quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Que mal terá este gajo feito...


...para ir para a rua sem dar um pontapé na bola?

8 comentários:

Daniel Gonçalves disse...

Era(é) estrangeiro, se Del Neri fosse português teria existido alguma relutância em o despedir. Esta é a minha explicação: o "portuguesismo bacoco", e podem considerar a minha opinião totalmente absurda.

Os resultados desportivos de uma equipa tem de ser avaliados de acordo com os critérios de eficácia/eficiência, de qualidade técnica e não de acordo com razões emocionais. Vítor Pereira já demonstrou que não tem - ainda, se acreditarmos que poderá ter num futuro, após muitos anos de adjunto - capacidade e competência, seja ele táctica, estratégica, motivacional, para liderar esta equipa do FC Porto.

Daniel Gonçalves disse...

O Alexandre Burmester colocou aqui no RP, pelos idos de Julho, um post a referir que, com a escolha de Vítor Pereira para treinador do FC Porto, se tinha vingado e feito justiça a António Morais. Pois já deu para ver que ainda não foi desta que o falecido António Morais foi vingado, e na minha opinião não me parece que vá ser Vítor Pereira que vai vingar o saudoso António Morais.

Miguel Pereira disse...

Daniel,

Um dos problemas do VP é que é precisamente muito parecido ao Morais, e entre duas figuras tão carismáticas como foram o Mestre e o Rei Artur, a figura do Morais é ainda mais caricata. Como disse o Inácio na reportagem sobre o Pedroto que emitiu a SportTv, se Morais fosse Pedroto naquele balneário de Basileia, talvez se tivesse ganho uma taça platinizada.

um abraço

Alexandre Burmester disse...

Daniel,

De facto fiz esse comentário. As circunstâncias são agora bem diversas, mas mantenho a comparação.

Abraço

Alexandre

Daniel Gonçalves disse...

Alexandre,

quando recordei esse post, não foi para ironizar ou satirizar a sua opinião, pois eu também concordei com a comparação.

Que foi feito do adjunto do Arrigo Sachi? Do adjunto do Rinus Michels? Do adjunto do Fabio Capello (dos anos 90)? Onde está o adjunto do Cryuf? Por alguma razão nem todos os adjuntos de grandes treinadores se tornaram também excelentes técnicos. "A genialidade não se contagia" não foi o que o Miguel Pereira afirmou? Pois aqui esta uma prova.

Alexandre Burmester disse...

Daniel,

Estou perfeitamente de acordo consigo, e não interpretei o seu comentário como ironia ou sátira.

Um abraço

Duarte disse...

Na mouche, caro Daniel. Concordo com tudo o que disseste, mas vamos por partes.

Para mim é evidente que o grande pecado de Del Neri foi ser estrangeiro. Não, não é um grande treinador, dificilmente teria sucesso, mas teve uma tolerância bem mais pequena da parte de todos. E quando digo "todos" incluo também os adeptos, já que ainda se conseguem ver alguns defensores do Vítor Pereira nesta altura.

Em relação aos adjuntos, mais uma vez de acordo com o Daniel. Esta foi uma daquelas modas estúpidas que às vezes alastram pelo futebol português: a de que o mérito do sucesso dos treinadores principais é dos adjuntos. Foi assim com Queiroz no Manchester (também diziam por cá que o mérito não era do Ferguson, mas sim dele e está à vista) e com Carlos Azenha (lembram-se que quando saiu de adjunto do FCP se dizer que o mérito dos 2 campeonatos ganhos pelo Jesualdo não eram do professor, mas sim dele? Cá eu não me esqueço e olhem que grande treinador que é o Azenha).

Voltando a Del Neri e fazendo a ponte para o Vítor Pereira, no caso do VP sair espero que a SAD pense friamente e sem seguir os patriotismos de uma franja de adeptos do nosso clube. O Pedro Emanuel está longe de ser um treinador maduro ainda. Pode ser mais líder que Vítor Pereira (embora para mim o grande problema não seja a falta de liderança ou de pulso firme), mas ainda tem muitíssimo que aprender. Leonardo Jardim, idem, pelo menos a mim não me convence. Ou seja, não há um único português com capacidade para ocupar o lugar. Logo, só uma solução externa poderá servir.

Miguel Pereira disse...

Duarte,

Vê lá se a direcção não está à espera de uma previsivel eliminação frente à Bósnia para relevar o VP!!

Daniel,

Tens toda a razão, o artigo adapta-se perfeitamente ao VP. Os únicos adjuntos que conheço que realmente foram bem sucedidos: o Bill Paisley, o rei Artur, o Mourinho e o Schonn.

Homens como o Rexach ou Taylor dão bons exemplos de como se pode ser muito útil ao lado da cadeira de sonho mas nunca lá sentado.

um abraço