden e logrou resultados similares, uma final de Europeu perdida (80), umas meias-finais de um Mundial (86), boa performance em 82, um pouco pior em 84 e 90. Depois de se esgotar a fábrica, depois da absoluta desorganização federativa, a partir de 94 só marcou presença em dois Mundiais (98 e 2002) e no Europeu que organizou, fazendo sempre péssima figura.

Hoje, depois de uma década de vazio, conta já com uma geração jovem jeitosa mas sem referências adultas para equilibrar uma equipa que tem um potencial tremendo mas um problema estrutural grave.

Portugal vive de dois ou três jogadores individuais de top, mas o resto vale tanto como qualquer onze da Escócia, Irlanda, Bósnia, Turquia, Suécia, Dinamarca, Bélgica ou Montenegro por muito que as pessoas se tenham habituado aos resultados da última década, consequência derradeira de um bom trabalho de há vinte anos. As pessoas esquecem-se que Portugal só é cabeça de série nos rankings porque se aproveitam de uma consequência lógica dos bons resultados até 2006. Se os rankings fossem realizados tendo em conta o real valor das selecções, há muito que Portugal estava em grupos com Espanha, Holanda, Alemanhas e afins..

um abraço

Amphy disse...

Acho que é efectivamente um problema de falta de matéria prima, culpa do panorama que se tem falado aqui no RP do futebol nacional (em particular da 1ª Liga). Das duas, uma, ou nos próximos 5 anos a malta que esteve no mundial sub20 na Colômbia consegue uns bons contratos no estrangeiro e "cresce" enquanto futebolistas, ou vamos ter de deixar o top 10 e passar a esperar dos resultados o mesmo que uma Bósnia, Bélgica, etc. Se bem que a Bélgica tem uns bons jogadores a despontar...

De esperar vitórias quase sempre vamos passar a esperar vitórias às vezes.

Bem hajam.

Pedro Reis disse...

Também estou de acordo que o principal problema é a falta de matéria prima de qualidade.
De facto no onze titular na Dinamarca, temos 4 jogadores de top (Meireles, Moutinho, Ronaldo e Nani) e no banco nenhum...
E em 2004 eram quase todos ou todos mesmo de top (com excepção do Ricardo :-)), incluindo os que estavam no banco.
Claro que temos alguns lesionados ou afastados de top, mas poucos (Coentrão, Pepe, RCarvalho, Bosingwa), mas a diferença é muito clara.
O resto é o de sempre, mas parece-me que o PBento tem muito pouca culpa no cartório e desde que chegou tem até feito bastantes omeletes com poucos ovos.