domingo, 23 de outubro de 2011

Uns tristonhos 5 secos


A bênção da chuva trouxe muitos golos ao estádio do Dragão, um renovado figurino no onze inicial do FC Porto, mas o futebol insípido continuou a prevalecer. Cinco caras novas a alinharem a partir do 1º apito de Cosme Machado, com o miolo e a frente de ataque a serem os sectores mais visados. Eficácia bem lá no alto, mas a confirmação do momento de viragem ainda vem longe.

Sem apego e numa resposta às críticas, Vítor Pereira baralhou as cartas e voltou a distribuir um novo naipe. Defour e Belluschi logicamente calçaram a bota para dinamizar o amorfo futebol azul e branco. Objectivo cumprido… apenas nos 20 minutos iniciais. Nesse hiato de tempo a equipa foi rápida a mexer e a circular a bola. Tão simples, mas tão raro de se ver.

O dínamo do arranque parecia perder fulgor e o marasmo pairava no ar. Na falta de criatividade e imaginação sai bomba do meio da rua para testar como vai a sorte por estes dias. Bem lá no alto para Defour, por sinal. A bola resvala no defesa do Nacional e trai Marcelo, num capricho que o belga fez por merecer.

Ainda antes do intervalo, Walter encostou o 2º da noite, aproveitando um desvio de cabeça de Rolando. E, do encontro desta noite, é máximo que o leitor conseguirá ler sobre nosso ponta de lança titular. Tudo o resto não se viu ou passou ao lado. Na verdade, o Bigorna não só é lento a agir, como a pensar, tornando inconsequentes jogadas prometedoras.


Os segundos 45 minutos não nos ofereceram melhor do que aquilo que havíamos presenciado no 1º tempo. Futebol sem chama e pouco atraente, apesar do bom aproveitamento e consequente vantagem. Nessa toada morna, bastou aproveitar os deslizes da paupérrima defesa insular para dilatar o resultado. Destaques para a jogada do golo de Kléber e o chapéu de Hulk, de belo efeito, a fechar a contagem.

Pode-se cometer sacrilégio de afirmar que espetar 5 num adversário é sinónimo de seca? Sim, pode-se. Esta noite, o FC Porto goleou o Nacional num encontro onde a vitória nunca foi posta em causa. Mas o futebol triste continua lá. Tão triste como a pobreza da maioria das equipas que compõem a nossa Liga.

26 comentários:

Saci Pererê disse...

O Walter está nas jogadas dos 3 primeiros golos, mas se isso é nada, pois não sei o que é ser um jogador influente no resultado final. Precisa de jogar e tem talento, não entendo esta alergia ao Walter sinceramente.

Dragaoatento disse...

Foi melhor o resultado do que a exibição! A equipa esforçou-se, mostrou atitude e grande vontade de ganhar. Individualmente quase todos estiveram bem, porem o conjunto (entrosamento) ainda tem muito que afinar. A circulação de bola é lenta e denunciada, ainda acontecem bastantes passes errados, devido à falta de entendimento principalmente entre alguns elementos do meio-campo e do ataque. Os automatismos praticamente não existiram.

Dragaoatento disse...

Também eu não entendo a alergia ao Walter! Para mim o Walter é goleador. Talvez um pouco lento, mas ocupa bem os espaços e quando tem possibilidades estoura para a baliza!

José Correia disse...

Excelente resultado (os 0-4 de 2004/05 estão vingados...) mas algo enganador, porque a exibição portista continuou a dar alguns sinais preocupantes.

O Nacional ainda não marcou um único golo fora de casa, mas hoje, no estádio do Dragão, podia tê-lo feito em 3 ou 4 ocasiões flagrantes.
O FC Porto tem de melhorar, e muito, a forma como defende, porque nem todas as equipas têm avançados tão "tenrinhos" como o Nacional.

José Correia disse...

O pior que o treinador e jogadores poderiam fazer, era olharem para este resultado gordo, convencerem-se que fizeram uma grande exibição e que os problemas da equipa estão resolvidos.

Espero que esta vitória devolva algum ânimo e confiança, mas parece-me óbvio que a equipa tem ainda muito para melhorar em termos colectivos.

Duarte disse...

"Mas o futebol triste continua lá. Tão triste como a pobreza da maioria das equipas que compõem a nossa Liga. "

Exactamente e a questão é mesmo essa. Se me perguntarem se considero que o Benfica tem jogado até ao momento melhor do que nós, a minha resposta é nem pouco mais ou menos.

No entanto, reparem no nosso onze inicial de hoje: bons jogadores desde o guarda-redes até ao ponta de lança. Agora olhem para o banco de suplentes: James, Moutinho, Guarin, Otamendi, Kleber. E o Iturbe está lesionado, ainda falta vir o Danilo e se o Palito falhar ainda temos o Alex Sandro. Ou seja, temos um plantel excelente com vários jogadores que, a jogarem com alegria, motivação e na sua melhor forma, podem fazer parte de qualquer clube do mundo. Ou seja, a equipa devia render muito mais em todos os aspectos. Já devíamos estar isolados no primeiro lugar e ter a qualificação para a fase seguinte da Champions praticamente assegurada. Nem uma coisa nem outra.

kikogm disse...

O que me preocupa é o ambiente que se sente entre os jogadores e o treinador. O ambiente nao esta bom, o treinador nao inspira confiança aos jogadores. Posso estar enganado e ao fim de uns jogos isto estar ultrapassado, mas acho que a confiança nao vem so de resultados, vem de boas exibiçoes, de os jogadores sentirem que estao a fazer um bom trabalho. Ai, mesmo que se perca, vinga-se no jogo seguinte. Este ano, parece que nao ha essa confiança. Mesmo o Jesualdo dava mais confiança, via-se que os jogadores o respeitavam.

Outra vez, espero estar muito enganado.

reine margot disse...

Lá está, não foi grande jogo, mas goleamos. E, se tivéssemos jogado muito bem e perdido, estávamos todos como?...?
Ainda não foi o jogo que nós adeptos queriamos, mas foi uma vitória com golos bonitos, e continuámos na liderança do campeonato, e com um "plus" em golos marcados.
E, isso, mau não pode ser.
Penso eu de que...

agostinhop disse...

Concordo plenamente com o Nelson Carvalho. Um exibiçaõ cinzenta em que o resultado foi clramente melhor que a exibição. Mas chegou e sobrou para um paupérrimo Nacional. Aliás a qualidade média das equipas da 1ª liga Portuguesa, está a diminuir a olhos vistos, o que talvez explique o mau momento vivido pela própria selecção Nacional. Quanto ao FCP, escusado será dizer que a jogar assim 10 jogos contra o "poderoso" Apoel, só ganhariamos no máximo, uns 4. Está tudo dito.

InVicturioso disse...

Meus amigos, foi sem dúvida melhor o resultado que a exibicao, mas houve coisas muito positivas...A comecar pelo facto que goleamos com 5 jogadores que a partida nao sao titulares! Temos sem dúvida plantel...

http://tresandaafutebol.blogspot.com/2011/10/desenganem-se.html

RCBC disse...

A pobreza que hoje o Nacional demonstrou foi exactamente a mesma que o GR do Beira-Mar demonstrou ao oferecer o único golo da vitória do benfica ontem numa exibição também maravilhosa (segundo a crítica lisboeta)...

Quanto a Walter, sinceramente também não percebo a análise à sua exibição... Terá sido Walter inconsequente na assistência para o 1º golo? Terá sido Walter inconsequente quando apareceu para marcar o 1º golo (em fora-de-jogo é certo....)? Terá sido Walter inconsequente quando ganhou falta para o 3º golo?

Não, Walter não é nenhum craque, nem um portento de técnica ou de velocidade... Mas tem atributos de ponta-de-lança inquestionáveis... Faro pelo golo, movimentação de ponta-de-lança e eficácia de matador... Os números continuam a falar por si, o homem continua a marcar golos sempre que joga, diga o que disserem...

Insistir na crítica fácil a Walter parece-me já enjoativo e desnecessário... Quando vejo coisas bem piores, como o vedetismo do Guarin, a falta de criatividade de Moutinho e o Varela que teima em engrenar... Estar sempre a malhar no Walter, enfim... Cada um com a sua opinião...

Nightwish disse...

A única coisa que posso dizer é que só posso ler este resumo como tendo tom sarcástico. Aí, faz todo o sentido.

Mário Faria disse...

Jogo triste, apesar do resultado ter sido chorudo. Defour saiu com um berro de todo o tamanho (na Bélgica não se joga em terrenos pesados), Beluschi saiu pior que estragado e Kléber cumprimentou Walter de forma efusiva, quando o substituiu. Hulk apareceu disfarçado, mas, ainda assim, é insubstituível. Fez um belo golo, perdeu inúmeros passes, atirou-se para o soalho vezes de mais e protestou com o árbitro da forma habitual. Um jogador com o seu potencial não pode cair tantas vezes na vulgaridade. Mas, como é insubstituível não pode sair.

O Nacional, no ataque, explorou o flanco mais débil e as compensações e as transições defensivas do FCP raramente funcionam regularmente. O adversário causou calafrios na nossa área e algumas jogadas deixaram dúvidas.

A pressão sai sempre meia coxa porque os 3 homens da frente só têm olhos e pernas para o ataque e raramente se preocupam com as marcações, se é que tem essa função. Os homens do meio campo ficam saturados de correr para trás e para os lados e raramente parecem a desequilibrar lá na frente. A rapaziada das frente de tanto atacar fica sem pernas para dar uma ajudinha no meio campo e na defesa se alguém sai raramente recupera a tempo de tamponar o seu flanco. Os homens não são de ferro.

A equipe esteve esforçada, pouco coesa, não mostrou bom jogo, parece muito ansiosa e a confiança deu lugar à tremedeira. Uma certa anarquia funcional que hoje não trouxe dissabores porque fomos felizes.

O nosso presidente tem mantido um silêncio ensurdecedor. Tem que aparecer ou dar um sinal. Para a equipa técnica, balneário e adeptos.

Pedro disse...

Quando uma crónica faz a analise ao Walter desta forma... está tudo dito sobre a qualidade da análise restante.

Se acham que é possivel dar 5-0 a uma equipa de 1ª liga sem jogar nenhum... então tornem-se adeptos do Barcelona ou doutra equipa no FIFA 2012.

José Rodrigues disse...

Tb acho q o Nelson foi bastante injusto para o Walter. Ontem ate' esteve bem razoavel, e teve pormenores interessantes.

Nao e' nem pouco mais ou menos um Falcao e estou certo q nunca o vira' a ser, mas e' um jogador com a sua utilidade e com margem de progressao.

Quanto ao jogo em si, 5 a zero e' 5 a zero, ou seja motivo de satisfacao e acima de tudo de alivio - o treinador bem precisava de este balao de oxigenio.

O q nao invalida q ainda ha' ali imenso trabalho por fazer.

Mário Magalhães disse...

Boas,

O que vi ontem foi um resultado muito melhor que a exibição, sinto que algo não anda bem no seio daquela equipa e este foi só o retardar de uma situação que a cada dia que passa se torna mais evidente.
Continuo a cada dia que passa a ter mais dificuldade em perceber o discurso do VP ele não passa, o resultado apareceu porque também tivemos a sorte do jogo do nosso lado, porque senão ia ser mais um suplicio, o Nacional teve melhor circulação de bola e uma coisa é verdade eles não estão atravessar um bom momento.
Ontem ficou patente no inicio do jogo que algo não anda bem, viu-se muita azia na cara de quase todos os jogadores que estavam no banco, e isto só quer dizer uma coisa o VP não tem o controlo da equipa não tem traquejo o discurso não passa e por isso digo que ele tem os dias contados...

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

A exibição não foi convincente. Ainda denotamos muito nervosismo. Existem jogadores que passam a bola como quem atira pedradas aos colegas.

Mangala, Defour, Walter e Belluschi cumpriram, e foram uma lufada de ambição na equipa.

O que interessa é ganhar, e encontrar o melhor onze para atacar o campeonato e champions até à paragem de natal.

Abraço e boa semana

Paulo

pronunciadodragao.blogspot.com

José Rodrigues disse...

Mario Faria disse: "na Bélgica não se joga em terrenos pesados"

???!!

Carago, farto de jogar futebol em terrenos pesados na Belgica estou eu...:-D

Alias, como e' do dominio publico chove muito mais frequentemente na Belgica do q em Portugal.

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Mais uma exibição pobrezinha, apesar da maior velocidade e dinamismo emprestados pela chamada à equipa de Mangala, Belluschi, Defour, Walter e Silvestre Varela.

Continuam evidentes a falta de sincronismo e sobretudo de confiança, patenteadas nas deficientes recepção da bola e qualidade de passe, na dificuldade de ligação das jogadas e na escolha da melhor opção.

De enaltecer a coragem de Vítor Pereira ao mexer tão profundamente na equipa, passando a mensagem correcta aos jogadores. Quem quiser jogar terá de se esforçar e trabalhar para merecer ser escolhido.

Sem jogar bem o FC Porto ganhou bem e conseguiu um resultado volumoso que faz do seu ataque o mais realizador do campeonato. Gostei muito da exibição de Mangala.

Um abraço

InVicturioso disse...

Eu penso que muita gente está a interpretar mal as mudancas na equipa.
Nao me me acredito que se tenha tratado de um respanete, mas sim de mera gestao. Acredito que VP tivesse feito estas alteracoes mesmo que tivéssemos ganho ao APOEL.

M. Teixeira disse...

Sem dúvida que ontem o resultado foi (bem) melhor que a exibição, mas fará bem à equipa, dará confiança ao treinador e aos jogadores para os próximos desafios. Até o público me pareceu melhor... os SD cantaram e o público não assobiou muito (alguns adeptos ainda assobiaram o VP aquando da constituição das equipas e aquando da saida do Bellushi... enfim!). A equipa continua a demonstrar falta de entrosamento, fragilidade no passe e pouca solidariedade táctica. Contudo, penso que o 11 de ontem (coragem de VP que resultou bem) com alguns óbvios regressos de titulares pode ser o ponto de partida para exibições mais sólidas. O ponto mais positivo que retirei do jogo do ontem foi a boa e esforçada exibição do Álvaro Pereira (bom dia e bem vindo à época 2011/2012) e do Mangala (aqui e ali uns excessos e confiança resultantes do desejo de demonstrar as suas qualidades, mas parece-me claro que temos alternativa séria aos dois "supostos" titulares. Assim, penso que com o regresso natural de Moutinho (tirava Defour) e de James (tirava o Varela) ficamos com um 11 equilibrado e muito forte... havendo, claro, motivação para tal. Quanto ao Walter, gostei, fez o suficiente, mas continuo a preferir Kleber. FORÇA CAMPEÕES, venha mais um dia de frio,chuva e vento que eu lá estou!

nobigdeal disse...

- ainda mantenho a esperança de que venhamos a fazer uma boa época ou, vá lá, pelo menos razoável. esperei 18 anos, não me importo de esperar mais meia dúzia de meses;

- o Mário Faria estava a ser irónico (para mim o Defour deveria alternar a titularidade com o Guarin, dependendo do momento de forma de cada um e do jogo em causa);

- não gosto de usar pontos de exclamação mas vou abrir uma excepção: não me agrada estar a passar por caloteiro!

António Soares disse...

Engraçado.
O problema o ano passado era exactamente o mesmo...
Não acreditam? Vejam aqui.

Continuamos, nós adeptos do maior e melhor clube em Portugal, a comparar uma equipa em Outubro, com menos de 2 meses de trabalho (vamos esquecer o trabalho antes de 1.Set já que VP não sabia com quem podia contar e a culpa não foi dele) com uma equipa feita em Abril ou Maio.

Não é comparável, mas há duas diferenças substanciais que nos faz ter o comportamento actual:
1) o slbosta está melhor - ou pelo menos com mais pontos - o que nos coloca pressão que não tivemos o ano passado;
2) o discurso de VP é, como dizê-lo, limitado, quando comparado com o de VB. E é isso que nos retira lucidez. Habitua-mo-nos a ser tratados como reis, a ter quem atacasse em todas as conferências de imprensa em quem tinha sempre resposta para o que vinha de lá de baixo e o nível, nesse aspecto, desceu...

É com isto que nos temos que habituar.

De resto, pelas minhas contas, temos 47 jogos seguidos no campeonato, com 42 vitórias e 5 empates... Fosse isto conseguido por uma equipa de vermelho e era capa da Bosta todos os dias...

Pedro disse...

Como já ouvi e li por ai, o pior inimigo do FC Porto são os seus supostos exigentes adeptos. Em todos os jogos há que ver só o pior, e criticar sem critério.

É quase inacreditável que na crónica estejam 0 coisas boas, 0 elogios a jogadores, e uma incrivel critica a Walter. A exibição não foi fantástica, não entusiasmou, mas tivemos bons golos, boas prestações individuais, e uma equipa solidária. A evolução faz-se com vitórias, e com adeptos mais racionais e menos mimados.

M. Teixeira disse...

Caro Pedro, permita-me "colocar" de fora desse quadro. Se ler o meu comentário atentamente verificará que não me enquadro na descrição. Além disso... concordo completamente com o seu ponto de vista! Abraço

Luís Negroni disse...

Não acho que tenham sido assim tão tristonhos os 5 secos. Pelo menos viu-se aquilo que ainda não se tinha visto esta época: Uma equipa à Porto, a correr, a lutar, solidária, em condições climatéricas (e não só) bastante difíceis.

Aquilo que se viu é a base de tudo no futebol. Sem trabalho, determinação, união e espírito de sacrifício, o talento de nada vale. Quando o Porto joga assim, mesmo com pouca inspiração, mesmo com passes fáceis falhados, mesmo com erros defensivos, acredito sempre na vitória.

Esta nova atitude tem de ter continuidade, sem intermitências. Se assim for, a seguir aos bons resultados "só", regressarão os bons resultados com boas e com grandes exibições.

Resta saber se Vítor Pereira terá estaleca para a empreitada.