quinta-feira, 3 de novembro de 2011

"Que Fazer?"


Esta pergunta fez o fulano da foto e usou-a para título de um seu livro. De notar que logo o primeiro capítulo tinha o título "Dogmatismo e Liberdade de Crítica".


PS Este comentário não encerra, obviamente, qualquer tipo de opinião política.

8 comentários:

Mário Magalhães disse...

Boas,

Passado quase dois dias depois de mais uma triste figura, eu defendo duas coisas. A troca do treinador e limpeza de alguns jogadores que estão no plantel.
O treinador pela incompetência, pela falta de cultura táctica, pela dificuldade de passagem do discurso, etc...
E os jogadores como Guarin, Alvaro Pereira, Fucile, Fernando, porque estão a criar mau ambiente e apostar no Castro e em outros para esses mesmos se tornarem símbolos como Jorge Costa, Vítor Baía, Pedro Emanuel.
Era estas as medidas que tomava neste curto espaço de tempo, para ainda sermos campeões.

Zé Luís disse...

Não política, claro, mas a consequência foi boa?

Nuno Nunes disse...

Certo Alexandre. Mas no caso de queda do "Czar" quem lideraria os "soviets"?

Daniel Gonçalves disse...

Voltando a repisar no mesmo assunto, na minha opinião Vítor Pereira foi promovido a técnico principal demasiado cedo, não possui estaleca para treinar a equipa do FC Porto, e acrescente-se que o Rui Quinta também ainda não é destas andanças. Já se tornou evidente que VP ainda é deficitário a nível táctico/estratégico e a nível motivacional dentro do balneário. Portanto, na minha humilde opinião ou a "despromoção" a adjunto de um treinador veterano (daqueles que não fará revoluções de 180 graus) e com experiência de vitórias ou, na eventualidade de VP não aceitar essa despromoção, a saída.

Nada de apostar em novos Mourinhos, já ouvi portistas a falarem no "Special Three", o Rui Faria. Sinceramente porque é que não se apostou no Valdemar Brito, aquando da saída do Mourinho, em 2004, para o Chelsea? Afinal a lógica que sustentou a aposta no Vítor Pereira também seria a mesma ao apostar no Valdemar Brito em vez do Luigi Del Neri para assegurar a continuidade pós-Mourinho.
Porque o Valdemar Brito era o nº 2 da hierarquia - acima do AVB e do Rui Faria - da equipa técnica do Mourinho, E já agora, que foi feito dele?

Daniel Gonçalves disse...

O Miguel Pereira escreveu no blog dele, Em Jogo, o seguinte sobre o Vítor Pereira: "tacticamente é um treinador perfeitamente previsivel, com conceitos primários e que não se adaptam nunca ao estilo de jogo do rival ou à natureza do que está em disputa" "O seu modelo de jogo é tão fácil de desarmar..." "Trocar os centrais ou os médios com a facilidade com que faz VP é trocar as ideias ao colectivo"

Concordo com tudo o que foi escrito acima, e que me desculpem os proprietários do "Reflexão" por usar excertos de outro blog, mas isto apenas para sublinhar a incapacidade do nosso treinador para conseguir comandar a equipa do FC Porto.

Alexandre Burmester disse...

Oportuna pergunta, Nuno. Não sei a resposta, e daí ter citado a pergunta de Vladimir Ilych Ulianov.

Mas também não sou eu que sou pago para ter respostas a perguntas dessas...

nexus disse...

Vendo as exibições dos 3 grandes nesta semana europeia... o nosso nível interno este ano é fraquissimo.

Mesmo assim o que me assusta mais é que o V.Pereira ache que foi uma exibição à Porto. Não é um caso de "Que Fazer" é um caso de "F***-** que murcão"

hulk mocc disse...

Estará VP apenas a tentar mudar as rotinas de jogo da equipa? Estará ele a tentar impôr uma nova cultura táctica à qual os jogadores estarão a oferecer resistência?

Estará a equipa "partida" nas suas ideias e portanto "paralisada" no centro de decisões, quando é a contar (isto é: em campo)?

Está VP a cavar a própria sepultura ou devia a nação portista unir-se em torno do treinador e deixá-lo operar a sua própria "revolução"?