quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

A agenda dos “especialistas” de arbitragem

A minha equipa está triste e o sentimento é de revolta. Culpados pela derrota? Jorge Sousa não esteve à altura! Não se trata só da expulsão, lance no qual não há contacto do Olberdam, mas o Maxi Pereira inteligentemente tira proveito. Antes, porém, já tinha havido outras decisões infelizes de Jorge Sousa, com a balança sempre a pender para o mesmo lado.
Pedro Martins, treinador do Marítimo

[o árbitro] Passou o tempo todo a ameaçar-me que à mínima coisa me expulsava e conseguiu.
Olberdam, jogador do Marítimo

Analisem o vermelho! No lance anterior ao golo, há falta sobre o Peçanha e o árbitro nada assinalou.
Briguel, jogador do Marítimo


1. Olberdam foi erradamente expulso, deixando o Marítimo a jogar com menos um logo no início da 2ª parte. Isto é um facto e só um cego, um faccioso doentio ou alguém com uma agenda e interesses próprios pode negar aquilo que as imagens demonstram de forma clara.

Eu admito que o árbitro Jorge Sousa possa ter sido induzido em erro pela simulação magistral de Maxi Pereira, mas não compreendo, nem aceito, que três “especialistas” de arbitragem, após terem visto as imagens deste lance N vezes, emitam as seguintes opiniões:

«Olberdam foi imprudente no modo de abordar o lance. Varreu autenticamente Maxi Pereira, justificando a exibição do amarelo, que foi o segundo.»
Jorge Coroado

«Olberdam entra em “tackle” lateral deslizando de forma imprudente sobre Maxi Pereira, sendo desta forma correctamente advertido e expulso.»
Pedro Henriques

«Entendendo o “tackle” imprudente, apesar de alguma dúvida no contacto, que me parece existir, Jorge Sousa não tem outra opção que não seja exibir o segundo cartão amarelo.»
Paulo Paraty

Estes três ex-árbitros internacionais (dois de Lisboa e um do Porto) não são cegos e suponho que também não sejam facciosos doentios. Assim sendo…


2. «A entrada de Cardozo (Benfica) passou despercebida ao árbitro Jorge Sousa, mas deixou o lateral do Marítimo Rúben Ferreira fora de jogo, sendo substituído por Igor Rossi. Agora, as suspeitas do pior cenário confirmaram-se. O departamento clínico maritimista informou que o internacional sub-21 sofreu uma fractura do terceiro metatarso do pé direito, o que vai afastá-lo pelo menos seis semanas

O que disseram os mesmos três “especialistas” de arbitragem sobre este lance (ocorrido aos 66 minutos)?

«O lance foi casual e fortuito, exactamente pelo movimento da rotação de Cardozo. O árbitro nada assinalou, e bem.»
Jorge Coroado

«Rúben lesionou-se na sequência desse lance, mas com acesso à repetição vê-se que Cardozo tocou na bola, não cometendo qualquer infracção.»
Pedro Henriques

«Há um tropeção de Rúben Ferreira, Cardozo procura a mesma bola e a mesma posição. O resto é circunstancial e acidental.»
Paulo Paraty

Lendo o que os membros do ‘Tribunal de O JOGO’ escreveram, a primeira dúvida que tive é se estavam a falar do mesmo lance, tal é a disparidade dos seus comentários.
E acreditando no que estes senhores escreveram, conclui-se que o jogador do Marítimo fracturou o terceiro metatarso do pé direito sem ninguém lhe tocar. Fantástico!


3. Perto do final do jogo (aos 84 minutos), no lance que precede o único golo do desafio e que deu a vitória ao slb, Aimar toca com as mãos na cara de Peçanha e carrega irregularmente o guarda-redes do Marítimo tendo este os dois pés no ar, tudo isto de forma ostensiva, deliberada e intencional.

Conforme as imagens televisivas demonstram, o árbitro Jorge Sousa está de frente para o lance, sem nenhum jogador a cortar-lhe a visão, mas mandou seguir (ele lá saberá porquê).

Neste caso, Jorge Coroado e Pedro Henriques não negaram o que as imagens mostram de forma inequívoca mas, como dizia o poeta benfiquista Manuel Alegre, “há sempre alguém que resiste”… às evidências, acrescento eu.

«Não consigo visualizar, pela televisão, que exista alguma falta sobre Peçanha»
Paulo Paraty

É sempre uma delicia ver o contorcionismo argumentativo nas opiniões deste ex-árbitro do Porto, algo só semelhante à habilidade inata que demonstrava dentro do campo quando era chamado a arbitrar o slb.

Paulo Paraty, o preferido de Luís Filipe Vieira, o árbitro que tantas saudades deixou no estádio da Luz quando atingiu o limite de idade.

17 comentários:

dragãoazul11 disse...

e a cotovelada do emerson (lateral esquerdo do clube do regime)no jogador do marítimo , mas aí as imagens não são claras como não são no estádio do Dragão quando j.garcia agride F.Guarin...Quem controla as imagens dos jogos???

Jorge disse...

As imagens que mostras sao inadequadas para a analise do lance. A unica coisa que se podera concluir e que o Olberdam nao toca no jogador do Benfica, mas isso nao quer dizer que nao mereca o cartao amarelo. Se o jogador entrar de forma perigosa ou tentar atingir o adversario, mesmo que nao o consiga, o lance e merecedor do amarelo. Nao digo que seja o caso neste lance, mas estas imagens nao mostram que nao e.
Quanto ao lance do Cardozo, o facto que salientas e de ter havido contacto e desse contacto ter resultado uma lesao. Isso nao implica sequer que tenha havido falta do Cardozo, quanto mais que o lance seja merecedor de cartao amarelo. Os arbitros devem reagir ao gesto dos jogadores e nao a consequencia. Infelizmente muito arbitros, especialmente os menos experientes ou inteligentes, tendem a actuar em funcao do resultado do lance - a queda, o grito, o som - e nao em funcao da accao, do movimento dos jogadores no lance, e a larga maioria dos espectadores actua da mesma forma.

dragãoazul11 disse...

o olberdam também foi expulso á dois anos no marítimo -clube do regime por joão ferreira, na altura por bocas ... quando as dificuldades apertam alguém ajuda...mas o marítimo não merece outra coisa, é sempre prejudicado com o clube do regime e mesmo assim não aprendem..

O2T disse...

@jorge: teorias e dissertações não escondem o essencial neste caso: é evidente que não há falta (e de amarelo ao MaxiP por simulação passa-se a vermelho para Olbderdram) e é evidente a falta sobre Peçanha. Dúvidas no Cardozo desfeitas com a lesão... Dúvidas sobre se os ex-árbitros estão de má fé ou comentam sem ver. Em qualquer dos casos, muito grave.

Felisberto Costa disse...

De qualquer modo, ao beneficiar o clube do regime, apanhamos por tabela... eh eh eh.
Eu cá não tenho pena nenhuma dos insulares, com um presidente lambe cús dos emplastros lisbonenses!
Cá se fazem, cá se pagam!

dragãoazul11 disse...

http://www.zerozero.pt/video.php?id=13767

também arbitrado por jorge sousa

José Correia disse...

Jorge disse...
Se o jogador entrar de forma perigosa ou tentar atingir o adversario, mesmo que nao o consiga, o lance e merecedor do amarelo.

Se assim é, são incontáveis os amarelos que têm ficado por mostrar aos adversários do FC Porto, tantas foram as entradas semelhantes às que descreves sobre jogadores como Hulk, James, Álvaro Pereira e Moutinho.
E quando acertam, é vermelho directo?

José Correia disse...

Jorge disse...
As imagens que mostras sao inadequadas para a analise do lance. A unica coisa que se podera concluir e que o Olberdam nao toca no jogador do Benfica

Pois, mas o Jorge Coroado concluiu que o jogador do Marítimo "varreu autenticamente Maxi Pereira".
Como é que isso é possível, se nem sequer lhe tocou?

José Correia disse...

Jorge disse...
Quanto ao lance do Cardozo, o facto que salientas é de ter havido contacto e desse contacto ter resultado uma lesao. Isso nao implica sequer que tenha havido falta do Cardozo, quanto mais que o lance seja merecedor de cartao amarelo.

Se o jogador fracturou o terceiro metatarso do pé direito é óbvio que houve contacto (propositado ou involuntário), mas não foi isso que viram estes "especialistas" de arbitragem. Para Pedro Henriques "vê-se que Cardozo tocou na bola", enquanto que para Paulo Paraty "há um tropeção de Rúben Ferreira". É a chamada fractura de pai incógnito...

HULK 11M disse...

Aproximam-se as eleições na poderosa APAF e alguns desses senhores estão a preparar a sua candidatura...
Logo... há que procurar agradar ao "clube do regime"...
Sempre assim foi... e sempre assim será!

Mário Faria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mário Faria disse...

Os árbitros têm um poder enorme. Quase todas as decisões sobre faltas cometidas pelos jogadores contêm um elevadíssimo grau de subjectividade, quanto à natureza da falta e à sua gravidade. E não há recurso.

A mão na bola ou a bola na mão têm produzido as mais dispares decisões, sendo certo que na TV, e em câmara, lenta todos os lances parecem gp. Outro lance de difícil julgamento é a intencionalidade do atraso ao gr.
As decisões são tão mais subjectivas quanto mais duvidosos forem os lances. E não há volta a dar.

Fiquei admirado quando Coroado considerou que o Hulk, em fora de jogo posicional no último confronto com o BM, tinha tido influência na reacção do gr e, por isso, o golo deveria ter sido invalidado. Se fosse(ele) o árbitro provavelmente tê-lo-ia feito : não havia golo e tínhamos que viver com isso.

Ainda que os árbitros sejam competentes, isentos e honestos estão sujeitos aos conceitos próprios, às azias do momento, aos factores externos, ao perfil do jogo e a toda uma sucessão de conflitos que têm de julgar logo e ali e que muitas vezes são completamente imprevisíveis. O treino e estudo dedicado à arte podem melhorar a performance, mas os factos sujeitos a decisão nunca se repetem. Em suma : ser árbitro é difícil, ser um bom árbitro ocorre excepcionalmente.

Quanto aos encartados que habitam a CS sigo a opinião – para a pôr em confronto com a minha – mas não são lei, em função da subjectividade de muitas das apreciações, da amizade ou não com o árbitro ou os dirigentes da arbitragem e por uma maior ou menor simpatia relativamente aos intervenientes (clubes, jogadores, dirigentes) que juram saber superar, mas está lá dentro, exactamente como (eu) tenho quando avalio os lances em que participa o FCP.

Jorge disse...

Jose Correia:

Concordo totalmente com o teu primeiro comentario. Uma falta propositada ou mesmo a tentativa de falta deveria ser considerada conducta anti-desportiva e dar direito a cartao amarelo.
Mas dos ultimos jogos que vi os lances com que fico verdadeiramente danado sao as "obstrucoes" sistematicas ao Hulk, a ultima foi tao clara e intencional que nao so deveria ter sido marcada falta como deveria ter sido mostrado o amarelo. Mas tambem nao me parece que seja so o Hulk a sofrer esse tipo de faltas sistematicamente, mesmo na champions league se ve isso. E um problema de mas arbitragens em geral, como e o e das bola na mao resultarem aleatoriamente em faltas.
Nao vi o lance do Cardozo (nao vejo jogos do Benfica) por isso nao posso comentar.
Vi o lance do Aimar num resumo e nao me pareceu evidente que tivesse havido falta.

Luís Negroni disse...

O Marítimo foi roubado (a palavra certa é essa, digam o Jorge o Manel ou o Chico as balelas que quiserem), queixou-se duramente, e agora vai ser o Porto a pagar a factura do slb, porque é essa a tendência normal: Uma equipa que foi ostensivamente prejudicada e que não se calou, é beneficiada na jornada seguinte, por compensação (excepto o Porto, que é um caso à parte para os árbitros tugas).

Se a equipa da jornada seguinte ao roubo for o Porto, melhor, um qualquer árbitro vermelho junta o útil ao agradável. Ter um calendário em que apanhamos com as vítimas dos roubos do slb, logo a seguir, dá nisto. Até parece premeditado (e se calhar é, ele há bolas frias e equivalentes informáticos).

Escusado será dizer, portanto, que se o jogo já era bastante difícil, agora, na ressaca do ocorrido na Madeira, mais difícil será. A concentração, a determinação e o empenho dos jogadores do Porto, vão ter que estar no máximo, desde o apito inicial até ao apito final do árbitro.

E convém que o público do Dragão seja inteligente e ajude (os jogadores do Porto, não o árbitro vermelho).

reine margot disse...

Claro que os árbitros são humanos e capazes de erros enormes. Em Portugal, sobretudo, acho que são maus, mal preparados. Não vejo que haja muitas horas de formação e reciclagem. Não vejo que participem constantemente em trocas com árbitros de outros campeonatos. (Podia haver um Erasmus para árbitros)
O Jorge Coroado era um bom árbitro, mas tem um feitio dificílimo. Quando implica com um jogador ou um clube persegue-o sempre. "Se não foste castigado antes, deves ser agora." Ainda me lembro, sempre que comentava jogos em que o Quaresma jogava, qualquer falta do Quaresma tinha de ser cartão vermelho... enfim.
Quanto aos comentários na tv ou jornais, acho que só deveriam fazer comentários a lances de jogos que tivessem visto na íntegra, e com as imagens de repetição escolhidas por eles.
Todo o resto é mais do mesmo. A edição faz a notícia.

Miguel Pereira disse...

City, bem, o discurso do VP pode começar a mudar outra vez!

Luís Negroni disse...

Reine margot disse...
"Claro que os árbitros são humanos e capazes de erros enormes. Em Portugal, sobretudo, acho que são maus, mal preparados"
"O Jorge Coroado era um bom árbitro, mas tem um feitio dificílimo. Quando implica com um jogador ou um clube persegue-o sempre"

Os árbitros portugueses erram a favor de quem lhes convém e contra quem lhes convém, por clubismo, cobardia e/ou carreirismo. São deliberadamente maus, por conveniência, até porque muitas vezes (quase sempre), ser mau, dá (muito) melhores críticas e notas que ser bom. Inocentes, são as criancinhas e os anjinhos.

Um árbitro "persegue" jogadores e clubes e ao mesmo tempo é um bom árbitro? Como é que é, terei lido bem? Jorge Coroado só era um bom árbitro a roubar o Porto e a levar ao colo o slb. Lembro-me, sem forçar nada a memória, de arbitragens dele em jogos do Porto contra o Desp. Chaves, o Estrela Amadora, o slb e o Belenenses. Jogadores do Porto expulsos por nada ou dá cá aquela palha (Aloísio, Peixe), jogadores adversários que ficaram por expulsar (Harkness, Ronaldo, Fernando Mendes), penalti por mergulho (Poborsky), golo limpo anulado (Drulovic), golo em fora de jogo validado (Gaúcho), é do que me lembro e não é pouco.

Muitos erros, e todos contra o Porto. Não era por acaso que o Porto fazia quase sempre maus resultados com o sr. Coroado, um árbitro péssimo, esquizofrénico e que não diz nem nunca disse coisa com coisa. Um grande vómito em figura de gente, é o que ele era e é.