segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O papa recordes II


Mais um jogo, mais um brilharete de Vítor Pereira:
- Não me lembro de um jogo em que o FC Porto não tenha feito um único remate à baliza na primeira parte. Sendo um jogo a eliminar, ainda é mais grave.
- O FC Porto já não perdia em Coimbra há 40 anos.

E pronto, quarta-feira há mais na deslocação à Ucrânia para jogar contra o Shaktar.

19 comentários:

Alexandre Burmester disse...

Eu estive nesse jogo que marcou a nossa última derrota em Coimbra antes do "feito" de sábado. Foi em 1970/71 - há 41 anos, portanto - e lembro-me apenas que perdemos 4-2 e que na baliza estava o Armando, vindo do Braga. Ah, o nosso treinador era o Tommy Docherty.

Invicta disse...

Só para completar o comentário do Alexandre, Tommy Docherty o treinador da altura não terminou a época ao serviço do FC Porto.

Ricardo Rodrigues disse...

Não sejamos tão esquecidos, até porque não foi assim à tanto tempo (faz hoje 1 ano)

http://www.soccerway.com/matches/2010/11/21/portugal/taca-de-portugal/moreirense-fc/futebol-clube-do-porto/1045650/

O Futebol Clube do Porto fez 2 remates à baliza...
Claro que tinha o Falcão (que entrou para resolver), mas também não tinha o Rolando, Maicon e Fernando a comprometer....

Duarte disse...

Ricardo, quer comparar um jogo desses quando antes tínhamos despachado o benfica com 5 golos sem resposta?

Se formos por aí também sou capaz de arranjar um jogo do tempo Mourinho parecido com o de sábado estatisticamente. Aliás, provavelmente, até lhe arranjo um jogo por época.

InVicturioso disse...

Pois, o problema é que com VP eu arranjo um por semana

TJAlves disse...

O problema é grave, em especial porque a decisão foi demasiado pessoal (o que tem sido quase sempre um erro primário...), mas sobretudo porque se começa a criar a ideia de que será um adjunto a substituir o actual adjunto - inacreditavel.

Que autoridade reconhecerá o plantel?

O problema é o mesmo do início da temporada, agora sem resultados - Fucile, Pereira, ROlando, Fernando e Guarin nuncva devceriam ter ficado contrariados, e sobretudo a saída de Falcão deveria ter dado lugar a um reforço e não a um Kléber de birra com o sporting.

Como se não bastasse o refugo Varela (finalmente parece que o mundo acordou para o real valor do Varela), meteram-nos a ideia de que o Moutinho era valioso (se ele entre mancos no sporting nada fazia, o que pode ele acrescentar aqui?) e nem um 10 de valor a equipa tem. Magala e Defour não acrescentam muito à qualidade do 11 (não tenho memória de um único central que tenha singrado cá aos 19!) e a treinador parece agora ter acordado um pacto com James para que este descanse cá o que se cansa em Bogotá.

E este é o Hulk do início, que já todos tinhamos esquecido.

Só espero que Pinto da Costa se volte a encontrar como sempre tem acontecido, porque em Donetsk joga-se muito do moral que restará à equipa, e a recepção ao braga trem tudo para ser um bico de obra.

Aguenta coraçao.

rbn disse...

E esta, hein?

Eliaquim Mangala concedeu esta segunda-feira uma entrevista à rádio RMC onde revela ser adepto do PSG e garante que gostaria de jogar um dia na Liga francesa.

“Ficaria agradado de ir para a Liga francesa se existissem propostas. Isso pode acontecer no futuro. Ninguém me tem contactado, mas sei que no passado o Lyon fez uma oferta ao Standard, que foi rejeitada”, afirmou à rádio francesa, antes de ser confrontado com o nome do PSG.

“Sou grande adepto do PSG. Se é um clube que me agrada? Claro. Ia já!”, atirou o central francês.

Ainda assim garante estar feliz no FC Porto: “Cheguei ao FC Porto apenas este verão. Este tem sido um dos melhores clubes da Europa nos últimos anos e penso que será um bom trampolim para a minha carreira”.

in dragões azuis.

Alexandre Burmester disse...

Caro Invicta,

Tommy Docherty saiu a poucos jogos do fim dessa época, salvo erro para ir dirigir a selecção escocesa. Mas isso apenas se ficou a dever ao facto de a direcção do FCP achar que o seu adjunto, António Teixeira, daria bem conta do recado.

O filme repete-se.

Amphy disse...

Tem-se discutido noutros posts a falta de capacidades de Vítor Pereira. Concordo. Ele não tem o factor X para conseguir motivar e conduzir uma equipa. Isto acontece em muitas áreas da sociedade, não só no desporto. Não serve portanto.

No entanto há mais uma questão que me inquieta, que é o facto de parecer que os jogadores estão a querer fazer a "folha" ao treinador. Escandalosamente. Ou então a outra pessoa qualquer. Que um ou dois jogadores estivessem descontentes por não terem saído, ainda compreendo - tal como aconteceu com o Meireles e o Bruno Alves (síndrome do queria sair e não deixaram) - agora a equipa toda não correr, não se entende. O Palito claramente está com o Síndrome, mas há mais. Uma equipa que jogava tão bem no ano passado, não é só por ter um pouco menos motivação que não consegue fazer nada actualmente. É porque não querem. Em jogos de estratégia máxima podia emperrar, agora, em todos??

Claro que percebo que a solução possa ser a curto prazo tratada com a mudança de treinador, por outro mais disciplinador ou motivador, mas alguém deveria puxar as orelhas aos "meninos". Estes putos mimados tiram-me do sério. Pagos a peso de ouro e com tiques de virgens ofendidas. Quando voltam ao treino depois dos desaires o Pereira faz-lhes festas no cachaço... Assim não.

Troque-se o treinador, mas também mais meia dúzia de jogadores. Troquem-se "peseteros" por jogadores profissionais ou que sintam a camisola. Esta brincadeira já farta.

Ricardo Rodrigues disse...

@Duarte

O meu comentário vai no seguimento do seguinte:

"- Não me lembro de um jogo em que o FC Porto não tenha feito um único remate à baliza na primeira parte. Sendo um jogo a eliminar, ainda é mais grave."

Más exibições há com qualquer treinador, seja ele o Vítor Pereira, André Villas Boas, José Mourinho, Bobby Robson...mas querer fazer dos outros parvos é que não.

Obviamente não estou satisfeito com as exibições na sua globalidade, muito menos com as constantes alterações ao onze titular da equipa, muito menos com os amuos de alguns jogadores.

Infelizmente já sabemos onde é que isto vai acabar...o filme é idêntico ao de 2004/2005.

Tiago Silva disse...

Já li e ouvi inúmeras análises ao estado de crise do nosso FC Porto. Em todas elas me pareceu que ficou sempre algo por dizer. Na minha modesta opinião, há um conjunto de factos que explicam este (pobre) estado de coisas. Em primeiro lugar, julgo que o Presidente PC deixou-se inebriar pelos êxitos do ano passado. Ouvi da sua boca, mesmo antes de começar a época, um dos comentários mais nefastos para o espirito e convivência sã do plantel: dizia o Presidente que o único jogador insubstituível no Porto era o Hulk; que para todos os outros tinha um substituto enquanto para o Hulk não. Aí começou a cavar-se o fosso deste ano. Basta ver o que o Hulk (não) faz desde o início da época. Por outro lado, acho que a SAD cometeu um erro crasso em não ter alienado 4/5 jogadores que tinham mercado e, mais do que isso, uma enorme vontade em sair. Se o tivesse feito teria aproveitado uma valorização dos jogadores decorrentes da boa época feita e, mais do que isso, teria, simultaneamente, injectado sangue novo no plantel e novas ambições para conquistar. Ficar com jogadores contrariados tem resultados já por demais conhecidos. Quem já jogou futebol a um nível profissional sabe bem que a azia de jogadores, quando não bem gerida, fomenta a criação de grupos que só visam fazer a cama ao treinador. E quando este não tem capacidade de liderança, como é o caso, ninguém consegue controlar o balneário. É manifesto que VP nao consegue, como já adivinhava o Luis Freitas Lobo, entrar na cabeça dos jogadores. Não tem carisma, não tem discurso, não tem chama. Se a isto adicionarmos uma restante equipa técnica que não tem nada a ver com a cultura do FC Porto, temos o retrato feito. É claro que há mais: a incapacidade para, depois de quase 40 milhões de euros gastos em contratações, contratar um ponta de lança de qualidade insuspeita. Mas este até se me afigura o menor dos problemas. A solução cinge-se a seguir uma só estratégia: contratar um novo treinador com ego e estatuto imensuravelmente superior aos dos próprios jogadores. Não vejo por aí muitos que tenham este perfil: Rafa Benitez, Guus Hidink, Van Gaal, RIckard, Bielsa ou M. Ramalho.

Mangalhugo disse...

Há uma questão pertinente, de falta de identidade clubistica, que ultrapassa largamente a jurisdição do Treinador mas que contribui decisivamente para que depois de um ano fantástico, se siga um ano miserável.

Aconteceu em 2004-05 e acontece agora de novo.

Sem um núcleo de jogadores da casa "desde pequeninos" o Porto vive um bocado ao sabor dos ventos e das marés, porque não tem Timoneiros que no meio de tormentas saibam o que estão a fazer e para onde o barco deve ir.

Ora, se tivessemos como treinador uma figura permanente tipo Alex Ferguson ou Arsene Wenger que garantisse a continuidade do projecto... Mas não temos e é por isso que se nota à falta de pessoas naquele balneário que "sintam" o FC Porto.

E com o projecto 611 moribundo decerto que não iremos lá tão cedo, o que para mim significa que um patamar de estabilidade no plantel derivado de uma formação intensa conjunta desde cedo será nos próximos anos uma utopia.

A SAD optou, conscienemente, por uma via distinta que priveligia a potenciação de atletas com um perfil definido e que são identificados um pouco por todo o mundo.

Quando a conjuntura é favorável, acontecem coisas extraordinárias, mas invariavelmente depois tudo parece sucumbir. Porquuê? Porque se gera a noção do dever cumprido e o desejo de "dar o salto" para outros campeonatos mais competitivos (leia-se abastados).

Penso que é uma via com os seus méritos, mas por outro lado, trás consigo a alienação do adepto tradicional que deixa de se identificar com a equipa.

Por outro lado, o adepto moderno, aquele que já nasceu neste contexto, só admite vitórias, custem elas o que custarem.

E assim é difícil prever se alguém terá sucesso ou não, sendo que quando as coisas correm bem, podem correr extraordináriamente bem, e quando correm mal, é logo "crise".

José Rodrigues disse...

"quarta-feira há mais na deslocação à Ucrânia para jogar contra o Shaktar"

Bem, quem sabe pode ser que tenhamos uma agradavel surpresa amanha~. Nao me parece, mas quem sabe...

A vantagem das expectativas muito baixas e' que a haver surpresas, so' mesmo pela positiva ;-)

Mário Faria disse...

O FCP passa por um momento de desassossego e ninguém se livra de ser co-responsável pela angústia que se instalou. Os sócios e adeptos porque só admitem vitórias e são demasiado impacientes, Vilas Boas porque deixou a cadeira de sonho para aterrar no pesadelo em que se tornou o Chelsea , Vítor Pereira porque aceitou um lugar onde não cabe, os jogadores porque pensam demais nos eldorados que construíram, tendo-se tornado um imenso bocejo vê-los jogar, Falcão porque saiu para um emblema “menor” onde não vai sobressair e a SAD porque agiu depressa demais. E depressa e bem há pouco quem !

Mário Faria disse...

O nosso presidente, na sua condição de comandante supremo, não pode deixar de ser (o principal responsável) pela actual situação.

Pela escolha do treinador e pelo que permitiu escolher (formação da restante equipa técnica),

pelas loas que cantou
do VP (quando se sabe pouco dos méritos e das capacidades do homem que não produziu trabalho de encher o olho pelos clubes em que passou),

por não ter apoiado o treinador quando devia, porque o escolheu confiando seguramente nas suas capacidades,

por não ter vendido algumas jóias optando por uma descabida intransigência negocial e, assim, mantendo jogadores insatisfeitos no clube e pouco receptivos a sacríficios em nome do colectivo.

Mário Faria disse...

Os jogadores, esses precisariam, que os clubes provocassem, seriamente, uma onda que vá no sentido dos cortes salariais, primeiro no país com um acordo informal, que já vingou em tempos entre os três grandes, de não caçar em terreno alheio, ainda que o jogador estivesse em fim de contrato . Ainda que se reconheça a extrema dificuldade em criar jurisprudência numa área tão sensível, não há projecto sustentável que
não passe por aí, porque no que concerne a algumas receitas correntes (quotizações,
merchandise e patrocínios) devemos sensatamente orçamentar com muita
ponderação e prever uma quebra considerável nos próximos anos, e considerar que o efeito de contágio na Europa vai produzir efeito nas nossas exportações.

David Duarte disse...

Ha sempre a hipotese de um 5-0 José Rodrigues por isso esse "so mesmo pela positiva" tem muito que se lhe diga.

Luís Negroni disse...

Ohhhh, David Duarte! Claro que há sempre a hipótese do 5-0 que vos marca tanto (por já terem levado essa dose, do Porto, em casa e fora) mas dificilmente haverá um 7-0, como em Vigo.

David Duarte disse...

Então considera a hipotese do 5-0 bem valida Luis Negroni?

Sobre o que me marca ou deixa de marcar não se preocupe (não percebo o "vos"... escrevo em meu nome, não represento ninguém). Por mim podia bem perder todos os anos por 5-0 se no final o Benfica fosse campeão.